quinta-feira, janeiro 10, 2013

Por que os jovens evangélicos estão se "desviando" na Universidade?

Por Renato Vargens

As estatísticas são sombrias. Alguns chegam a afirmar que em média, 60% dos jovens evangélicos que adentram a universidade se afastam da comunhão dos santos e da igreja. Ora, seria simplista da minha parte afirmar de modo absoluto os reais motivos para a apostasia de nossos jovens, todavia, acredito que algumas razões são preponderantes para o esfriamento da fé da juventude cristã:

1- Nossos jovens não estão sendo preparados pela igreja para enfrentar as demandas sociais, comportamentais e filosóficas na universidade.  Na verdade, afirmo sem a menor sombra de dúvidas de que a igreja não está oferencendo a sua juventude ferramentas necessárias para a desconstrução de valores absolutamente anticristãos. Por exemplo, as universidades públicas estão repletas de conceitos marxistas. Volta e meia eu recebo a informação de professores que em sala de aula zombam de Cristo, ridicularizando  publicamente todos aqueles que se dizem cristãos. 

2- Nossos jovens não estão sendo preparados pelos pais com vistas ao enfrentamento cultural. Vivemos numa sociedade multifacetada, cujo os valores relacionados a sexo, família, trabalho, sucesso e moral foram relativizados. Nesta perspectiva não são poucos aqueles que ao longo dos anos tem sucumbido diante da avalanche de conceitos extremamente antagônicos aos pressupostos bíblicos-cristãos.

3- Nossos jovens não tem sido preparados pela igreja para responder as perguntas de uma sociedade sem Deus como também oferecer respostas àqueles que lhes questionam a razão da sua fé.  Nesta perspectiva os conceitos "simplistas" de alguns dos nossos rapazes e moças  tem sido facilmente descontruídos num ambiente onde o cetiscismo e a incredulidade se fazem presentes.

4- Nossos jovens tem sido influenciados negativamente pelo secularismo, hedonismo e satisfação pessoal. Sem sombra de dúvidas acredito que o secularismo é um grave problema em nossos dias. A Europa por exemplo transformou-se num continente secularista onde o que mais importa é o bem estar comum e a ausência de Deus. Nesta perspectiva vive-se para o prazer, nega-se uma fé transcendente quebrando todo e qualquer paradigma que nos faça lembrar de Cristo ou da igreja.

Diante deste funesto quadro surge a pergunta: O que fazer então?

1-  A Igreja precisa fortalecer a família oferecendo aos casais ferramentas para a edificação de lares sólidos cujo fundamento é infalível Palavra de Deus.

2- A Igreja precisa preparar os seus jovens para responder as perguntas da sociedade. Nessa perspectiva, deve-se investir numa formação apologética, cujo foco deve ser oferecer a juventude "armas" espirituais capazes de anular sofismas.

3- A Igreja precisa investir em universitários promovendo grupos de comunhão, debates, além de discussões teológicas, sociológicas e filosóficas, oferecendo a estes condições de responder aos seus inquiridores o porque da sua fé.

4- A Igreja precisa estudar teologia com os universitários. Questões relacionadas ao pecado, juízo eterno, salvação, morte e sofrimento além de tantos outros conceitos relacionados aos nossos dias precisam ser explicados e entendidos pelos nossos jovens.

5- A Igreja precisa preparar os seus jovens para se relacionarem com a cultura. O problema é que em virtude do maniqueísmo que nos é peculiar satanizamos o mundo bem como todas as suas vertentes culturais. Por outro lado, existem aqueles que em nome da contextualização "mundanizaram" a Igreja, levando o povo de Deus a um estilo de vida ineficaz cujos frutos não tem sido muito bons.

6- A Igreja precisa fomentar em seus jovens o desejo de conhecer a Deus e se relacionar com Ele. Jovens que se relacionam com Deus através da oração e das Escrituras Sagradas tornam-se mais fortes diante dos embates desta vida.

