Rio "roleta russa" de Janeiro

Por Renato Vargens
Alguns dos meus amigos já foram assaltados, tiveram seus carros e bem roubados. Se não bastasse isso, já oficializei algumas cerimônias fúnebres de pessoas que tiveram as suas vidas ceifadas pela bestialidade comum aos moradores do Rio de Janeiro. Hoje recebi um telefonema de um amigo que relatou a perplexidade de ter o seu carro furtado. Na semana passada, uma irmã membro de minha igreja, que trabalha como comerciante, teve seu estabelecimento assaltado por marginais que de forma bruta e violenta atentaram contra a vida dos que se encontravam presentes.
Sinceramente a impressão que tenho é que estamos participando de uma grande roleta russa onde a qualquer momento poderemos ser vitimados bela brutalidade dos homens.

O que me assusta é que o governador do Estado do Rio não toma nenhuma providência concreta quanto ao estado de putrefação da sociedade carioca. O Instituto de Segurança Pública acabou de anunciar a mais recente estatística sobre a violência no Rio de Janeiro, onde os dados são apavorantes. De janeiro a Julho de 2009, houveram 3595 homicídios dolosos, 24 policiais assassinados, além de 3163 pessoas desaparecidas.
Infelizmente as políticas públicas do estado do Rio de Janeiro se mostram inéptas diante tanta violência, até porque, o Estado não se faz presente nos bolsões de pobreza comuns aos nossos municípios. Para piorar a situação, a educação é pífia, a saúde vergonhosa, isso sem falar na política de assistência social que é absolutamente inexistente.
Como já escrevi anteriormente confesso que estou cansado de ouvir tantas noticias ruins. Não agüento mais ler nos jornais ou ver na televisão as histórias trágicas de centenas de pessoas que foram vitimadas por balas perdidas. Até quando famílias inteiras chorarão desesperadas a perda de seus filhos e pais? Até quando choraremos a morte de crianças e adolescentes?

Que me desculpe Fernanda Abreu, eu não quero um Rio cujo comando seja um comando submundo oficial, nem tampouco um Rio de submundo bandidaço, quero um Rio de festa, de alegria, de solidariedade, de harmonia , de respeito. Quero um Rio de Janeiro a dezembro, quero um Rio seguro, quero um Rio de cores onde o verde, branco, grená, preto, vermelho, se confraternize nos campos e estádios de futebol. Quero um Rio cujos moradores independente do lugar que moram, convivam em paz e harmonia. Quero ver um Rio de encantos mil, quero novamente ver o Rio, coração do meu Brasil.

Pense nisso!

Renato Vargens

4 comentários:

O velho oeste moderno, cowboys do asfalto foras da lei, é o que vivemos e já vemos situações onde a população está reagindo ( o que não deve acontecer ) e até matando os miliantes sem dó nem misericórdia, lembro que na minha infancia quando viamos um cadáver tinhamos emoção pelo acontecido, hoje as pessoas estão frias até parece que estão vendo um animal abatido e não um ser humano, eu não acredito em solução atravéz do turista Cabral, ou de outro qualquer politico, eu só acredito numa nova terra, JESUS é a solução.
Oremos ao SENHOR.
Gilbert Raposo, um aprendiz em Cristo Jesus.

GILBERT RAPOSO
17 de setembro de 2009 18:19 comment-delete

Pois é...concordo plenamente Pr.
Parece que as autoridades não se conscientizam que está na hora que planejarem políticas de Estado e não politicas de governo. As ações precisam ser acertivas e contínuas. Analisando a política pela política, vejo que estamos perdidos. Mas por uma ótica cristã, sei que só Deus pode continuar nos guardando e que um dia, esses políticos prestarão contas a Ele por tamanha negligência.

17 de setembro de 2009 18:46 comment-delete

Simone,

Talvez este seja dos principais problemas. Os caras em vez de criarem politicas de estado, optam pelas de governo. Na verdade, boa parte delas é assistencialista, coronelista e arbitrária.

O povo brasileiro sofre.

17 de setembro de 2009 18:50 comment-delete

Gostei do cabeçalho Renato!

19 de setembro de 2009 05:03 comment-delete