Dicas para construção de uma família feliz. - Parte III

Não mande a bruxa subir na vassoura
Por Renato Vargens

Jararaca! Não suporto aquela bruxa! Infelizmente não são poucas as noras que fazem de suas sogras verdadeiras feiticeiras. Na verdade, como todos sabemos algumas noras e sogras não conseguem conversar e conviver no mesmo lugar e há até algumas que abandonam o casamento por conta da interferência constante da sogra na vida do casal.
A relação entre sogra e nora/genro é tão complicada que os pára-choques de caminhão estão repletos de frases de efeito: “Sogra não é parente. É castigo. Sogra boa é a que já morreu. Corro, porque minha sogra vem aí. Se sogra fosse coisa boa, Cristo não teria morrido solteiro. Sogra e madrasta, só o nome basta.”
Brincadeiras a parte, noras e sogras brigam para conquistar espaço na estrutura familiar, e não é raro uma querer mostrar mais conhecimento de causa que a outra. Os motivos do bate-boca geralmente são: criação de filhos, vida profissional, capacidades culinárias, potencial de fazer a família feliz, organização do lar, e muito mais. Para complicar ainda mais a situação a nora não suporta a forma como a sogra “se intromete” na relação do casal. E a sogra como a nora trata o seu filho.
Pois é, as batalhas travadas entre noras e sogras têm levado a muitas famílias aborrecimentos seriíssimos. Na verdade não poucos os lares onde os conflitos familiares se multiplicam a olhos vistos simplesmente pelo fato de sogras e noras não conseguem conviver de forma pacifica.
Isto posto, que tal levantar a bandeira branca? O que você acha de abandonar as implicâncias tolas e mesquinhas em prol da família? A experiência pastoral me mostra que não são poucas as vezes que na vida polemizamos desnecessariamente com aqueles que nos relacionamos. Quantas vezes não fazemos um “cavalo de batalha” em questões banais e insignificantes? Por acaso já percebeu de que quando você trava algumas “brigas ou discussões” com seus filhos, amigos ou cônjuges ou sogra, na maioria das vezes você não chega a lugar nenhum?
Caro leitor, o diabo nosso adversário é astuto e perspicaz em ações e atitudes. Cuidado com suas arguciosas ciladas. Ele sabe que desviando os seus olhares do foco, conseguirá tornar sua vida amarga e sem sabor, além obviamente de lhe proporcionar fissuras em suas relações interpessoais.
Pense nisso!

Renato Vargens

9 comentários:

Creio que nos cursos pré-matrimoniais deveria haver uma lição só para os sogros. Não acha? Os noivos não participam! E pode-se usar o texto de Noemi e Rute, afinal, nora e sogra se entenderam muito bem. A sogra recomendou que a nora fosse se "deitar" (ter relações sexuais) com o resgatador! Pode? Você já pensou?

24 de julho de 2009 10:02 comment-delete

Oi Viik,

A Idéia é maravilhosa! Vale a pena pensarmos sobre isso!

Abraços,

Renato Vargens

24 de julho de 2009 10:21 comment-delete

Desde o Início de meu casamento, minha mãe era a minha vizinha, e como tal estava sempre presente em nossa casa, dando os pitácos dela, minha esposa, que tem uma paciência muito maior que a minha, é que ficava a maior parte do tempo com ela, e é claro que minha mãe queria cuidar de minha casa como se fosse a dela, afinal ela já tinha tido uma experência de 25 anos de casada e etc. Minha esposa se queixou comigo e de uma forma calma conversei com minha mãe sobre os problemas causados, e perguntei a ela se a situação fosse invertida ela iria gostar, minha mãe era uma pessoa sensata, e entendeu e passou a conversar com minha esposa, não mais tentar fazer isso ou aquilo, e passaram a ser grandes amigas a ponto de minha mãe defender mais a minha esposa do que a mim,o que é raro para uma mãe judia :).
O segredo realmente é o diálogo e o mais importante é que o FILHO ou a FILHA converse com sua mãe expondo sempre o problema, e principalmente, NÃO jogar a responsabilidade para a nora (ou genro), já que uma mãe ou um pai escutará o seu filho de uma maneira mais terna do que uma Sogra ou Sogro escutaria sua Nora ou Genro.

24 de julho de 2009 11:14 comment-delete

Cheskys,

belo testemunho o seu. De fato em momentos como estes o diálogo é a melhor coisa a ser feita.

Abraços,

Renato Vargens

24 de julho de 2009 11:20 comment-delete

Enquanto percorre o namoro e noivado tem que se observar a maneira de como se tratam, e todos envolvidos na nova história se conversem e saibam seus limites, porque tem filhos(as) que não conseguem desgarrar e construir sua independencia pessoal, o que com certeza trará consequencias no casamento, então tem que haver dialogo com mansidão e sabedoria, por que quando a gente casa com alguém, com certeza casa com sua familia também, então bom será viver em harmonia e entendimento.
Gilbert Raposo, um aprendz em Cristo Jesus.

GILBERT RAPOSO
24 de julho de 2009 11:47 comment-delete

Todo assunto que envolve a família é de muito importância. Gastar tempo com esse assunto fará de muitas famílias, um lar melhor.

Parabéns!!!

24 de julho de 2009 14:11 comment-delete

Dicas maravilhosas, posso publicar no site da ADIBERJ?

24 de julho de 2009 18:24 comment-delete

Prezado paulo Cesar,

Pode publicar sim. Fique a vontade.

Abraços,

renato Vargens

24 de julho de 2009 19:42 comment-delete

Renato amigo.

Troca meu banner por favor. Pois com a mudança de dominio, embora o atual aponte normal para la, ele nao conta as visitas que vc me manda.

Abs,

Danilo

25 de julho de 2009 02:03 comment-delete