Homens chorões, um comportamento nas olimpíadas e no ocidente

Por Renato Vargens

Antes de qualquer coisa é preciso dizer que não sou adepto do pensamento que homem não chora, mesmo porque, acredito que existem momentos, circunstâncias e situações que o choro é extremamente lícito e importante.

Eu, particularmente entendo perfeitamente o choro diante do luto, do divórcio, da enfermidade que castiga o corpo ou ente querido, além de outras coisas mais. Todavia, o que temos visto em nossos dias são homens chorando por qualquer motivo. 

Um exemplo claro disso foi durante a Copa do Mundo de 2014, quando os jogadores brasileiros ao término das partidas choravam emocionados. O que dizer então das Olimpíadas? Confesso que estou impressionado com a quantidade de atletas que ao serem eliminados de suas modalidades esportivas choraram desesperadamente. Ora, vamos combinar uma coisa? Alguma coisa está errada não é mesmo? Será que podemos considerar como algo normal os homens chorarem por qualquer motivo? E mais, será que isso não se deve em parte a feminilização da cultura?

Pois é, diante de tanto choro é inevitável não lembrarmos de  Lothar Matthaus, ex-jogador da seleção da Alemanha que na Copa do Mundo criticou (aqui) o comportamento dos atuais jogadores do Brasil. Segundo o ex-meio-campista, os atletas da seleção brasileira choraram demais no Mundial, o que seria sinal de inexperiência e fraqueza.


"Não compreendo por que um jogador de futebol chora. Os brasileiros sempre choram. Se soa o hino, eles choram. Eliminaram o Chile e choraram. Perderam para a Alemanha e choraram. Eles têm que mostrar que são homens, que são fortes. Nunca tinha visto nada tão nefasto como a linguagem corporal dessa equipe", comentou.

Talvez ao ler este texto, você esteja dizendo consigo mesmo: "Eu discordo, até porque,  Jesus chorou." 

Verdade, Jesus chorou, sim, mas ele era forte e viril quando precisava ser. 

O que falar então dos "homens MIMIMI" que por qualquer motivo choram? Pois é, nossas igrejas estão lotadas deles não é verdade? Homens frouxos que quando contrariados fazem um drama danado, chorando por se sentirem injustiçados.

Lamentavelmente  o que temos testemunhado é a feminilização da cultura, que é fruto direto do marxismo cultural, o qual em nome do empoderamento da mulher tem procurado "feminilizar" o homem tornando-o incapaz de conduzir sua família nos preceitos do Senhor.

Tempos difíceis os nossos

Pense nisso!

Renato Vargens

Outros textos sobre a crise de masculinidade do nosso tempo:

1-) Marido "banana" uma característica dessa geração de homens omissos (aqui)
2-) Homens que deixaram de ser homens, uma tragédia para a família (aqui
3-) Jornalista dinamarquesa desabafa: “europeus estão afeminados e as mulheres estão em perigo” (aqui
4-) Homens cristãos não sejam bananas. Liderem suas casas. (aqui)
5-) O pastor "banana" e a esposa autoritária (aqui
6-) A sídrome do homem frouxo (aqui)
7-) A ditadura do feminismo e a "feminilização" do homem cristão (aqui)



0 comentários: