terça-feira, outubro 20, 2009

O seu pastor é ético?

Renato Vargens

O portal Elnet formulou uma pesquisa cujo título era: “O seu pastor é ético?” 5008 pessoas participaram da pesquisa que trouxe o seguinte resultado:

Não tenho como avaliar – 4.4 %
Sim, em todas as atividades da igreja – 22.3 %
Sim, em apenas algumas atividades da igreja – 34.1 %
Não, ele é completamente antiético – 1.7 %
Não, porque ele transparece falta de ética em algumas atividades – 37.6 %

O resultado desta pesquisa deixou-me angustiado, até porque, parte-se pelo pressuposto que pastores que conduzem o rebanho de Cristo deveriam ser honestos, no entanto o que percebemos é que alguns destes líderes são considerados pelo povo de Deus como pessoas sem nenhuma ética.

Há pouco tempo, ouvi a história de um crente que ao ser reprovado no exame de uma auto-escola, recebeu a proposta por parte do examinador de pagar por fora R$ 50, 00, a fim de que o exame fosse refeito. Tal “irmão” sem titubeios prontamente aceitou, dizendo ser aquilo a uma grande benção de Deus, afinal de contas o que importa é não perder.

Diante deste triste relato sou obrigado a lhe perguntar: Será que os fins justificam os meios? Será que devemos dar um “jeitinho” em tudo para atingirmos os nossos objetivos? Será que sempre tenho que ganhar alguma coisa? Ora, claro que não. Entretanto, essa sociedade encontra-se tão adoecida, que práticas como esta, se entranharam em nossos hábitos e costumes, fazendo-nos achar que não existe nenhum mal em subornar alguém. Junta-se a isso o fato de que as relações interpessoais são egoístas, manipuladores e utilitárias. Na verdade, parece que vivemos debaixo de uma síndrome, onde o que é importa é prevalecer sobre o outro, independente de que pra isso precisemos atropelar conceitos, princípios e vidas.

Ora, neste tupiniquim país, percebe-se a olhos vistos que o número daqueles que se consideram evangélicos é a cada dia mais elevado. Entretanto, sou obrigado a confessar que boa parte destes que freqüentam ou dirigem os nossos cultos não tiveram uma genuína experiência de conversão. Na verdade, tais pessoas, movidas por um misticismo exacerbado, além de uma fé fundamentada no hedonismo, procuram em Deus as bênçãos que tanto necessitam, pregando um Cristo serviçal onde o que interessa é satisfazer suas necessidades pessoais.

Infelizmente em alguns lugares deste imenso país ser crente virou moda. Isto porque, artistas, modelos e jogadores de futebol, além de socialites e emergentes, descobriram na fé cristã um tipo de amuleto pelo qual podem ser protegidos da inveja e do mal. Infelizmente, disciplina, oração e santidade não fazem parte da práxis de vida de muitos, aliás, para estes, Deus não passa de um galardoador, ou interventor, o qual mediante as orações determinantes submete-se a vontade de seus filhos atendendo todos os seus “decretos” instantaneamente.

Como afirma J.I Packer, a igreja necessita urgentemente recuperar a visão correta da vocação pastoral. Além disso é também indispensável que entendamos que Cristo fez dos pastores guias espirituais, homens qualificados por Ele, capazes de conduzir o rebanho sedento de pastores-pastores, que, com amor e compaixão, consagraram seu tempo para ouvir o clamor de almas cansadas, aflitas, ovelhas que estão em busca de orientação espiritual e transformação.

Pense nisso!

Renato Vargens
Danilo disse...

