Hospital ou inferno?

Por Renato Vargens

Acabei de voltar de uma visita a um bêbe que está  internado no Hospital Getúlio Vargas Filho, mais conhecido como Getulinho,  que é administrado pela Prefeitura de  Niterói .  
  
Confesso que ao entrar naquele lugar  fui tomado por um sentimento de perplexidade, simplesmente pelo fato,  de ter percebido que as dependências daquele que deveria ser um hospital de referência para a região, encontra-se em um triste  processo de degradação. Corredores sujos, canos expostos, paredes descascando, além de muitas otras coisas mais, me deixaram embasbacado com o descaso do poder público para com o pobre.  Contudo, eu não havia me dado conta de que o pior ainda estava por vir. Ao entrar na enfermaria deparei-me com um quadro funesto! Moças, meninas e adolescentes com seus filhos nas mãos choravam agoniadas por verem seus pequeninos hospitalizados. Confesso que isso me cortou o coração! 

Quando souberam que eu estava ali para orar por uma criança, uma por uma, me pediu que fizesse o mesmo pelos seus filhos, o que prontamente atendi.  Fui andando de leito em leito rogando a Deus que tivesse misericórdia daquelas pequena vidas. Vi bêbes com crises asmáticas, outros com dores diversas e até mesmo um que havia sofrido violência fisica por parte do seu pai. Confesso que diante disto, fui tomado por um profundo sentimento de compaixão  e angústia simplesmente por  compreender e entender que aquele  hospital tinha se transformado num inferno.

Caro leitor, a saúde pública é uma vergonha! O tratamento que os Municípios, os Estados e o Governo Federal  destina aos pobres me enoja profundamente. Lamentavelmente, nosso país possui uma das taxas tributárias mais altas do planeta, no entanto, somos incapazes de reverter os impostos arrecadados para o bem estar da população brasileira.

Com lágrimas nos olhos e rogando ao Senhor que tenha misericórdia deste povo que sofre e geme.

Renato Vargens

1 comentários:

Realmente é de sentar em um canto e chorar muuuuiiito!
Sei exatamente do você está falando, pois sinto a mesma coisa toda vez que tenho que acompanhar minha mãe a um hospital federal daqui da cidade do Rio de Janeiro.
O número de mulheres com úteros doentes é gritante. E mulheres de várias idades como minha mãe com 80 anos.
Claro que no caso de crianças, nosso coração dói de uma maneira diferente. Parece até que dói mais! Você não acha?
Porém quero deixar aqui um tipo de desabafo acompanhado de uma sugestão.
Até concordo quando você fala da vergonha que é a saúde pública, contudo tenho notado que as pessoas têm adoecido com muita facilidade por causa da falta de cuidado com a própria alimentação. Penso que não adianta construir mais hospitais, formar mais médicos. Por mais que se faça, enquanto as pessoas não se conscientizarem que estão se deixando levar pela loucura feroz desse mundo, de nada adianta.
Por favor não interprete aqui que estou condenando as pessoas por ficarem doentes,defendendo ou tirando a culpa do Estado. Já fui criticada por alguns por dizer isso.
Mas, pense comigo: As pessoas são manipuladas o tempo todo para que comam isso, consumam aquilo, comprem, comprem, comprem, etc
Alguém pode dizer que estou sendo cruel. "Afinal a vida é tão corrida e as pessoas não têm tempo para preparar um alimento, consumir alimentos saudáveis".
Mas, vamos continuar pensando: Por que isso acontece? Como cobrar que elas façam o correto?
Aí é que entra minha sugestão!
Os pastores/líderes têm sempre uma audiência e os fiéis costumam ouvir e respeitar o que seus líderes falam. Então, penso que se vocês usassem um tempo para ensinar sobre alimentação saudável, qualidade de vida, exercícios, que eles possuem um corpo que precisa ser cuidado, entre outros assuntos, muitas enfermidades não alcançariam as pessoas.
Para mim é uma questão de prevenção!
Noto uma negligência das pessoas com relação à saúde. O pensamento delas é mais ou menos assim: "Ah, crente é protegido! E se eu ficar doente é só ir à reunião de oração e pedir para ser ungida e pronto! Esse negócio de alimentação saudável é coisa de esoterismo ou adventista!"
Já vi esse tipo de comportamento muitas vezes. Sei do que estou falando.
Está mais do que comprovado que a alimentação é super importante no funcionamento do corpo. O Eterno nos criou perfeitos.
Quando não consumimos o correto e ainda por cima nos enchemos desse lixo que é a alimentação colorida das prateleiras dos supermercados, o resultado é o mal funcionamento daquilo que Papai criou para funcionar equilibradamente.
É simples assim! Falo disso o tempo todo e percebo que ninguém compreende.
Já tive até que ouvir uma irmãzinha dizendo coisas do tipo "no mundo tereis aflições e que temos que aceitar as doenças pois elas são usadas para nos ensinar algo" !!!
Isso me entristece e muito.
O sujeito se envenena, não cuida do corpo que foi tão carinhosamente criado, com isso adoece e serve como estatística da sáude pública e ainda acha que tem que ser assim mesmo??? E ainda acusar ou culpar o governo por não conseguir atendimento???
Sinto muito, mas isso é querer viver de migalhas quando há uma vida plena fazendo a coisa certa!
Tenho certeza que não haveria tanto sofrimento se houvesse mais conscientização.
Em outra ocasião tentei conversar com alguns líderes para que ajudassem nisso em uma comunidade carente e percebi que não entederam minha idéia e ainda pensaram que eu estava interessada no dinheiro dos dízimos e ofertas. Absurdo! Mas foi exatamente isso!
Na verdade o que eu queria era somente que eles usassem a estrutura e a posição deles para conseguir voluntários que ajudassem em um projeto que traria benefícios para a comunidade. Não é necessário dinheiro para ensinar a coisa certa a fazer. É só abrir a boca e falar!
É isso! Me perdoe o desabafo, mas tinha que aproveitar a oportunidade.
Shalom!

13 de abril de 2011 01:02 comment-delete