Por Renato Vargens

Abaixo você poderá assistir minha pregação neste domingo, 14/09 na Igreja Cristã da Aliança de Pendotiba. Na ocasião fiz a exposição das "Bem-aventuranças"  no Evangelho de Mateus 5: 1-12.

Que o Senhor possa lhe abençoar ricamente,

Renato Vargens


Chegamos a mais uma contagem regressiva, faltam exatos 150 dias para a abertura do 17º Encontro para a Consciência Cristã! Desta vez, contamos com o convite de Renato Vargens para que você participe conosco da 17 ª Consciência Cristã. O evento é sediado em Campina Grande – Paraíba no Parque do Povo e acontecerá de 12 a 17 de fevereiro de 2015.

O Pastor Renato Vargens é um dos nomes mais conhecidos que fazem parte da Consciência Cristã. Ele já participou em edições anteriores em vários eventos paralelos e plenárias, ministrando pregações em várias áreas, como: família, missões, apologética, soberania e Graça de Deus.

Renato Vargens é Pastor e conferencista, e já pregou o Evangelho em países da América do Sul, Norte, Caribe, África e Europa. É plantador de Igrejas e escritor com 21 livros publicados em língua portuguesa e 1 em língua espanhola, sendo seis pela Visão Cristocêntrica Publicações. É também diretor da Scrittura Produções, colunista e articulista de revistas, jornais e diversos sites protestantes e Pastor presidente da Igreja Cristã da Aliança em Niterói.

Dono de uma forte opinião embasada nas Sagradas Escrituras, ele escreve diariamente em seu blog (http://www.renatovargens.com.br) textos que desafiam o leitor a repensar: a vida cristã, o movimento gospel, e a realidade das igrejas brasileiras. Ele também é considerado um dos maiores blogueiros atuais da fé cristã no Brasil.

Além de Renato Vargens, teremos mais 25 preletores, como: Josh McDowell, renomado apologista americano; Justin Peters; Paulo Junior, conhecido por seu trabalho no portal “Defesa do Evangelho” e líder da Igreja Aliança do Calvário; Simone Quaresma, colunista do portal “Mulheres Piedosas”; Elias Medeiros, teólogo e chefe do departamento de Estudos Interculturais do Reformed Theological Seminary, nos Estados Unidos; Paulo Cezar, líder do Grupo Logos; Renato Vargens, Fabio Veodato, Aurivan Marinho, José Bernardo, além da participação especial do Grupo Logos. Confira a programação completa AQUI!

Para 2015, a 17ª Consciência Cristã também terá a 3ª Feira do Livro da Consciência Cristã, a FELICC, que mais uma vez contará com algumas das maiores editoras evangélicas do país; e o Restaurante Maná, que será montado, pelo segundo ano seguido, na parte inferior do Parque do Povo.

Marque na sua agenda os dias 12 a 17 de fevereiro, se programe, faça sua inscrição (saiba mais aqui), monte sua caravana (saiba mais aqui) e venha participar conosco da 17ª Consciência Cristã. O Evento acontece em Campina Grande - Paraíba e a sua participação é totalmente gratuita.


Por Renato Vargens

Na semana que passou em assisti nas redes sociais  alguns videos que me deixaram estarrecido. Assisti um rapaz matando um jovem por asfixia, outro dando uma surra de pau num homem que acredito também veio a falecer, meninas dançando funk com todo tipo de erotismo, um adolescente afrontando a polícia com arma em punho e muito mais.

Pois é, diante tanta maldade, cheguei a conclusão que as Redes Sociais estão servindo para "sociabilizar" o pecado, mostrando pra todo país que o mundo jaz no maligno. Além disso, para nossa vergonha e preocupação, a proliferação e "curtição" de muitos destes vídeos apontam para o fato inequivoco de que parte dos internautas estão gostando daquilo que veem.

Caro leitor, ao testemunhar no Facebook fatos como esses torna-se impossível não pensar no Império Romano e nos seu circo de horrores. No tempo dos imperadores multidões ávidas por sangue, dor e sofrimento se reuniam em arenas para assistirem feras destroçando pessoas indefesas. Se não bastasse isso, os gladiadores levavam o público ao êxtase ao derramar o sangue de seus oponentes demonstrando assim que a vida humana não valia absolutamente nada.

