Cuidado! Não esqueça o principal


Por Renato Vargens

Conta a lenda, que certa vez uma mulher pobre com uma criança no colo, ao passar diante de uma caverna, escutou uma voz misteriosa que lá de dentro dizia: "Entre e apanhe tudo o que você desejar, mas não esqueça o principal. Lembre-se porém de uma coisa: depois que você sair, a porta se fechará para sempre! Portanto, aproveite a oportunidade, mas não esqueça o principal..." A mulher entrou na caverna, e lá encontrou muitas riquezas. Fascinada pelo ouro e pelas jóias, pôs a criança no chão e começou a juntar ansiosamente tudo o que podia em seu avental. A voz misteriosa então, falou novamente: "Você só tem oito minutos." Esgotados os oito minutos, a mulher carregada de ouro e pedras preciosas, correu para fora da caverna e a porta se fechou... Lembrou-se então, que a criança ficara lá dentro e que a porta estava fechada para sempre! A riqueza durou pouco, e o desespero durou para toda a vida. 

Pois é, o mesmo acontece às vezes conosco. Temos muitos anos para vivermos neste mundo e uma voz sempre nos adverte: "Não esqueça o principal!" E o principal são os valores espirituais, a oração,a vigilância, a família, os amigos, a vida! Mas a ganância, a riqueza, os prazeres materiais nos fascinam tanto, que o principal vai ficando sempre de lado... Assim, esgotamos o nosso tempo aqui e deixamos de lado o essencial: “Os tesouros da alma”.

Caro leitor, a luz deste pequeno conto gostaria que você respondesse para si mesmo dizendo o que o dinheiro tem significado para você?

Lembre-se que lamentavelmente por amor ao dinheiro, muita gente tem negociado seus valores, vendido a moral e abandonado a família e não são poucos que em virtude disto tem perdido seu lar e seus filhos.

Pense nisso!

Renato Vargens

5 comentários:

Quantos de nós estamos vivendo em função do dinheiro, sendo que deveríamos dar uma função ao mesmo. Às vezes a corrida pelo poder que gera ganância começa com sutileza, quando nos damos conta a coisa já tomou proporções gigantescas.
Que o Senhor nos ajude a buscarmos o Seu reino em primeiro lugar, pois ele certamente acrescentará as demais coisas que ele mesmo sabe o que é melhor pra nós!

Cris Barros
29 de janeiro de 2011 17:24 comment-delete

Renato meu mano de subversão, graça e paz!

Como escrevi num texto em meu blog, "Perdemos Nossa Alma!"
Transcrevo abaixo alguns pensamentos.

Um abraço, Franklin Rosa.

Frequentemente fazemos menção desse texto no contexto da eternidade, o que é perfeitamente compreensível quando examinado pelo crivo da hermenêutica que nos remete à isso.

Creio também que da mesma forma, não somente a eternidade mas a idéia da existencialidade está implícita e intrínseca nas palavras de Jesus.

O indivíduo da parábola, no processo sucumbiu ao retrocesso e barganhou o essencial pelo superficial sendo vítima de si mesmo.
Perdeu a sua alma... E nós?

Perdemos nossa alma quando nos deixamos intoxicar pelos cuidados deste mundo que seqüestram a nossa sensibilidade de perceber e desfrutar as coisas simples da vida.

Perdemos nossa alma quando não sentimos mais prazer no sagrado porque estamos sobrecarregados com as projeções pragmáticas do nosso antropocentrismo.

Perdemos nossa alma quando trocamos a brincadeira despretensiosa com nossos filhos para investir nosso tempo em mesquinhos bichinhos de estimação da nossa egolatria.

Perdemos nossa alma quando não temos mais aquela boba vontade de visitar um amigo, parente, irmão para aquela boba conversa de sempre.

Perdemos nossa alma quando ela não mais é tocada pelo toque de uma música que é tocada pelo toque do dedo Divino no artista para tocar o nosso coração.

Perdemos nossa alma quando ela não chora mais com os que choram nem se alegra com os que se alegram porque nos seus porões só existe a cinza e o entulho de experiências esquizofrênicas.

Perdemos nossa alma quando as calamidades não nos assombram, a dor não nos dói e o olhar do desespero não nos desespera.

Perdemos nossa alma quando não sentimos prazer no prazer e as celebrações não fazem festa na pista de dança dos nossos corações.

Perdemos nossa alma quando a tirania do querer ter mancomunada com o querer aparecer, narcotiza nossa consciência nos transformando em vermes viventes.

Perdemos nossa alma quando falsificamos o que é legítimo e legitimamos o que é falso autenticando o que é e que deixou de ser.

Perdemos nossa alma quando um abraço não nos abraça, um beijo não nos beija, um olhar não nos olha, um carinho não nos acaricia porque estamos gélidos na nossa existência.

Perdemos nossa alma quando nos perdemos dentro de nós mesmos porque perdemos aquilo que não poderia se perder: a virtude de saber perder.

Perdemos nossa alma! Perdemos nossa alma! Perdemos nossa alma!!!...

“...o Filho do homem veio buscar e salvar o que se havia perdido” (Lucas 19:10)

Escrito em um desses dias de perder tempo com o que se pode perder: a famigerada ansiedade de não querer perder tempo.

30 de janeiro de 2011 14:57 comment-delete

Esqueci de postar o texto bíblico de referência do "Perdemos Nossa Alma!"

“Pois que aproveita ao homem ganhar o mundo inteiro, se perder a sua alma? ou que dará o homem em recompensa da sua alma?” (Mateus 16:26)

Franklin Rosa

30 de janeiro de 2011 15:00 comment-delete

Amigo, graça e paz!

Gostei muito dessa curta e feliz mensagem! Parabéns!

Estou publicando em meu blog com referência à sua postagem!

http://cruzvazia.blogspot.com

Abraços,

Danilo

30 de janeiro de 2011 17:13 comment-delete

Bom dia Renato,

Gostaria de pedir tua autorização para publicar esta postagem no blog dos jovens da igreja da qual sou membro.
Se puder faça-nos uma visita. http://www.ipssp.org.br/jips/blog/

Grato,
Daniel Kim

2 de fevereiro de 2011 10:47 comment-delete