Matrix, os evangélicos e a crise do real e do irreal.

Por Renato Vargens
Há pouco eu revi a trilogia do filme Matrix. O filme apresenta como tema a luta do homem, contra o domínio das máquinas que evoluíram após o advento da Inteligência Artificial.

Em um recurso extremo para derrotar as máquinas, a humanidade cobriu a luz do Sol para cortar o suprimento de energia das mesmas, mas elas adotaram uma solução radical: como cada ser humano produz, em média, 120 volts de energia elétrica, começaram a cultivá-los em massa como fonte de energia. Para que o cultivo fosse eficiente, os seres humanos passaram a receber programas de realidade virtual, enquanto seus corpos reais permaneciam mergulhados em habitáculos nos campos de cultivo. Essa realidade virtual, que é um programa de computador ao quais todos são conectados, chama-se Matrix e simula a humanidade do final do século XX.

O filme é repleto de mensagens sutis, dentre as quais da existência de pessoas que preferem viver no mundo irreal a libertar-se da Matrix. Isto me faz lembrar inúmeros crentes em Cristo Jesus que optaram por viver a vida cristã em casulos ilusionários. Para estes, não vale a pena livrar-se dos habitáculos escravocratas, até porque, o mundo real vai de encontro a tudo aquilo que sempre combateram. Os crentes “matrixados” preferem a prisão dos usos e costumes a liberdade em Cristo Jesus. Aliás, você já se deu conta da existência de cristãos que não conseguem lidar com a liberdade? Para estes, o cristianismo não é libertário, e sim “budificado” e “carmático”. Neste contexto, usar maquiagem, brincos, pulseiras e anéis, ouvir música do mundo, jogar futebol, tomar um cálice de vinho com o cônjuge em datas especiais, dentre outras coisas mais, pode ser considerado libertino e demoníaco.


Prezado amigo, infelizmente um número significativo de cristãos, salvos em por Deus, ao ouvirem a mensagem libertadora do evangelho de Cristo, recusam o mundo real preferindo o “lerê, lerê” da Matrix.

Pense nisso!

Renato vargens

14 comentários:

Temos que parar de demonizar a vida e seus prazeres e aprender a celebrar a Deus em todas as coisas... até num cálice de vinho!

27 de julho de 2009 15:37 comment-delete

Boa tarde, estimado Vargens.
Dado ao sério conteudo de seus artigos, posso dizer que sempre estou receptivo aos mesmos.
No que tange especificamente à esse; me espanta o fato de que ainda existam denominações/congregações que usam e abusam do legalismo, pena!!!
Cristo nos libertou para que fossemos "verdadeiramente livres" basta observarmos Gl 5:1 Estai, pois, firmes na LIBERDADE com que Cristo nos LIBERTOU, e não torneis a colocar-vos DEBAIXO DO JUGO DA SERVIDÃO.
Graça e Paz.
Pizarro, vosso conservo em Cristo.

Roberto Pizarro
27 de julho de 2009 16:17 comment-delete

Oi, Renato...

estou recebendo as atualizações do seu blog no meu email. Foi você que colocou meu email p/ recebê-los?

Bom de qualquer forma... estou apreciando bastante e este texto veio bem de encontro com a temática do meu blog! Repliquei lá...

Abração!

27 de julho de 2009 16:34 comment-delete

Thiago,

Fique a vontade. Pode replicar os meus textos em seu blog.

abraços,

27 de julho de 2009 17:10 comment-delete

Pr. Renato, dou graças a Deus pela sua vida.

Seus textos sempre nos faz refletir, descordo raramente em um ponto aquí, outro alí mas é por falta de conhecimento, inclusive pesso perdão porque persebo o seu esforço em aprender para nos ensinar da melhor forma questões referentes à bíblia e para o nosso dia-a-dia. Muito obrigado Deus por ter pôsto esse homem no meu caminho!

Agora, certas questões, eu acredito que não devem ser aplicas da mesma forma para todos, cada um tem ritimo de crescimento diferenciado do outro, o senhor deve saber bem disso.

Eu por exemplo, tenho minhas dificuldades que o senhor como meu pastor conhece, e se alguem em quem eu confío pregar de forma que não seja bem clara e expressiva, eu corro sério risco de relativizar e cometer mais um pecado.

Creio também que tenho responsabilidade sobre a vida de meus irmão mais fracos na fé e é essa a minha preocupação maior.

Que Deus continue a te abençoar com textos e pensamentos que mexam com nossas cabeças e nos façam refletir se nossa postura está correta diante de Deus e dos homens.

Toda honra, gloria e louvor sejam dadas a Deus!

27 de julho de 2009 17:21 comment-delete

"Tudo me é licito mas nem tudo me convém."

Um cálice de vinho para um ex-alcoolatra não convém.

Gostei bastante do artigo.

27 de julho de 2009 17:24 comment-delete

Querido cleber,

Obrigado pelo comentário e carinho.

Abraços,

Pr. Renato Vargens

27 de julho de 2009 17:27 comment-delete

Prezado Zorô,

É verdade. Um cálice de vinho por alcoolatra é o caos. agora, isto não significa dizer que não devemos ensinar a Bíblia toda, e toda Bíblia.

