O denominado ministério de louvor, em muitas igrejas, tem contribuído de forma significativa com a propagação de conceitos distorcidos e até mesmo em alguns casos, com heresias das mais estapafúrdias possíveis. Isto posto, visando ajudar pastores, líderes e músicos cristãos a desenvolverem um ministério de louvor que glorifique a Deus, resolvi elencar sete características de um ministério de louvor equivocado.

São elas:

1-) Fundamentar suas canções em sentimentos e não na inerrante Palavra de Deus.

2-) Cantar aquilo que o povo quer ouvir, e não necessariamente aquilo que precisa ouvir. Em outras palavras isso significa "bajular a alma" em detrimento às verdades contidas nas Escrituras.

3-) Entoar canções extremamente antropocêntricas, cujo objetivo final é a satisfação do "freguês" e não a glória de Deus.

4-) Deixar de cantar as "Escrituras" preferindo entoar louvores a "si mesmo". Os que agem assim, valorizam o homem, engrandecendo-o, colocando-o no centro, a mercê de um deus galardoador cuja existência se deve exclusivamente para abençoar a criatura. 

5-) Entoar canções cujo fundamento encontra-se na psicologia, psicanálise e "autoajuda".

6-) Transformar o momento de louvor com música num grande show de entretenimento e satisfação pessoal.

7-) Fazer com que o povo de Deus acredite que o momento de louvor com música pode substituir a pregação e exposição das Escrituras, tirando do centro do culto a proclamação do evangelho, bem como a pregação das verdades inquestionáveis da Bíblia.

Pense nisso!

Renato Vargens



Por Renato Vargens

Num tempo de muitas distorções teológicas e heresias sendo disseminadas no Brasil, mais do que nunca precisamos de bons seminários.  Na verdade, penso que um dos mais graves problemas da igreja evangélica brasileira tem sido o ensino teológico. Lamentavelmente não são poucos os seminários que maculados pelo liberalismo teológico ou pelas doutrinas neopentecostais tem contribuído para o adoecimento da igreja em nossa nação. 

Visando contribuir com aqueles que procuram bons seminários para estudar, uso deste post para indicar dois excelentes seminários e um centro de pós-graduação em teologia, cuja qualidade é inquestionável.



O Seminário Martin Bucer almeja ser fiel às Escrituras, em diálogo com a tradição evangélica e baseado na fé reformada. Nosso currículo é centralizado na Bíblia e em sua exposição. A ênfase do ensino é levar o aluno a um relacionamento mais profundo com Cristo, tendo sua vida transformada por ele. Combinamos o ensino teológico com discipulado e prática ministerial. Ao longo dos seis semestres de aulas, o aluno se desenvolve nas três áreas fundamentais de um ministro cristão – santidade, conhecimento doutrinal e prática ministerial.  Para outras informações clique (aqui)



A Escola Teológica Charles Spurgeon tem um currículo com densidade bíblica, ênfase na compreensão plena do Evangelho e na vida piedosa, porque o seu compromisso é construir nos seus alunos: Competência teológica , retidão de caráter e vida devocional estruturada, tendo em vista a proclamação do grande Evangelho de Cristo e a prática de uma vida santa para a glória de Deus.  Para outras informações clique (aqui)

ESPÍRITO CONHECIMENTO E DE TEMOR…

Este é o lema do CPAJ, extraído de Isaías 11:2. É ele que aparece na língua hebraica no selo do CPAJ. Os professores do CPAJ anseiam por transmitir aos seus alunos esse espírito, mas compreendem que só o farão se também forem imbuídos deste, que é o Espírito de Cristo.  Para outras informações clique (aqui)

Processo seletivo 2017 ABERTO. (aqui)

Recomendo!

Renato Vargens

Quem canta os males espanta, já diz o adágio popular, contudo, a denominada música gospel, que tem sido entoada nos rincões evangélicos Brasil à fora, não tem espantado os "males que nos cerceiam", antes pelo contrário, ela tem contribuído e muito para a disseminação de falsas doutrinas entre os evangélicos.

Diante do exposto, resolvi escrever um pequeno post elencando sete razões porque a chamada música gospel não tem conseguido contribuir para a edificação da igreja brasileira.

1-) Ela é de cunho antropocêntrico.
2-) Ela é desprovida de boa teologia.
3-) Ela promove as espúrias doutrinas da prosperidade confissão positiva e autoajuda.
4-) Ela não visa a glória de Deus.
5-) Ela omite em suas letras doutrinas fundamentais a soteriologia.
6-) Ela é personalista, visto que o foco encontra-se no artista, no ministro e não no Senhor.
7-) Ela é sincrética, mística e confusa em seus basilares, estando fundamentada em interpretações equivocadas  por parte de seus compositores e não efetivamente nas Escrituras.

Pense nisso!

Renato Vargens