Os apóstolos modernos e a funesta doutrina de cobertura espiritual


Existe um tipo de discipulado muito comum nas igrejas dos apóstolos tupiniquins. Nela, o discipulador ultrapassa os limites da racionalidade tomando decisões unilaterais quanto à vida do seu discípulo.

Para as igrejas que adotam este tipo de discipulado, o discipulo não pode fazer absolutamente nada sem a autorização da sua "cobertura espiritual". Nesta perspectiva, o pastor tem poder para determinar aquilo que o seu seguidor deve fazer. Sei de casos de pessoas que não podem mudar de casa sem que o pastor concorde, ou de outros que não podem vender absolutamente nada, sem que a autoridade espiritual aceite o fato. Além disso, é comum observarmos que os pastores em questão, usam do nome de Deus para decidir se o discípulo deve ou não namorar, se pode ou não ir para a praia, se deve ou não ter filhos, ou como deve se portar dentro de suas próprias casas. Tais lobos interferem na da vida comum do lar, intervindo na educação dos filhos ou até mesmo na vida sexual do casal.

Infelizmente tais homens, como ditadores da fé, têm feito do rebanho de Cristo propriedade particular. Além disso, os homens de Deus em questão, sem o menor constrangimento “coronelizaram” a comunidade dos santos, obrigando a seus liderados a se submeterem sem questionamento as suas ordens, doutrinas e determinações.

Em estruturas como estas, é absolutamente comum exigir-se dos crentes, submissão total. Em tais comunidades, a vida cristã é regida exclusivamente por um sistema onde ditadura e arbitrariedade se misturam. Infelizmente, aqueles que porventura ousam opor-se a este estilo de liderança, sofrem sanções das mais estapafúrdias possíveis sendo chamados de rebeldes e tornando-se passíveis de punição, cuja consequência final é a exclusão e exposição pública.

Há pouco soube da história de uma moça que ao migrar de comunidade para outra foi amaldiçoada pelo pastor, que lhe disse que caso não se arrependesse e voltasse para a sua igreja morreria de câncer. Ora, por favor, pare e pense: Isso não parece feitiçaria? Sinceramente em não consigo entender este evangelho pregado por esses caras. Infelizmente, em nome de Deus, tais pessoas rogam “pragas e desgraças” para aqueles que em algum momento da vida se contrapuseram a seus sonhos e vontade. Em certas igrejas a palavra “rebeldia” tem sido usada para todo aquele que foge dos caprichos fúteis de uma liderança enfatuada. Em tais comunidades, discordar do pastor quase que implica com que o nome seja colocado na “boca gospel do sapo”.

Se não bastasse esse grande imbróglio, os membros das comunidades despóticas vivem em constante estado de pavor, isto porque, em virtude do pânico impetrado pelos ditadores da fé, temem sofrer sanções espirituais, levando-os a uma vida cujo comportamento é quase que esquizofrênico.

Isto posto, sou obrigado a afirmar que a igreja evangélica mergulha em alta velocidade no buraco da sincretização, deixando pra trás o boa e velha teologia.

Amados, não nos esqueçamos que somos o povo Deus, nação santa, sacerdotes do Deus vivo. Na perspectiva do reino, todos absolutamente TODOS possuem acesso ao trono da graça não necessitando assim criar estruturas monárquicas fundamentadas em experiências muitas vezes esquizofrênicas e adoecedoras.

Quero ressaltar que para nós cristãos, a essência da igreja resumi-se na maravilhosa verdade que nos ensina que fomos chamados para fora deste sistema perverso, ambíguo e separatista, e que agora, independente de classe, cor, posição social, reunimos-nos TODOS indistintamente em torno do Cristo nosso Senhor como a comunidade dos santos.

Soli Deo Gloria,

Renato Vargens

17 comentários:

Acredito que o servo de Deus precisa saber o que é certo e errado, não cabe ao pastor decidir pelo seu membro. É preciso respeito se a escolha foi errada certamente as consequências virão sobre esta pessoa, mas não cabe ao pastor decidir abençoar e amaldiçoar a sua ovelha.
Pr. Nemias Rosa Eduardo.

12 de maio de 2010 18:56 comment-delete

Eu sei bem o que é isto... fui posto no "banco" - em disciplina - porque supostamente fui rebelde.

Estou sofrendo muito, eu estava em uma posição de destaque na igreja, e de repente, tão somente porque eu expus algumas coisas que me incomodavam na igreja, o pastor me colocou no banco por três meses. A justificativa: segundo ele, o que eu fiz - lhe dizer a verdade na cara, quando muitos "ministros", o faziam pelas costas - foi pior do que uma rebeldia e não podia passar em branco. Desta forma, eu deveria ficar três meses em observação para depois voltar a atuar na igreja. Foi o pior golpe que eu já sofri em minha vida, de uma hora pra outra tudo caiu. O que restou? Somente a experiência!

...