Tenho falado muito sobre isso tanto na comunidade que frequento quanto para o mundo de uma forma geral. Estamos acostumados a ser taxados de "espertos" quando tiramos vantagens de algo independente se a prática é ou não lícita. Podemos ver isso quando compramos mercadorias "do Paraguai", CDs piratas, roubamos o Windows, o Office, o Photoshop e demais ferramentas que deveriamos PAGAR pelo uso. E a maioria das justificativas dessa prática injustificável (heheh) são do tipo: "Se o governo não roubasse tanto e nem cobrasse tantos impostos o CD seria mais barato. Essa é minha forma de protestar". Conversando com uma pessoa certa vez sobre esse tema, ela me disse: "Enquanto o CD e o Windows for caro desse jeito eu vou piratear mesmo!". Então eu disse a ele: "Bem, se todos pensarem como você então podemos supor que alguém sem condições de comprar um carro como o seu pode muito bem roubá-lo alegando que enquanto o preço desse carro for abusivo ele vai roubar sim!". Aí ele já veio com a história de que é diferente... Não tem diferença! Roubo é roubo, não tem outra palavra! Muitos alegam que os cantores, escritores, produtores, etc já tem muito dinheiro e aquilo não faria diferença! Mesmo que esse argumento fosse válido (obviamente que não é) eu pergunto: E os profissionais "comuns" como a gente que trabalham por trás das câmeras? Os que criar a arte da capa, os controladores da mesa, os faxineiros do estúdio, os que trabalham no "chão de fábrica" para criar o produto final em grande escala? E estes como ficam?
Infelzmente vejo muitos pastores com essa postura e só tenho a lamentar..

MOISÉS FONTOURA disse...

Olá pastor Renato! Estamos mesmo em um tempo em que a Bíblia e o próprio Evangelho, de nosso Senhor Jesus Cristo sofre os “açoites” do relativismo, não porque nós, que somos responsáveis por viver e apontar a sã doutrina, estejamos falhando, mas é que muitos “crentes” estão sendo afetados pela “síndrome de Gerson” aonde ter vantagem é prioritário, ser sempre o primeiro da fila, me parece que promove o inconseqüente e a coisa funciona como se fosse uma tara, algo incontrolável, e na minha percepção, há um certo prazer nesses crentes em abrir espaço para a racionalização do pecado. Esquecendo-se de que o pecado é uma atitude de rebelião da alma, uma atitude de desprezo, uma atitude de menosprezar as Verdades eternas seus princípios e a fixidez do verdadeiro Evangelho de Jesus, e isto é uma coisa muito séria!
Estes que assim procedem, esquecem que o pecado é uma transgressão que ofende o caráter santo de Deus, seja ele de que amplitude for, “pecadinho” ou “pecadão” este vai afetar a Santidade de Deus. O curioso é que poucos sabem, por isso pecam tão despreocupadamente, a ponto de entender o deslize como "uma bênção", é que o pecado leva a pessoa a todo um processo de racionalização, a um processo que parece lógico, por isso muitos não se vêm como culpados, por acabar criando uma lógica do absurdo, e por falar em lógica (é analítica dos aspectos formais do pensamento coerente e conclusivo), o que nos dá parecer que o pecado leva o homem a desenvolver esta ética falsa, sofismática, que leva alguns desses crentes a achar que aquilo que ele está fazendo, como - aceitar ser corrompido - por exemplo, que isso é coerente e que ele está sendo lógico, que está sendo razoável, quando na realidade ele está sendo um tolo, e seu pensamento não está tendo nem coerência nem conclusividade e seu raciocínio ao invés de levá-lo a verdade, leva-o ao absurdo, e ele se torna tão sínico que acaba criando e defendendo uma “lógica do absurdo” como se fosse uma verdade absoluta e assim vai se acostumando com o pecado, ficando de certa maneira, anestesiado, “dormente” impermeável, um pecadinho aqui, outro pecadinho ali e a coisa vai se cronificando a cada dia, que tragédia, irmãos!
Mas não adianta, por mais certo que se pense estar, tentar criar uma lógica do absurdo, porque absurdo é absurdo! O que o crente pecador tem que fazer, é pedir perdão a Deus, com arrependimento no coração, para que alcance a Sua misericórdia, ou seja, confessar e deixar o pecado!

PR. Moisés Fontoura

Pr. Ricardo K. S. Fermam disse...

