Eu quero ser protestante


Por Renato Vargens

Como todos sabemos, o termo protestante, deixou de ser usado pela maioria esmagadora das pessoas em nossos dias. Na verdade, tanto a sociedade brasileira como a mídia, nos denominam de "crentes", ou como ultimamente temos ouvido, de "evangélicos". Entretanto, por mais representativas que sejam tais definições, nenhuma delas se compara ao termo "protestante".

A palavra protestante deriva do latim, cuja preposição PRO, significa "para", e o infinitivo TESTARE, representa "testemunho". Um protestante, em outras palavras, é uma testemunha. Na verdade, podemos afirmar categoricamente que um protestante é uma testemunha viva de Jesus Cristo e da Palavra de Deus.

O protestantismo, não é meramente o protesto contra a corrupção eclesiástica e o falso ensinamento católico do século XVI; é muito mais do que isso. Ser protestante, é viver debaixo de um avivamento integral, é resgatar os valores indispensáveis a fé bíblica através da Palavra, é proclamar incondicionalmente a mensagem da graça de Deus em Cristo Jesus.

Ah, meu amigo, confesso que não agüento mais a efervescência da graça barata, o mercantilismo gospel, a banalização da fé. Não agüento mais, as loucuras e os atos proféticos feitos em nome de Deus, não suporto mais o aparecimento das mais diversas unções em nossos arraiais; isso sem falar da hierarquização do reino, onde apóstolos, paiostolos, príncipes e reis, têm oprimido substancialmente o povo do Senhor.

Chega! Basta! Quero viver e pregar o evangelho, quero ver uma igreja, santa, ética, justa e profética, quero ver uma igreja, que não se corrompe diante  das loucuras dessa era, quero ver uma igreja reformada e reformando, quero ver uma igreja verdadeiramente PROTESTANTE!

Soli Deo Gloria,

Renato Vargens

3 comentários:

Tenho fé que veremos a coisa melhorar se me visse a 6 anos atrás, afff...
Só a misericórdia pode despertar alguém, más Deus está agindo Ele não encolheu seu braço, eu sou prova disso!
Não tenho medo das doutrinas reformadas que deixaram minha vida infinitamente melhor! Propago a soberania de Deus
e todos os pontos da fé reformada a plenos pulmões. A dois anos começou a reforma a um ano cheguei na IPB que frequento já dou aula na EBD,EBF e estou engajada.
Vamos botar estes crentes"velhos" reformados pra trabalhar!KKK
Gostei muito quando Rev Augustos disse que os pentecostais de tradição estão se interessando pelo Calvinismo, quem sabe Deus vai unir o útil ao agradável!Pentecostal gosta de trabalhar reformado gosta de estudar, quem sabe?!
Abraço Dani Lima

1 de novembro de 2012 22:10 comment-delete

Tem períodos que sinto-me sufocada de tanta "baboseira".Tem coisa que dá enjoo!
E fico a me perguntar na tentativa de descobrir a resposta:
-Como pode tanta gente acreditar em coisas tão sem sentido?
-Como fazer com que as pessoas vejam a verdade?
-Será a parte que me cabe que está sendo mal feita?
-O que realmente as pessoas querem?
-O evangelho não deveria ser o suficiente?
- O que fazer?

2 de novembro de 2012 11:20 comment-delete

Prezado Pr. Renato Vargens,

Penso que a questão protestante não tem toda a relevância que a pretensiosa teologia gostaria, pois tem raízes comprometedoras no que tange ao verdadeiro Evangelho de Cristo.

Por exemplo: A virgem de Roma fundada por Paulo, ao ser corrompida por Constantino, iniciou seu processo de sedução pelos ditos "pais da igreja" até atingir sua maturidade de grande prostituta Católica.

A reforma protestante tão propagada pela teologia acadêmica, é um equívoco e nada tem haver conosco, a não ser pelo fato de Martinho Lutero tentar reformar a referida prostituta, sem contudo obter êxito.

Não obstante, pela conquista da liberdade da Igreja Luterana, também tivemos condições de resistir paralelamente as imposições da igreja dominante.
Contudo, a nossa origem não é de uma pretensa reforma da prostituta romana, porquanto somos oriundos da Igreja primitiva, doutrinada pelos Apóstolos, sendo Ap. Paulo, o discipulador da igreja gentílica e por conseguinte, principal sistematizador do Novo Testamento.

Concluo minha opinião afirmando que, a Igreja de Cristo não precisamos de filosofia de "pais da igreja", nem "de reformadores de prostituta" e muito menos de uma nova reforma de teólogos renomados; mas sim, de nos arrependermos urgentemente e voltarmos a simplicidade do Evangelho de Cristo.

Paz Seja Contigo,
J.C.de Araújo Jorge

2 de novembro de 2012 22:21 comment-delete