12 de maio de 2010 19:20 comment-delete

Pastor Renato, paz do Senhor.
Parece que o senhor esta falando exatamente o que existia na minha igreja, pior ainda, aqui a esposa do pastor é quem ditava as regras
pra ele. Ela dizia que os membros da igreja tinham que confessar os
pecados pro pastor, daí ele contava pra ela, que contava para os filhos
adolescentes e toda a igreja ficava sabendo. Um horror, ele ficava profetizando na vida dos irmãos, tudo que ele ficava sabendo pelos filhos e esposa.
Graças a Deus, ele saiu e abriu uma igreja pra ele.
Deus nos livre de pastores assim!!!!

Anônimo
12 de maio de 2010 22:05 comment-delete

Saudações!
Há de se cuidar para não confundirmos o "conselho" pastoral, seja ele em níveis que for quando uma ovelha procura seu pastor para ouví-lo com imposições fundamentalistas, que inibem ações de ovelhas em sua livre ação. Confusões!
É o que devemos evitar. Agir com sabedoria, é o que devemos buscar. Quando uma ovelha procurar um pastor para entender ou buscar uma direção, este. à luz das Escrituras, levará a bom termo sua palavra amiga.
Cuidar ainda para, no caso citado, não confundirmos pessoas que sob a tutela de um ato disciplinar, querem mudar de comunidades, como que buscando "seu pastoreio" sem que esteja debaixo de métodos de transferências regentes em sua igreja. Para tudo existe um ponto de equilíbrio. E não somos detentores da verdade e da bênção de Deus, mas somos ministros da Palavra, chamados por Deus, pela imposição de mãos do Presbitério. Ou seja, pastores sempre responderão a Deus pelo rebanho a ele confiado. Qualquer pessoa que deseje sair de uma comunidade seja qual for para outra, sempre será interessante estar em comunicação com seu Conselho ou pastor. Evita maiores dilemas para outros novos pastores cuidarem da mesma. Apenas uma pastoral, para evitar mal entendidos.

Anônimo
18 de maio de 2010 12:27 comment-delete

TUDO QUE NAO TEM EQUILIBRIO ACABA SENDO PREJUDICIAL.
SER HUMANO ALGUM TEM O PODER OU DIREITO DE CONTROLAR OU DICIDIR PELA OUTRA PESSOA.
MAS TAMBÉM NÃO PODEMOS NOS ESQUECER QUE QUANDO FAZEMOS AS COISAS SOZINHOS, A PROBABILIDADE DE DAR ERRADO É MAIOR.
ENTAO, NAO VAMOS VIVER DEBAIXO DE UM CABRESTO MAS TAMBÉM NAO PRECISAMOS VIVER UMA VIDA INDEPENDENTE, DO TIPO," NA MINHA VIDA SÓ EU DICIDO!" PORQUE MUITOS ACABAM FAZENDO ISSO, E DEPOIS VEM COM A BOMBA PARA OS TAIS PASTORES DOMINADORES RESOLVEREM.
DISCIPULADO É BENÇÃO, DESDE QUE APRECIADO COM MODERAÇÃO... :)

Anônimo
4 de novembro de 2010 10:25 comment-delete

Granndee Renato, eu sou a prova de que isso acontece... Recentemente permiti que minha filha Adolescente namorasse um rapaz, exemplar, compromissado, tem 16 anos porém matiuridade espiritual invejável, estudioso e do meu círculo de amigos, o rapaz ideal. A idéia foi bem aceita pois além das qualidades do rapaz, já tinha presenciado alguns marmanjos se interessando pela minha filha, do tipo que eu não quero nem perto de mim (risos), o namoro seria debaixo do meu nariz, aqui em casa, todos os passeios, lanches, cinemas deles, o próprio convidava eu e minha esposa pois realmente não tinha nada para esconder.
Tudo bem até então, até que o ministério da igreja (vamos dizer assim) Apóstolos, Profetas e poraí vai... Começaram a jogar água no namoro. Tiveram uma conversa com minha filha e o menino e preguntaram a minha filha coisas como quantos garotos ela tinha namorado, se ela ja tinha tido relação ou quantos ela beijara na boca. O pior foi falarem ao rapaz que ele não deveria namorar ela, pois não era de Deus... e coisas assim, sem contar na implicância com minha filha depois desses episódios.
Depois de eu conversar com todos, ter gabinete com o pastor, e coisas do tipo é que foi aparecendo as verdades.
Eu e minha esposa costumamos ser "chatos" com o ensino de nossos filhos, quando vejo alguém falar caca no púlpito, ao chegar em casa explano, explico dentro da palavra a verdade. Com isso nem eu e minha esposa nem meus filhos sustentamos um comportamento de "manequim" dentro da igreja, procuro óbviamente ser cuidadoso pois há irmãos que são novos na fé e qualquer reação por mais que seja certa e respaldada na Palavra pode ser estranha a eles em certos momentos (nao esquecendo do bom senso). Mas não deixamos que a autoridade invada nossa casa. Entendo autoridade eclesiástica a nível de aconselhamento espiritual (respaldado nas escrituras é claro) não como autoridade dentro da minha casa. Foi como disse a todos do ministério: Amo muito vocês, seus conselhos são sempre levados em conta por mim em minhas decisões agora... NA MINHA CASA, MINHA FAMÍLIA E MEUS FILHOS A ÚNICA E VERDADEIRA AUTORIDADE ALÉM DE DEUS SOU EU!!!

