A história de uma prostituta que foi salva por Cristo.

Por Renato Vargens
Conta a história que uma prostituta tinha decidido se suicidar. Determinada ela se dirigiu a Ponte de Blackfriars, com o intuito de se jogar no rio Tamises. Entretanto, o caminho escolhido a levou a passar em frente à Capela de New Park Street. Sentido-se atraída pelo que acontecia no interior da igreja, decidiu entrar por uns momentos. No Templo estava pregando Charles H. Spurgeon o qual dissertava sobre o texto: “Vêem esta mulher?” Naquele instante enquanto falava do Evangelho a respeito de uma mulher de uma antiga cidade, que era notória pecadora, a qual descreveu regando os pés de Jesus com suas lágrimas e enxugando-os com seus cabelos, Spurgeon afirmara com autoridade que Jesus a perdoara por amor. Tendo ouvido isto e pensando em sua própria vida, a suicida em potencial, se arrependeu de seus pecados encontrando em Cristo paz e alegria para sua alma cansada.

Que maravilha é o amor de Deus para com os seus eleitos! Quão linda é a doutrina da eleição! Que verdade gloriosa! Aquela mulher que outrora estava morta em seus delitos e pecados fora encontrada pelo Senhor da vida, mudando definitivamente sua  história! Que verdade inquestionável! Nosso Deus por sua misericórdia e amor soberanamente escolheu salvar  aquela que era escrava de Satanás, libertando-a do pecado e da morte.

Caro leitor, a salvação é obra divina. Somente por Cristo e para Cristo o homem pode ser salvo. A salvação não depende em nada do homem, ela é monergística. A salvação é uma benção redentora adquirida por Cristo para aqueles que o Pai lhe deu (1 Pedro 1:3; João 6:37-39). Ela comunica aquele poder na alma caída pela qual a pessoa que deve ser salva é eficazmente capacitada a responder ao chamado do evangelho (João 1:13). Ela é aquele poder sobrenatural de Deus somente pelo qual nos é concedida a capacidade espiritual para cumprir as condições do pacto da graça; isto é, para apreender o Redentor por uma fé viva, para se achegar aos termos da salvação, se arrepender dos ídolos e amar a Deus e o Mediador supremamente. O Espírito Santo, ao vivificar a alma, misericordiosamente capacita e inclina o eleito de Deus ao exercício espiritual da fé em Jesus Cristo. Este processo é o meio pelo qual o Espírito nos traz à viva união com Ele.(1)

Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o qual nos abençoou com todas as bênçãos espirituais nos lugares celestiais em Cristo; Como também nos elegeu nele antes da fundação do mundo, para que fôssemos santos e irrepreensíveis diante dele em amor; E nos predestinou para filhos de adoção por Jesus Cristo, para si mesmo, segundo o beneplácito de sua vontade, para louvor e glória da sua graça, pela qual nos fez agradáveis a si no Amado, em quem temos a redenção pelo seu sangue, a remissão das ofensas, segundo as riquezas da sua graça. (Ef 1:3-7)

“Entretanto, devemos sempre dar graças a Deus por vós, irmãos amados pelo Senhor, porque Deus vos escolheu desde o princípio para a salvação, pela santificação do Espírito e fé na verdade, para o que também vos chamou mediante o nosso evangelho, para alcançardes a glória de nosso Senhor Jesus Cristo” (2 Tessaloninceses 2:13-14).


“Ó profundidade da riqueza, tanto da sabedoria como do conhecimento de Deus! Quão insondáveis são os seus juízos, e quão inescrutáveis, os seus caminhos! Quem, pois, conheceu a mente do Senhor? Ou quem foi o seu conselheiro? Ou quem primeiro deu a ele para que lhe venha a ser restituído?Porque dele, e por meio dele, e para ele são todas as coisas. A ele, pois, a glória eternamente. Amém!” (Rm 11 : 33-36)

Soli Deo Gloria!

Renato Vargens

3 comentários:

Como é bom rever seus artigos nesta linha.

Que Deus continue te abençoando rica e abundantemente.

25 de outubro de 2010 19:44 comment-delete

Louvado seja o Nome do Senhor Jesus porque Ele liberta!Porque Ele cura!Porque Ele transforma a vida do homem!Aquele que tem a vida transformado pelo Poder de Jesus e se mentia,não mente mais,se matava,não mata mais,se roubava não rouba mais,se vivia em prostituição não vive mais.

25 de outubro de 2010 20:28 comment-delete

Me perdoe, mas esse texto que fala da mulher lavando os pés e enxugando esta em Lucas 7:37, se refere a mesma como pecadora e não como prostituta. E em João 11:2;12:3 vemos que essa mulher é Maria irmã de Lazaro e Marta, portanto ela não era uma prostituta conhecida.

Anônimo
26 de outubro de 2010 10:31 comment-delete