03 motivos básicos porque não faço apelo para salvação


Por Renato Vargens



De forma efetiva os apelos para "aceitar" Jesus deram início no século XIX com Charles Finney.  

O apelo religioso é a prática de convidar o ouvinte de uma mensagem evangélica, a tomar uma decisão de aceitar Cristo como seu salvador. Normalmente o apelo é dado depois de uma pregação ou campanha evangelística, num clima emotivo, onde canções em tom menor são entoadas com vistas a sensibilizar o pecador. Em momentos como esses o ouvinte é convidado a responder sim ou não a "oferta " de salvação por parte do pregador. 

Caro leitor, eu não acredito em apelos para salvação.  Permita-me explicar porque:

1-) A prática do Apelo afronta a incapacidade do homem de ir a Deus. 

A doutrina da depravação total é inequívoca. Efésios 2.1 nos ensina que o homem está “morto em seus delitos e pecados”. Isto é, um homem morto espiritualmente não possui a capacidade de ir a Deus ou até manifestar desejo por Deus, a não ser que este o queira e o convença mediante o Espírito Santo do pecado do juízo e da justiça. Além disso, as Escrituras também ensinam que  “Ninguém pode ir a Cristo se o Pai, não o enviar.” Em outras palavras isso significa que nenhum homem pode ou tem poder para ir até Cristo por vontade própria.

2-) A prática do apelo geralmente é feita num clima sensacionalista, manipulativo e extremamente emocional. 

É comum ao final dos sermões encontrarmos os pregadores num clima extremamente emotivo convidando os ouvintes a decidirem por Cristo. Em momentos como esses, o que importa é sensibilizar  o pecador levando-o a decidir por Cristo. 

Caro leitor,  uma decisão movida por emoções não aponta de forma efetiva para uma conversão a Cristo. Na verdade, a maioria daqueles que responderam um apelo para aceitar Jesus, não permaneceram na Igreja, na verdade, acredito que  aproximadamente 90%   daqueles que com lágrimas disseram sim a Cristo numa cruzada evangelística, onde a emoção é levada as últimas consequências não continuaram a trilhar a estrada da fé. 

3-)  O apelo contradiz o que a Bíblia dá como a ordem na salvação

João 3.3 nos ensina que se o homem não nascer de novo, não pode ver o reino de Deus. Regeneração antecipa conversão. É o novo nascimento que habilita o homem a confiar e crer em Cristo, portanto, querer que o homem decida por Cristo antes de ser convencido pelo Espírito Santo dos seus pecados, bem como regenerado pelo Senhor afronta as verdades bíblicas. 

Pense nisso!

Renato Vargens

57 comentários:

Grande Pastor!

Uma vez fui indagado o porque de não fazer apelos dessa forma.
Eu disse que era grande a responsabilidade e que para aceitar o convite do evangelho a pessoal precisa de muita reflexão.. Número não são qualidade.

14 de janeiro de 2014 10:20 comment-delete

Respeito a opinião do irmão Renato Vargens, mas sou totalmente a favor do apelo, e assim o faço quase que em todas as mensagens que tenho o prazer de ministrar. Diferente do que o irmão pensa, acredito que o apelo faz parte de uma estratégia e muitas das vezes algumas pessoas sentem o desejo de se manifestar publicamente quanto a salvação, até querem, mas pela timideze outros motivos, acabam não se manifestando com um gesto simbólico de entrega a Deus. E aí o apelo "entra" como mais uma parte da mensagem de Deus. Penso ambém que o homem toma a decisão de aceitar a Cristo pela razão mas também "mergulhado"numa emoção diferente e única, que só sabe realmente quem já tomou esta atitude. Somos homens e temos emoções!!!

14 de janeiro de 2014 10:25 comment-delete

Vejo que és calvinista.

14 de janeiro de 2014 10:32 comment-delete

Querido pastor.
A regeneração, por ser um ato exclusivo de Deus é sobrenaturalmente in visível, ninguém sabe quando isso ocorre. Ás vezes nem mesmo o pecador tem muita ideia do que está acontecendo com ele naquele momento. Acenar para um apelo feito parece ser uma ato humano, mas não é. Quando fui á frente constrangida emmeu coração pelo Espírito santo não tinha a menor ideia de que este processo já havia hámuitos dias começado dentro de mim. Naquele momento foi somente uma boa oportunidade de revelar ás pessoas o que estava acontecendo dentro de mim. Eu queria que se confirmasse definitivamente, e com muita alegria, o que já vinha sentindo, que o Senhor me chamava. Que grande oportunidade me deu o pregador. Talvez ele não tenha nem ideia da explosão de alegria existia dentro de mim naquele instante. Sou presbiteriana e já estou no reino há 30 anos. De onde nunca mais ousei me distanciar.Jesus diz: vinde a mim vós que estais cansados e sobrecarregados e eu vos aliviarei. Olha que convite maravilhoso!

14 de janeiro de 2014 10:41 comment-delete

Graça e paz amado!

Sou Assembléiano e sim, nós fazemos o apelo. Como o senhor colocou referências bíblicas, creditei sua publicação, mas fiquei com dúvidas. Se a vontade do pecador de ir à Deus tem que vir do próprio Deus, onde fica o livre-arbítrio? o versículo citado de ir ao Pai só aquele que Cristo enviar, não quer dizer que só por Cristo poderemos ir ao Pai, pois ele é o único Caminho? A Regeneração não vem depois da conversão? Concordei com o senhor sobre ser o Espírito-Santo ser aquele que convence o homem do pecado.

