Spurgeon, os apóstolos brasileiros e as suas manias por títulos

Por Renato Vargens

Charles Haddon Spurgeon (1834-92) foi o mais conhecido pregador da Inglaterra pela maior parte da segunda metade do século dezenove. Spurgeon converteu-se em Colchester em 6 de janeiro de 1850, e foi batizado no Rio Lark em Isleham em 3 de maio de 1850. Pregou seu primeiro sermão na cidade de Cottage, neste mesmo ano.  Em 1854, apenas quatro anos após sua conversão,  então com apenas vinte anos, se tornou pastor da famosa Igreja Batista de New Park Street em Londres (anteriormente pastoreada pelo grande teólogo John Gill). A congregação rapidamente cresceu mais do que seu prédio poderia comportar, mudando-se então para o Exeter Hall, e de lá para o Surrey Music Hall. Nestes locais Spurgeon freqüentemente pregava para audiências com mais de 10.000 pessoas. Em 1861 a congregação se mudou definitivamente para o recém construído Tabernáculo Metropolitano.

Os sermões do Spurgeon foram e ainda são amplamente distribuídos e  traduzidos em muitas línguas. O conjunto dos trabalhos impressos de Spurgeon do denomindao principe dos pregadores é volumoso.

As pessoas que ouviam Spurgeon, naquela época, faziam consideraçơes sobre ele que deixariam qualquer evangélico orgulhoso. O jornal The Times publicou, certa ocasiăo, a respeito do pastor inglês: Ele pôs velha verdade em vestido novo. Já o Daily Telegraph declarou que os segredos de Spurgeon eram o zelo, a seriedade e a coragem. Para o Daily Chronicle, Charles Spurgeon era indiferente à popularidade; um gênio, por comandar com maestria, uma audiência. O Pictorial World registrou o amor de Spurgeon pelas pessoas.

Spurgeon escreveu 135 livros durante 27 anos (1865-1892) e editou uma revista mensal denominada A Espada e a Espátula. Seus vários comentários bíblicos ainda săo muito lidos, dentre eles: O Tesouro de Davi (sobre o livro de Salmos), Manhă e Noite (devocional) e Mateus - O Evangelho do Reino. Até o último dia de pastorado, Spurgeon batizou 14.692 pessoas. Na ocasiăo em que ele morreu - 11 de fevereiro de 1892 -, seis mil pessoas leram diante de seu caixăo o texto de Isaías 45.22a: Olhai para mim e sereis salvos, vós todos os termos da terra.

Caro leitor,  por acaso você sabia que esse grande homem de Deus recusou a ordenação pastoral, como também o título de Reverendo? Spurgeon dizia que reverência deveria ser dada somente ao Senhor.

Pois é, a atitude de Spurgeon é tão diferente dos pastores, e apóstolos dos nossos dias não é verdade?  Lamentavelmente em nosso país existem inúmeros líderes cristãos que desejam ostentação e títulos. Outro dia fiquei sabendo de um pastor que  numa cerimônia suntuosa foi "coroado" apóstolo". Há pouco,  relatei o episódio ocorrido a um pastor de em Niterói, que da noite pro dia virou bispo presidente.

Prezado amigo, duvido que qualquer um desses apóstolos, bispos e pastores tenham feito mais pelo Reino do que Spurgeon. Confesso que essa mania tupiniquim por títulos eclesiásticos me assusta profundamente.

Com lágrimas nos olhos sou obrigado a concordar com o fato de que essa corja apostólica não está preocupada com a glória de Deus e sim exclusivamente com a exaltação de seus nomes, os quais acreditam sejam célebres e magnânimos.

Renato Vargens

4 comentários

  1. Concordo plenamente contigo. Na verdade isto esta se tornando uma faca de 2 gumes para os referidos senhores e senhoras sedentos por tais títulos . Afinal de contas escândalos se sucedem denegrindo cada vez mais estes títulos . São motivo de chacota no chamado mundo secular. É triste mas é a verdade. Quem sabe me responda: você não acha que este título de apostolo não é na verdade uma espécie de Papa evangélico?

    ResponderExcluir
  2. Irmão Renato, sempre estou lendo seus artigos, e não poderia deixar de comentar esse... Aceitei Jesus em 2007, e desde o tempo de novo convertido, percebo essa necessidade que "alguns" irmãos tem por "cargos" e "títulos" na igreja; sinceramente não sei por que desse tão grande desejo. Em muitos casos por necessidade da igreja, em outros, alguém está "lá, empossado" sem ao menos ter certeza e convicção de seu chamado. Embora saibamos que o "ministério" quem dá é DEUS e o "título ou cargo" quem dá é o homem!
    Melhor é nos conscientizarmos que estamos fazendo algo "dentro da Vontade de Deus". A condução, a regência são todas concedidas por Ele. E muitos não sabem que a verdadeira permanência (eterna) é DOM do Pai.

    Que Deus te ilumine e conceda sabedoria!

    *Visite meu blog, iniciei este ano, tudo para honra e glória de Deus.

    (Hoje é meu aniversário e peço a oração dos irmãos em favor de minha vida!)

    Saudações em Cristo Jesus!

    jailson-ferreira.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Amados!

    Para quem quiser ter acesso aos sermões em português, basta acessar o site (http://www.projetospurgeon.com.br/).

    Que o Senhor possa continuar usando Spurgeon para falar aos nossos corações.

    ResponderExcluir
  4. Exemplo de servo de Deus... produto aparentemente escasso nos dias de hoje.

    Petrônio

    ResponderExcluir

Caro leitor,

(1)Reservo o direito de não públicar criticas negativas de "anônimos". Quer criticar e ter a sua opinião publicada? Identifique-se. (2) Discordar não é problema. É solução, pois redunda em aprendizado! Contudo, com educação. Sem palavrão! (3) Ofereça o seu ponto de vista, contudo, a única coisa que não aceitarei é esta doutrina barata do “não toque no ungido” do Senhor. Querendo aprender sobre o direito de julgar, leia estes artigos:

Não julgueis para que não sejais julgados. Como é isso?

Julgando os críticos ou criticando os juízes?

O conselho de Gamaliel e o pensamento Cristão

Nele,

Renato Vargens