Depois do episódio em que Valdomiro Santiago afirmou que a camisa que vestia quando foi esfaqueado "curou os enfermos", resolvi escrever sobre o tema, visto que muita gente devido ao fato, decidiu ungir roupas com vistas a cura de alguma enfermidade. 

Abaixo você encontrará seis motivos porque considero equivocado a unção e distribuição de objetos ungidos, senão vejamos:

1-) O livro de Atos é um livro histórico, e não doutrinário, além disso não encontramos nas epístolas bem como em todo Novo Testamento orientações por parte de Jesus e dos apóstolos sobre a necessidade de ungir lenços, aventais e semelhantes.

2-) O ocorrido em Atos 19:11-12, foi a narrativa  de que algumas pessoas tiveram contato com as peças de roupa de Paulo sendo curadas de suas enfermidades. Ao ler o texto sou tomado pela convicção que Paulo não tomou a iniciativa de ungir lenços e aventais. Na verdade, o texto nos trás a ideia que isso aconteceu de forma espontânea e não dogmática. 

3-) Embora Deus tenha curado inúmeras pessoas através dos lenços e aventais de Paulo, conforme é mencionado no capítulo 19 de Atos, em todo o Novo Testamento não encontramos nenhuma permissão ou ordem nas Escrituras “ensinando ou orientando a prática de distribuição de objetos ungidos. Ademais, vale a pena ressaltar que do ponto de vista hermenêutico não devemos elaborar ou instituir doutrinas em textos isolados, o que é o caso de Atos 19.

4-) Em nenhum lugar no Novo Testamento, encontramos Jesus ou os apóstolos orientando a igreja a ungir objetos. (Para ler mais sobre o assunto clique AQUI)

5-) Em Atos 19, vemos que os lenços foram levados aos enfermos e não vendidos ou comercializados, isto é, não existiu o comércio dos lenços ou dos aventais ungidos, como acontece nos dias de hoje, mesmo porque, a  prática da simonia era fortemente rechaçada pelos apóstolos e igreja.

6-) Não encontramos nos reformadores nem tampouco na Reforma protestante o incentivo aos crentes possuírem objetos mágicos. Na verdade, vemos os reformadores condenando o uso de utensílios como instrumentos de bênçãos e milagres.


Pense nisso!

Renato Vargens

O homem é fruto do meio, já dizia Rousseau, e se o meio tem feito dele um delinquente, diz o Estado brasileiro, a prisão poderá recuperá-lo.

Ledo engano, o sistema prisional brasileiro não recupera praticamente ninguém. Na verdade o Estado tem sido omisso em seu papel contribuindo com assim com a multiplicação da violência nas cadeias e presídios Brasil à fora. Alias, afirmo sem titubeios que O Estado é o maior culpado pela chacina de Manaus, e dou os motivos porque penso assim:

1-) O Estado transformou presídios em depósitos humanos onde a super lotação é marca inquestionável.

2-) O Estado permitiu e fez vista grossa e em alguns casos foi conivente com o surgimento dos comandos paralelos.

3-) O Estado deixou de usar a Espada (Romanos 13:04) omitindo-se no papel de PUNIR com severidade aqueles que cometeram crimes hediondos ou que demonstram por suas atitudes serem irrecuperáveis.

4-) O Estado fracassou por que se silenciou diante do caos social existente nos bolsões de pobreza e miséria no Brasil.

5-) O Estado fracassou na missão dada por Deus de REFREAR o mal, proteger o cidadão, bem como punir o perverso.

Pense nisso,

Renato Vargens