De fato a ética anda em baixa. Infelizmente, poucos são aqueles que buscam refletir a beleza de Cristo em suas vidas e ministérios. Esquecem-se de que estamos rodeados de uma tão grande nuvem de testemunhas (Hb 12.1), de que ser cristão é ser reconhecido publicamente (daí o símbolo do batismo nas águas).

Marcos Sampaio disse...

Paz Pr. Renato,

A ética cristã realmente tem sido um grande desafio entre nós.

Que através deste artigo, muitos de nós tenham por Deus seu coração tocado e santificado para uma vida mais eticamente cristã.

E aproveito para pedir a sua permissão para publicar este artigo em meu link.

Em Cristo,

Marcos.

augusto elias disse...

É TRISTE E COMPLICADO OS NÚMEROS DA PESQUISA QUE TRATOU DA ÉTICA DOS PASTORES.SÃO NÚMEROS QUE PRECISAM SER CONSIDERADOS E MUITO!OS 1,7% QUE DIZEM QUE NÃO HÁ DE FORMA ALGUMA POR PARTE DOS PASTORES,COMO TAMBÉM 37,6 EXPRIMEM A FALTA DE ÉTICA EM CERTAS ATIVIDAES.EM FIM, SE ANALIZARMOS,ESTAREMOS DIANTE DE UM LEQUE DE OPÇÕES ,ALGO TÃO NEGATIVO NA VIDA DE CERTOS HOMENS QUE DEVERIAM LEVAR A VERDADE COM COMPROMISSO E SERIEDADE.NÃO POSSO DEIXAR DE MENSIONAR FIGUGRAS MARCADAS JÁ NA TELA DA TV E QUE ELEVA O MEU DESCONTENTAMENTO EM ALGUMAS HORAS DA NOITE,NADA MAIS NADA MENOS QUE OS BISPOS,"BISPAS",PASTORES E "PASTORAS" E OS "APÓSTOLOS" que são insensato e que pedem,pedem,como jato intermitente desesperados por dinheiro,a quem diga que eles chamam os "contribuintes de patrocinador".Isso é falta de ética.O exemplo citado no texto,é falta de ética.Jesus é de princípio,ética,bons costumes e de moral.Precisamos andar assim,e quem não anda não está na luz!!Homens que se dizem representantes de Deus que induz ao erro,fazendo com que as suas ovelhas cometam atos ilícitos está cheio por aí,estão pecando contra O Senhor.

Renato Vargens disse...

Pr. Moisés,

concordo em gênero, número e grau.

abraços,

Renato Vargens disse...

Prezado Marcos,

Fique a vontade! Pode colocar o post no seu blog.

abraços,

Gilbert Raposo disse...

Não basta ter dom, tem que ter caráter.
Gilbert Raposo, um aprendiz em Cristo Jesus.

O PENSADOR disse...

Infelizmente, ..., os valores da sociedade estão mudando e os cristãos mergulhados nela estão a se moldar as novas realidades, demonstrando desta forma que não seguiam o evangelho mas os valores da sociedade, os quais, antigamente, compunham princípios da vida cristã...
Grande parcela dos púlpitos está mais comprometida consigo mesma ou com um crescimento exponencial congregacional onde a ética não perfaz mais os princípios da Igreja primitiva.

Não disse nada que não seja de conhecimento de todos... O que fico a me perguntar é..., quantos acordarão em virtude da mensagem pregada? quem dará ouvidos a pregação? Alguém ainda acordará do profundo sono o qual a igreja adormecida mergulha mais e mais? A mensagem da verdadeira Igreja nestes dias é única: "Desperta, Tu que dormes..."

Que acordem tantos quantos possível for acordar...

Graça e Paz...

Graça Serrano disse...

Por isso que continuo a insistir: Pastor só existe um! Seguir outro qq tem sido um desvio do Caminho, daquele que guiará as ovelhas para a porta certa...

favourite category

...
ministério pastoral

Whatsapp Button works on Mobile Device only