Quando a igreja torna-se escrava da tecnologia

Por Renato Vargens

Um mito comum ao nosso tempo é que quanto mais a igreja tiver apoio tecnológico, melhor e maior ela será. 

Pensando nisso, as igrejas evangélicas tem investido alto em projetores multimídia, instrumentos musicais e equipamento de som. 

Fundamentados nessa premissa, boa parte dos pastores acreditam que quanto melhor for a tecnologia usada por numa igreja, mais Deus se alegrará e mais pessoas serão alcançadas.

Outro dia, alguém me ofereceu uma mesa de som digital que se a igreja comprasse, revolucionaria nossos cultos. Para tanto, deveríamos desembolsar a bagatela de R$ 20 mil Reais. Claro que não compramos, mesmo porque, ainda que quiséssemos não teríamos esses recursos disponível.

Na verdade, penso eu,  comprar uma mesa deste naipe, além de desnecessário, serviria somente para fortalecer o mito reinante de que quanto mais tecnologia melhor.

Pois é, o problema é que ao alimentar esse mito, igrejas que não possuem os mesmos recursos financeiros se sentem diminuídas e até mesmo incapazes de produzirem cultos que glorifiquem ao Senhor. Nessa perspectiva, procurando buscar excelência, endividam seus membros, através de campanhas, jornadas e eventos, no afã de alcançarem suas metas. 

Ora, antes que alguém me apedreje, bem sei que tecnologia não faz mal a ninguém, e que um bom som, como também bons instrumentos ajudam na qualidade do culto, todavia, atrelar isso a ideia de um culto perfeito é demais da conta, não é verdade? 

Caro leitor, vamos combinar uma coisa? Em que lugar das Escrituras encontramos algum texto que nos ensine que pra Deus se fazer presente num culto é preciso algo especial? A Bíblia nos mostra que onde estiverem dois ou três reunidos em nome do Senhor ele estará presente. (Mateus 18:20).  Isto é, basta uma reunião em torno dele, que lá ele está. Esta premissa bíblica anula a ideia de que alguma coisa, algum fato extra fé,  ou até mesmo a tecnologia são peças fundamentais a presença de Deus em nossos cultos.

Veja bem, nada contra as igrejas que investem nesse tipo de tecnologia, longe de mim querer condenar aquelas que fazem isso. Alias, vale a pena ressaltar que o meu obejtivo ao escrever esse texto não foi criticar os que investem em tecnologia e sim desconstruir a ideia de que a tecnologia é fundamental a presença de Deus num culto,

Diante do exposto concluo essa pequena reflexão pensativo, entendendo Deus é livre e que ele não precisa de nada para se fazer presente em nossos ajuntamentos.

Pense nisso!

Renato Vargens



3 comentários:

Pastor, Renato Vargens, boa tarde! e Deus abençoe o senhor e sua família.

Concordo plenamente com o senhor. Há poucos dias estava conversando com um amigo, e ele me disse que o Pastor, da igreja dele, estava passando um carnê, para ajudar a pagar o programa de televisão, aí ele me disse: Imagine, ele dá o dízimo e ofertas e ainda tem que pagar carnê para pagar o programa e televisão. Jogam um fardo tremendo no povo e dizem que quem pagar as janelas do céu se abrirá. Concordo com o Senhor, tem pastores que se sentem pequenos e diminuídos por não ter está ou aquela tecnologia. Fiquei pensando se a tecnologia é tão importante para salvar almas, por que Jesus não veio agora na terra? Fica essa pergunta.

Anderson Lemos

2 de junho de 2015 15:31 comment-delete

Caro pr. Renato,

Primeiramente venho parabenizá-lo por este blog. Apesar de ser minha primeira "participação", é para mim leitura diário obrigatória há bom tempo.

Como músico há muitos anos, valorizo bastante a boa qualidade sonora, assim como a boa técnica. Contudo, isso é tudo desnecessário à boa promoção da Palavra de Deus e do Evangelho de Cristo. A busca por essa "qualidade" tem sobrepujado a busca pela qualidade realmente necessária: a correta exposição da Sagrada Escritura, promovendo a piedade, o amor, o arrependimento, a conversão verdadeira, a propagação do verdadeiro cristianismo e do Reino de Deus.

Essa semana mesmo estava conversando com minha esposa sobre uma igreja que conhecemos que gastou um montante alto de dinheiro em uma tela de LED gigante e planejava comprar uma (outra) mesa de som digital de mais de R$ 50 mil, e estava, todavia, pedindo que os irmãos se envolvessem na aquisição de convites para um evento que levantaria fundos em favor de uma ONG que cuida de crianças carentes e que é mantida pela mesma igreja. É lamentável ver a miopia da igreja...

Vemos que a igreja tem tentado amoldar-se ao padrão do mundo, tentado agradar o mundo. Sugiro que leiam Rm 12:2, Jo 15:19, 1 Jo 2:15-16.

Oro para que Deus restaure a visão dos pastores no que concerne às reais prioridades do Reino.

Que Deus o abençoe, pr. Renato, e mantenha-o em Sua grandiosa Graça!

2 de junho de 2015 19:41 comment-delete

Mas, buscai primeiro o reino de Deus, e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas...
Mateus 6:33
Esse versículo responde...

23 de abril de 2016 10:42 comment-delete