Pastores: Animadores de auditório ou pregadores do evangelho?

Por Renato Vargens

Quando criança lembro que nas tardes de domingo minha mãe costumava assistir os programas de auditório do Silvio santos. Na ocasião, o famoso apresentador brincava com o seu público na expectativa de aumentar a audiência.

Infelizmente nos dias de hoje, percebemos em boa parte das nossas igrejas um número significativo de pastores que em vez de pregar a santa Palavra de Deus, transformaram-se em exímios animadores de auditório. Para prender a atenção do seu público, contam piadas, pulam, fazem caretas, caras e bocas e muito mais, isto sem falar nos jargões que sem dó e piedade são vomitados em nossos ouvidos.

Há pouco ouvi uma mensagem completamente bisonha. Usando um “polido” “evangeliquês”, um famoso pregador não falava “lé com cré”, antes pelo contrário, o pastor em questão abusava das expressões simplistas e típicas de alguém despreparado.

“- Fique de pé, meu irmão, e dê um grito bem alto para que o inferno estremeça.

“-Dê uma grande salva de palmas a Deus e zombe do diabo.

-“Amém ou não amém?

- Somos "cabeça" e não cauda.

- Decrete, determine.

Pois é, se não bastasse isso multiplica-se a olhos vistos o número de pastores que fizeram do púlpito um lugar de piadas.  Lamentavelmente existem  pastores que estão mais para humoristas que pregadores do evangelho.

Para estes gostaria de dar uma dica: 

Prezados pastores, vocês não foram chamados para fazer piadas no púlpito e sim anunciar as Boas Novas de salvação Eterna. 

Concordo com os puritanos que diziam que o púlpito é lugar sério e não um palco de teatro.

Do jeito que coisa anda, Silvio Santos que se cuide, porque caso contrário, poderá perder o emprego.

Soli Deo Gloria,

Renato Vargens


4 comentários

  1. PARABENS PASTOR RENATO,TEMOS QUE MUDAR AJUDAR A POPULAÇÃO EVANGÉLICA A FUGIR DESSES ANIMADORES DE PÚLPITO QUE NA MAIORIA DAS VEZES NÃO ACRESCENTAM NADA NA VIDA DE SEUS OUVINTES,A NÃO SER FABULAS SEM LOGICA QUE ACABAM DISTANCIANDO AS PESSOAS DE DEUS.EMBORA ELAS SE ENCONTREM NA IGREJA,MAS DISTANTES DA PERFEITA VONTADE DE DEUS.

    http://prmarcoramos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Prezado Pr. Renato, isso é uma grande verdade. É triste vermos em nossos púlpitos pastores que não possuem o menor compromisso com o evangelho de cristo. Eu mesmo já pude observar várias bizarrices como pregadores se jogando no chão, tirando paletó para ajudar na encenação, pastores contadores de piadas, fazendo imitações de vozes ou seja todos os ingredientes encontrados em um verdadeiro Stand-up Comedy.

    Mas o que me deixa mais triste não é somente isso, mas sim vermos que a Igreja brasileira esta cada vez mais passiva, sem discernimento e conivente com essas aberrações, quando deveríamos expulsar esses descompromissados de cima de nossos púlpitos.

    “Cuidem de vocês mesmos e de todo o rebanho sobre o qual o Espírito Santo vos constituiu vigilantes. Sejam pastores da igreja de Deus, que Ele comprou com Seu próprio sangue. Eu sei que depois que eu sair, lobos ferozes penetrarão no meio de vocês e não pouparão o rebanho. Há mesmo alguns de vocês que torcerão a verdade só para arranjar adeptos. Então não baixe a guarda! Lembre-se que por três anos, eu nunca parei de alertar cada um de vocês, noite e dia com lágrimas” - Atos 20:28-31.

    renanbressamini.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Não me parece uma grande contradição estas mensagens ("Quem quiser vir após mim, negue-se a si mesmo". "Quem achar a sua vida a perderá e quem perdê-la por amor de mim a encontrará") e ficar fazendo campanha pra alvos de oração que geralmente são para satisfazer nossos desejos? Será que ninguém vê isso...

    ResponderExcluir
  4. Prezado Renato Vargens! Gosto muito dos seus artigos e em especial nesse caso dos pastores animadores de auditório, tenho a impressão, que estes são apenas pastores. Nunca foram vocacionados e sequer convertidos ao Cristo Jesus, o crucificado na cruz, o DEUS altíssimo.
    Cada vez mais, Menos pessoas acreditarão nesses "pseudo pastores"

    ResponderExcluir

Caro leitor,

(1)Reservo o direito de não públicar criticas negativas de "anônimos". Quer criticar e ter a sua opinião publicada? Identifique-se. (2) Discordar não é problema. É solução, pois redunda em aprendizado! Contudo, com educação. Sem palavrão! (3) Ofereça o seu ponto de vista, contudo, a única coisa que não aceitarei é esta doutrina barata do “não toque no ungido” do Senhor. Querendo aprender sobre o direito de julgar, leia estes artigos:

Não julgueis para que não sejais julgados. Como é isso?

Julgando os críticos ou criticando os juízes?

O conselho de Gamaliel e o pensamento Cristão

Nele,

Renato Vargens