Resultado do "carnaval" (rsrs)Minha filha ficou chateada e com raiva do menino porque ele (a propósito sobrinho do casal de dirigentes)se deixava mandar em qualquer coisa por eles, passou a não ter identidade própria. Então ela terminou o namoro. Eles hoje devem estar felizes pois agora o rapaz pode arranjar outra namorada que "coma na mão deles".

Agora as questões:

-Como ensino os meus filhos a serem obedientes às autoridades eclesiásticas desse jeito?

-Tenho lutado uma GUERRA para que eles não guardem mágoa ou fiquem com raiva, pois na prática, isso pode atrapalhar a adoração verdadeira deles.

Em fim. Depois disso ja até tive alguns problemas, mas acreditem a maioria foi resolvida facilmente pois faço uma coisa que 95% dos membros de minha Igreja não fazem, e é o que todos deveriam fazer...

Estudar a Palavra.

abração Renato, mais um artigo que apesar de antigo, fala da nossa realidade.

27 de maio de 2011 13:51 comment-delete

Muito bom!
Em 2010 postei um artigo esclarecendo este tema em meu blog e alguns lideres se pudessem me levariam a fogueira:http://www.ministrosdagraca.blogspot.com/2010/11/e-biblico-o-ensino-da-cobertura.html

Abraço

24 de outubro de 2012 18:31 comment-delete

Parabéns. Bom texto. Foi para a liberdade que Cristo nos chamou.

21 de junho de 2016 09:50 comment-delete

Somos livres em Cristo Jesus e escravos dele essa é a maior liberdade que um home pode ter! muito bom seu texto parabéns

21 de junho de 2016 12:16 comment-delete

Passei por isso. A pessoa que me discipulava inclusive sugeriu que eu jogasse várias coisas fora por conta de pactos e maldições. O retiro espiritual tinha uma sessão de descarrego praticamente... É lamentável que esse tipo de coisa esteja arraigada na Igreja. Precisamos nos apegar fielmente à Palavra , pra fugir disso.

21 de junho de 2016 13:08 comment-delete

Graça e Paz Pr Renato Vargens, muito bom esse comentário sobre esse tema, que está crescendo e entrando em nuitas igrejas tidas como tradicionais, na Igreja onde faço parte já chegou aqui esses ensinos, que está causando muita divisão na Igreja, estamos passando um momento debinstabilidade emocional por causa desses ensinos.Onde as pessoas tratadas apenas como número,e não como membrosbdo corpo de Cristo.

21 de junho de 2016 13:41 comment-delete

É só ler a Bíblia que isso se resolve. São cativos porque não conhecem a verdade. Se fossem analfabetos o caso seria outro. No período inicial do novo testamento tínhamos os fariseus que faziam isso, mas era muito difícil ter um exemplar do Texto Sagrado em casa, mas hoje não temos mais essa dificuldade. Sendo assim, sigam oque disse Jesus: conhecereis a verdade é a verdade vos libertará. Fica a dica.

21 de junho de 2016 14:02 comment-delete

É triste. ..mas ja vivi isso. Fiz até terapia im tempo e um pontinho era essa cobrança absurda de ter que falar tudo pro pastor. Tinha pânico só de pensar em ir a igreja.

22 de junho de 2016 02:51 comment-delete

Não existe essa coisa de cobertura espiritual na Bíblia isso é mas uma heresias destruidora salmos 91 esta escrito aquele que habita no esconderijo do Altíssimo a sombra do onipotente descansará Jesus chegou diante de Jerusalém e disse queria ajuntá-lo como a galinhas ajunta seus pintinhos debaixo de suas asas pena que não conheceram o tempo de suas visitação nem um homem pode fazer coberturas espiritual sendo ele passível dos mesmos erros e fraquezas também isso é demoníaco.

22 de junho de 2016 08:26 comment-delete

Excelente texto, como diz a escritura:"e conhecereis a verdade é a verdade vos libertará", também:"para a liberdade Cristo vos chamou", somente por falta de conhecimento é que muitos incautos se submetem a certos lobos em pele de cordeiro!

22 de junho de 2016 09:48 comment-delete


parabéns pelo texto

22 de junho de 2016 14:20 comment-delete

Chegou o tempo de uma nova reforma da autoridade eclesiástica na igreja evangélica no Brasil.Esse julgo sera quebrado pela unção de Deus.

4 de fevereiro de 2017 11:21 comment-delete