Que Deus nos ajude diante hercúlea missão e que pela graça do Senhor nossa juventude possa ser bênção da parte do Senhor na universidade.

Soli Deo Gloria,

Renato Vargens


Nilson Pereira disse...

Sensacional pastor. Este tema praticamente não existe nas igrejas de hoje, o senhor não tem ideia da importância de se pregar e escrever sobre isso. No meu blog eu tento mostrar tais coisas, até porque eu mesmo tenho que me equilibrar o tempo todo em relação ao assunto, e me sinto muitas vezes um militante solitário. ps: sou estudante de História e cristão.

PR MARCELO CINTRA disse...

Muito bom,Pr,concordo plenamente,e digo mais temos que fazer alguma coisa urgentemente.

HP disse...

Pastor Renato,

Ainda ontem expus este assunto na igreja que frequento. Quantas vezes vemos pessoas com argumentos como "A Bíblia foi manipulada" ou "Todas religiões tem as suas verdades" e os cristãos apenas emudecem. Há pouca ou nenhuma defesa do evangelho e da fé cristã.

Consequentemente, apenas dentro da igreja temos fé e confiança. Fora, diante de um mundo filosófico e secular, saimos pela tangente ou muitos acabam por apostatarem da fé.

Estou contigo neste assunto.

Deus te abençoe.

HP

Conservadorismo Brasil disse...

Hoje a igreja limita-se à doutrina. Muitos jovens sabem dizer exatamente o que calvino, John Wesley, Knox, Spurgeon, ou oq o pastor local disse, mas quase todos eles não sabem responder a perguntas simples sobre o quotidiano.
Muitos deles estão fora da filosofia, do contexto histórico e da história dos fatos ocorridos no passado. Estão mal preparado, mal liderados, com pastores que não gostam de estudar, ler, pesquisar e debater.
O versículo em Oséias 4:6 diz: "o meu povo está morrendo, pq lhes falta o conhecimento...porque tu, sacerdote, rejeitaste o conhecimento, também eu o Senhor, te rejeitarei".


Esse é o Brasil!

Lucas G Barros disse...

Prezado pastor,

Sou estudante universitário e cristão. O sr. foi preciso em suas observações; já há algum tempo eu tenho conversado com vários colegas e pastores sobre a real situação que o jovem crente enfrenta na universidade; o cenário é, muitas vezes, devastador! A falta de preparo do jovem crente colide frontalmente com o secularismo. E, nessa colisão, muitos acabam se desviando e se agarrando às vãs filosofias.

Urge a igreja preparar melhor os seus jovens, investir neles enquanto ainda estão sob seu teto, orientá-los sobre o ambiente muitas vezes hostil que é encontrado na academia.

Pela graça de Deus, quando entrei na universidade, conheci professores cristãos, e esse apoio foi indispensável para solidificar minha fé.

Mas, infelizmente, esse é um caso atípico; nem sempre o jovem crente terá esse apoio.

André R Fonseca disse...

Olá Pr. Renato Vargens,
Seu texto é uma excelente análise da situação. E o melhor, não apenas aponta o problema, como apresenta possíveis estratégias para solucionar o problema.

Contudo, gostaria de acrescentar minha opinião neste comentário. Culpo sempre a alta carga de misticismo que o crente vive hoje. As pessoas não sabem diferenciar o que é fé e o que é emoção. Fé racional hoje é considerada coisa do diabo. Crente não é educado para pensar, questionar e usar o intelecto a serviço da fé.

Quando chega na faculdade e descobre que ele tem um cérebro, ele perde a "fé". Porque, simplesmente, a Igreja nunca ensinou a ele que a fé também é razão! Na verdade o que ele perde quando descobre a razão na faculdade é o misticismo, não a fé... fé ele nunca teve!

Precisamos expulsar esse espírito de anti-intelectualismo de nossas igrejas!

Em Cristo, autor e aperfeiçoador de nossa fé,
André R. Fonseca

Bill Hamilton disse...

