Muito prazer, eu sou a filha da soberba.

Por Renato Vargens
Lutero comumente dizia que existem três cachorros perigosos: a ingratidão, a soberba e a inveja, e que quando mordem deixam uma ferida profunda. Shakespeare costumava dizer que possuir um filho ingrato é mais doloroso do que a mordida de uma serpente; já, Miguel de Cervantes afirmava que a Ingratidão é filha da soberba.

Pois é, a ingratidão de vez em quando se faz presente em nossos relacionamentos, e ser alvo dela é absolutamente estarrecedor. Comumente recebo em meu gabinete inúmeras pessoas que se queixam das ações e reações de amigos e entes queridos que por motivos banais esqueceram no canto da existência expressões de afetividade e amor. Tais indivíduos influenciados pela soberba e arrogância, desenvolveram em seus corações um espírito indolente e debochado onde a auto-suficiência se faz presente.

Ora, sofrer ingratidão por parte daqueles com quem nos relacionamos é extremamente dolente. Infelizmente num mundo “ensimesmado” e egoísta como o nosso, tornou-se comum encontrarmos nas estradas da vida pessoas ingratas. O apostolo Paulo afirmou em sua segunda carta a Timóteo de que nos últimos tempos os homens seriam amantes de si mesmos. Na verdade, segundo Paulo, a geração dos últimos dias estaria muito mais preocupada com seu próprio umbigo, do que com a dor do próximo.

O imperador brasileiro Pedro II, em um esplêndido soneto sobre a ingratidão afirmou que a dor que maltrata, a dor cruel que o ânimo deplora que fere o coração e quase mata, é ver na mão cuspir, à extrema hora, a mesma boca aduladora e ingrata, que tantos beijos nela deu outrora.”

Pense nisso!

Renato Vargens

3 comentários:

"Depois de um tempo você aprende (...) E aceita que não importa quão boa seja uma pessoa, ela vai feri-lo de vez em quando e você precisa perdoá-la por isso". O Menestrel - W. Shakespeare;

A ingratidão nos fere e machuca muito. Mas será que parte destas feridas não cicatrizadas, não são fruto de nossa perda da prática do perdão?

Vale a pena refletir...

Abrçs.
Marcelo

16 de outubro de 2009 11:56 comment-delete

Nenhum dever é mais urgente do que o de demonstrar gratidão».
Ambrósio

Dar graças a Deus é vibrar as cordas da alma ao toque suave da benevolência divina.
Anônimo

Anônimo
16 de outubro de 2009 13:33 comment-delete

Graças a DEUS em minha essência sou eternamente agradecido aos que me de alguma forma me recebem ou me acolhem em socorro por algum motivo, e por onde passei em minha trajetória terrena deixei amigos, e no dia de minha oportunidade retribuirei em nome de Jesus, pois sei que não sou nada sem DEUS e os que me rodeiam, precisamos uns dos outros, ação e reação, ajudemo-nos
em verdade de ação e não só em belas palavras, somos todos aprendizes cada um com suas imperfeições.
Obrigado DEUS, Gilbert Raposo um aprendiz em Cristo Jesus.

GILBERT RAPOSO
16 de outubro de 2009 18:54 comment-delete