14 de janeiro de 2014 10:46 comment-delete

CONCORDO PLENAMENTE PASTOR!!! E como para mim está difícil ver essas e outras coisas na minha denominação que afrontam o a sã Doutrina que nós seguimos, estou fazendo o que Paul Washer disse em algum lugar, não adiante afrontar tem que fazer calos nos joelhos para ver a real mudança numa "igreja" (prédio) pentecostal (até que sem muitos exageros, louvo a Deus por isso!) como a que eu frequento, que tem um pastor honesto, servo fiel, mas contaminado pelo fermento farisaico do arminianismo. Tá difícil mas Deus me fortalece todos os dias.

14 de janeiro de 2014 10:51 comment-delete

Ilustre Pr. Renato,

Nisto terei que discordar do senhor. Deixando de lado as velhas divergências entre calvinistas e arminianos e entre as liturgias de culto tradicionais e pentecostais, preciso dizer que a afirmação seguinte está mais para falácia que para um dado estatístico provável digno de aceitação: "Na verdade, a maioria daqueles que responderam um apelo para aceitar Jesus, não permaneceram na Igreja, na verdade, acredita-se que 90% daqueles que com lágrimas disseram sim a Cristo, não continuaram a trilhar a estrada da fé.". NÃO! Isto não é "na verdade". Aliás, quem pode provar esse número? Que instituto de estatística pode assegurar a confiança desse dado? Nenhum! E vou lhe dizer com convicção porque:

1. A maioria esmagadora dos irmãos em Cristo de linha pentecostal converteram (ou foram convertidos, como queira - deixo essa discussão de lado!) seus coração ao Evangelho num culto pentecostal e foram movidos pelo Espírito a tomar a decisão de seguir a Jesus após o apelo de um pregador, quer tenha sido numa grande cruzada evangelística, quer tenha sido numa pequena congregação, um simples casebre dentro duma favela.

2. As maiores denominações evangélicas pentecostais no mundo realizam trabalhos evangelísticos com a prática do "apelo ao pecador" após a pregação. Talvez por essa desinibição dos pregadores pentecostais, além de muitos outros fatores, um grande número de fiéis soma-se todos os dias às igrejas pentecostais. E com membros que permanecem!

3. Existem um cem número de pessoas que "se convertem" e não permanecem. Fato. Não houve verdadeira conversão, mas isto só Deus pode medir a curto, médio e longo prazo. Mas a maioria das igrejas pentecostais desde Finney até hoje foram fundadas por pastores que entregaram suas vidas a Cristo após um apelo, dirigidas em seguida por pastores que experimentaram o mesmo, e continuam de pé até hoje mantendo a mesma prática de fazer apelos.

Tomemos apenas como exemplo a igreja Assembleia de Deus: se alguém estiver disposto a afirmar e provar (em dados estatísticos testáveis) que 90% dos membros desta igreja (maior denominação evangélica no Brasil) não se converteram de verdade, não permanecem ou não irão permanecer, então volto aqui e retiro esse (longo) texto!

E só concluo dizendo: tratar o simples ato de convidar o ouvinte a confirmar diante do público a obra que o Espírito Santo já operou em seu coração como uma afronta, sensacionalismo, manipulação e heresia é ofender a todos os irmãos pentecostais, leigos e doutores que também fazem parte do Corpo de Cristo, e que também foram salvos e lutam pela defesa do Evangelho de nosso único Deus e Senhor! E por esta essência sim devemos lutar. Assuntos periféricos como este de "fazer apelos" só aparecem como preciosismos teológicos que acabam por promover tristeza e mágoa em vez de edificação recíproca.

No amor de Cristo.

14 de janeiro de 2014 10:52 comment-delete

e o Espirito Santo convence o homem de buscar a Deus então quem poderá dizer que no momento do apelo as pessoas que são levadas a aceitarem a Jesus não estão sendo movidas pelo E.S.? Eu creio que nesse momento, o momento da pregação o E.S. está atuando, então ele é quem leva o homem a aceitar a Deus, ninguém diz que a aceitação vem do próprio homem pois como é dito ele é incapaz. Tudo é obra do E.S.

14 de janeiro de 2014 10:57 comment-delete

Concordo Pastor Renato Vargens, todavia faço uma pergunta, sabemos que Deus predestina as pessoas e como também, os meios necessários para se alcançar tal pessoa.

Se de repente um pastor no final do culto fizer um apelo (sem música de fundo; é meio piegas, rsrsrs) e vamos supor que o indivíduo "tome a decisão" de aceitar Jesus e vá até a frente ou fique no seu lugar, ou procure os presbíteros depois do culto, não sei, algo assim. Será que no momento que ela aceita e ela vai, ela pode estar indo já por constrição do Espírito Santo, e já ter haver ocorrido regeneração? Por mais que saibamos que a regeneração precede o crer, isso não acontece em etapas, do tipo, um tenha que acontecer e depois de uns 2 dias vamos supor ele receberá o dom da fé.

Resumindo, o momento de apelo pode ser considerado um possível meio de predestinação? Nossa resposta deve ser um não em virtude de não encontrarmos apoio bíblico? Deus jamais usaria este meio para alcançar um dos seus?

A dificuldade me parece uma questão de perspectiva, quando alguém "toma a decisão", ela pode parecer estar tomando a decisão em uma perspectiva humana, mas na de Deus ela pode estar indo por ação do Espírito Santo, é difícil separar as duas coisas para nós muitas vezes, só saberemos pelos frutos e ainda sim a certeza final da eleição de um terceiro é somente Deus quem tem, já que não julgamos foro íntimo.

Mas eu concordo com o senhor, não vejo com bons olhos esse apelo, proselitismo que vemos em algumas igrejas, mas como responder estas possíveis indagações? Eu fiz a pergunta só para enriquecer mais...como eu posso responder a estas pessoas? Dar um sonoro não, que Deus jamais usaria isso uma vez que não encontramos razões bíblicas para isso?