Uma excelente análise de uma realidade que a maioria dos pastores e pais não conhecem. Baseado na minha experiência de ministério entre universitários desde 1975, eu acresentaria somente mais uma razão desse "desvio": a falsa conversão. Apesar de João estar falando em falsos mestres em 1 Jo. 2.19, creio eu que o princípio do desvio/afastamento se aplica ao crente "comum": "Saíram dentre nós, mas não eram dos nossos; porque, se fossem dos nossos, teriam permanecido conosco; mas todos eles saíram para que se manifestasse que não são dos nossos."

Um "crente de verdade", apesar da falta de preparo pela igreja e pelos pais, vai fazer questão de buscar recursos para fortalecer seus argumentos e sua fé. Eu me lembro tendo uma matéria sobre as religiões do mundo (como parte do meu curso de Administração de Empresas), e o professor sutilmente atacava a fé cristã. No entanto, eu me aprofundava estudando alguns materiais de apologética, sem falar em receber bastante apoio da igreja que eu freqüentava na minha cidade universitária (Corvallis - Universidade Estadual de Oregon) através das pregações expositivas que o pastor titular fazia do Sermão da Montanha. Nunca esqueci o comentário que esse professor colocou no meu último trabalho dessa matéria: "Obviamente esta matéria fortaleceu sua fé"! Que legal, né?

Minha esposa, que é de Suriname, fez seu bacharel e mestrado em Microbiologia pela Universidade de Houston. A professora queria que cada aluno preparasse um trabalho para apresentar para a turma. Um colega da minha esposa disse que ia detonar a teoria da criação enquanto defendia a evolução. Minha esposa, que ficou um pouco indignada, disse que ela ia fazer o contrário, mesmo nunca ter se aprofundando nesse debate. Ela, como "crente de verdade", sabia que havia ampla material e, portanto, começou estudar, estudar, estudar. O dia do debate chegou, mas seu colega não apareceu. Ela teve duas horas para apresentar seu trabalho. Depois de detonar a teoria da evolução, os alunos imploraram que ela parasse: "OK, OK, tudo bem. A teoria da evolução está cheia de problemas. Concordamos. Agora, fala para nós sobre a teoria da criação!" Ela apresentou as evidências para esta teoria e, graças a Deus, 95% da turma dela eventualmente se converteu ao cristianismo até o final do seu mestrado!

"Crente de verdade" não se desvia. Por esta razão eu concordo especialmente com ponto três das soluções propostas acima. Por isso a igreja deveria estar sempre batendo na tecla do evangelho - na sua plenitude (que tem tudo a ver com a teologia) - para que enviasse "crentes de verdade" para o contexto universitário!

Renato Vargens disse...

Bill,

Eu também creio que o crente não cai da Graça, no entanto, ao usar da palavra "desviado" o faço no sentido de chamar atenção dos pastores e líderes sobre a gravidade do tema.

Abraços,

Renato vargens

EfeitoCristao disse...

Texto maravilhoso. Gostaria que Sr. desse umas dicas de como devemos
começar a tratar na igreja estes assuntos; pois o analfabetismo Bíblico -hoje- é tão grande q falar de apologética fica muito difícil. Se pelo menos a maioria soubessem defender as doutrinas basilares... Mas o Povo só sabe cantar: " Deus da Minha vida fica comigoooooooooo!" e acham q são Profetas.

Rafael Soares disse...

Excelente texto Pr. Renato! Esta é uma realidade assustadora na maioria das igrejas cristãs hoje em dia. É muito fácil jogar a culpa em cima do jovem, dizendo que ele não quer nada, quando, na realidade, suas questões internas e externas não tem sido bem tratadas na igreja e nem em casa.
Muitas igrejas se perdem na tentativa de atrair os jovens por meio de atividades sociais apenas, mas, por experiência própria, afirmo que o conhecimento de Deus através das Escrituras, a oração e a comunhão são o que dão base para o jovem se manter firme na Presença de Deus.