Prezado amigo, diante tanta perversidade o o que mais me choca é ver  "cristãos" se "divertindo" com a barbárie curtindo e compartilhando vídeos de tamanha brutalidade.

Diante do exposto preciso confessar que tenho pensado seriamente em rever meus conceitos e a minha permanência no Facebook. Lamentavelmente o que deveria servir como instrumento de relacionamentos sociais saudáveis transformou-se numa propagadora de violência, caos e pecado. Além disso, penso também que quando uma REDE SOCIAL deixa de promover encontros passando a promover desencontros, males e dores, torna-se dispensável.

É o que penso, é o que digo!

Renato Vargens

Por Renato Vargens

Nos dias 17 e 18 de outubro, acontecerá em Granada, Espanha a 2ª  Conferência Teológica promovida pela Escola Teológica de Granada.  

A primeira edição do evento aconteceu no ano passado com um público aproximado de 90 pessoas. Ora, você há de convir que para Europa, e especificamente a Espanha o público foi excepcional, não é verdade?

Caro leitor, a ETG tem desenvolvido um trabalho belissimo em terras espanholas treinando líderes, capacitando pastores e enviando irmãos para plantarem igrejas em todo território espanhol.

Eu já estive na Espanha duas vezes e posso afirmar que o coração do cidadão espanhol é um campo fértil para semeadura do Evangelho da Salvação Eterna. Isto posto, diante do enorme desafio de anunciar Cristo gostaria de rogar aos irmãos que estivessem orando para  que os preletores do Congresso sejam usados poderosamente para glória de Deus.

O tema deste ano será: "O Evangelho, nossa visão e missão."  e a proposta é capacitar pastores, líderes e seminaristas com as ferramentas necessárias para proclamar a maravilhosa mensagem da cruz.

Para maiores informações você poderá acessar o site da ETG (aqui). Se desejar poderá também falar com o pastor João Cardoso (aqui) que com dedicação, capacidade e amor ao Reino, tem desenvolvido um grande trabalho nesse país. 

Talvez você conheça na Espanha ou Europa, pastores que estejam precisando de um congresso deste tipo, peço portanto, que envie esse cartaz, aos seus amigos. 

Veja abaixo o cartaz virtual do evento:



Por Renato Vargens

Por esses dias eu estive pensando na grande quantidade de pastores que foram feridos na batalha. 

Na verdade, um número considerável de ministros do evangelho, abandonam o ministério pastoral, devido as lutas, pecados, fracassos e dificuldades das mais variadas possíveis. Seria irresponsável da minha parte culpar a igreja por todos aqueles que se arrebentaram no ministério, todavia, estou convicto que muitos pastores adoeceram emocionalmente devido a dureza de suas igrejas. 

Lamentavelmente algumas igrejas tratam os seus pastores como empregados, em alguns casos, como escravos, não valorizando suas famílias, nem tampouco respeitando suas lutas e necessidades pessoais. Para piorar a situação, os membros de nossas comunidades locais exigem de seus pastores atitudes de perfeição não permitindo que estes manifestem suas dores angustias e limitações. Junta-se a isso o fato de que uma grande quantidade de pastores tem sido vitimados pela depressão, o que torna as suas vidas e de suas familias um verdadeiro inferno existencial. 

O meu amigo Juan de Paula escreveu nessa manhã um texto extremamente interessante o qual reproduzo abaixo:

"Na guerra, quando um militar é atingido, ele deve ser carregado pelos amigos e irmãos de farda e não considerado peso morto no cumprimento da missão.Na batalha espiritual travada na peregrinação cristã, o pastor ferido não deve ser considerado PESO MORTO pelos seus colegas de ministério mas carregado nos ombros pelos seus irmãos na fé que também são homens de Deus."

Caro leitor, perfeito não é verdade?  Por acaso que você já se deu conta que a Igreja é implacável? Já percebeu que ela exige de seus "heróis" perfeição ILIMITADA?  Pois é, o pastor enquanto está na ativa, servindo, cuidando, pastoreando ele é perfeito e amado, todavia, se cai doente, vive lutas na família ou comete o desatino de pecar, este está perdido não é mesmo?

Prezado amigo, tomo emprestado as palavras do pastor Juan que nos exorta a não considerarmos os pastores que se feriram na batalha como peso morto, antes pelo contrário, os coloquemos em nossos ombros, ajudando-os a caminhar, bem como enfrentar as batalhas da vida.

