Os neopentecostais e a doutrina da rebeldia espiritual

Por Renato Vargens

Existem pastores que se sentem donos do rebanho e como tais acham que suas ovelhas devem acatar todas as suas determinações.

Os pastores em questão acreditam que possuem o direito de determinar regras, estabelecer novas doutrinas, além é claro de obrigar os membros de suas igrejas a rezarem segundo as suas cartilhas. Nesta perspectiva, a vontade dos "profeteiros" em questão é comparada a vontade de Deus e opor-se a ela significa cometer o pecado de rebeldia. 

Em estruturas como estas, é absolutamente comum exigir-se dos crentes, submissão total. Em tais comunidades, a vida cristã é regida exclusivamente por um sistema onde ditadura e arbitrariedade se misturam. Infelizmente, aqueles que porventura ousam opor-se a este estilo de liderança, sofrem sanções das mais estapafúrdias possíveis sendo chamados de rebeldes e tornando-se passíveis de punição, cuja consequência final é a exclusão e exposição pública. 

Há pouco soube da história de um jovem que por ter questionado a direção arbitrária do pastor de sua igreja, o qual em nome de Deus conduzia o rebanho com mão de ferro, foi taxado de insubmisso. Pois bem, o rapaz não suportando as loucuras apostólicas do seu líder, saiu da igreja juntamente com outros irmãos sendo acusado de rebelde inconsequente.

Caro leitor, infelizmente, em nome de Deus, existe um bocado de gente que roga “pragas e desgraças” àqueles que em algum momento da vida se contrapuseram a seus sonhos e vontade. Em certas igrejas a palavra “rebeldia” tem sido usada para todo aquele que foge dos caprichos fúteis de uma liderança enfatuada. Em tais comunidades, discordar do pastor quase que implica com que o nome seja colocado na “boca gospel do sapo”. 

Pois é, se não bastasse esse grande imbróglio, os membros das comunidades despóticas vivem em constante estado de pavor, isto porque, em virtude do pânico impetrado pelos ditadores da fé, temem sofrer sanções espirituais, levando-os a uma vida cujo comportamento é quase que esquizofrênico. 

Isto posto, afirmo que é mister que mantenhamos compromisso  com Deus e com as Escrituras. Em outras palavras isso significa dizer que a obediência ao pastor não deve jamais contrapor-se as verdades da Bíblia, e que aqueles que invocam para si autoridade acima das Escrituras, devem ser repreendidos, ainda que  isso os levem a serem taxados de  rebeldes.

Soli Deo Gloria,

Renato Vargens

9 comentários:

Já pensou se os Reformadores ligassem pra essa tal de "rebeldia"? Publiquei a segunda parte da série "Pentecostalismo e Reforma Protestante". Se tiverem um tempinho, façam uma visitinha e deixem suas impressões sobre o tema:

http://www.filosofiacalvinista.blogspot.com/

27 de outubro de 2011 14:49 comment-delete

Pastor, gostei demais do que escreveu, to passando por uma situação parecida... aonde tenho que exortar meu líder, mas se eu for chamado de rebelde, provavelmente serei "excomungado" da minha congregação... tenho conhecimento bíblico para exortar, e tenho argumentos irrefutáveis me baseando no livro de Tiago e Apocalipse. Mas peço um favor a você, meu irmão... me explique mais acerca da Autoridade Espiritual, Líder Espiritual, Honrar o Líder, e outras coisas a respeito. Pode fazer isso por mim?

Soli Deo Gloria

27 de outubro de 2011 14:53 comment-delete

Aprecio, aceito, acato e considero muito suas colocações e ensinos. Tenho aprendido bastante, porém há um algo que ainda não consegui entender. Você faz seus comentários sempre associando o termo neopentecostal à prática de "aberrações", porém, quando assisto principalmente, as pregações da "igreja centenária" observo que no conteúdo delas essas "aberrações" são elementos indispensáveis e também muito atuantes. Inclusive o irmão do "papa" da Igreja Mãe lançou um livro com o mesmo foco e inspiração do Mike Murdock.
O meu curto entendimento não consegue ver diferença entre os objetivos da "VITORIA EM CRISTO",e da "AD DO AMAZONAS E DO PARÁ", dos objetivos das NEOPENTECOSTAIS.
Abraços.
Fabio.

27 de outubro de 2011 20:56 comment-delete

É pastor, concordo contigo. Não sou de uma igreja neopentecostal, mas passou um pastor por minha congregação, que devido aos problemas que criou, acabou sendo "mandado embora" pelo pastor presidente. Ele exigia presentes caros, tipo máquina de lavar roupa ou coisas mais caras, dos membros. Do contrário, dizia que não sabíamos honrar autoridade. Foi um problemão, na época.

Deus o abençoe!

Anônimo
27 de outubro de 2011 21:11 comment-delete

renato,

nem oito nem oitenta como diz o ditado, vejo que há abusos de ambas as partes, pastores ditadores e ovelhas insubmissas. discordar faz parte do relacionamento cristã e deve ser feito com respeito, igreja não é "democracia corintiana" nem muito menos "quintal do pastor". a palavra de Deus fala ...sujeitaivos UNS AOS OUTROS..."
Creio q a luz da palavra de Deus toda situação se resolve.

28 de outubro de 2011 10:48 comment-delete

A Bíblia é a autoridade máxima em todo e qualquer assunto,posto que é a Palavra de Deus(indiscutível.Os pastores,dados por Deus,devem apascentar o rebanho do Sumo Pastor,com amor e a autoridade dada a eles,deve ser reconhecida.Mas,há alguns que extrapolam.Isso porque pensam que o rebanho lhes pertence.E há outros tantos,que se auto-ungiram.Infelizmente,há falsos pastores,que só fazem perverter a sã doutrina.

lui
28 de outubro de 2011 14:40 comment-delete

Concordo com o Ronivaldo

28 de outubro de 2011 21:28 comment-delete

Um certo pastor, me disse, uma vez que só aceitava exortação de alguém acima dele, e, nesse caso Deus deveria descer dos céus para exortá-lo, mesmo tendo em vista que o referido pastor mente compulsivamente... Como não existe ninguém acima dele na terra, ele continua mentindo até hoje dentro das igrejas que ele costuma pregar, contando testemunhos que não aconteceram com ele, ele pega testemunhos de outros e conta como se fossem dele.
Por isto, ele tem o hábito de dizer para todos que uma certa "mulher" quis passar por cima do "ungido" e que era rebelde, os pecados dele (que não são apenas as mentiras), ele conta como se fossem meus... Como ele é profeta de Gezuis sou filha do "cão".
Não cito o nome dele, só quero deixar um alerta para os meus irmão em Cristo, Cuidado com pregadores que ao invés de pregar o Evangelho de salvação, tomam o momento da pregação para contar testemunhos e falar de revelações!
A mensagem na pregação tem que ser Cristo!
Abraços
fraternos em Cristo

29 de outubro de 2011 10:32 comment-delete

O que penso sobre o assunto é um pouco extenso. Quem tiver interesse em ler vá nesse link e cofira.
http://www.pulpitocristao.com/2009/08/pastor-e-o-ungido-do-senhor-2/

2 de novembro de 2011 23:29 comment-delete