terça-feira, dezembro 10, 2013

Valorize aquilo que é mais importante

Por Renato Vargens

Se você é um leitor do meu BLOG gostaria que lesse esse post com toda a atenção.

Não são poucos aqueles que vivem para o trabalho não é verdade?

Quantos de nós não tem dedicado a maior parte do tempo de suas vidas pensando em ganhar dinheiro?  

Pois é, lamentavelmente não são poucos aqueles que em nome do sucesso tem mergulhado de corpo e alma no trabalho abandonando na esquina do esquecimento aqueles que lhes que deveriam ser mais caros. Nessa perspectiva, pais não brincam com seus filhos, não celebram a vida, nem tampouco dedicam tempo para o riso, para a festa, para a celebração da família. Em contrapartida, filhos tem esquecido seus genitores, deixando-os sozinhos a mercê da solidão, da dor e do abandono.

Caro leitor, de que nos adianta ganharmos a vida e perdemos a família? Ora, a vida é efêmera e passa com uma rapidez absurda e sem que percebamos os anos se vão e com eles momentos preciosos que poderiam ter sido dedicados a vida em família.

Isto posto, gostaria de lhe dar alguns conselhos, posso? 

Que tal nesse final de ano deixar o trabalho de lado? O que acha de  separar um  tempo maior para sua família? Uma viagem para rever seus pais seria tudo de bom não é verdade? Aliás, há quanto tempo você não faz isso? Que tal "chutar"  o balde e fazer um maravilhoso passeio seus filhos e cônjuge? O que acha de uma pequena viagem com a sua esposa?

Caro amigo, esqueça a correria, a luta pelo dinheiro e  ria, chore, perdoe, se reconcilie e dedique tempo a sua casa e aos seus.

Saiba de uma coisa, agindo assim Deus será glorificado e e você se sentirá muito mais feliz.

Ah! Antes que me esqueça, assista o vídeo abaixo, acredito que falará ao seu coração.

Em Cristo,

Renato Vargens


El Misionero Matsuura Junichiro disse...

Pastor Renato, eu queria um esclarecimento, por favor. Sei que este não é o assunto deste post, mas preciso muito deste esclarecimento que lhe solicitarei agora. Eu sou músico, toco guitarra a pelo menos uns 23 anos. Atualmente sou diácono da Assembléia de Deus, e sou músico. Acontece que sou muito criticado por algumas peculiaridades referentes ao meu modo de tocar a guitarra. Meus dedos são muito finos, então, para conseguir tocar a guitarra direito, eu preciso descer a afinação, para que as cordas fiquem um pouco mais confortáveis. E pelo mesmo motivo, eu uso muitos acordes dissonantes. As pessoas insistem em não entender isso. Depois de vários anos, a verdade é que eu desenvolvi um estilo próprio do qual eu simplesmente não consigo abrir mão. Eu gostaria de saber se existe alguma passagem que PROÍBA que eu use o meu estilo próprio na adoração a Deus. E também se existe algo nesses termos no Código Penal. Até entando que ninguém é obrigado a me aceitar, ou aceitar o meu estilo. Mas, ultimamente, a não aceitação está passado dos limites. Ao ponto de confundir autoridade com desrespeito, e obediência com suicídio intelectual. O que devo fazer????

tiago rodrigues disse...

muitas das vezes esquecemos que somos peregrinos neste mundo estamos caminhando para uma vida com o Pai Celestial. E vivemos como se este mundo fose nossa casa permanente damos mais valor no ter do que o ser. Que Deus nos perdoe e que podemos voltar a realidade e viver uma vida em Cristo que e a nossa perfeição.

favourite category

...
ministério pastoral

Whatsapp Button works on Mobile Device only