Razões porque sou contra a ficação e pegação

Renato Vargens

A superficialidade das relações entre rapazes e moças neste início de século é indiscutível. A durabilidade dos namoros ao contrário do que acontecia antigamente é inexistente. Em nome da liberdade, adolescentes e jovens tem vivenciado nos últimos anos relacionamentos afetivos cujo tempo de duração varia entre um dia  e três meses.

O comportamento em questão se faz presente em todas as camadas da sociedade. Na verdade, os que desenvolvem este tipo de conduta, manifestam explicitamente uma espécie de fast-food emocional, onde namoros e casamentos são iniciados e terminados de forma rápida. A conseqüência disto é a imediata proliferação de relacionamentos promíscuos, onde ninguém pertence a ninguém, o que contribui significativamente para o adoecimento de nossos jovens e adolescentes.

Dados do Ministério da Saúde nos informam que cerca de 1 milhão de adolescentes ficaram grávidas em 1998, e que 1 em cada 3 meninas de 19 anos já é mãe ou está grávida de seu 1º filho.

Há pouco estava conversando com o coordenador de projetos sociais da minha igreja e ele me disse numa comunidade próxima, o número de adolescentes grávidas com 13 anos de idade é assustador.

Pois é, se não bastasse essa tragédia em virtude das relações sexuais descompromissadas estima-se que existem 333 milhões de novos casos de doenças sexualmente transmitidas (DST) por ano. No mundo inteiro, a incidência das DST nas mulheres é de cinco vezes mais do que no caso dos homens. Estatísticas também apontam que as doenças sexualmente transmissíveis são mais freqüentes nos jovens com idades compreendidas entre os 15 e os 25 anos. Exatamente 50% das infecções por HIV ocorrem em pessoas deste grupo etário; muitas delas contraíram a doença antes de terem vinte anos.

Tudo bem, talvez você esteja dizendo consigo mesmo. Isso é fato, mas se eu tomar cuidado não tem problema,não é verdade? Alias, qual o problema de eu ter o meu peguete?

Problema? Todos! Deixe-me explicar porque:

Em um mundo egoísta e cada vez mais hedonista como o nosso, tornou-se absolutamente comum vislumbrarmos nas relações interpessoais a instrumentalização da vida, onde boa parte das pessoas no desejo de terem os seus sonhos e devaneios realizados, manipulam outras pessoas na vontade de experimentarem a tão sonhada satisfação pessoal. Alias, essa tal busca pela satisfação pessoal, têm feito com que muitos negociem princípios éticos e morais, no afã de concretizarem suas sórdidas expectativas. Infelizmente, em nome do sonho, não são poucos aqueles que têm tomado posse do famoso bordão popular: “fazemos qualquer negócio”. A conseqüência direta disso é a coisificação do ser humano, onde pessoas tornam-se objetos descartáveis, prontas a serem jogadas no lixo quando por algum motivo não prestam mais.

Lamentavelmente numa sociedade onde os valores se relativizaram, a conduta dos jovens cristãos em quase nada tem se diferenciado do comportamento dos não cristãos. Na verdade, ouso afirmar que existe um número impressionante de crentes que movido por rompantes irresponsáveis, se enveredam em relacionamentos descompromissados.

Assusta-me o fato de que inúmeras pessoas movidas por uma pseudoteologia descartam relações usando de pressupostos humanistas, aos quais não existe o menor fundamento bíblico. Tais pessoas advogam que a “química” é a razão essencial para que se esteja junto com alguém. Para estes, o que importa é sentir prazer, além é claro de satisfação pessoal.

Caro leitor, como já havia escrito em outro artigo, não sou contra as relações de namoro que um jovem possa desenvolver com uma moça. Antes pelo contrário, acredito que relações afetivas entre um rapaz e sua namorada contribuem significativamente para o desenvolvimento de uma auto-estima saudável. Sou contra sim a banalização das relações, sou contra as “ficações” e "pegações", contra os namoros fast-food, contra o sexo fora do casamento, os quais contribuem para o adoecimento da alma de nossos adolescentes e jovens.

Salomão em sua grande sabedoria afirmou: “Existe um tempo determinado para todas as coisas na vida”. Sim, isso mesmo, na vida existe momentos pra tudo! Há tempo de plantar e tempo de colher, há tempo para abraçar e deixar de abraçar, em outras palavras isso significa dizer que existe um tempo determinado por Deus para desfrutarmos de carinhos, afagos, abraços e beijos de alguém. Em contra-partida, isso significa dizer também que existem momentos na vida, que somos chamados a um momento de reclusão onde outros valores necessários a uma existência plenificada nos são trabalhados. Diante disto tenho plena convicção que namoros rápidos onde o sexo é focado é absolutamente prejuducial, proporcionando aos adolescentes e jovens consequências das mais terríveis possíveis.

Pense Nisso!

Renato Vargens

1 comentários:

e o pior de tudo Renato é que o uso de descarte no fica-fica causa uma dissolução desgraçada no ser do individuo.

12 de junho de 2013 22:05 comment-delete