Por Renato Vargens


O Portal UOL publicou que as eleições deste ano contarão com 270 candidatos que se declararam pastores, um crescimento de 40% com relação ao pleito de 2010, quando 193 pessoas disseram ocupar o cargo. Além disso, o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) registrou a candidatura de 32 bispos (25% a menos do que em 2010) e 16 padres (30% a menos). 

O PSC lidera a indicação de sacerdotes: são 37 clérigos evangélicos um deles é o pastor Everaldo, que disputa a presidência da República pelo partido. 

Pois é, em época de eleições o que aparecem de pastores candidatando-se a cargos  públicos não está no gibi. Lamentavelmente em nome de Deus um número grande líderes cristãos advogam pra si o titulo de enviado do Senhor e salvador da pátria. 

Aqueles que me conhecem sabem que não advogo a idéia que comumente tem tomado conta de parte dos evangélicos nos dias de hoje. Não creio na manipulação religiosa em nome de Deus, não creio num messianismo onde a utopia de um mundo perfeito se constrói a partir do momento em que crentes são eleitos, não creio na venda casada de votos, nem tampouco no toma-lá-dá-cá onde eleitores são trocados por benesses de politicos.

Creio que o voto é intransferível e inegociável. Acredito que nenhum cristão deve se sentir obrigado a votar em um candidato pelo simples fato de ele se confessar cristão evangélico. Antes disso, os evangélicos devem discernir se os candidatos ditos cristãos são pessoas lúcidas e comprometidos com as causas de justiça e da verdade. Junta-se a isso que creio que nenhum eleitor evangélico deve se sentir culpado por ter opinião política diferente da de seu pastor ou líder espiritual. O pastor deve ser obedecido em tudo aquilo que ensina sobre a Palavra de Deus, de acordo com ela. No entanto, no âmbito político-partidário, a opinião do pastor deve ser ouvida apenas como a palavra de um cidadão, e não como uma profecia divina. 

Caro leitor, na perspectiva da ética, dia de eleição é dia de exercermos livremente as nossas opções políticas e ideológicas, ninguém, absolutamente ninguém tem o direito de manipular, impor ou decidir por você em quem votar. O voto é pessoal e instranferível e somente você tem o direito de escolher em quem votar, ainda que isso represente não votar no candidato do seu pastor. 

Encerro este post lembrando do pastor Billy Graham que ao receber o convite para concorrer à presidência da República dos Estados Unidos da América, recusou dizendo: “Por acaso eu trocaria o Santo Ministério da Palavra de Deus por um cargo tão insignificante?” 

Isto posto, ouso afirmar que infelizmente alguns dos nossos pastores ao contrário do Dr. Billy Grahan aceitariam o convite na hora, não é verdade? 

Pense nisso! 

Renato Vargens

Por Renato Vargens
A Igreja Presbiteriana do Brasil emitiu um documento considerando a Igreja Verbo da Vida como seita. (veja documento ao lado). Leia aqui e aqui
O Verbo da Vida é defensor e propagador da funesta teologia da prosperidade e confissão positiva. A denominação em questão, cuja a sede nacional encontra-se em Campina Grande - Paraiba tem estreita ligação com Kenneth Hagim, representante do movimento Palavra de fé.
 Veja na íntegra o conteúdo.
Posicionamento oficial da Igreja Presbiteriana do Brasil quanto a Igreja Verbo da Vida.Considerando:
1) Que a Igreja Verbo da Vida é ligada ao Kenneth Hagim Ministries;
2) Que a Igreja é defensora e praticante do “evangelho da saúde e da prosperidade” também conhecido como “Teologia da Prosperidade”, “Confissão Positiva”, “Palavra da fé” e “Movimento da Fé”;
3) Que a igreja verbo da vida foi implantada no Brasil pelo “apóstolo” Bud Wright, e em seu blog existem afirmações que apontam as convicções e ensino da referida igreja;
4) Que a Igreja em seus encontros apresenta práticas muitos similares das que são praticadas na IURD – Igreja Universal do Reino de Deus – fato facilmente constatado nos vídeos espalhados na internet;

O SC/IPB 2014 RESOLVE:
1. Reconhecer que a Igreja Verbo da vida apresenta uma orientação teológica neo-pentecostal e com muitos elementos característicos de seita;
2. Determinar aos concílios inferiores que se abstenham de relações intereclesiásticas com a Igreja Verbo da Vida e só recebam por batismo e profissão de fé;
3. Responder ao concílio consulente que a Igreja verbo da vida não pode ser tratada como igreja co-irmã.
NOTA DO BLOG DO RENATO VARGENS

A Igreja Verbo da Vida lamentavelmente tem incutido na mente de um número incontável de pessoas heresias destruidoras. Sobre ela o apologista Joaquim de Andrade tem escrito a um bom tempo.

Minha oração é que o Deus Eterno, tenha misericórdia daqueles que lá se encontram abrindo os seus olhos para a verdade das Escrituras livrando-os assim do erro e da heresia.

Renato Vargens

Por Renato Vargens

Acabei de ler o livro "Como integrar fé e trabalho" do pastor norte americano Tim Keller que foi publicado no Brasil pelas Edições Vida Nova.

De leitura simples e ao mesmo tempo profunda e extremamente cativante, Keller brinda a Igreja de Cristo com um livro extremamente enriquecedor.

Acredito que todo cristão que ama ao Senhor e que deseja viver para a glória de Deus deveria ler a essa obra.

Veja abaixo um vídeo aonde  Keller trata do conteúdo e objetivo do livro.

Recomendo a leitura!

Renato Vargens