Eu não acredito em contingências.

Renato Vargens

Eu não acredito em contingências. Eu não acredito em imprevistos, nem tampouco em acontecimentos que fujam aos propósitos eternos do Criador. Nosso Deus é bom e tem controle sobre todas as coisas, e absolutamente nada foge aos seus desígnios. As Escrituras afirmam que o governo está em suas mãos e que Ele possui domínio sobre tudo aquilo que acontece no céu e na terra. O Deus Todo-Poderoso governa o mundo. Ele é o Rei dos reis, o Senhor dos senhores, o Altíssimo Deus. A Ele pertence todo poder e toda autoridade para fazer o que lhe agrade. O mundo e tudo que nele há é o seu mundo e toda criatura que nele vive é controlada por sua soberana vontade e poder.

As tragédias da vida não fogem a onisciência do Criador. Os desastres naturais, bem como a queda de aviões não podem em hipótese alguma surpreender ao Todo-Poderoso. Como Senhor, ele rege os acontecimentos, fazendo dos dramas da existência um profícuo instrumento de amplificação, cujo propósito é falar ao coração dos homens sobre a brevidade da vida e a sandice de viver sem Cristo.

Tenho plena convicção de que o meu Redentor governa soberanamente. Do Gênesis ao Apocalipse, Ele se revela como o sustentador do universo. Acreditar nesta verdade me proporciona a certeza de que absolutamente nada foge ao seu conhecimento. Ele é o único e Soberano senhor!

A Ele toda glória.

Renato Vargens

14 comentários:

E NOS MOMENTOS DE TRISTEZA QUE AS VEZES O SENHOR NOS ENSINA VALORES IMPORTANTES PARA O NOSSO COTIDIANO!
E COM CERTEZA TMB NÃO ACREDITO EM ACASO...
ELE ESTA NO CONTROLE DE TUDO E DE TODOS .. AMÉM

3 de julho de 2009 10:04 comment-delete

Excelente texto: a Palavra de Deus é viva e eficaz, tudo se confirma no Evangelho segundo João capitulo 19:1 a 16.

Anônimo
3 de julho de 2009 11:34 comment-delete

Renato,
Concordo com todas as linhas do seu texto. Parabéns!
Acredito que o conceito de "contingência" esteja em alta agora porque as pessoas não querem conviver com a plena e a soberana vontade de Deus.

3 de julho de 2009 12:17 comment-delete

Pois é Nani, a grande questão é a relativização de todas as coisas. Infelizmente até a soberania tem sido relativizada.

Abraços,

Renato Vargens

3 de julho de 2009 12:20 comment-delete

Renato,

Bom te ler. Parabéns, seus textos são ótimos, este então é primoroso.

Em Cristo,

Clóvis

3 de julho de 2009 12:37 comment-delete

Obrigado Clóvis. Sou leitor assiduo do seu blog.

Abraços,

Renato Vargens

3 de julho de 2009 14:04 comment-delete

C R I A N Ç A S P A S T O R E S

Assim como o Senhor usou de um animal para falar ao louco profeta, não teria a menor restrição para usar uma criança(humano) para ser um veículo de benção para a humanidade.
Talvez até para fazer diferença entre tantos pseudos pastores e enganadores que existem por aí.

3 de julho de 2009 23:54 comment-delete

C R I A N Ç A S P A S T O R E S

Se Deus usou um animal para falar ao louco profeta,nao teria restricao para usar uma crianca como veiculo para abencoar a humanidade.

Lucio
4 de julho de 2009 00:01 comment-delete

O Senhor está no controle de todas as coisas definitivamente.Na doênça a cura,da fome ao alimneto,do desabrigado ao abrigo,da semente que cai ao nascer de uma árvore,da derrota a vitória,da guerra a paz..Tudo é propósito para o Senhor.Tudo é propósito para mostra que Ele é o Senhor que governa,que cura,que liberta,que traz paz,que se revela no tempo Dele, na hora Dele,do jeito Dele.A vontade é de Deus e não a nossa.
QUE DEUS NOS GUARDE!!!

Augusto Elias
4 de julho de 2009 15:53 comment-delete

Desculpe, mas de acordo com a nova moda crer em um "Deus soberano" é falta de amor, é ser carniceiro, é ser cruel.

Para sermos legais devemos dizer que Deus se autolimitou e abriu mão do controle deste mundo, desconhecendo até o dia de amanhã, ou mesmo as próximas horas.

Você crê em verdades absolutas e em doutrinas fundamentais? Então você é um fundamentalista louco e fanático, intolerante e ignorante. Legal mesmo é falar que Deus é amor, tão amoroso que decidiu não intervir em absolutamente nada, deixou-nos ao vento.

