Por Renato Vargens

Eu nasci em Niterói. Moro na cidade Sorriso desde então. Conheço cada canto dessa município e me surpreendo com aquilo que ela se transformou.

Quando criança, andava seguramente nas ruas, jogava bola com os amigos tranquilamente nas areias da Praia de Icaraí, caminhava pelo centro da cidade sem medo de ser assaltado, ia a padaria, ao mercado, e ao comércio em geral sem nenhuma preocupação mais séria. Lembro que desde os 10 anos de idade andava de ônibus sozinho sem  medo de sequestros, pedófilos ou  homens do mal. 

Quando adolescente , eu e os meus amigos sentávamos a porta de nossas residências e ficávamos horas a fio brincando, rindo e festejando a vida sem preocupações com a violência.

Hoje a coisa mudou. A pacata Niterói deu lugar a uma cidade violenta, repleta de homens maus e inescrupulosos. Hoje a população tem medo de sair as ruas, o número de assaltos, latrocínios, roubos a carros e homícidios aumentaram siginificativamente

Pois é, a cidade, outrora "sorriso", para nossa tristeza transformou-se na cidade do purgatório, da desordem e do caos.

Deus tenha misericórdia de nós,

Renato Vargens

Por Renato Vargens

O jornal O Globo, publicou em 10 de março deste ano que a violência em Niterói sobe mais que em todo estado do Rio de Janeiro, incluindo a capital. Veja abaixo os números da violência no munícipio:  

A violência teve alta vertiginosa em Niterói no ano passado. De acordo com dados do Instituto de Segurança Pública, em comparação com 2012, o número de homicídios dolosos (praticados com intenção de matar) na cidade aumentou 48% — saltou de 75 registros em 2012 para 111. O crescimento ficou muito acima das estatísticas do estado e do município do Rio, onde houve um aumento desse tipo de crime de 16,7% e 9,7%, respectivamente, após três anos seguidos de queda. 

Em Niterói, um crime que pesou nas estatísticas e que acabou por derrubar as metas da Secretaria estadual de Segurança foi o roubo de veículo, que subiu 64%: aconteceram 866 casos em 2012 e 1.424 no ano passado. Em dezembro, o limite considerado aceitável pelo governo para esse tipo de crime na cidade era de 75 registros, mas acabaram sendo feitos 119 naquele mês. 

Na área da 79ª DP (Jurujuba), o índice de roubo de veículo teve a maior alta em um ano: 103%. Subiu de 98 ocorrências em 2012 para 198 em 2013. Esse tipo de crime também aumentou nas áreas da 78ªDP (Fonseca), 79%; 77ª DP (Icaraí), 72%; e 76ª DP (Centro), 60%. 

Número maior de assaltos 

Os números do ISP revelam ainda alta nas estatísticas de assaltos em estabelecimentos comerciais (41%) e ônibus (29%), roubos de celulares (71%) e pedestres (22%). Houve aumento ainda dos casos de sequestro relâmpago, que quintuplicaram, subindo de três ocorrências em 2012 para 15 registros no ano passado.


Triste constatação: 


Caro leitor, a escalada da violência em Niterói é comprovada pelos números e tira o sossego de moradores. No Fonseca, Zona Norte da cidade, impressiona a quantidade de registros de roubos de carros e em ônibus; em Icaraí, bairro nobre da Zona Sul, pedestres são alvos preferenciais dos criminosos; já a Região Oceânica sofre com os constantes assaltos à residência. 

Nesse final de semana estava em Vila Velha, Espírito Santo pregando o Evangelho e acompanhei estarrecido o caos que se instalou a nossa cidade. A Violência em bairros como Caramujo, Ititioca, Fonseca e Icaraí me trouxe a impressão que voltamos aos tempos do velho oeste. 

Para piorar a situação desde a ocupação do Complexo da Maré, os bandidos residentes do Rio de Janeiro, abarcaram em Niterói. Se não bastasse isso, arrastões se multiplicaram a olhos vistos, isso sem falar na quantidade de latrocínios cometidos nos últimos dias. 