Renato Corumbá disse...

A paz de Cristo para todos!
Concordo que a igreja precisa fazer a parte dela, como também a família. Todavia, eu creio com base em muitos fatos e morando numa cidade universitária (Juiz de Fora), que muitos jovens se desviam quando ingressam na faculdade porque não nasceram de novo, não se converteram, eram apenas religiosos, e neste caso não é a igreja e nem a família que resolve o problema. Se analisarmos esta questão do ponto de vista calvinista, dependeremos apenas da determinação divina, ou seja, o querer e o realizar vem de Deus, portanto, não depende da igreja e nem da família. Se observarmos o assunto pelo prisma arminiano, concluiremos que depende apenas do desejo do estudante levar Deus a sério. Entretanto, se examinarmos o problema no contexto bíblico geral entenderemos que o que esses jovens precisam é se arrepender de verdade, crer de todo o coração e se converter ao Deus vivo.
A verdade é que muitos desses jovens nascem no berço evangélico, ou crescem na igreja sem ter uma experiência com Deus, sem sofrer uma genuína conversão, são apenas religiosos e por isso não suportam as tentações que surgem na faculdade.
Resuminto o que falta nestes jovens que se desviam quando entram na faculdade é conversão, novo nascimento.
Nesse pouco tempo que tenho de cristão eu ainda não vi um verdadeiro cristão se desviar quando entra na faculdade, mas vejo um monte de jovens não convertidos se desviarem.

E aí eu levanto algumas questões: Se o querer e o realizar vem de Deus, o problema é a igreja ou a família? Uma vez que os eleitos perseveram até o fim e vivem em santidade, esses jovens não eram eleitos? Ou estes jovens precisam se arrepender, crer e se converter por uma decisão deles depois de ouvir o evangelho? Ou como diz a Escritura eles não reteram o Evangelho? (Parábola do Semeador).

Um grande abraço em Cristo!

Nahida disse...

Muito bom. Sou evangélica e universitária de uma instituição pública, onde se você não estiver firme nas convicções cristãs, firme com Jesus de verdade, é bem fácil ser levado pelo o que é dito.

Acho interessante a gente começar a pensar a fé dentro da igreja. Não é inundá-la com o que o mundo diz. Mas estudar a Bíblia para ter bases quando houver um confronto com este mundo universitário que é tão perigoso para os jovens.

Irmão Henrique disse...

Lembro me que Moody quis pregar para estudantes de Eton na Inglaterra do século XIX. Criou-se um reboliço na época e ele teve que pregar em outro lugar para os alunos. O mesmo aconteceu nos E U A. E hoje em dia, as portas dos auditórios anida estão fechadas para a Palavra? Creio que sim, infelizmente.

Antonio Silva disse...

Caro Pr Vargens,

Excelente texto (pra variar..rsrsr).

Entendi perfeitamente o cerne do seu pensamento, e creio que ele retrata, e o vídeo que o www.pulpitocristao.com anexou à sua matéria, lá http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=rhxZupJ08Z8 confere bem com o que o amado expressou em palavras.

O fato, a realidade, é que a igreja não tem preparado os jovens para esse "enfrentamento". Concordo com o pr Renato(meu amigo!) que quando há "desvio" é porque não houve real conversão. Aliás, essa máxima se dá em qualquer área da vida.

Porém, a faculdade é fomentadora de pensamento, de academicismo, e alguns jovens cristãos fazem o que é certo: buscam aprofundamento bíblico. Mas os que não se aprofundam, a sua superficialidade os faz ficar cercado por 4 ou 5 anos. O que, em outros ambientes, eles conseguiriam se esgueirar, do ambiente acadêmico pós moderno, recheado de Marxismo Cultural, não há saída.

Finalizo, dizendo que penso ser claro a salvação ser uma questão pessoal, não dependente da família ou igreja. Porém, também não há como não pensar que a igreja e a família têm deixado a desejar também nesta área. Poderíamos evitar muitos problemas, e muitas dúvidas.

