Por Renato Vargens

A igreja brasileira volta e meia se deixa levar por conceitos e ensinos espúrios. Nessa perspectiva eu tenho visto alguns considerando os Testemunhas de Jeová como cristãos, os Mórmons como evangélicos e  Adventistas como crentes em Jesus. 

Ora, eu bem sei que muitos  pensam assim por ignorância, até porque, se conhecessem os ensinamentos destas seitas, pensariam duas vezes em cantar suas canções, ou até mesmo de chamá-los de cristãos. Aliás, é impressionante como as igrejas evangélicas tem cantado em seus cultos e congressos, canções adventistas. Sinceramente fico a pensar na incoerência evangélica em pregar o Evangelho da graça desprovido de legalismo e ao mesmo tempo entoar canções adventistas cujas doutrinas ferem  as verdades fundamentais das Escrituras.

O apologista Joaquim de Andrade do CREIA, é um especialista em seitas e heresias. Com propriedade ele tem desconstruído os ensinos equivocados das mais variadas matizes religiosas. Veja por exemplo uma rápida explicação de Joaquim sobre as principais heresias do Adventismo. 

Doutrina da natureza de Cristo -  Os ASD ensinam que Cristo, ao vir à terra, tomou sobre si a natureza pecaminosa do homem: “Em sua humanidade, Cristo participou de nossa natureza pecaminosa, caída. Senão, não seria então ‘em tudo semelhante aos irmãos’ , não seria como nós em tudo.... De sua parte humana, Cristo herdou exatamente o que herda todo filho de Adão - uma natureza pecaminosa “ (Estudos Bíblicos, pp. 140-141). - Compare com Lucas 1:35; João 8:46; 14:30; 1ª Coríntios 15:45; Colossenses 2:9; Hebreus 4:15; 7:26.  

Juízo Investigativo -  Segundo a teologia de Ellen Gould White a expiação não foi concluída na cruz do calvário (O Conflito dos Séculos, pp. 420-421). Ao terminarem as 2300 tardes e manhãs, Jesus entrou no lugar santíssimo para efetuar a última parte da sua solene obra - Purificar o santuário (Compare com Hebreus 6:19-20; 8:1; 10:19, 20; Levítico 16:2; Números 7:89; 1º Samuel 4:4; 2º Reis 19:15 e Êxodo 26:33). Veja ainda Hebreu 1:3. 

O lugar de Satanás na Expiação -  A doutrina da expiação da Igreja Cristã tem defendido que Cristo é o único expiador, sendo que Satanás não tem nenhuma parte na expiação. Com base em Levítico 16:5-10, alegando que o bode emissário tipifica Satanás, os ASD defendem que Satanás não somente levará o peso e castigo de seus próprios pecados, mas também os pecados da hoste dos remidos, os quais foram colocados sobre ele. - Veja Isaías 53:4-6, 11, 12 e compare com Mateus 8:16-17; João 1:29; 1ª Pedro 2:24; 3:18. 

A mortalidade ou sono da alma -  O livro Subtilezas do Erro, p. 249, diz “O que o homem possui é o “fôlego da vida” ou “vida” (o que dá animação ao corpo), que lhe é retirado por Deus quando expira. E o fôlego é reintegrado no ar, por Deus. Mas não é entidade consciente ou o homem real como querem os imortalistas”. A Bíblia desmente tal doutrina - o dormir refere-se ao corpo - Mateus 27:52 e Deuteronômio 34:5-6, comparados com Mateus 17:1-3. 

Os adventistas do sétimo dia e os dois concertos  - Insistem os ASD em dizer que o decálogo é obrigatório, e assim, vivem no Antigo Concerto, afirmando que todos os não-sabatistas são transgressores da lei. O Antigo Concerto, porém, foi dado a Israel, que não o cumpriu. Veio Jesus, cumpriu a lei e realizou um Novo Concerto, sob o qual estamos. - Veja Hebreus 8:6, 7, 10, 11, 13; Colossenses 2:16, 17; Hebreus 12:18-24 e Gálatas 4:21-26. 