Que Deus abençoe o senhor e a sua família.

Soli Deo Gloria.

Pedro Cavalcanti.

14 de janeiro de 2014 11:25 comment-delete

[...]portanto, querer que o homem decida por Cristo antes de ser convencido pelo Espírito Santo dos seus pecados, bem como regenerado pelo Senhor afronta as verdades bíblicas.

Isso significa que o homem no final toma a decisão? Que a decisão é posterior ao convencimento do pecado ?

14 de janeiro de 2014 11:47 comment-delete

Muito bem, bom artigo! Mas minha dúvida... na sua igreja não há nenhum tipo de convite depois da pregação?

14 de janeiro de 2014 12:10 comment-delete

Achei ótimo o texto, é uma verdade esse apelos emocionais, mas eu fica a dúvida, qual seria a saída alternativa para que, por outro, o êxito evangelístico seja alcançado?

14 de janeiro de 2014 12:49 comment-delete

Confessei a Cristo como meu Salvador em 1991, somente em 2012 fiquei conhecendo essa duas linhas de doutrinas. armenianos\calvinsta. e acredito que muitos pastores também não entendem claramente essa questão. talvez nem saiba como eu não sabia o que significa armenianos ou calvinistas. o certo é que hoje sou talvez um arminano me convertendo ao calvinismo. ou quem sabe um calvinista que não larga as idéias armenianas. que Deus me esclareça esta duvida!!!

14 de janeiro de 2014 14:41 comment-delete

Olá, Pr. sempre leio os teus artigos, mas como não sou calvinista, respeito a sua opinião, mas não concordo. Um grande abraço, e que Deus o abençoe. Se esses 10% permaneceram em já valeu e muito.

14 de janeiro de 2014 15:00 comment-delete

Discordo! A vida inteira fui católica e nunca entendia o "apêlo". Mas o dia que aceitei Jesus foi um momento muito de razão! Pensei muito e tive a certeza que daquele momento em adiante eu tomava por escolha própria seguir, viver e testemunhar Jesus Cristo como único Senhor e Salvador! Repito: Não fui criada em igreja evangélica, mas a minha decisão fez a diferença para que o Espírito Santo começasse a trabalhar em mim! Abs à todos!

Lidi Feliciano_Fotógrafa

14 de janeiro de 2014 16:34 comment-delete

Gente, o que ele quer dizer é que o apelo virou puro emocionalismo e outra, ao invés do apelo pode ser feita uma oração com a pessoa, pois, geralmente, as pessoas não sabem orar(ou pensam que não sabem), e elas querem uma ajuda e o 'apelo' virou essa ajuda, mas tbem algo místico dentro das igrejas pentecostais(que geralmente querem deixar a ovelha dependente do pastor a vida toda para o contr($)ole).... tão místico a ponto de eu ouvir (de um pentecostal, claro) que se uma pessoa está no evangelho, congregando, em Cristo, mas nunca fez o apelo, não é salva.

Já é diferente de uma pessoa ser tocada na pregação e conversa com alguém na igreja e diz que quer ter uma nova vida, com o Senhor, aí oramos por e com ela. Mas não "você aceita Jesus..."

Acho isso uma petulância, deveríamos falar: "Senhor, sei que sou pecador, mas te louvo pela tua graça, misericórdia e pelo Senhor me aceitar como seu filho hoje, nesse momento em que eu me arrependo dos meus pecado e quero entregar minha vida a ti".

** Tiago (Rosas), muitas Assembléias já não são sinônimo de um evangelho puro e simples há muito tempo (costumes e pregações onde o centro não é Cristo, mas o R$).

Deus abençoe a todos.

14 de janeiro de 2014 18:13 comment-delete

Gente, o que ele quer dizer é que o apelo virou puro emocionalismo e outra, ao invés do apelo pode ser feita uma oração com a pessoa, pois, geralmente, as pessoas não sabem orar(ou pensam que não sabem), e elas querem uma ajuda e o 'apelo' virou essa ajuda, mas tbem algo místico dentro das igrejas pentecostais(que geralmente querem deixar a ovelha dependente do pastor a vida toda para o contr($)ole).... tão místico a ponto de eu ouvir (de um pentecostal, claro) que se uma pessoa está no evangelho, congregando, em Cristo, mas nunca fez o apelo, não é salva.

Já é diferente de uma pessoa ser tocada na pregação e conversa com alguém na igreja e diz que quer ter uma nova vida, com o Senhor, aí oramos por e com ela. Mas não "você aceita Jesus..."

Acho isso uma petulância, deveríamos falar: "Senhor, sei que sou pecador, mas te louvo pela tua graça, misericórdia e pelo Senhor me aceitar como seu filho hoje, nesse momento em que eu me arrependo dos meus pecado e quero entregar minha vida a ti".

** Tiago (Rosas), muitas Assembléias já não são sinônimo de um evangelho puro e simples há muito tempo (costumes e pregações onde o centro não é Cristo, mas o R$).

Deus abençoe a todos.

14 de janeiro de 2014 18:14 comment-delete

Concordo com o pastor Renato, hoje em dia os apelos são banhados por músicas , os pastores convidam as pessoas a "aceitar" a Cristo, porque Cristo os ama muito, quer libertar, quer te dar vitória, bençãos. Gostaria de um exemplo bíblico desses pastores, sobre esse tipo de apelo. Não consigo imaginar Paulo ou Pedro fazendo esse tipo de coisa, muito menos Jesus.

14 de janeiro de 2014 18:19 comment-delete

Livre-arbítrio não existe meu querido!

