5 razões básicas porque os homens desejam que Deus esteja morto

Por Renato Vargens

Existem pessoas que se pudessem matariam a Deus. Na verdade, eu tenho visto um número considerado de individuos dizendo que Deus não existe ou que ele morreu. Para esses a inexistência de Deus tem sido defendida com unhas e dentes, mesmo porque, somente assim poderão justificar atos, atitudes e comportamentos emiscuidos de promiscuidade. 

Isto posto, elenco pelo menos cinco motivos porque os homens desejam que Deus esteja morto:

  • Se Deus não existe, também não existe lei, muito menos pecado, o que viabiliza como relativiza a prática de todo tipo de iniquidade.
  • Se Deus não existe, não existe salvação, muito menos punição eterna.
  • Se Deus não existe não existem valores morais e sim tabus que precisam ser quebrados.
  • Se Deus não existe, deuses podem ser fabricados de acordo com as conveniências humanas, proporcionando assim que a criatura manipule o criador conforme suas crenças, vontades e pecados.
  • Se Deus não existe tudo é válido, todo tipo tipo de pecado é justificável, todo tipo de imoralidade é permitida.

Caro leitor, os que tentam matar a Deus cometem um erro grosseiro, até porque, o Deus revelado nas Escrituras existe sim! O criador vive eternamente! Seu Filho Jesus veio ao mundo, andou entre os homens, morreu numa cruz e ressuscitou dentre os mortos. Ele está vivo! Ele vai voltar e buscar sua igreja. Os que por ele forem salvos herdarão a vida eterna, já os que nele não creram sofrerão as consequencias de uma vida de pecados, trazendo sobre suas vidas o juízo de Deus. 

Compartilho do hino cristão que  diz o hino: 

Porque Ele vive, posso crer no amanhã.
Porque Ele vive, temor não há.
Mas eu bem sei, eu sei, que a minha vida 
Está nas mãos do meu Jesus, que vivo está 
Deus enviou Seu Filho amado
Para morrer em meu lugar
Na cruz sofreu por meus pecados
Mas o sepulcro vazio está porque Ele vive 
E quando, enfim, chegar a hora
Em que a morte enfrentarei
Sem medo, então, terei vitória
Verei na Glória o meu Jesus que vivo está! 

Para terminar este post tomo emprestado as palavras do príncipe dos pregadores Charles Spurgeon: 

"Deus determinou um dia em que julgará o mundo, e suspiramos e choramos até que termine o reino da impiedade e dê descanso aos oprimidos. Irmãos, devemos pregar o vinda do Senhor, e pregá-Lo mais do que temos feito, porque é o poder do Evangelho. Muitos têm prendido estas verdades e assim o osso foi tirado do braço do Evangelho. Sua ponta foi quebrada; seu gume foi cegado. A doutrina do julgamento vindouro é poder pelo qual as pessoas são despertadas. Existe uma outra vida; O Senhor virá uma segunda vez; o julgamento chegará; a ira de Deus será revelada. Onde esta mensagem não é pregada, ouso dizer que o Evangelho não é pregado. É absolutamente necessário à pregação do Evangelho de Cristo que as pessoas sejam alertadas a respeito do que acontecerá se elas continuarem em seus pecados. Ôu, ôu, senhor cirurgião, o senhor é delicado demais para informar ao seu paciente que ele está doente! Espera curar os doentes sem eles tomarem conhecimento. Assim, o senhor os lisonjeia: e o que acontece? Eles riem do senhor e dançam sobre suas próprias covas. E finalmente morrem! Sua delicadeza é crueldade; suas lisonjas são veneno; o senhor é um assassino. Será que devemos manter as pessoas em um paraíso de mentira? Será que devemos adormecê-los em doces sonecas das quais apenas acordarão no inferno? Será que devemos nos tornar colaboradores para sua condenação através de nossas agradáveis conversas? Em nome de Deus, não!'

Pense nisso,

Renato Vargens

1 comentários:

O que tem morrido são as religiões e os deuses por elas criados.

E o Cristianismo como religião é o próximo a morrer. Na Europa e EUA já morreu. No Brasil, América Latina e África está morrendo também, sufocada pelo sincretismo que se tornou os "evangélicos".

Agora Jesus Cristo continua vivo e sua Igreja vai crescendo. Pois se Paulo plantou e Apolo regou, quem dá o crescimento dela não é Calvino nem Spurgeon, mas o Cordeiro que vive para sempre!

HP
23 de setembro de 2014 10:20 comment-delete