Os picaretas de GEZUIS.

Por Renato Vargens

A última novidade dos picaretas de GEZUIS é oferecer aos pastores o  titulo de apóstolo. Eu mesmo já fui convidado a comprar um.

Pois é, o Portal Gospel + anunciou que um individuo pode se tornar apóstolo mediante o pagamento de R$ 2.000,00.  A reportagem afirma  a existência de um seminário que oferece um curso de apóstolo por apenas R$ 1.950,00. Segundo o site “ao graduar-se apóstolo  o individuo estará apto para solucionar qualquer eventualidade e dificuldade de toda a sua comunidade religiosa.

Caro leitor, vamos combinar uma coisa? Será que esse pessoal está consumindo algum tipo de alucinógeno gospel? Ora, vender o titulo de apóstolo é um verdadeiro deboche!  Sinceramente essa galera pirou! Como costumam dizer os adolescentes no Rio de Janeiro "esse povo tá viajando na maionese!"

Pois é, se não bastasse tanta bobagem em nossos arraiais, há pouco ouvi o relato de um apóstolo que afirmou que o crente que não possui a  unção apostólica pode ser considerado crente de “segunda categoria”. E para piorar as coisas, esses profeteiros do capeta afirmam que nos dias atuais não basta ter o Espírito Santo somente, é necessário possuir a tal unção, mesmo porque somente assim poder-se-á conquistar o melhor de Deus.

Prezado leitor, essa tal de unção apostólica não passa de mais uma mercadoria apresentada nos balcões da fé. Aliás, por acaso você já percebeu que a moda agora é ser apostólico? O culto é apostólico, o louvor é apostólico, as ofertas são apostólicas, tudo absolutamente tudo é apostólico.

Tenho a impressão de que o fato de enfatizar em suas mensagens um conteúdo “apostólico” é nada mais, nada menos do que uma sutil tentativa de diferenciar o produto deles daquilo que é oferecido por outras igrejas. Na verdade, é extremamente comum observar em tais movimentos, uma ênfase exagerada na tal unção.

Ah, meu amigo, como inúmeras vezes tenho falado não agüento mais a efervescência da graça barata, o mercantilismo gospel, a banalização da fé. Não agüento mais, as loucuras e os atos proféticos feitos em nome de Deus. Chega! Basta! Quero viver e pregar o evangelho, quero ver uma igreja, santa, ética, justa e profética, quero ver uma igreja, que não se corrompe diante loucuras dessa era, quero ver uma igreja reformada e reformando, quero ver uma igreja PROTESTANTE!

Soli Deo Gloria

Renato Vargens

4 comentários:

Pra não dizer coisa pior...

Pode-se dizer que, no mínimo, é simonia da braba!

6 de julho de 2011 15:52 comment-delete

Diante disso creio que os protestantes, eu inclusive, temos que pedir desculpas aos Católicos por no passado termos reclamado das indulgências ...

fha
6 de julho de 2011 16:04 comment-delete

Raça de víboras.

Cristina Barros
7 de julho de 2011 13:38 comment-delete

Olha, a situação é dai para pior... hoje vou expor I Corintios 15.1-11 e vou usar esse texto como contraponto daquilo que o verdadeiro apostolo Paulo preferia dizer de si mesmo, referindo-se como um "abortivo", isso porque ele não havia sido ainda suficientemente experimentado, nem preparado para as lides ministeriais, mas o que ele fazia, era por conta da Graça de Deus sobre sua vida! Que diferença, né? Quanto será que custaria um titulo apostolico de "abortivo", hoje em dia, hein?

7 de julho de 2011 15:31 comment-delete