Ordem Salutis: Eleição/Predestinação (Incondicional)
Regeneração

Justificação
Santificação
Glorificação

14 de janeiro de 2014 18:41 comment-delete

Este comentário foi removido pelo autor.

14 de janeiro de 2014 18:44 comment-delete

Concordo com o irmão Lucianoserenado, o apelo acaba facilitando para que a pessoa " receba" a Cristo, que decisão essa é tomada antes mesmo de levantar as mãos....
Não podemos ser tão radicais assim.
Deus o abençoe.

14 de janeiro de 2014 23:51 comment-delete

Tiago, graça e paz.

Pessoalmente, entendo que aqueles que foram escolhidos e regenerados pelo Espírito Santo aceitarão o apelo e não se desviarão.
O que o Pastor quis dizer, acredito, é que as circunstâncias nas quais o apelo é feito apelam muito para o lado emocional. Com isso, algumas pessoas acabam sendo "convencidas", e não convertidas. Esses se desviarão, se não houver posterior conversão verdadeira.
Não vejo problema no método. Mas é uma decisão pessoal do reverendo em querer deixar o Espírito Santo trabalhar, sem "forçar a barra", isto é, sem trabalhar demais o emocional. Também acho que o Pastor não se referiu a Assembleia de Deus ou igrejas semelhantes. Talvez tenha pensado em neopentecostais. De qualquer forma, não creio que o objetivo de ninguém seja gerar mágoa em outros cristãos, embora isso às vezes possa acontecer. Afinal, somos apenas humanos...

Obrigado.

15 de janeiro de 2014 09:27 comment-delete

Graça e paz do Senhor!

Não vejo nenhum problema em se fazer o apelo durante a realização de um culto. Simplesmente, o convite pode aflorar no ouvinte a coragem de se identificar com Cristo publicamente, daquele momento em diante. É bem verdade que a decisão por Cristo é interior, mas não vejo o apelo como uma "afronta à capacidade de o homem ir a Deus".


15 de janeiro de 2014 12:18 comment-delete

Felipe Santos, sua colocação foi melhor:

"Com isso, algumas pessoas acabam sendo 'convencidas'(...)"

O Pr. Renato usou o categórico "acredita-se que 90% dos que (...)"
Percebe a diferença? Ninguém duvida que "algumas" e até "muitas" pessoas que dizem sim diante dos homens, fizeram isso movidos pela emoção passageira, mas nunca disseram sim para Deus em seus corações. Somos pessoas instruídas e não questionamos isso. Agora, afirmar, ainda que parcialmente, que a maioria absoluta - 90%! - das pessoas que atenderam a um apelo - prática comum das igrejas pentecostais, muito mais que das neopentecostais - experimentaram uma falsa conversão, aí é exagero que beira a ofensa direta e descabida. E como conheço o Pr. Renato (e o respeito, bem como admiro muito) e sei que ele não tem receio de "dar nome aos bois", então bem poderia no seu artigo ter deixado claro a que grupos ele se referia. Mas ainda assim seria um desproposito. Generalizou, e acabou incluindo todas as igrejas que praticam o "apelo" no mesmo bojo: da heresia e do sensacionalismo. Sim, isto foi ofensivo.

E quanto a tocar no emocional, por acaso não age o Espírito Santo também nessa área? O problema não é trabalhar com o emocional das pessoas, mas deter-se apenas nisso! Se somos constituídos de corpo, alma e espírito, então a graça de Deus por meio da Palavra atinge todas essas esferas. E por que o pregador não pode ser usado por Deus, depois de uma mensagem bíblica cristocêntrica, para falar ao emocional - depois de haver convencido o espírito - do vil pecador, que diante do último apelo não verá outra saída senão render-se a tão grande amor do Pai? Por isso insisto: como formadores de opinião que somos, precisamos ter cuidado para não escrever tudo o que pensamos ou ao menos ser mais cautelosos no como pontuamos isso. Senão, abraçaremos sem querer o rigor hipócrita dos fariseus.

Mas amo o Renato, é homem de Deus. Apenas acho que ele colocou bem mal suas palavras nesse referente. Paz!

15 de janeiro de 2014 16:10 comment-delete

"muito menos Jesus"???

Então o que Jesus fez em Mateus 11.28 senão um convite para todos virem, fracos, acabados e destruídos diante dele para serem salvos, perdoados e libertos?

Outra coisa, cada prática cotidiana da Igreja atual não precisa ter um paralelo idêntico nas páginas da Bíblia, mas sim toda atitude da Igreja em todas as eras deve ser endossada pelas verdades sagradas inalteráveis, princípios e valores imutáveis.

Você pede um exemplo dos apóstolos para a prática do "apelo", como se a ausência possível desta prática fosse uma desautorização para ela hoje. Seguindo seu raciocínio eu poderia apenas retrucá-lo: me mostra em Jesus, Paulo ou Pedro algum exemplo de pastor fundador de denominação religiosa? Me cite um que construiu um templo e colocou uma placa nele? Desautorizaremos todas as denominações atuais por isso?

Calma, irmão. Não sejamos tão rigorosos, para não acabarmos "coando mosquito e engolindo camelo".

15 de janeiro de 2014 16:18 comment-delete

Achei incrível e inteligente sua resposta irmão!

15 de janeiro de 2014 18:37 comment-delete

Sr. Engels, caso o senhor não saiba, Paulo quiz persuadir o governador Gaio a se tornar Cristão. Tomando as palavras do irmão Tiago Rosas, Jesus disse: "Vinde a Mim...!" e é óbvio que a autoridade de Jesus é maior que dos apóstolos.

15 de janeiro de 2014 18:41 comment-delete

Se livre arbitrio nao existe, Jesus mentiu quando disse:

"Ah Jerusalem, Jerusalem (...) quantas vezes quis vos ajuntar como a galinha faz com os pintinhos e tu não quisestes".