Agindo assim, tenho certeza, glorificaremos a Cristo nosso Senhor.

Pense nisso!

Renato Vargens

Por Renato Vargens

O portal GOSPEL MAIS publicou (aqui)  o mais novo desafio das redes sociais.  Depois do desafio do balde de gelo, as redes sociais deu inicio a uma nova moda, agora entre os adolescentes  que é desafiarem uns aos outros a amaldiçoarem  Deus.  

A “brincadeira” iniciada por jovens ateus é chamada de “The Blasphemy Challenge” , e tem se espalhado entre adolescentes norte-americanos. 

A ideia basicamente é desafiar outras pessoas a publicar um vídeo amaldiçoando a Deus ou renunciando à obra do Espírito Santo em sua vida. Entre os mais ousados, há afirmações de que se a pessoa assumir as consequências dessa fala, incluindo a perda da Salvação, descobrirá na verdade que Deus não existe. 

Entre os críticos da brincadeira, a jovem Perri Frost, 17 anos, foi ouvida pelo Charisma News e destacou que enxerga uma contradição no desafio da blasfêmia: “Alguns dos adolescentes que parecem mais hostis para com Deus são os mesmos que enfatizam que eles são pensadores racionais. Parece estranho querer insultar alguém que supostamente não está lá”, argumentou. 

Os idealizadores do desafio da blasfêmia não negam que seu propósito é promover o ateísmo entre adolescentes cristãos. “É uma forma de expor o barro que é a doutrina cristã”, disse um dos principais divulgadores da “brincadeira” numa entrevista à Fox News.  

A ideia surgiu a partir da leitura de Marcos 03:29, em que Jesus diz que “quem blasfemar contra o Espírito Santo nunca terá perdão: é culpado de pecado eterno”. A partir disso, os ativistas ateus querem divulgar o conceito de que se Deus é “incapaz” de perdoar um pecado específico, talvez Ele não perdoe nenhum pecado, ou não exista. 

Com esses argumentos, os ativistas ateus desenvolveram o desafio da blasfêmia a fim de levar desprezo e descrédito à fé cristã e os relatos bíblicos. 

Nota do BLOG: 

Tenho certeza de que boa parte dos adolescentes aderiram ao "desafio da blasfêmia" sem saber o que fizeram. Além disso, para alguns destes meninos e meninas a "blasfêmia" funciona  mais  como um protesto do que uma convicção religiosa, portanto não acredito que a maioria destes tenha blasfemado contra o Espírito Santo.

Ok, tudo bem, talvez você esteja dizendo consigo mesmo, mas, à luz das Escrituras o que é blasfemar contra o Espírito Santo? 

Blasfêmia é um pecado que só pode ser feito com palavras, isto é, blasfemar contra o Espírito Santo não é cometer um pecado como por exemplo assassinato, adultério ou coisas do tipo. A Blasfêmia relaciona-se a aquilo que falamos, portanto, o que blasfema contra o Espírito Santo, o faz através de expressões verbais. Ora, os fariseus e saduceus eram os que constantemente se mostravam hostis contrapondo-se ao ensinamento de Jesus. Constantemente eles planejaram matar Jesus e estavam sempre o atacando e o acusando de pecados distintos. Certa feita, eles disseram que o Senhor expulsava Satanás pelo poder de Satanás. Ao ouvir isso, nosso Redentor os repreendeu dizendo: “Parem, vocês foram longe demais! A acusação de vocês extrapolou os limites" (paráfrase minha). Diante tamanha sandice Cristo afirmou que qualquer pecado contra o Filho do Homem pode ser perdoado, mas se você blasfemar contra o Espírito Santo (atribuindo a ação do Espírito de Deus  a Satanás, ou igualando-as), você está perdido. 

Isto posto e esclarecido, deixe-me responder a uma pergunta que geralmente alguns fazem devido ao medo que possuem que em algum momento da vida tenham blasfemado contra o Espírito Santo. 

Não. Você não corre o risco de ser condenado, mesmo porque, se você tem a preocupação de ter ofendido o Espirito Santo, isso significa, que você não cometeu tal pecado.  Na minha perspectiva  aquele que possui sinais de arrependimento de seus pecados em seu coração, crendo em Jesus Cristo como seu único e suficiente Salvador,  não pode ter cometido o pecado imperdoável, até porque,  arrependimento, contrição e confissão são sinais claros de que a pessoa não cometeu esse pecado. 