A divisão da Lei: Lei de Deus e Lei de Moisés -  O folheto Leis em Contraste, pp. 2-3, diz: “A Lei Moral, os Dez Mandamentos, chamados Lei de Deus” “O mesmo não se dá com a Lei Cerimonial, freqüentemente chamada de Lei de Moisés”. Entretanto “lei de Deus” e “lei de Moisés” são expressões sinônimas na Bíblia - Romanos 6:11-17; Gálatas 5:18-21; 2ª Coríntios 3:6-11.  

A Guarda do Sábado - Ellen White em O Conflito dos Séculos, p. 611, diz: “O sábado será a pedra de toque da lealdade... traçar-se-á a linha divisória entre os que servem a Deus e os que não O servem”. Afirmam ainda que “o selo de Deus na vida do cristão é a guarda do sábado” Veja Oséias 2:11; Colossenses 2:16-17; Isaías 1:13-14; Gálatas 4:9-10.   

A Guarda do Domingo  - Dizem os adventistas que a guarda do domingo é de origem pagã. Citam, no folheto Por que se Guarda o Domingo?, O dicionário Webster’s, que reza: “chama-se assim [Sunday] (dia do sol), porque era antigamente dedicado ao Sol ou ao seu culto”. Por esta lógica, a guarda do sábado também é de origem pagã, pois Saturday (sábado, em inglês) era o dia do deus Saturno, celebrado com orgias.  

É a guarda do domingo o sinal da besta (666)? Para os ASD o selo de Deus na vida do cristão é a guarda do sábado; logo, afirmam que todos os que não guardarem o sábado receberão o sinal da besta - Veja Efésios 1:13; 2ª Timóteo 2:19; 2ª Coríntios 6:17; Romanos 4:25 e Apocalipse 1:10.  

Diante do exposto é fácil concluir que os ensinos adventistas não são ortodoxos e que em virtude disso devemos rejeitá-los, o que implica em até mesmo não entoarmos suas canções em nossos cultos, congressos, conferências e ajuntamentos.  

Pense nisso! 

Renato Vargens 

Obs: Os que desejarem conhecer mais sobre o tema sugiro que assistam um vídeo extremamente elucidativo do evangelista Luciano Sena  publicado pelo Voltemos ao Evangelho (aqui). Vejam também as considerações do Prof. Franklin Ferreira sobre a doutrina da expiação adventista (aqui
Por Renato Vargens

Vivemos num tempo onde os valores judaicos-cristãos tem sido desconstruídos pelo relativismo. Nessa perspectiva, afirmam alguns, tudo é lícito em nome do amor.  

Uma das práticas que tem se tornado comum na sociedade é o "Poliamor".  

Poliamor é pratica de um relacionamento poligâmico, onde três os mais pessoas pessoas se relacionam afetiva e maritalmente.  

A primeira união poliafetiva em cartório do Brasil foi feita em 2012. Até hoje foram feitas cinco delas e, para especialistas, é cada vez mais comum relações nesse formato. De acordo com o antropólogo Antonio Cerdeira Pilão, mestre no tema pela UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), o formato mais comum é de um homem com duas mulheres. Regina Navarro Lins, psicanalista e autora de "O Livro do Amor", diz que em até 30 anos muito mais pessoas devem aderir ao poliamor.  

O nível de degradação é tão grande que no Facebook, por exemplo já é possível encontrar grupos brasileiros defendendo o poliamor.

Talvez ao ler este texto alguns estejam perguntando: Qual o problema de várias pessoas se amarem ao mesmo tempo? O mundo evoluiu dizem alguns, papo ultrapassado e fundamentalista esse, por acaso toda forma de amor não é lícita? Não deveriam então os cristãos apoiarem este tipo de comportamento, visto que está fundamentado no amor?

