domingo, outubro 20, 2013

A hipocrisia de falsos crentes que vivem na prática do adultério

Por Renato Vargens

O adultério é um câncer destruidor. A quantidade de famílias destruídas por esse pecado é absurdamente impressionante. 

Pois é, para nossa tristeza, uma pesquisa encomendada pelo Datafolha revelou que 71% dos brasileiros se dizem favoráveis à dissolução do casamento. Dentre os católicos, o índice sobre para 74%. Até mesmo os evangélicos formam maioria quanto à aprovação do divórcio: são 59% entre tradicionais e pentecostais.

Infelizmente os casos de divórcio e adultério entre os evangélicos se multiplica a olhos vistos. A cada novo dia ouvimos relatos de pessoas que afirmam terem traído seus cônjuges. Ora, como afirmei no Facebook   o que me assusta não é o fato de muitos cristãos cometerem este tipo de pecado. O que me assusta é triste realidade de que muitos "cristãos" em nome de uma graça barata, permanecem na prática deste pecado. A quantidade de gente que diz que pecou, sem contudo abandonar a vida adulterina é impressionante. Sei de casos de pastores que traíram suas esposas, abandonaram seus lares passando a viverem junta da adultera e acham que não estão errados, mesmo porque, Deus os perdoou do adultério cometido.

Caro leitor, um principio claro das Escrituras é o seguinte: Pecou? Confesse sua transgressão e abandone seus pecados e o Sangue de Jesus o purificará de todas as suas iniquidades. Agora, o que não dá para aceitar é você dizer que se arrependeu do seu adultério e continuar vivendo e se relacionando com a pessoa com que pecou. 

Outro dia soube de uma moça, casada que se apaixonou por um músico de sua igreja. Pois bem, em nome do "amor", a mulher abandonou os filhos, o marido e passou a se relacionar com o amante. Ao ser confrontada pela Igreja, respondeu: "Eu sei que eu errei, mas , pedi perdão a Deus e Ele me perdoou." Diante da sua resposta o pastor lhe disse: "Se reconhece o seu erro, abandone seu amante e reconcilie-se com seu marido." Ela respondeu dizendo: "Isso não. Deus já me perdoou e agora eu vou viver em novidade de vida com o meu novo amor."

Prezado amigo, lamentavelmente parte da igreja relativizou as Escrituras. Sei de casos de pastores que traíram suas esposas, saíram de casa, divorciaram-se, casando com as adulteras e continuam no ministério. Há pouco fiquei sabendo de um líder eclesiástico que trocou a esposa pela nora e continua a frente da igreja.

Ora, isso é uma vergonha não é verdade? Ouso afirmar que pessoas que pecam e em nome de uma espiritualidade barata continuam na prática do pecado não nasceram de novo. 

“Todo aquele que é nascido de Deus não vive na prática de pecado… todo aquele que é nascido de Deus não vive em pecado” (1 Jo 3.9; 5.18).

O Bispo J.C. Ryle certa feita disse:

"Uma pessoa nascida de novo, ou seja, regenerada, não comete o pecado como um hábito. Não peca mais com seu coração, sua vontade e toda a sua inclinação natural, como o faz a pessoa não-regenerada. Havia um tempo em que ela não se preocupava com o fato de que suas atitudes eram pecaminosas ou não, um tempo em que não se entristecia após fazer o mal. Não havia qualquer luta entre ela e o pecado; eram amigos. Agora a pessoa nascida de novo odeia o pecado, foge dele, combate-o, considera-o sua maior praga, geme sob o fardo da presença dele em seu ser, lamenta quando cai diante da influência do pecado e deseja intensamente ser completamente liberta dele. Em resumo, o pecado não lhe causa mais satisfação, tampouco é algo para o que ela se mostra indiferente. O pecado tornou-se para a pessoa nascida de novo uma coisa abominável, que ela detesta. Ela não pode evitar a presença do pecado. Se disser que não tem pecado, não haverá verdade em suas palavras (1 Jo 1.8). Mas a pessoa regenerada pode afirmar com sinceridade que odeia o pecado e que o grande desejo de sua alma é não mais cometê-lo, de maneira alguma. O indivíduo regenerado sabe, conforme o disse Tiago, que “todos tropeçamos em muitas coisas” (Tg 3.2). Todavia, ele pode afirmar com sinceridade, diante de Deus, que tais coisas lhe causam tristeza e aflição diariamente e que toda a sua natureza não as aprova"

Isto posto, concluo dizendo: 

O adultério sempre foi e sempre será fonte de marcas, mágoas, dores e desgraças. A separação e falência conjugal são hoje uma gravíssima epidemia que tem vitimado milhões de pessoas em toda planeta. Isto posto, tenho plena convicção que como crentes em Jesus não nos é possível tratarmos com naturalidade comportamentos adulterinos. Antes pelo contrário, temos por dever confrontar de forma clara e objetiva este comportamento imoral. Além disso, cabe a nós chorarmos diante do Senhor, pedindo perdão pelos pecados de uma nação que teima em desrespeitar os valores da decência e moralidade.

Pense nisso!

Renato Vargens

Marcelle Gonçalves disse...

Parabéns pelas colocações sábias e equilibradas, Renato. Deus quer nos perdoar, claro, sempre... Mas Seu próprio Filho disse: "vai, e NÃO PEQUES MAIS". Com a luz do Santo Espírito não é difícil compreender... Abç.

Danilo Costa disse...

Palavras que contém a verdade! O pecado deve ser confrontado e largado e não se tornar um amigo do qual sempre estaremos juntos. Até porque - segundo as Escrituras nos mostram, mais especificamente em Isaías 59.2 - o pecado causa separação entre Deus e aquele que comete pecado.
Que o Espírito Santo toque no coração daqueles que estão no erro para se voltarem para Deus, abandonarem seus erros e trilharem o caminho da Verdade e da Vida. Porque a mão do Senhor não está encolhida (e desta forma não possa salvar) como pode ser visto em Isaías 59.1, porém é necessário a confissão e o abandono da prática do pecado.

Que Deus o abençoe sempre, pastor Renato.

Soli Deo Gloria!

robson gois disse...

sábio em Deus que o senhor venha usa a sua vida a muitos que encontra nesta situação difícil.

favourite category

...
test section describtion

Whatsapp Button works on Mobile Device only