Renato Vargens




“A questão do apostolado é da maior urgência. Vemos o grande crescimento do número de líderes no meio protestante evangélico que se apresentam como apóstolos de Jesus Cristo, reivindicando autoridade e poder apostólicos. Todavia, é minha firme convicção de que não existem mais apóstolos como os doze apóstolos de Jesus Cristo e o apóstolo Paulo! 

O estudo que ofereço neste livro, tem como alvo contribuir para o surgimento de uma liderança sadia e bíblica na igreja evangélica brasileira, que seja de acordo com os moldes da Palavra de Deus, composta de homens desejosos de honrar a Deus e pregar o verdadeiro Evangelho de Cristo para a salvação de pecadores e edificação do seu povo, sem mutilar os ofícios bíblicos de liderança e, como se vê em alguns casos, torná-los meio de promoção pessoal e lucro”. 

RECOMENDAÇÕES 

Veja quem recomenda este livro: 

 Em certo nível, este livro sobre apóstolos de Augustus Nicodemus cobre um assunto que já tem sido trabalhado no passado e apresenta um ensino que, infelizmente, tem sido esquecido. Temos aqui uma pesquisa competente que nos lembra o que é, o que diz e o que faz o apóstolo do Novo Testamento; por que eram doze? Onde o apostolado de Paulo se encaixa nessa equação? Em um outro nível, este livro de modo inteligente oferece uma reveladora perspectiva de movimentos contemporâneos que promovem os “apóstolos modernos” não só no Brasil, mas também em movimentos análogos em outras partes do mundo. Espero que este livro seja amplamente lido!  

D. A. Carson – Professor Pesquisador de Novo Testamento do Trinity Evangelical Divinity School; cofundador do Ministério The Gospel Coalition, Deerfield, Ilinóis, EUA. 

Depois de oferecer à igreja evangélica brasileira obras que se tornaram referências, como O que você precisa saber sobre batalha espiritual e A Bíblia e seus intérpretes, Augustus Nicodemus Lopes nos oferece mais um importante livro, no qual, firmado nas Escrituras Sagradas – a única revelação salvadora de Deus -, investiga com profundidade o significado do apostolado no Novo Testamento e na história da igreja, assim como no moderno movimento de restauração do apostolado no Brasil e no exterior. Uma obra essencial para entender e refutar biblicamente as supostas reivindicações da nova reforma apostólica”. 

Franklin Ferreira – Diretor e professor de Teologia Sistemática e História da Igreja no Seminário Martin Bucer, São José dos Campos, SP. 

O Reverendo Augustus Nicodemus soube tratar do tema deste livro com equilíbrio, firmeza e fundamentação bíblica, além da extensa bibliografia consultada. É uma obra necessária para o momento atual por trazer luz à verdade sobre o colégio apostólico e o apostolado, que alguns insistem em “ressuscitar” nos dias de hoje, criando uma espécie moderna de sucessão apostólica, parecida com o papismo, a qual não encontra qualquer respaldo na Escritura. O autor, pelas suas qualidades no campo do saber teológico, foi a pessoa certa para tratar do assunto, e nós, leitores, somos brindados com uma obra relevante. É leitura recomendável e mais que urgente! 

Geremias Couto – Assembleia de Deus: Pastor, jornalista e escritor, Teresópolis, RJ. 

Não é difícil encontrar aqueles que têm zelo por controvérsia, mas sem entendimento e aqueles com conhecimento mas sem o zelo para defendê-lo. Mais difícil de achar são aqueles como Dr. Nicodemus. Ele tem um conhecimento profundo das Escrituras, da teologia e do movimento da “Nova Reforma Apostólica”. Ao mesmo tempo, ele não é apenas um teólogo de gabinete, mas um cuidadoso pastor que está debaixo da autoridade de Cristo. Como um reformador da igreja brasileira, o irmão Augustus tem sido um grande exemplo para mim ao longo dos anos. Alguns leitores podem até discordar de suas conclusões, mas ninguém que leva a sério as Escrituras poderá descartar seus alertas ou os argumentos que ele edifica a partir da Bíblia, para refutar esse sério erro do movimento apostólico moderna. Mal posso esperar para que este livro seja publicado também em inglês! 

