Quando Deus quebra paradigmas

Renato Vargens

Os Judeus por razões históricas não desenvolviam nenhum tipo de relação com samaritanos. Na verdade, Os chamados filhos de Abraão, consideravam os samaritanos como pessoas desprovidas das bênçãos de Deus, os quais não mereciam nenhum tipo afeto ou atenção.

Jesus, ao optar em atravessar a terra de Samaria, se contrapôs aos valores sócio-religiosos da época, ensinando que o Evangelho do Reino não é, nunca foi e nem tampouco será, destinado a uma privilegiada classe étnica de pessoas. Na verdade, isso se percebe de forma clara e nítida quando ao encontrar-se como uma mulher samaritana, nosso Senhor resolve concomitantemente ir de encontro a alguns paradigmas da época. Ao fazer isso, Jesus derruba barreiras centenárias de preconceito social.

Caro leitor, por acaso você se já deu conta de que a misericórdia de nosso Senhor é absolutamente capaz de transpor as barreiras das ideologias humanas?

Vale a pena ressaltar o fato de que havia naquele tempo entre homens e mulheres, uma enorme desigualdade de significado e importância. Naquela época, os homens em hipótese alguma conversavam com mulheres em público, ainda que fossem suas esposas. Ora, por favor, pare e pense, se entre um judeu e um samaritano existiam preconceitos profundos, e se homens não conversam publicamente com mulheres, imagine o rebuliço que foi um homem, judeu e Rabi conversar com uma mulher samaritana e de vida duvidosa?

Por mais absurdo que possa parecer, um verdadeiro judeu era capaz de preferir a morte a tomar água da mão de uma samaritana, sobretudo pecadora. Convém ainda ressaltar, que a mulher samaritana não era desprezada apenas pelos judeus, mas também pelo seu próprio povo. Isto porque sua vida era um emaranhado de adultérios e divórcios. Na sociedade de então, isso fazia dela uma pessoa rejeitada e proscrita, com um status social igual ao de uma prostituta comum.

O encontro de Jesus com esta mulher é capaz de nos mostrar o quão maravilhoso é o amor de Deus, que mesmo diante das nossas imperfeições, nos envolve possibilitando-nos assim o desfrutar de uma nova vida. Jesus foi suficientemente forte para romper paradigmas, estereótipos, idéias pré-concebidas , proporcionando a aquela mulher samaritana a construção de uma nova e linda história.

Soli Deo Gloria,

Renato Vargens

2 comentários:

Por isso não devemos fazer diferenças com pessoas que estão em outro circulo religioso, sejamos para honra e glória de DEUS, exemplo do amor que o SENHOR nos envolveu à todos, não escolhamos a quem amar.
Gilbert Raposo, um aprendiz em Cristo Jesus.

Gilbert Raposo
11 de janeiro de 2010 06:23 comment-delete

Está escrito no livro 1 Samuel que Deus conhece o coração das pessoas. Penso que é por isso age assim - faz o bem a quem parece mal e desprezível e julga aqueles que parecem bons (os sepulcros caiados, ou túmulos embelezados em bom português). Nós ainda temos MUITOS preconceitos contra as pessoas. Como diz o adágio Preconceito é a opinião sem conhecimento. Entretanto, Deus é onisciente! Ele tem os verdadeiros conceitos! Ele ama - vamos aprender com Ele.
Somente a Deus, seja tudo que há de glorioso!

12 de janeiro de 2010 11:43 comment-delete