À luz destas afirmações sou obrigado a confessar que andar pelas ruas da cidade sorriso me causa medo! 

Isto, posto, afirmo sem titubeios que o governo do Estado precisa intervir URGENTEMENTE  nessa situação aumentando o policiamento ostensivo, além é claro, de aumentar o efetivo de policiais  no décimo segundo batalhão de Polícia Militar.  

Confesso que estou preocupado com nossa cidade, bem como com a segurança dos nossos munícipes.  

Quanto a nós, Filhos de Deus, resta-nos intereceder ao ETERNO, rogando àquele que tudo pode que por misericórdia faça novamente a "cidade sorriso" sorrir. 

Que Deus nos livre de todo mal.

Renato Vargens 

A Editora Fiel acabou de lançar mais uma obra do autor Franklin Ferreira. 

O livro ‘Servos de Deus é um rico estudo da espiritualidade cristã, feito a partir da biografia de trinta e dois importantes personagens da história da igreja, cujas vidas serviram e servem de edificação, desafio, correção, conforto e estímulo para a peregrinação do cristão hoje. 

Na minha opinião, Franklin  pode ser considerado um dos melhores escritores do Brasil. Seus livros além de ricos e profundos, estão encharcados de vida e piedade. 

Louvo a Deus pela vida de Franklin que com profundidade, graça e sabedoria, brinda a igreja brasileira com mais um excelente livro. 

Veja abaixo um vídeo em que o autor fala da sua obra!

Recomendo a todos!

Renato Vargens


Por Renato Vargens

Estou convicto que algumas igrejas denominadas cristãs pregam e servem um  deus diferente do revelado pelas Escrituras, isso porque, as mensagens anunciadas em seus púlpitos estão recheadas de conceitos cujo fundamento não encontram base na Palavra de Deus, senão vejamos:

1-) Algumas Igrejas tem pregado um cristianismo sem Cristo. 

Há pouco soube de um rapaz, membro uma conhecida igreja, que ao ouvir o evangelho disse para o pregador: "Muito obrigado! Há muito tempo que nós não ouvíamos de Cristo aqui em nossa Igreja." Pois é, para nossa tristeza, inúmeros pastores sobem dominicalmente aos pulpitos de suas comunidadades e pregam mensagens cujo foco não é Cristo.

2-) Algumas igrejas tem pregado um cristianismo utilitário.

Infelizmente um número significativo de pregadores pregam uma fé desprovida de Cristo e do evangelho. Nessa perspectiva, o que vale é o anuncio de um deus bonachão cuja missão é fazer o homem feliz.

3-) Algumas igrejas tem pregado um cristianismo antropocêntrico.

Nessa perspectiva tornou-se comum encontrarmos comunidades cujo foco não é glória de Deus, mas sim a satisfação humana.

4-) Algumas igrejas tem pregado uma fé semipelagiana.

O Semipelagianismo essencialmente ensina que a humanidade é manchada pelo pecado e que podermos cooperar com a graça de Deus com os nossos próprios esforços. Essa crença pode ser denominada por alguns de depravação parcial.  Caro leitor, Rm 3:10-18  não descreve a humanidade como sendo apenas parcialmente manchada pelo pecado, antes pelo contrário, as Escrituras  ensinam que o homem está perdido e morto em seus delitos e pecados e que somente por Cristo  pode se aproximar do Criador, "Ninguém pode vir a mim, se o Pai que me enviou o não trouxer; e eu o ressuscitarei no último dia" (João 6:44). Isto posto, acredito que o Semipelagianismo seja antibíblico e portanto deve ser rejeitado.

5-) Algumas igrejas tem pregado um cristianismo superficial desprovido de verdades bíblicas como pecado, condenação e inferno.

A superficialidade dos púlpitos tupiniquins em muito me impressiona. Na verdade em nome de uma graça barata, boa parte dos pastores deixaram de pregar todo conselho de Deus, abandonando na esquina do esquecimento doutrinas relacionadas ao pecado, salvação e punição eterna para aqueles que não tiverem as suas iniquidades perdoadas por Cristo.

Pense nisso!

Renato Vargens