Alguém acima pediu para que o senhor falasse mais sobre o assunto. Concordo!

E a este e mais alguns, penso ser indispensável a leitura do livro: "Não tenho fé suficiente para ser ateu." Lá ele mostra, por exemplo, como a verdade é ABSOLUTA, e não relativa. E, a partir daí, como se comportar diante de vários tipos de argumentos.

Graça e Paz!

Marcelo Z. Hernandes disse...

Caro Pr. Renato,
A preocupação exposta em seu texto sobre os jovens evangélicos universitários é muito pertinente e atual.
Sou professor universitário e tenho estado preocupado também com estas questões de combate à fé cristã, particularmente no meio acadêmico.
Eu gostaria de compartilhar os dados que encontrei em estatísticas americanas recentes sobre jovens cristãos, que talvez interessem:
http://www.barna.org/teens-next-gen-articles/403-how-teenagers-faith-practices-are-changing?q=faith
e
http://www.barna.org/teens-next-gen-articles/528-six-reasons-young-christians-leave-church?q=leave+faith
Na segunda pesquisa, em particular, chama a atenção a razão 3 ("Reason #3 – Churches come across as antagonistic to science"), que traz à tona o relacionamento entre ciência e fé, no que diz respeito ao abandono da Igreja.
Usei este material em uma apresentação que fiz para um grupo de jovens no acampamento promovido pela nossa Igreja.
Estou procurando por estatísticas similares, no Brasil. Se alguém conhecer alguma, peço a gentileza de compartilhar comigo.

Tenho procurado escrever sobre estes assuntos no blog “astse”:
(astse = "ame o Senhor de todo o seu entendimento")
http://astse.blogspot.com.br
- textos sobre fé e ciência:
http://astse.blogspot.com.br/search/label/ci%C3%AAncia
- A fé, em citações de pensadores e cientistas importantes:
http://astse.blogspot.com.br/p/pensamento-em-citacao.html

Gostaria de compartilhar também dicas de livros que me ajudaram, pela graça de Deus, particularmente a entender como a fé é também racional, apenas de não ser apenas racional:
- "Mais que um Carpinteiro", Josh McDowell
- "De todo o teu entendimento", Gene E. Veith, Jr.
- "Pense - a vida da mente e o amor de Deus", John Piper
- "Mostre-me Deus", Fred Heeren
- "O Deus de Dawkins", Alister McGrath
- "Crer é também pensar", John Stott

Como outros leitores já se manifestaram, também acredito que os jovens cristãos, particularmente no meio universitário, precisam prestar mais atenção nas palavra de Pedro: “antes santificai em vossos corações a Cristo como Senhor; e estai sempre preparados para responder com mansidão e temor a todo aquele que vos pedir a razão da esperança que há em vós” (1Pe 3:15)

“Para que, como está escrito: Aquele que se gloria glorie-se no Senhor” (1Co 1:31).

Saudações cordiais cristãs.
Marcelo

João Santana disse...

Tal como em outros países com presença protestante ou reformada, penso que seja também preciso investir em universidades confessionais.

A Igreja Adventista do Sétimo Dia, por exemplo, mantém diversas universidades e faculdades em todo o mundo (http://en.wikipedia.org/wiki/List_of_Seventh-day_Adventist_colleges_and_universities), e eu estou convencido que é totalmente possível formar profissionais em diversas áreas em escolas superiores confessionais.

Victor disse...

A maioria das igrejas neo-pentecostais tem culto todos os dias, o jovem tem amigos na igreja e convive sempre na igreja, a dificuldade desse jovem quando volta a ter contato com as "coisas do mundo" leva ele a se afastar da igreja, se a igreja se preocupasse em formar pessoas para conviver e testemunhas de Cristo fora da igreja, os jovens não se desviariam da "igreja".

Isaías Alves disse...