Seguir Calvino demais cega. É bom seguir Cristo.

HP
15 de janeiro de 2014 20:37 comment-delete

Tiago, entendo seu ponto de vista. Realmente os 90% foram forçados. Mas não acho que houve intenção de ofender, apenas mostrar um ponto de vista diferente. Ao escrever, realmente, ficamos numa posição complicada. Uma palavra mal colocada dá origem a muita dor de cabeça. Todavia, que bom que há o amor cristão.

Paz!

15 de janeiro de 2014 22:18 comment-delete

Sinceramente nunca fui evangelizado por cristão tradicional. 100% das vezes que alguém me abordou para falar sobre Cristo, eram pentecostais. É claro que sem a revelação de Deus o homem não pode chegar a Cristo, mas o que faz o homem após ser convencido pelo Espirito? Se arrepende e DECIDE seguir a Jesus. Acontece que não poderia se decidir caso não fosse convencido por Deus. O que o apelo, que deveria ser chamado de "CONVITE" faz, é escancarar a porta e dar ao tímido pecador a facilidade de declarar-se um seguidor de Jesus.
Sobre a questão de a Ass de Deus ser uma denominação que preza pela sã doutrina, digo que em toda as denominações há falsos crentes e pastores-lobos e a Ass de Deus não é diferente em nada neste ponto da Batista ou Presbiteriana.

Paz!

LPS

16 de janeiro de 2014 22:26 comment-delete

Essa discussão existe há bastante tempo e a Bíblia dá condições para as duas interpretações... Me irrita quando alguém diz que isso ou aquilo não existe... Sigiro, Arlen Gomes, que vc diga "eu não entendo o livre arbítrio" ou então "eu não entendo a predestinação dessa forma"...

17 de janeiro de 2014 14:43 comment-delete

gente! olhem as pregações de JESUS nosso mestre!!! Ele não fazia apelos... pelo amor de Deus... olhem as pregaçoes dos apostolos! não podemos tirar uma doutrina com versiculos isolados da BIBLIA!!!

Liz
22 de janeiro de 2014 09:02 comment-delete

É incrivel a falta de Estudo profundo da Biblia e versiculos isolados fazendo "uma doutrina", a Biblia tem que se estudar num TODO, e ela não se contradiz!!!
Esta é a pasividade do cavinismo, praticamente não pregar o evangelho e ser acomodado, crente ANONIMO! total Deus fara o trabalho todo! leian a vida de JESUS nos evangelhos e as suas pregações, ele fez apelos até para os seus 12 discipulos! o Apelo é para perguntar para a pessoa se vai tomar a decição de seguir JESUS! isto data desde o principio da Biblia, e continua Josue tambem fazendo o apelo para o povo de ISRAEL... e JESUS nosso mestre... o continuaram os apostolos... mama miaaa, que falta de estudo da palavra... e muito estudo só de livros calvinistas... ESTUDEMOS A BIBLIA!!!

Liz
22 de janeiro de 2014 09:31 comment-delete

Liz,

Sugiro a você que reflita um pouco mais antes de escrever. Afirmar que o Calvinismo é passivo e acomodado é de extrema ignorância. Reformados são conhecidos pelo compromisso com as Escrituras e pelo tempo que dedicam ao estudo da Palavra. Em segundo lugar "passividade" se escreve com 2 "S" e não um só e "leiam" não termina com "n" e sim "m", até porque, existe uma regrinha em português que nos ensina que as palavras jamais terminam com "N".

Renato Vargens

22 de janeiro de 2014 10:02 comment-delete

A eterna-terrena discursão entre a predestinação e o livre arbítrio. Os dois lados possuem argumentação, talvez o calvinismo com maiores referências, porém o livre arbítrio com versículos mais incisivos. Pois bem, o que vemos em parte, um dia veremos face a face. Quando se descortinar em nossas mentes (Há, lá teremos plena consciência), a plenitude do conhecimento. Quem sabe não mais nos importemos com tantas indagações.
Apelo, não apelo, predestinação, livre arbítrio...tenho minhas convicções, mas a maior de todas é que um dia fui convencido pelo Espirito Santo, dos meus pecados, da Justiça e do Juizo. E fui tomado por uma Graça irrestível, indo aos pés do Salvador. Há, quando atendi ao apelo do pregador, já estava convicto disto.

JCGarcia

5 de fevereiro de 2014 09:10 comment-delete

Pastor Renato Vargens

Estou fazendo minha monografia em cima desta temática. Gostaria de saber se o senhor tem algum arquivo da história do apelo (quando começou e por quem) no Brasil. Muito boa discussão.

13 de março de 2014 20:47 comment-delete

Já vi apelo sendo feito sem clima emocional, sem música de fundo, no meio e não no final do culto, com muita gente atendendo pelo levantar de mãos e indo à frente.
É verdade que há apelos apelativos, mas não podemos generalizar.
Não sou dos que fazem apelos pois acho que não tenho carisma para isto, mas vejo com alegria os que têm visível dom de evangelista fazendo apelos e tendo resultado imediato.
É verdade também que nem todo mundo que atende dá continuidade a seu ato, que pode ser apenas emocional mesmo. Mas somos pescadores de homens, não com anzol, mas com redes. Dos que são pegos na bendita rede de salvação com certeza alguns (ou até a maioria) serão descartados.

6 de junho de 2015 23:37 comment-delete

Pra começar. É arminiano. Armeniano é quem nasce na Armênia.

