Por Renato Vargens

O ministério pastoral não é nada fácil. Cotidianamente os pastores lidam com situações extremamente complicadas onde dor, angústia e ansiedade se fazem presentes. Sem sombra de dúvidas os Ministros do Evangelho  ao conduzirem o rebanho de Cristo desenvolvem um árduo e penoso trabalho. Se não bastasse isso, eles necessitam esmerar-se no estudo da Bíblia, dedicar-se com afinco a oração e piedade, aconselhar os tropegos, admoestar os insubmissos, além de treinar e fazer discipulos ensinando-as a guardar no coração a sã doutrina.
O pior disso tudo, é que parte da igreja não reconhece o valor do pastor. Na verdade alguns irmãos  não tratam de seus pastores como deveriam. Infelizmente conheço inúmeros casos de pastores marcados por igrejas intransigentes, que exigem de seus líderes atitudes sobre-humanas, levando-os a exaustão espiritual. Para piorar a situação muitos membros de igrejas locais desdenham dos ensinamentos de seus líderes, porporcionando com isso o entristecimento daquele que diante de Deus tem a responsabilidade de conduzir o rebanho.

Isto posto, gostaria de elencar sete atitudes de membros de igrejas que geralmente entristecem um pastor:

1-) Ouvir a exposição das Escrituras e não valorizá-la.
2-) Preferir dar ouvidos a falsos mestres com falsas doutrinas às verdades contidas nas Escrituras.
3-) Amar o mundo e as coisas que existem no mundo mais que a Deus.
4-) Promover contenda entre os irmãos.
5-) Desrespeitar sua esposa e filhos.
6-) Faltar os cultos e as reuniões de oração oferecendo pela ausência as mais esfarrapadas desculpas.
7-) Relativizar o pecado.

Pense nisso!

Renato Vargens


Por Renato Vargens

No dia 12 de março passado, a Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República publicou a Resolução no.12/2015, que autoriza estudantes, de qualquer idade, a usar nome social e frequentar banheiros e vestiário conforme sua orientação sexual. (assista o vídeo abaixo)

O documento garante que as instituições e toda rede de ensino, particular e pública, “em todos os níveis e modalidades“, reconheçam e adotem o “nome social” daquelas pessoas cuja identidade civil não corresponda a sua opção sexual. Conforme orientado, basta que o estudante se apresente como homossexual e que reivindique o nome social por escrito. A resolução orienta ainda que as escolas assegurem o acesso à vestiários, banheiros e todas as áreas segregadas por gênero, quando houver, conforme também a opção sexual.

Vários parlamentares têm manifestado indignação em relação à medida. Principalmente, em função do artigo 8º da Resolução, o qual retira dos pais e responsáveis o direito de acompanhar a conduta dos estudantes adolescentes nas escolas. A deputada distrital Sandra Faraj organiza, em Brasília, abaixo assinado pedindo a presidente Dilma Rousseff a revogação da medida. 

Pois é, diante tamanha aberração, resta-me manifestar minha indignação com essa resolução. Confesso que  esse governo me enoja. Sinceramente propostas como essa são absurdas. Ora, aonde já se viu permitir que meninos e meninas escolham os banheiros que desejam usar segundo suas vontades particulares? Aonde já se viu determinar que crianças possam escolher os banheiros que frequentarão sem a devida autorização dos pais?

Prezado amigo, essa medida afronta a família, bom senso, a dignidade e a moralidade.

Que Deus tenha misericórdia do Brasil.

Renato Vargens


Por Renato Vargens

Ouvir uma boa música faz um bem enorme pra alma. Ouvir música de qualidade, com boa teologia e que glorifique a Deus mais ainda. Gerson Borges é um desses compositores inspirados por Deus que vale a pena ouvir.  A música abaixo é de uma beleza sem tamanho e confesso que é impossível ouvi-la uma só vez. Essa versão foi cantada por Paulo César Baruk.

Recomendo a todos,

Renato Vargens