A estes eu repondo dizendo: Não, mesmo porque, as Escrituras são absolutamente claras eu rejeitar a poligamia, senão vejamos: 

1-) Deus estabeleceu a monogamia como padrão relacional para os homens. (Gn 1:27; 2:21-25)

2-) Deus estabeleceu a heterossexualidade como padrão de relacionamento marital. (Gn 1:27; 2:21-25)

3-) As Escrituras advertem os homens a não contraírem poligamia. Veja por exemplo, o que o Senhor disse a Salomão. (1 Reis 11:2): 

4-)  Jesus reafirmou a intenção original de Deus de um relacionamento monogâmico ao citar a Mateus 19:4-5 e ao observar que Deus “os fez homem e mulher” ajuntando-os em casamento. 

5-) As Escrituras ensinam que  cada homem deve possuir a sua própria esposa, e cada esposa, o seu próprio marido” (1 Co 7:2). De igual forma, Paulo ensinou que o líder da igreja deveria ser “esposo de uma só mulher” (1 Tm 3:2; 12). 

Isto posto, nós cristãos rejeitamos relacionamentos deste naipe pelo fato único de que as Escrituras reprovam a poligamia.

Pense nisso!

Renato Vargens
Por Renato Vargens

Na década de 80 tornou-se comum  encontrarmos nas igrejas evangélicas "novos convertidos" testemunhando dos "milagres de Deus" em suas vidas. Nessa perspectiva, os púlpitos evangélicos que pregavam iminentemente a Palavra, deixaram de fazê-lo, optando assim pelas histórias  " de um ex-alguma coisa.

Pois é, é impressionante como alguns pastores gostam de testemunhos eletrizantes. Os cultos de algumas igrejas estão lotados de “irmãos” que cometeram delitos nos passado e que gostariam de uma “oportunidade” para compartilhar as bênçãos de Deus. Nesta perspectiva tem sido possível encontrar todo tipo de ex, ex-ladrão, ex-bruxo, ex-traficante, ex-michê, ex-prostituta, ex-travesti, ex-trambiqueiro, ex-aidético, ex-cafetão, ex-parceiro do diabo e muito mais.

Confesso que estou cansado disso. Ora, não me interessa as elucubrações nem tampouco as viagens esquizofrênicas desta gente que afirma ter sido parceiro do diabo, que visitou o inferno, que fez pacto satânico,  a Palavra de Deus me basta! Não me interessa saber se o ex-encapetado  cometeu necrofilia ou era amigo pessoal do capeta, o que me importa é Cristo Jesus e sua Palavra.

Há alguns anos vi um cartaz que dizia: “venham assistir o menor pregador do mundo”. Ora, o convite não se fundamentava na qualidade do pregador nem tampouco na sua homilia, ou capacidade teológica de expor a fé, mas sim no inusitado, no exdrúxulo. no aberrativo. Outra pessoa teve a cara de pau de me oferecer a oportunidade de receber em minha igreja uma menina pastora, que aos 07 anos recebera uma nova unção de Deus, o que é claro, recusei.

Pois é, para piorar a situação, o tempo em que as igrejas deveriam destinar à pregação da Palavra  e estudo das Escrituras tem sido gasto com testemunhos manipuladores e interesseiros de pessoas que se sentiram agraciadas pelo “gênio da lâmpada mágica” recebendo carros, casas e dinheiro.

Fala sério! falta-me palavras para retratar minha indignação! O que fizeram do cristianismo? Que evangelho louco é esse? Ora, este não é, não foi e nunca será o Evangelho do meu Senhor.

Caro leitor, acredito piamente que os conceitos pregados pelos reformadores precisam ser resgatados e proclamados a quantos pudermos, até porque, somente assim, poderemos novamente sair deste momento preocupante e patológico da Igreja evangélica.

Voltemos as Escrituras e façamos dela nossa única e exclusiva regra de fé.

Renato Vargens