6 de junho de 2015 23:58 comment-delete

Ah! Como lembro com saudosa gratidão o momento em que aquele jovem diácono (hoje pastor), comprometido com o manejo das Sagradas Escrituras e amor pelas almas a quem Cristo chama a cada Culto através do Espírito Santo e do poder da Palavra, me "lançou" o APELO, como uma rede ao mar!!!

Que Palavra gostosa! Sentia o Espírito a falar em meu coração! Sabia que aquele era dia "aceitável de Salvação"... Mas, quando o Culto chegava próximo ao seu encerramento, então eu decidi: DEIXARIA PARA OUTRA OPORTUNIDADE!... Que triste teria sido o meu fim, não fosse o mesmo Espírito impulsionar aquele pregador a falar diretamente a mim; sem rodeios; sem ressalvas: "você, meu jovem, sentado aí no banco X, não quer aceitar a Cristo como seu Único e Suficiente Salvador?". Então apontei com o indicador para mim mesmo, como que numa tentativa de me esquivar da decisão e retruquei: "Eu?"... "Sim, você mesmo!"; insistiu o pregador. E finalmente eu respondi: "Sim, eu quero!". Aleluia!!!

Era um domingo de setembro - 20/09/1987, pra ser mais preciso -, um Culto de Jovens, aquele que seria considerado o Dia mais importante da minha vida.

Não houve sensacionalismo; não houve música de fundo - isto era impensável nas ADs na década de 80; não houve "apelação" teatral; apenas, e tão somente (sic), a pregação expositiva da Palavra de Deus, seguida de um amoroso APELO às almas sedentas.

Que muita coisa mudou de lá pra cá - de forma bem negativa, diga-se de passagem - isso, sim, tenho que concordar com o Pr. Renato Vargens. Mas, não subestimo; não desmereço; não desaconselho a prática do APELO, quando antecedido de uma mensagem Cristocêntrica, objetiva e movida pelo Espírito de Deus!

Em Cristo... Meu fraternal abraço!

7 de junho de 2015 00:27 comment-delete

O apelo é o homem querendo manipular a obra do Espírito, infelizmente essa pratica é pior que vicio de crack, as pessoas não largam isso de maneira nenhuma, tem se tornado dependentes dessa pratica. a Bíblia nos chama a crer e arrepender e nao responder a um apelo, Jesus nunca evangelizou da maneira que se faz hoje, de fato o que ele pregava era tão duro que até os discípulos perguntaram "Entao poucos serão salvos?", os pregadores antigos só podia dizer que uma pessoa era salva quando viam a obra regeneradora de Deus nessa alma, e os frutos(amor por Cristo e domínio sobre o pecado). É muito fácil perguntar quem quer ser salvo, afinal ninguem quer ir ao inferno, mas quando chega às condições do Evangelho, poucos querem largar seus ídolos e seus pecados como o jovem rico, por isso a maioria dos que se dizem salvos são escravos de pecados sexuais e outros pecados, porque estes nunca foram regeneradas, decidiram "aceitar" Jesus mas nunca abandonaram seus pecados e seus idolos amados, e no fim se não arrependerem ouvirão de Cristo "nunca vos conheci"

Responder um apelo é obra humana mas ser regenerado pelo Espírito é outra coisa totalmente diferente, é uma nova criação, é o mesmo poder que ressuscitou Cristo(ef 1.19), é uma ressurreição dos mortos esse poder não pode ser manipulado pelo homem, dizer que a regeneração está presa à resposta de um apelo é como a doutrina catolica romana que ensina que a regeneração está presa ao batismo.

10 de junho de 2015 00:34 comment-delete

Sou fruto de um apelo, feito em uma casinha simples do interior aonde a irmã, após o ensino da Palavra, concluiu perguntando: Quem deseja aceitar a Cisto e confessá-lo como único e suficiente SALVADOR de suas vidas?
Pois bem, há 40 anos estou nesta lida, em luta constante entre a carne e o espírito, mas crendo verdadeiramente que sou salvo pelo sacrifício vicário de Jesus.
Não entro nesta discussão Arminio x Calvino, pois ambos nem escreveram os 5 pontos de cada - quem os fez foram seus seguidores.
Entre Calvino e Arminio, prefiro Paulo, e quando Paulo deixa duvida, recorro ás Palavras do Mestre Jesus.
Uma dica deste homem " não letrado": se sua vida não mudou depois que "aceitou a Jesus" ou depois que a "Graça Irresistível" o "atacou" - Tenha certeza d euma coisa: esse seu Deus não é Jesus e não faz parte da Divindade.
DEVEMOS ENXERGAR COMO O ÚNICO E SUFICIENTE SALVADO, e não perdermos o nosso foco com tantas especulações, exegese, entendimento, conceito, teses e doutrinas.
Por fim, sugiro aos que tem duvidas se são salvos ou não, que APESAR DE TUDO o que tem sido escrito ou dito - A BIBLIA DIZ QUE JESUS É A SALVAÇÃO, E EM NENHUM VERSO PROIBE A NINGUEM DE O BUSCAR, RECONHECER QUE ELE E O FILHO DE DEUS E ENTREGAR SUA VIDA A ELE PARA QUE ELE A CONDUZA! não conheço um verso que proiba ao homem ( eleito ou não eleito) de Buscar a Cristo e arrepender-se de seus pecados.
Ademais, prefiro e sugiro praticarmos Mat 22:34 - 40 e ICor 13
Ao invés de ficarmos INTERPRETANDO A BIBLIA e lançando no inferno meio mundo de Gente com nossas interpretações.
A Deus pertence a ETERNIANDE e aos homens só e dado a conhecer o que comporta sua mente limitada.

Gloria e honra a Deus Pai, na pessoa de Jesus Cristo!