Graça e a paz Pr. Renato Vargens

Gostei muito deste artigo. Vivemos numa sociedade onde o ceticismo impera nesta pós-modernidade, tentando á todo custo e a todos os momentos nos engolir com ideologia e correntes filosóficas. Temos que inserir este assunto nas nossas igrejas muito depressa, antes que os jovens possa sucumbir.

Reproduzir sua matéria no meu blog, por que achei que temos que ampliar este assunto que não deixa de ser apologético.

Amplexos, do seu irmão em Cristo.

Isaías Alves

Nilson Pereira disse...

Se permiti pastor, quero compartilhar um texto que fiz por tanto militar nesta questão.

http://nopphistoriador.blogspot.com.br/2013/01/as-95-teses-que-o-espirito-santo.html

Felipe F.Lopes disse...

Pastor, muito instrutivo e exortador, gostaria de republicá-lo em meu blog, se for possível, estarei fazendo referencia e pondo um link ao post original.

Lorena Alves disse...

Pastor, li a matéria e todos os pontos são claramente identificáveis em meu marido, ele já terminou a faculdade mas não é mais o mesmo, parece que perdeu todo o prazer da presença de Cristo, vai à Igreja para me agradar, faz o culto para me agradar, não sei o que fazer...

André Calebe disse...

Paz em Cristo.
Olhando para mim mesmo, pergunto: Bastar-me-ia orações, estudos bíblicos diários e conhecimento teológico, para enfrentar as convicções da sabedoria secular? Se assim fosse não estaria, simplesmente, disputando o espaço de letras mortas? Quantos testemunhos são conhecidos, de pessoas que participam criticamente de estudos bíblicos e orações e não amam? E, se não amam, não conhecem a Deus!
Creio que o ilustre pastor Renato Vargens deixou implícitaessa mensagem no arrazoado e solução exposta em seu texto. Contudo, os incrédulos não se convertem com palavras... Nem mesmo os servos. Havemos de cuidar com o saber, pois dele provém o inchaço; (1ª Co. 8.1). Sem amor, qualquer argumento se torna infrutífero. Em outras palavras, o comentarista Renato Corumbá, acima, também acentuou sobre o mais importante do testemunho.

Jr Sousa disse...

Um texto muido perspicaz e tristemente verdadeiro...
Acredito que a única solução, se é que posso chamar de solução pois na minha opinião isso deveria haver desde sempre, seria dar conhecimento às pessoas, nada mais razoável para a fé do que o conhecimento, não faz sentido ter fé sem saber sobre o que se tem fé...

Esther disse...

Postura clara que vai direto ao ponto, ou; aos pontos!
Concordo que:
Se o jovem não buscar aprofundamento bíblíco, fica difícil enfrentar as doutrinas de homens; modelos que nos próprios Países onde nasceram,se mostraram ineficazes...é a semente plantada junto a pedregulhos!

Glórias a Deus por este Blog, pois glorifica o nome do Senhor!


Andando pelo Vale disse...

