Carta de um diabão ao seu sobrinho sobre o Carnaval

Por Renato Vargens



Odiado Cramulhão Encardido Junior,

Espero que esteja comendo o pão que o nosso maldoso pai amassou. Escrevo-lhe esta missiva com vistas a lhe orientar quanto a melhor forma de complicar a vida dos crentes.

Amaldiçoado capeta, vamos aproveitar a natureza depravada do ser humano e instigá-los ao pecado. Além disso, aproveite o período do carnaval e incentive-os a esbaldar-se nos bailes carnavalescos.

Cramulhão Junior, leve-os a gastarem tempo assistindo os bailes recheados de promiscuidade que passam na televisão. Faça-os também se deliciarem nos desfiles da Escola de Samba, bem como nos blocos de carnaval que lotam as ruas do meu país favorito. Ordeno-lhe também que leve-os a pensar que o Carnaval é uma festa qualquer e que o desejo de Deus e que todos se alegrem nela.

Desgraçado cão do inferno, instigue-os a amar o o mundo e as coisas que há no mundo. Faça-os acreditar que não tem nada a ver pular carnaval, sambando a noite inteira na festa de Momo. 

Maldito Cramulhão, para ser bem sucedido nessa maféfica missão é fundamental que você incuta na mente deles valores diferentes daquele livro cujo nome não gosto nem de mencionar. (Só de pensar na Bíblia, meu ser estremece!)

Infeliz sobrinho, prenda-os ao pecado levando-os a uma vida que afronte o nosso inimigo e que não glorifique o nome daquele Salvador que tanto odiamos.

Espero que cumpra com esmero minhas recomendações.

Termino esta carta, desejando todo tipo de maldade,

Com ódio,

Seu tio diabão

Nota explicativa:

Há alguns anos, o conhecido autor evangélico C. S. Lewis, professor da Universidade de Cambridge, na Inglaterra, escreveu uma série de artigos sob o título: "The Screwtape Letters" , ou seja, "Cartas do Inferno" , Edições Vida Nova SP, e os publicou no jornal "Guardian", conhecido órgão da imprensa britânica, lá pelos idos de 1940. Depois, essas cartas foram reunidas em um livro com o mesmo título, que se tornou a obra mais popular desse eminente escritor de temas cristãos. Nessas cartas, o autor imagina uma série de conselhos que Roldão, experiente oficial da hierarquia diabólica, envia a seu sobrinho Lusbim, um diabo neófito que recebeu a incumbência de corromper a fé de um homem que se tornara cristão. Visto que, daquela época para cá, tem-se multiplicado as artimanhas satânicas, é lícito imaginar mais alguns terríveis conselhos enviados pelo sinistro oficial ao seu infernal emissário, em plena ação diabólica para desviar os fiéis do caminho estreito. Usando os mesmos personagens, apenas mudamos os nomes, e tomando emprestado o gênero literário do autor mencionado, aqui apresentamos aos amados leitores uma nova carta imaginária, vinda dos abismos infernais.

1 comentários:

Gostei bastante pastor, realmente o engano e depravação moral tem sido cultivados com uma tonalidade normativa. Deus o abençõe. A propósito estive na 16 consciência cristã e tive a oportunidade de cumprimenta-lo foi um momento enriquecedor que a graça de Deus continue abundante sobre sua vida.

7 de março de 2014 14:17 comment-delete