26 de junho de 2015 17:05 comment-delete

Uma pergunta bem simples. Se o próprio Jesus nunca fez o apelo... E nem João o Batista também nunca fez. Porque bolufaz fazem..
Sabe quanto lhe custa sua confissão de em um país livre. NADA. Não lhe custa nada. Diferente dos países que sofrem perseguição só de falar o nome de Jesus...
Sua confissão de fé. Para Deus tem este peso aqui. Senhor Senhor não curamos em teu nome. Profetizamos expelimos demônio.... Jesus diz, apartai-vos de mim voz que praticais a iniqüidade

Jesus nunca pregou e chegado o momento aceite a Jesus e viva para sempre
Ali vejo uma mão levantada

E para quem falar que uma estratégia.
Lhe digo que você busca quantidade
Avivamento não é uma igreja cheia de gente vazia. Vá estudar a história dos avivamento no mundo.

Apelo gera apenas filhos de Agar
Apelo e fogo estranho dos filhos de Arao
Apelo e os Uzar que tocaram na arca do Senhor

4 de maio de 2016 18:35 comment-delete

Ola irmão, a paz do senhor, veja bem o apelo não significa constranger ninguem, ninguem vai por força, como joão batista batizava as pessoas? ora Jesus pediu que levassemos o evangelho a todo mundo, e Paulo saia pregando e batizando todos com o espirito santo !! ora eles não faziam apelo ? como eram as conversões ?
Eu acredito que o apelo é sim importante.

15 de junho de 2016 18:16 comment-delete

imagino q muitas almas estão se perdendo simplesmente porque uns faz apelo outros não... acho q independente de apelo o evangelho puro precisa apenas ser anunciadaado o resto e com o Espirito Santo de Deus

18 de junho de 2016 17:03 comment-delete

Livre arbítrio não existe e Jesus não mentiu. De fato o homem não quer Deus, Jerusalém não quer Deus. A Bíblia diz que não há quem busque a Deus. O homem é incapaz de naturalmente buscar a Deus. A Bíblia diz que é Deus que move o homem a busca-lo. O não querer Deus é de fato do homem e o querer Deus é apenas de Deus.
João 6:44 Ninguém vem a mim, se o Pai que me enviou não o trouxer.

8 de agosto de 2016 17:41 comment-delete

CONCORDO Com Pastor Renato Vargens.
Aceitar JESUS é algo sem Lógica pois; estando o ser humano morto para DEUS. O mesmo NÃO tem como ter o desejo de se achegar a DEUS.
Romanos: 3. 11. Não há quem entenda; não há quem busque a Deus. 12. Todos se extraviaram; juntamente se fizeram inúteis. Não há quem faça o bem, não há nem um só.
O que nos cabe é pregar o Arrependimento! Mostrando através da PALAVRA de DEUS a sua Natureza Má e Depravada.
Tendo o conhecimento de tal Fato ele é convidado à se arrepender, clamando por misericórdia e GRAÇA, pois vc tendo esse conhecimento sabe que vc NÃO tem capacidade em si mesmo de buscar a DEUS e clamando por Misericórdia Com profunda sinceridade DEUS por GRAÇA te Abençoa com o Novo Nascimento que foi gerado através do conhecimento da sua condição Pecadora.
E isso Tudo ocorre por GRAÇA de DEUS NÃO vem de nós mesmos ou de um Irmão ou de algum pregador eloquente é Pura Obra do Espírito Santo de DEUS toda Glória ao Nosso Senhor .....

8 de agosto de 2016 19:00 comment-delete

Na verdade o apelo nos dá a oportunidade de externamos nossa alegria.Porque a conversão o Espírito Santo já operou em nós antes. Se uma pessoa atende ao apelo sem ter sido tocado antes, ou foi por pressão, o que ocorrem em muitas igrejas, onde irmãos insistem para levar a pessoa lá na frente,ou foi, simplesmente por ir. O apelo é importante como forma de celebração e alegria.A conversão ocorre antes, pelo ouvir da palavra de Deus inspirada pelo Espirito Santo.

8 de agosto de 2016 19:34 comment-delete

Todo aquele que me confessar diante dos homens, Eu o confessarei Diante do Pai. Todo aquele que me negar,.Eu o Negarei, Diante do Pai Eu compreendo que havera Um.Julgamento,.e para tanto tem de haver Um Juiz, Deus, Um Advogado,.Jesus, um promotor, satanas, Acusador, testemunhas, todos que um dia viram qiem Aceitou ou nao a Jesus,servira de testemunha e os reus que seremos todos. Por isso que deve sim haver O Apelo.

FAZER APELO É LANÇAR A REDE,APARTIR DO MOMENTO Q VC ACEITA o SEU CHAMADO ,POIS BEM VOCÊ SE TORNA UM PESCADOR DE HOMEM!!
E TODO PROFETA Q ESPARGI A VERDADEIRA ESCRITURA , DEUS Os DA AUTORIDADE,CAJADO E ATRAVÉS DO CAJADO A OVELHA DESGARRADA VAI RECONHECER !!Q PRECISA SEGUIR O REBANHO!!

9 de agosto de 2016 01:12 comment-delete

Mateus: 19. 16. Eis que alguém chegou perto de Jesus e consultou-o: “Mestre, que poderei fazer de bom para ganhar a vida eterna?” 17. Questionou-o Jesus: “Por que me perguntas a respeito do que é bom? Há somente um que é bom. Se queres entrar na vida eterna, obedeça aos mandamentos”. 18. Ao que ele perguntou: “Quais?” E Jesus lhe respondeu: “Não matarás, não adulterarás, não furtarás, não darás falso testemunho, 19. honra a teu pai e a tua mãe, e amarás o teu próximo como a ti mesmo”. 20. Replicou-lhe o jovem: “A tudo isso tenho obedecido. O que ainda me falta?” 21. Jesus disse a ele: “Se queres ser perfeito, vai, vende os teus bens, dá o dinheiro aos pobres, e terás um tesouro no céu. Depois, vem e segue-me”. 22. Ao ouvir essa palavra, o jovem afastou-se pesaroso, pois era dono de muitas riquezas.