Eu me sentiria a vontade e com total certeza destas mesmas palavras se tão somente as fizesse como foi feito. É muito louvável inquirir desta forma...mas poderíamos apresentar algum projeto J.A. E.M. A.N.D.A.M.E.N.T.O. que estivessem a minimizar estas questões. Estes acontecimentos são antigos e não de agora, digo isso, pois sou formado em Ciências Biológicas, há algum tempo, e o que enfrentei foi um tanto complicado e isso piorou quando fui fazer a Pós-Graduação. Mas apesar de alguns pontos específicos abordados em contrapartida ao que a Bíblia cita, tive que me apegar ainda mais nos princípios para não correr o risco, e ainda encontrar um álibi mais sensato para corresponder ao que creio, fazendo todo tipo de pesquisa, mesmo encontrando algumas lacunas a preencher (mas isso para mim, Deus as preencherá). Sabe o que fiz? desenvolvi algumas questões paralelas para os demais jovens da igreja local, caso estes se deparassem com alguns "probleminhas". De certo modo, estas "fómulas" funcionam, mas não são eficazes de outra maneira, pois deve-se considerar o "berço" de principios aprendidos, e mais ainda, os princípios exercitados, por cada um. O lance da igreja não estar fazendo nada, isso é muito comprovado visto que pastores não são formados para este tipo de problema, o que inviabiliza nas questões científicas e filosóficas encontradas nas universidades (não adventistas), pois os jovens recebem apenas o conselho de se apegarem-se a comunhão que é o suficiente, não que não seja, mas que para este outro universo (vida dentro da igreja e vida fora) as coisas acontecem muito diferente e necessitam de respostas mais robustas. Ficaria muito fácil se todo jovem pudesse estudar nos colégios da instituição, mas a realidade não é essa, considerando que alguns jovens querem mais que uma universidade particular. Uma vez sugeri a um pastor que lesse um certo livro para que ele pudesse entender este universo "esquisito" para que o pudesse ajudar nesse tipo de questão com algum outro jovem. Bom, o final foi que ele estava é com medo de ler o livro (épakabá). Me desculpem ser direto, mas não é nada pessoal (por favor!), mas alguns líderes, digo pastores, deveriam aceitar que precisam da ajuda dos mais experientes ou dos que detem do conhecimento para ajudar o povo. Não é isso que TODOS devemos fazer? ajudar uns aos outros?

Paternidade em Cristo disse...

Respeitosamente não acredito que possamos ter uma raciocínio tão simplista em dividir os que ficam em "crentes de verdade" e os que se afastam em "não crentes", quase que eximindo a responsabilidade da igreja pelo crescimento espiritual de seu rebanho. O questionamento é próprio dos jovens, faz parte da sua busca pela identidade e do seu processo de maturação. A igreja e seus líderes devem estar preparados para a argumentação. Hoje nossas crianças começam a aprender sobre filosofia aristolélica aos 09 anos de idade, o mínimo que se espera de um pastor preparado para lidar com jovens universitários é que busque o conhecimento e ame a sabedoria, além de ser um cristão firme na fé e profundo conhecedor da palavra, saiba indicar literatura adequada para solver as dúvidas apresentadas e outros materiais elucidativos. Um lider que quer impactar seus liderados estuda, pois o seu exemplo poderá mudar uma geração. Ademais devemos amar a todos e mais ainda aqueles que necessitam de nós cristãos para acalmar seus fantasmas.

Conferencisla Lucas Adorador UNLIMITED disse...

Todos nós que amamos e adoramos a Deus, caminhamos em uma direção totalmente contrária aos valores de uma sociedade corrompida pelo pecado, e nesse contexto escrevi algumas palavras que expressam a minha gratidão à Deus por todos os benefícios que me tem concedido, senão vejamos:

Seu amor é para sempre, mesmo no medo mais profundo, te busco, o que posso te dar por tudo o que tu és? Curou-me, me libertou e me salvou. Tu és para sempre.
Meu coração está em ti. Sinto o seu rio de águas vivas passando sobre minha vida. Sua presença refrigera a minha alma, O teu amor dura para sempre e me inspira a te adorar. Te adorar é o que eu mais desejo. Fonte de vida eterna, vida em abundância.
Deus está aqui conosco, andando conosco. Santo, Santo ele é Santo. Fogo do espírito Santo venha sobre nós e que o teu amor e os teus anjos desçam com a tua glória e nos toque.
Completa a boa obra que começaste em teus filhos e filhas. Deixa me ver tua face. Ainda que eu não compreenda plenamente os teus caminhos, eu me entrego a ti completamente para fazer a tua vontade.
Cumprir o chamado do Leão da Tribo de Judá é o meu destino. Chamado, Poder de Deus, Visão, Promessa e o cumprimento do tempo de Deus, nessas coisas importa-me buscar a ti.
Desesperadamente busco a tua face e o sobrenatural da tua presença oh Raiz de Davi, Príncipe da Paz. O meu prazer é te ouvir através da doce voz do Espírito Santo. Sua voz é única, suave, sobrenatural.
Que o Espírito Santo de Deus o/a abençoe poderosamente neste dia!