Abração,

Renato Vargens

27 de julho de 2009 17:32 comment-delete

Conheço crentes canela de fogo que sintonizam seus rádios na globo-AM, tomam seu vinho em suas casas( um cálice, nunca um garrafão ), pior e muito pior é a hipocrisia, não faço isso, não uso aquilo, mas é um marido violento verbalmente e em alguns casos até fisicamente, é pai ausente, não é um bom vizinho, quer dizer só se apresenta para a igreja nos dias de culto e no seu dia-dia não serve de exemplo para ninguém, gente dentro de nossas casas façamos o que quizermos, e entra em nossa casa quem a gente quer, porque o que fizermos de errado com certeza prestaremos conta a um só, agora vigiemos para que não nos tornemos pedra de tropeço para ninguém, amemo-nos em Cristo Jesus, Não critique nunca, auxilie sempre.
Gilbert Raposo, um aprendiz em Cristo Jesus.

GILBERT RAPOSO
27 de julho de 2009 19:23 comment-delete

Fomos libertos,senssacional!De escravos ,passamos a condição de livres,mas a cautela para que possamos estar atento,que aponta um modo de vigiar é fundamental.Como o meu irmão Cleber disse,para levarmos a palvra aos irmãos que estão buscando é preciso responsabilidade,cada um com sua luta.Pastor , confesso que fico com a minha mente desordenada,ou seja ,confusa a respeio de certas celebrações.Conforme as escrituras,não vejo nada que proiba beber,mesmo que seja um cálice de vinho,mas faço remissão ao que escrevi no início do meu comentário sobre vigiar,entretanto,me conhecendo muito bem,não tomaria cálice nehum,visto que nunca fui alcoólatra,bebia ás vezes,por "ESPORTE",sei das minhas limitações.Tenho medo de alguém mergulhar literalmente no vinho,jogando fora toda mudança que Deus fez na vida dela.Recentimente chegou um casal jovem da Europa no elevado dos crustácios(comunidade do caranguejo).O irmão da jovem ,para comemorar ,bebeu um vinho ou cerveja celebrando a chega deles.Mergulhou no álcool,não sabemos se voltou para a prática do uso das drogas,mas de uma coisa eu sei,está ficando lunático de novo.Ele era alcoolotra.A libertação que PAULO diz não aponta para vivermos livres para adorar o SENHOR?Não estão confundindo,saindo do então limite?A minha preocupação é achar o quê as pessoas,que passaram pelo álcool vão encarar a questão do cálice de vinho.
QUE DEUS SEJA CONOSCO.

27 de julho de 2009 22:43 comment-delete

Querido Augusto,

Se beber um cálice de vinho pode leva-lo ao tropeço ou queda. Não faça!

abraços.

27 de julho de 2009 22:59 comment-delete

Concordo 100% com o Cleber excelente comentário!

27 de julho de 2009 23:35 comment-delete

Esta Matrix é a grande tentação dos cristãos contemporâneos. A vida TEM que ser uma vida sem sabor e saber.

A tal libertação das trevas parece mais um retrógrado jogo do "Pode ou não pode?"

Isto na verdade mostra um pecado tão grande que a nossa mente parece não conseguir alcançar: desconfiamos do Amor de Deus pelos salvos!

Temos que ficar fazendo obras para sermos aceitos ou mais amados por Deus.

Li gente falando de Romanos 14 para defender a abstinência de vinho!

Só esquecem de ler o texto e perceber o que o texto diz:
1- Paulo chama ao equilíbrio os Fortes e Fracos na fé!
2- Paulo esta do lado dos fortes!
3- Os fracos são exortados a deixarem de ser JULGADORES dos que comem carne ou coisa que o valha!

Tanto é assim que no versículo 4 do capítulo 14 o apóstolo diz:
"QUEM ÉS TU, QUE JULGAS O SERVO ALHEIO? Para seu próprio SENHOR ele está em pé ou cai. Mas estará firme, porque poderoso é Deus para o firmar."

TRADUZINDO: Quem é vc fraco na fé para julgar seu irmão? Se ele está de pé ou cai isto é da conta DO SENHOR! O que vc não percebe é que EU O SOU QUEM O FAZ FICAR DE PÉ!

4- Fortes ou fracos na fé tem que viver em Amor. Se um bebe vinho, beba com moderação sem julgar quem não bebe. Se vc não bebe, não fique julgando o irmão que bebe! Ler Rm 14.10-12

5- E liberdade amados irmãos não é fazer o que quer. Os fortes e fracos devem viver de acordo com o Senhor, portanto: Quem bebe vinho, beba SEM QUE ISSO seja tropeço. E quem não bebe, NÃO FAÇA DISTO tropeço pra quem bebe! Rm 14.12-16

6- No restante do capítulo Paulo adverte aos Fracos e Fortes que não fiquem se gloriando por fazerem ou não fazerem, mas por servirem a Deus
em suas práticas.

Inclusive ai o apóstolo pega mais pesado com os fracos: "
"Tens tu fé? Tem-na em ti mesmo diante de Deus. Bem-aventurado aquele que não se condena a si mesmo naquilo que aprova. Mas aquele que tem dúvidas, se come está condenado, porque não come por fé; e tudo o que não é de fé é pecado." Rm 14.22-23


Se alguém quer viver na Matrix, continue...

Lá não é meu lugar!

28 de julho de 2009 12:15 comment-delete

sandro,

Irretocável o seu comentário. parabéns!

aproveito e divulgo aos leitores do meu blog o seu blog.

http://sandrowagner.wordpress.com

abraços,

Renato Vargens

28 de julho de 2009 12:23 comment-delete