Justiça? Decretos? Propósitos? Não, se Deus é assim então é um "diabo" ou "demônio", Escrituras? Pra quê? a Bíblia é só um livrinho cheio de erros, escrita a milhares de anos por gente que não tinha os recursos filosóficos que temos hoje.

Sinceramente, o senhor não serve para ser da elite intelectual da nova moda teológica pastor Renato... nem eu, ou qualquer cristão que creia nas Sagradas Escrituras.

Paz.

11 de março de 2011 22:17 comment-delete

oi Pastor Renato,

Eu discordo em parte, ou seja:

A morte de um filho (necessariamente)não deve ser atribuída a Deus, dizer que simplesmente foi sua vontade sem motivo nenhum, que Ele planejou de modo soberano para que tudo corresse como planejado por Ele desde antes da fundação do mundo, que Tudo tem um propósito. Só um Deus louco, injusto e cruel pode enviar um castigo tão louco, tão injusto e tão cruel.
As Escrituras afirmam que o governo está em suas mãos e que Ele possui domínio sobre tudo aquilo que acontece no céu e na terra, isso eu concordo e vejo que Deus deixa as coisas acontecerem não como Ele planejou (apesar de ter todo o poder e autoridade)mas deixa acontecer do jeito que o homem quis que acontecesse...foi assim desde o início, a bíblia narra as cagadas humanas.
Nosso Deus respeita a vontade humana, Ele assiste com perplexidade a tudo que se faz, age quando assim entende que é preciso, é assim que acho que é.ter o controle sobre todas as coisas não é necessariamente ditar como será, algo fugiu aos seus desígnios sim. Para mim o homem violou a proposta inicial de Deus...e isso não o diminui como Deus.
abraço!
Fábio Mangea

Fábio Mangea
12 de março de 2011 01:42 comment-delete

Renato,
Desculpe-me, não leio o tal para saber seu conceito de "contingência". Não tenho paciência para perguntar ao próprio, então pergunto a você: o que ele quer dizer com isso?
Obviamente isto deve se referir a alguma novidade na criação para Deus, e então concordo como o "mão creio em contingências". Mas, voltando ao que o termo é, toda criação é uma contingência dependente de uma única necessidade: Deus. E um Deus que é Logos (origem, ordem, sustento...).
Digo isto porque afirmações como “Ou Deus tem tudo sob seu controle ou Ele ama" são puros pressupostos. Onde está o fundamento para que controle e amor sejam contraditórios senão numa mente que os forçou a ser? E eis enfim o meu ponto: este tipo de discurso só fisga gente que pretende uma certa "intelectualidade" sem ter idéia do que um bom pensamento exige.
No amor do Senhor,
Roberto

12 de março de 2011 11:09 comment-delete

Acho que esqueci de me identificar e espero que seja por isso que vc não publicou meu comentário ontem.
Bem...vou repetí-lo: "...Então por gentileza, o seu Calvinismo poderia explicar estas tragédias em pormenores, ao invés de ficar se repetindo sobre a soberania e autoridade do Todo-Poderoso? Estas virtudes Divinas já sabemos que são bíblicas, mas escrever um texto usando-as para fantasiar de "submissão" aquilo que na verdade eu chamaria de "omissão", me parece também uma grande heresia.
Saudações
Diógenes

12 de março de 2011 13:14 comment-delete

Renato, meu caro, perdoe-me a intromissão...

Será que o Diógenes ficará frustrado se, ao invés do anonimato (embora este seja motivo suficiente), o motivo da não publicação for um não raro bug do blogger? Sempre considero engraçados estes arroubos de, digamos, "demonstração de força".
Quanto à explicação solicitada, seria conveniente esclarecer antes o que significa um "explicar em pormenores". Convém esclarecer a quem se referem "submissão" e "omissão". Mas temo que, qualquer que seja o rumo do esclarecimento, se o relato bíblico do Gênesis não lhe fornece explicação pormenorizada suficiente para as tragédias humanas, explicação alguma de Renato Vargens o fará.
E, enfim, se um texto que se propõe unicamente a afirmar a Soberania não lhe satisfaz, não há razão para comentar nele. Mas, se o texto apenas lhe instiga a comentar no sentido de pedir por mais, humildade ao invés de arroubos convém ao que comenta.

Novamente, Renato, perdoe-me a intromissão. Não objetivo empreender defesa a você ou seu texto, nem mesmo criar mal estar com um leitor seu (quem sabe eu esteja enganado sobre ele), mas não posso deixar de registrar meu incômodo com esta atitude que, infelizmente, é tão comum blogosfera afora. (E ainda tenho que ouvir que eu é quem sou arrogante. Bah!)

No Senhor,
Roberto

12 de março de 2011 20:24 comment-delete