Abraços,

Lucas Alencar,

Blog Lucas Alencar Adorador Unlimited.

Convido a todos a conhecerem o Blog em que compartilho experiências e testemunhos na presença do Senhor Jesus Cristo e do Espírito Santo de Deus!

http://conferencistalucasalencar.blogspot.com.br/

Kendson F. Berger disse...

Excelente texto. Concordo 100% e acredito que é fundamental voltar ao ensino da palavra, levar os jovens a pensarem e sobretudo terem intimidade com Deus. O desafio é enorme e a cada ano torna-se maior mais acredito que PODEMOS mudar a situação.

PR MAURICIO BRITO disse...

Muito bom o texto, parabéns pastor.

Marcos Arão Tiburtino disse...

Comigo aconteceu o contrário. Desde que entrei pra faculdade meu relacionamento com Deus se tornou mais maduro, fui despertado para Missões e participei de Projetos Missionários universitários durante todo meu curso. Tudo graças as trabalho do Movimento Estudantil Alfa e Ômega, um ministério que trabalha com evangelismo e discipulado na universidade. As estatísticas não mentem, fato, mas há muitas iniciativas que trabalham arduamente para transformar isso. Além do Alfa e Ômega há a ABU e outros movimentos menores que este atuando em todo o Brasil. Vamos alcançar as universidades para Cristo e alcançar vidas que estão indo pro inferno e trazê-las para o Reino de Deus.

Tassos Lycurgo disse...

Esta é nossa luta diária em http://tv.defesadafe.org - apresentar nas escolas e universidade as razões históricas, científicas e filosóficas para se seguir Jesus Cristo.

ABU Lorena disse...

Olá Pastor,
Sou estudante de uma universidade pública de SP e vejo a cada ano mais e mais cristãos se desviando ao entraram na universidade. Apesar disso, gostaria de comentar e também divulgar a quem não conhece o trabalho da ABUB (aliança bíblica universitária do Brasil), cujo objetivo é o evangelismo universitário e também a comunhão entre os cristãos universitários.

Mais informações podem ser encontradas no site mesmo, inclusive as cidades e universidades onde ja existem grupos.

http://www.abub.org.br/

abraço! Deus abençoe

Paula Paulinha disse...

Olá. Graça e paz. Poderia entrar em contato cmg p conversarmos? Tenho enfrentado isso. Poderia entrar em contato cmg? Meu email é paullagamas@gmail.com

Paula Paulinha disse...

Olá, graça e paz.
Estou enfrentando isso esse ano. Era da área de exatas e agora estou na área de humanas e tenho sofrido com isso. Procurei apoio do meu pastor mas pelo fato de não conhecer levou mais para o lado pessoal. Poderia estar me auxiliando sobre isso? O que me indica a ler? Há algum outro blog que me ajude sobre isso?! Obrigada, meu irmão. Fico no aguardo.

Edilber Pericles Faria disse...

Concordo. Tendo em vista a necessidade de preparação do cristão para o ingresso na universidade, o Seminário Teológico Betel está oferecendo um curso para suprir esta demanda. Para maiores informações, acesse http://seminarioteologicobetel.com.br/projeto-isaacar/

Adoração ao Deus Vivo disse...

Legal, a indicação do livro! 😀

Fernando Evangelista disse...

para q preparar os jovens para ir a universidade se jesus esta as portas ñ consigo entender se dizemos estar na contra mão do mundo,de todas as formas as universidades é e sempre sera luga ante cristão pois la nada mas é q um lugar q faz maquinas de ganhar dinheiro e buscão toda forma de libertinagem um lugar onde desvaloriza casamento apoia o homossexualismo ñ é luga de cristão

favourite category

...
test section describtion

Whatsapp Button works on Mobile Device only