quinta-feira, dezembro 03, 2009

Ervas daninhas e desvios doutrinários, uma relação perigosa!

Por Renato Vargens

Eu e minha família morávamos numa casa onde tínhamos um lindo jardim, com belas plantas. Lembro-me que há alguns anos, nós compramos uma planta chamada Pingo de Ouro. Com o tempo e o cuidado necessário, ela começou a se desenvolver tornando-se então um pequeno arbusto muito bonito. Mas, sem que percebêssemos, uma destruidora erva daninha alojou-se ao seu lado, começando vagarosamente a sufocá-la. O processo de destruição foi tão forte que a planta quase não resistiu. Na verdade, se o nosso jardineiro não tivesse arrancado a erva daninha e tratado da planta com remédio específico, certamente ela teria morrido. No entanto, agimos rapidamente, na hora certa exterminando a praga. Sem a erva que a sufocava, a planta pôde desenvolver-se com saúde, tornando-se assim uma grande e bonita árvore.

Caro leitor, a luz desta pequena história fico a pensar nas inúmeras ervas daninhas que nos últimos anos têm sufocado a Igreja de Cristo. Do Oiapoque ao Chuí, vemos a multiplicação de inúmeras heresias, que paulatinamente tem feito com que experimentemos um evangelho absolutamente diferente do cristianismo bíblico.

Infelizmente as doutrinas espúrias dos defensores da teologia da prosperidade tem levado um número impressionante de pessoas a vivenciarem decepções, frustrações e desilusões. A conseqüência direta disto é a quantidade de ex-adeptos do neo-pentecostalismo que apostataram da fé.

Estima-se que no Brasil, existam aproximadamente trinta milhões de pessoas que um dia freqüentaram ativamente alguma igreja evangélica. Todavia, esta enorme multidão que até pouco tempo engrossava nossas fileiras, cantando nossos louvores, hoje, encontram-se fora de nossos arraiais vivendo dissolutamente distante da casa do Pai.

A quantidade de indivíduos decepcionados com Deus, com a igreja, seus líderes e membros é extremamente alarmante. Pessoas de classes sociais diferentes, cor, idade e escolaridade encontram-se nessa preocupante estatística.

Dos que no momento estão fora, boa parte, freqüentaram os cultos das denominadas igrejas neopentecostais, as quais, como sabemos tem pregado em todo país um evangelho triunfalista, onde o cerne da mensagem é a prosperidade e a bênção de Deus. Também somos conhecedores que uma significativa parcela destes que se relacionam com este tipo de “evangelho”, fazem de Deus um “deus” utilitário, o qual é descartado no momento em que suas petições não são atendidas. Em virtude disto, é absolutamente perceptível a migração de alguns destes para outras religiões. O número de indivíduos que antes se denominavam evangélicos e que foram para outras concepções doutrinárias é relevante. Conheço pessoas que freqüentaram igrejas e que agora, consideram-se adeptas de outro tipo de fé. No entanto, ainda que isto seja um fato a se considerar, a esmagadora maioria dos que freqüentaram nossos cultos, encontra-se no mundo, distante de Deus.

Dos que voltaram para o “Egito”, percebe-se, um considerável número de pessoas que adotaram como filosofia de vida o agnosticismo.

Confesso que assusta-me o fato de saber que inúmeras pessoas que outrora professaram sua fé num Deus cognoscível, agora, vivam a mercê de e achismos impressões estereotipadas de quem seja o Senhor.

Isto posto, chego a conclusão de que mais do que nunca necessitamos combater de forma veemente as nefastas doutrinas ensinadas pelos adeptos da teologia da prosperidade e confisão positiva, extirpando do nosso meio conceitos e doutrinas anti-biblicas e pagãs.

Pense nisso!

Renato Vargens
Joao disse...

Na minha optica, o povo também tem culpa no cartório. Primeiro porque muitos nåo suportam a verdade, dai que, os aproveitadores procuram puxar as ovelhas através do que, a primeira vista agrada, mas, depois quando descobrem o contrário ficam desnorteados. Tenho reparado em várias denominaçoes, que os pastores antes de tudo, fazem uma pesquisa dos hábitos da regiåo, para saberem o que o povo mais gosta, e que possam usar como arma para encherem a igreja, e ai, tudo vale. Vale chamar um cantor popular mundano para encher a igreja, vale imitar os rituais tradicionais da regiao, para atrair o povo etc etc, a unica coisa que nåo vale, é abrir a biblia.


JOAO MAPIE
MAPUTO-MOÇAMBIQUE

Adna Jovem disse...

Ah com certe mta erva daninha pa implantada nas igrejas infelismente o que vemos mto ai é pregadores* falando de prosperidade... vendendo oleo para prosperidade para o amor para tudo que possa imaginar esses dias fui fazer um concursso publico e tinha uma igreja vendendo no sinalero canetas urgidas... FALAAAAA SERIOOOOOOOOOOO... é tanto LIXOO que me revoltaaa... por isso é mto importante falarmos sempre sobre isso e combater mesmo... de todas as formas essa sujeirada esse comercio da palavra de Deus...

Pazzz

MARIO HERMES disse...

Caríssimo Pr. Renato,
digo "Caríssimo" levando em consideração sua coragem de tocar em chagas abertas que muitos de nós preferem fingir que estão cicatrizadas, quando na verdade "purgam e fedem". Como já afirmei em comentário anterior, tenho lido seus "post's" diariamente e sempre que são abordados temas ligados com as famigeradas "teologia da prosperidade, determinismo, diversos tipos de unção e aberrações similares", fico pensando em uma frase de João Alexandre, que é +/- assim: "Quando eu abro mão de pensar, outro pensa por mim e me escravisa". Se confrontarmos essas "famigeradas" com a Palavra de Deus vamos, sem muito esforço, perceber quão frágeis são seus fundamentos e que nada tem de Bíblico. Se levarmos em consideração a Teologia da Prosperidade chegaremos à conclusão que Jesus foi um derrotado, se não vejamos: Sendo Rei e Senhor de um Reino Celeste, abriu mão da sua Majestade e nasceu em um estábulo numa família simples, tendo como berço uma manjedoura; tendo todo Poder e Sabedoria "não usurpou ser igual a Deus e se aniquilou assumindo a forma de servo"; declarou a cerca de si mesmo: "... o Filho do Homem não tem onde repousar sua cabeça"; foi perseguido por seus conterrâneos até que sendo preso, sofreu toda sorte de humilhações e morreu da pior morte para o Judeu: "Maldito todo àquele que for pendurado no madeiro"; resumindo, segundo os preceitos da "prosperidade": UM DERROTADO!
Esses "caras" se insurgem contra tudo que proconiza o Evangelho de Cristo e tentam, e tem conseguido, manipular muitos que "tendo coceira nos ouvidos" se deixam enredar por "fábulas". Dou graças a Deus por existirem "Homens de Deus" que se contrapõem à essas abominações. Para citar João Alexandre novamente, "É proibido Pensar" faz críticas severas à muitos desses "latoeiros e nicolaítas"!!! http://www.youtube.com/watch?v=87ubQOyrtZQ
Deus tenha misericórdia de nós.
Mario Hermes

Gilbert Raposo disse...

Acho que o correto é o caminho do meio " o estreito ", nem o da esquerda " miséria ", nem o da direita " riqueza ", pois quem procura o reino dos céus não tem apego as coisas materiais, e nisso digo que o apego separa, Cristo venceu o mundo para nos libertar e só ele salva.
Gilbert Raposo, um aprendiz em Cristo Jesus.

favourite category

...
ministério pastoral

Whatsapp Button works on Mobile Device only