Esperança em tempo de desespero


Renato Vargens

Um menino muito do esperto percebeu que o seu pai chorava copiosamente. Sem titubeios dirigindo-se a ele perguntou:

- "Papai, porque você está chorando?" O homem, com o rosto marcado pelas lágrimas, os cotovelos apoiados nos joelhos, recurvado, silencioso, nada respondia. O garoto achava estranho que um homem chorasse ainda mais seu pai. Jamais o vira daquele jeito. Causava-lhe mal estar aquelas lágrimas.

- "Pai, fala alguma coisa! O que está acontecendo?" Junto à janela com os olhos também marejados, pensando nos três filhos, nos encargos da família, aguardava a mãe a resposta do marido.

-"Morreu alguém, Pai?"

- "Não, meu filho. Ninguém morreu. Seu pai perdeu o emprego. Eu fui despedido."

Caro leitor, quantos não são aqueles que nesse momento da vida encontram-se desesperados em virtude de uma notícia ruim? Quantos por acaso não foram demitidos de seus empregos? Quantos não estão desenganados pela medicina? Ora, é  possível que ao ler este texto você esteja passando por situações onde a impressão que tem é de que nunca mais desfrutará de momentos alegres e felizes na vida. Quem sabe as nuvens da incerteza estejam assolando sua alma e coração de forma impiedosa levando-o a um profundo estado de ansiedade e depressão. Diante disto, quero incentivá-lo a nutrir o coração de esperança, bem como da certeza de que o Senhor não o esqueceu, e que de forma Soberana controla todas as coisas.

Por acaso você já se deu conta de que o Deus o qual servimos nunca nos desampara? Já percebeu que Ele se faz presente em todos os momentos da nossa vida sustentando-nos com sua destra fiel?

Prezado amigo, é indispensável que entendamos que a vida nos proporciona momentos em que a fé dá lugar ao desânimo e que o vigor cede espaço à desesperança. São em ocasiões como estas, que precisamos tomar por exemplo as atitudes de homens de Deus, tais como Abraão e erguer os nossos olhos ao céu na expectativa de ouvir a Palavra do Senhor.

“Então conduziu-o até fora, e disse: Olha para os céus e conta as estrelas, se é que o podes. E lhe disse: Será assim a sua posteridade.” Gênesis 15:05

Será que você é capaz de observar as estrelas na noite? Será que é possível mesmo diante da escuridão que o cerca enxergar as promessas e o cuidado de Deus? Como diz a canção peregrinamos por montes e vales, entretanto, Cristo nos prometeu que nunca desampararia, antes pelo contrário, estaria conosco até a consumação do séculos.

Pense nisso.

Renato Vargens

0 comentários: