Razões porque eu não sou esquerdista


Por Renato Vargens


Em vista a afirmação de alguns pastores que se assumiram esquerdistas, ofereço as minhas razões porque eu não posso ser progressista: 

1-) Porque não creio e nem defendo um Estado que interfere na vida comum e privada do cidadão. Na minha opinião o Estado deve ser mínimo evitando assim o domínio exagerado por parte dos governantes sobre a vida e família dos contribuintes. Ademais, acredito que o Estado jamais deva interferir na soberania das esferas individuais, familiares e corporativas, visto que a autoridade de cada esfera descende igualmente de Deus.

2-) Porque não defendo e nem tampouco comungo dos conceitos marxistas e comunistas que ensinam e incentivam a luta de classes afirmando assim que ela é indispensável àqueles que desejam uma nação justa. 

3-) Porque eu sou contra as políticas públicas que incentivam o aborto, a ideologia de gênero, a desconstrução dos valores judaicos-cristãos relacionados a família, o feminismo, descriminalização das drogas, o incentivo a sexualidade precoce em crianças e adolescentes, bem como a intervenção estatal na educação de nossas crianças.

4-) Porque as politicas de esquerda nivelam o povo por baixo, empobrecendo-o cada vez mais, deixando-os sem voz e sem opção de progresso e crescimento. 

5-) Porque creio numa economia liberal que por si só, promove emprego, geração de renda, saída da pobreza através do trabalho, proporcionando assim dignidade ao trabalhador. 

Renato Vargens

1 comentários:

Prezado Pastor,

Acabei de ler agora o seu artigo, e entendo e partilho algumas das suas razões, embora eu não me defina como sendo de esquerda (ou direita) entendo que há ideias aproveitáveis tanto num lado como noutro, e acho que a virtude está ao centro. Como cristão sou conservador nos costumes, no entanto na economia, entendo que o estado deve intervir e regular, e participar em setores críticos e importantes para a sociedade, naturalmente não sou contra o capital, mas este precisa de regras, coisa que a direita tem dificuldade em entender.

Enquanto aos pontos 4-) e 5-), sou Português, e embora não seja a melhor altura para o dizer, tenho admiração pela social-democracia europeia e o seu estado social (está a ver o centro-esquerda). Por fim, acho que uma economia totalmente liberal, dependendo do contexto, pode ser muito negativa tanto para consumidores como para trabalhadores.

Com respeito e admiração,
Carlos Gouveia

PS: Tive muito gosto em ouvi-lo na PIB de Campina Grande em 2014.

5 de outubro de 2016 16:16 comment-delete