Mães que lutam por seus filhos!

Renato Vargens

Conta-se que num dia quente de verão, um pequeno menino decidiu ir nadar no lago que havia atrás de sua casa. Na pressa de mergulhar na água fresca, foi correndo, deixando para trás os sapatos, as meias e a camisa. Voou para a água, não percebendo que enquanto nadava para o meio do lago, um jacaré estava deixando a margem e entrando na turva água. Sua mãe, em casa, olhava pela janela enquanto os dois estavam cada vez mais perto um do outro. Com medo, correu para o lago, gritando para seu filho o mais alto quanto conseguia. Ouvindo sua voz, o pequeno se alarmou, deu um giro e começou a nadar de volta ao encontro sua mãe. Mas era tarde. Assim que ela o alcançou, o jacaré o abocanhou. A mãe agarrou seu menino pelos braços enquanto o jacaré mordia seus pés. Começou então um cabo-de-guerra incrível entre os dois. O jacaré era muito mais forte do que a mãe, todavia, a mãe era por demais apaixonada para deixá-lo ir. Um fazendeiro que passava por perto, ouviu os gritos, pegou uma arma e disparou no jacaré.

De forma impressionante, após semanas no hospital, o pequeno menino sobreviveu. Seus pés ficaram extremamente machucados pelo ataque do animal e, em seus braços, os riscos profundos onde as unhas de sua mãe estiveram cravadas no esforço de salvar o filho que amava.

Um repórter de um jornal local entrevistou o menino após o trauma, perguntand-lhe se podia mostrar suas cicatrizes. Sem titubeos o menino levantou seus pés. Logo depois de fazê-lo, o pequeno e orgulhoso garoto, disse ao repórter: Por favor, olhe meus braços. Eu também tenho grandes cicatrizes em meus braços. Eu as tenho porque minha mãe lutou por mim não me deixando ir.

À luz desta história lhe pergunto: Que tipo de mãe tem sido você? Será você uma daquelas que desiste facilmente de seus filhos? Ou é do tipo que está disposta a “LUTAR” por aqueles que o Senhor os confiou? Ora, não tenho a menor dúvida de que mães que amam, lutam por seus filhos, “enfrentam jacarés”, ultrapassam limites, vencem sentimentos, na certeza de que no final da história a alegria retornará ao lar.

Pense nisso!

Renato Vargens

7 comentários:

O inimigo de nossas almas se tem feito presente nesses dias abocanhando os nossos jovens . Devido a " cultura do mico " , que é aquela que tudo que se faz perto ou com os pais é mico , os jovens tem se afastado da família para curtir longe dos pais , que Deus possa abrir os nossos olhos , e nos dê sabedoria para puxar nossos filhos para nós .

Roberto Lopes
1 de janeiro de 2009 16:49 comment-delete

Por um momento em minha vida fui Pãe e lutaria com jacaré, sucurí o que fosse pelo meu filho só que agora temos juntos de nós a Mamusca que tenho certeza que lutaria pelo seu filho do coração e agradeço ao SENHOR por essa benção em nossas vidas.
Gilbert Raposo, um aprendiz em Cristo Jesus.

Gilbert Raposo
1 de janeiro de 2009 20:32 comment-delete

Roberto Lopes,
Nosssos filhos, são bençãos do Senhor, e assim sendo não podemos desistir e nem deixar de lado.
Temos dificuldades com certeza, mas sabemos que independente da situação podemos recitar: Elevo os olhos, para os montes, de onde me virá o socorro? O meu socorro vem do Senhor, que fez os céus e a terra. (Salmos 121:1,2).
Continuemos, firmes.
Que Deus esteja dando discernimento e sabedoria a todos os Pais.
Que Deus te abençoe.
Com carinho.
Cláudia Mota

Cláudia Mota
2 de janeiro de 2009 07:52 comment-delete

Que os nossos filhos possam ter sempre as cicatrizes do nosso amor.Que nossas orações deixem estas marcas. Que cada pai decida HOJE a deixar uma herança de oração pelos filhos,não desistindo nunca,orando e crendo que mudanças virão(isaias 60;22)
Hélida Paixão - Orando Sempre

2 de janeiro de 2009 14:40 comment-delete

how can you write a so cool blog,i am watting your new post in the future!

6 de janeiro de 2009 08:59 comment-delete

After reading the information, I may have different views, but I do think this is good BLOG!
runescape powerleveling

15 de janeiro de 2009 15:27 comment-delete

Já coloquei viaturas de polícia na rua em busca de minha filha de 15 anos. Lutei até recuperá-la, mesmo quando todos me humilharam na delegacia. Mas Deus colocou um tenente que amou minha causa e Deus o usou para recuperar minha menina. Embora criticada e humilhada, faria tudo de novo.

Anônimo
8 de julho de 2011 17:29 comment-delete