Michael Horton – Professor de Teologia Sistemática e Apologética da cadeira “J. Gresham Machen”, do Westminster Seminary, California, EUA

Nunca faltou na Igreja de Jesus Cristo aqueles que propunham introduzir, no seio da Assembleia dos fiéis, novidades, erros e heresias. Algumas das novidades, é claro, apresentaram mais perigo enquanto outras não passaram de distrações, sem, contudo, deixarem de ser problemáticas. Felizmente, nunca faltaram líderes e mestres das Escrituras para chamar a Igreja de volta às bases bíblicas da nossa fé. Suas obras se tornaram “clássicos” da literatura cristã. Quanto maior a ameaça, mais monumental a polêmica em torno dela e, consequentemente, o seu marco na história da Igreja. 

O Reverendo Augustus é um mestre das Escrituras por excelência. Neste livro, ele assume a pasta de um polemista para ajudar a nortear a Igreja dos nossos tempos em relação a este movimento que, no mínimo equivocado, tem o potencial de ser danoso à vida da Igreja. É uma obra que chega em boa hora. 

Walter McAlister – Bispo Primaz da Aliança das Igrejas Cristãs Nova Vida, Rio de Janeiro, RJ. 

O livro “Apóstolos – a verdade bíblica sobre o apostolado” é o melhor livro sobre o tema já publicado no Brasil. Com o brilhantismo de sempre o Reverendo Augustus Nicodemus brinda a igreja brasileira com um texto rico, profícuo e extremamente edificante. Esta obra veio no momento certo, e acredito que ajudará pastores, líderes e a Igreja desta nação a entender, à luz das Escrituras, o significado e o papel dos apóstolos. Recomendo a leitura! 

Renato Vargens – Escritor e pastor da Igreja Cristã da Aliança, Niterói, RJ. 

Assista abaixo um vídeo com o AUTOR sobre o livro:


Por Renato Vargens

A Revista VEJA (leia aqui)  publicou uma notícia que me deixou envergonhado. Na coluna do Lauro Jardim  descobri  que um sujeito que se apresenta como Bispo Victor, da igreja evangélica Apostólica Atos do Espírito Santo oferta os votos de fieis em troca de dinheiro. Segundo a revista o pacote inclui visitas a dezoito igrejas, onde o cliente é anunciado candidato oficial da paróquia, e distribuição de santinhos nos templos. Victor cobra 6 500 reais, mas negocia com o currículo e a influência sobre 7000 eleitores. Segundo ele, seu séquito já ajudou a eleger um vereador, há dois anos, e deputados, em 2010. 

Pois é, senão bastasse isso, inúmeros pastores tem orientado de pulpito suas igrejas a votarem nos candidatos que eles consideram ideal. Vejam por exemplo o caso de um pastor que descaradamente orientou suas ovelhas a votarem na candidata de sua preferência. (aqui

Aqueles que me conhecem sabem que não advogo a idéia que comumente tem tomado conta de parte dos evangélicos nos dias de hoje. Não creio na manipulação religiosa em nome de Deus, não creio num messianismo onde a utopia de um mundo perfeito se constrói a partir do momento em que candidatos especiais são eleitos, não creio na venda casada de votos, nem tampouco no toma-lá-dá-cá onde eleitores são trocados por benesses de politicos.

Creio que o voto é intransferível e inegociável. Acredito que nenhum cristão deve se sentir obrigado a votar em um candidato pelo simples fato de ele se confessar cristão evangélico. Antes disso, os evangélicos devem discernir se os candidatos ditos cristãos são pessoas lúcidas e comprometidos com as causas de justiça e da verdade. Junta-se a isso que creio que nenhum eleitor evangélico deve se sentir culpado por ter opinião política diferente da de seu pastor ou líder espiritual. O pastor deve ser obedecido em tudo aquilo que ensina sobre a Palavra de Deus, de acordo com ela. No entanto, no âmbito político-partidário, a opinião do pastor deve ser ouvida apenas como a palavra de um cidadão, e não como uma profecia divina.

Caro leitor, na perspectiva da ética, dia de eleição é dia de exercermos livremente as nossas opções políticas e ideológicas, ninguém, absolutamente ninguém tem o direito de manipular, impor ou decidir por você em quem votar. O voto é pessoal e instranferível e somente você tem o direito de escolher em quem votar, ainda que isso represente não votar no candidato do seu pastor. 


Pense nisso!

Renato Vargens