Se analisarmos esse texto vamos um confronto direto ao calvinismo (predestinação), pois o jovem obedecia os mandamento, sendo que ao pergunta a Jesus o que ele poderia fazer Jesus me responde venda tudo que tens a dá aos pobres.

Veja que o jovem fica a escolher ( Não predestinado), pois a decisão que le for feita na levaria a caminhos diferentes.

Se ele decide vender tudo e da ao pobres ele herdará a vida eterna ?

Se fizer o contrário, não verdes nada, não terá vida eterna ?

Como acreditar em Calvino quando ele fala de predestinação, se o próprio Jesus deixa na mão de um jovem a escolha de herda a vida eterna.

Nessa passagem e como se Jesus tivesse dizendo ao jovem, quer de vida eterna, então deixa de amar o passageiro e começa a amar o eterno (isso se chama apelo ou convite).

A paz.

9 de agosto de 2016 08:24 comment-delete

Vim a Cristo devido a esse apelo, depois de anos dentro de uma igreja me achando convertida, vejo que era uma mera frequentadora, pq o mundo ainda estava em mim e eu ainda vivia p ele! Hoje, entendendo melhor sobre a graça e predestinação, sou tão grata por isso que a minha sede pelas coisas de Deus me basta ! Escrevo aqui com lágrimas nos olhos, pq todos os dias penso de tão previlegianda sou ! Eu que nao mereço nada de Deus! Entendo que se não tiver o convencimento do Espírito Santo a obra dentro de nós nunca será eficaz ! É que esse "apelo" se torna superficial ! Hj não consigo ver nem 10 min dessas reuniões com todo esse sentimentalismo, que só visa agradar o homem! Tati Montenegro

9 de agosto de 2016 11:14 comment-delete

Olá , eu sou a favor do apelo ,pois se 90% não aceitaram o evangelho ,pelo menos 10 % foram salvos ,e erdaram o reino dos céus ,e se não existisse o apelo ,quantas almas estariam perdidas ,vale tudo para o nosso Jesus. Que a paz e o amor de Cristo esteja com todos , amém.

7 de novembro de 2016 13:55 comment-delete

Em resposta ao pedro.

Mas como o calvinismo e propriamente a biblia trata, somos inclinados para o mal, o mal habita em nos, so uma intervencao divina para nos livrar dos nossos maus caminhos. O jovem rico, seguia as ordens, mas suas vontades eram inclinadas para o mau, podemos ver isso claramente, quando Jesus pede pra ele vender tudo e dar aos pobres, a maldade, o egoismo que existia dentro dele nao deixou que isso acontecesse, para mudar um coracao egoista e maldoso so uma intervencao divina, JAMAIS escolheremos o certo, nosso "livre arbitrio" nao nos permite isso.

A paz

8 de novembro de 2016 22:12 comment-delete

A Paz de Cristo meus amados!!!
Renato vargens,concordo com vc, pois quando tomei minha decisão de receber a JESUS, confesso que fiquei envolvido com o que se passava e agi na emoção o que não deve jamais tomar o lugar da razão e muito menos do Espirito Santo cujo a Bíblia nos relata que é quem convence o vil pecador (Jo 16:8). E com relação ao convite creio eu que isto depende mt do momento, pois há situações em que se senti que aquele momento é oportuno, mas nunca jamais tomando o lugar do Espirito Santo, a missão que nos esta posta é de anunciar as boas novas e a obra regeneradora (Tt 3:5) que faz é o Espirito Santo.

13 de novembro de 2016 22:29 comment-delete

Renato Vargens, olá. Não quero entrar no mérito de se existam 'conversões genuinas' durante o tal apelo ou não. Minha dúvida é: Como saber se o indivíduo realmente é salvo? Desde o início da minha caminhada cristã tenho compreendido Romanos 10:9 e o termo 'confessar com a tua boca' como aquela resposta afirmativa do indivíduo a um apelo, onde, então, confessaria sua fé. Então, será que tenho compreendido errado o trecho? Se sim, como se dará essa confissão de Romanos 10:9?
Desde já agradeço sua resposta.
Ana Elisa

22 de dezembro de 2016 00:16 comment-delete

Resposta ao Pedro e inclemente à resposta de Piozzon. A paz aos dois irmãos.

Pedro aconselho continuar até o fim do texto:
Mateus: 19. 23. Disse então Jesus aos seus discípulos: Em verdade vos digo que um rico dificilmente entrará no reino dos céus. 24. E outra vez vos digo que é mais fácil um camelo passar pelo fundo duma agulha, do que entrar um rico no reino de Deus. 25. Quando os seus discípulos ouviram isso, ficaram grandemente maravilhados, e perguntaram: Quem pode, então, ser salvo? 26. Jesus, fixando neles o olhar, respondeu: Aos homens é isso impossível, mas a Deus tudo é possível. - Bíblia JFA Offline

Desta forma poderá refletir e verá o conhecimento de Jesus em relação ao coração do Jovem. Este coração amava muito as riquezas, sua alegria não poderia ser a mesma sem seus bens, o jovem não cria que Jesus realmente era o mestre porque a ele não foi concedido como em outras partes foi a Pedro revelado.

6 de março de 2017 22:49 comment-delete

Alguém esqueceu João 5.40. precisamos ler o seguinte livro: eleitos, mas livres. Norman Geisler.

19 de março de 2017 22:41 comment-delete