O Evangelho que Exalta a Deus!

Por Renato Vargens
Em nome de uma espiritualidade oca e vazia, inúmeras doutrinas têm sido ensinadas nos arraiais evangélicos deste país. Infelizmente em nome de Deus, muita gente tem tirado de si e para si revelações estapafúrdias onde desvios doutrinários se fazem presentes nas formas mais esdrúxulas possíveis. É assim que em cultos “abençoados” mediante o "poder" do Espírito Santo pessoas caem no chão de seus templos, uivando como lobos, rugindo como leões ou rindo como loucos.

Caro leitor, por favor, pare, pense e responda: Que Cristianismo é esse? Que evangelho é esse? Ora, esse não é o cristianismo e nem tampouco o evangelho da Bíblia, e sim o evangelho que alguns dos evangélicos fabricaram! Infelizmente, a Igreja deixou de ser a comunidade da palavra para ser a comunidade da música descompromissada, repetitiva e extravagante! Triste não?

Ah! Que saudade da boa música, ministrada, cantada, com unção, cujo interesse era simplesmente engrandecer o nome de Deus! Ah! Que saudade do tempo em que se cantava e entoava cânticos por missão! Ah! Que saudade da boa canção, onde melodia, métrica, letra e boa teologia se faziam presentes.

Reflitamos irmãos com sinceridade, será que como dizem as nossas canções estamos vivendo a plenitude de um grande avivamento? Como o compositor Paulo Cezar do grupo Logos afirma em seu cântico “O Evangelho”, "eu também nestes dias sinto um verdadeiro espanto no meu coração, em constatar que o evangelho já mudou. Quem ontem era servo agora acha-se Senhor e diz a Deus como Ele tem que ser ...”

Parece que nos últimos anos, a igreja brasileira se perdeu no caminho em direção ao trono da graça. Isto porque, as letras de algumas de muitas de nossas composições, além de empobrecidas teologicamente, são simplistas, repetitivas e sem óleo.

Faço coro as palavras de Paulo Cesar, eu quero de volta o verdadeiro evangelho que exalta a Deus. O evangelho que desvenda os nossos olhos, que desamarra todo nó que já se fez. Eu quero o evangelho que mostra o homem morto em seu pecar sem condições de levantar-se por si só, a menos que, Jesus que é justo, o arranque de onde está. Eu quero o evangelho que o servo não diz ao seu Senhor o que fazer, determinando ou marcando hora para acontecer.

Eu quero o Evangelho de Cristo que exalta a Cristo e que glorifica o nome de Cristo.

Soli Deo Gloria!

Renato Vargens

4 comentários:

AMÉM!!!!
Eu também quero o evangelho de CRISTO!!!!
Madalena Porto.

6 de dezembro de 2009 10:09 comment-delete

Eu vejo essas manifestações como dar oportunidade ao diabo, nós que estamos verdadeiramente na justiça de DEUS, não precisamos de fazer barulho, presepada, o SENHOR trabalha em silêncio, como o fermento no pão, mas o que está causando o enchimento nas igrejas com esse tipo de comportamento é que o povo gosta disso, de ser enganado, chegam a chamar algumas igrejas de fracas, o crer no SENHOR e a fé fazem tudo, tudo que precisamos em nossas vidas, irmãos leiamos a biblia para não sermos enganados.
Gilbert Raposo, um aprendiz em Cristo Jesus.

Gilbert Raposo
6 de dezembro de 2009 11:12 comment-delete

Questionarmos a teologia das letras atuais é mais que necessário.
Questionarmos a métrica, ritmo, melodia e poesia das mesmas nos é necessário pois nos enriquece culturalmente.
Mas questionarmos a unção das tais, é repetirmos o erro dos que falam só as suas músicas é que de fato tem unção. Essa medição é um atributo exclusivo de nosso Pai. Nosso discernimento é limitado, bom, pelo menos o meu é.
A nossa sede de reforma, não deve se tornar uma caça às bruxas, se assim o for, repetiremos os erros do passado.

6 de dezembro de 2009 14:15 comment-delete

Eu creio q a igreja mudou sim... algumas coisas pra pior, mas muitas coisas melhoraram, e muito. Vejamos...nos tempos dos meus tataravôs a igreja era bem "focada" e era muito difícil vc levar a palavra de Deus aos jovens. Já no tempo de meus pais, digamos que a igreja ganhou mais liberdade...mais espaço. Acredito que tenha sido o seu tempo. Onde realmente as músicas eram muito bonitas, que realmente exaltavam a Deus. Com sinceridade, etc etc. Oq eu quero dizer é q apesar de Deus NÃO MUDAR, as pessoas mudam.Nasceu uma nova geração,que chegou pra mudar o mundo. Nunca se teve tantos jovens dentro da igreja, em comunhão, dançando, cantando. Olhe...se o jovem não puder pular,dançar, cantar dentro da igreja(casa do Pai). Onde mais ele poderia fazer isso?! É claro q isso não é desculpa para a apostasia quem vem rolando por ai.., mas eu acredito sim numa igreja renovada, avivada, literalmente, cheia do espírito santo. Um abraço.

6 de dezembro de 2009 22:34 comment-delete