Se correr o bicho pega, se ficar o bicho come. Será?

Por Renato Vargens

É inegável o fato de que vivemos dias complicados. Se por um lado vemos os neopentecostais disseminando suas falsas doutrinas através da confissão positiva e da teologia da prosperidade; por outro vemos os teólogos liberais difundindo ensinos absolutamente estapafúrdios e que em muito se opõem a Palavra de Deus. Como bem afirmou o meu amigo Antônio Carlos Costa, no púlpito liberal, nada se ouve quanto a inerrância e inspiração das Sagradas Escrituras; morte de Cristo como propiciação pelos nossos pecados; necessidade de arrependimento e fé no sacrifício de Cristo para a redenção do pecador; juízo final, como resposta inevitável da santidade divina ao desamor humano; igreja pura, que não negocia a verdade em nome do amor ecumênico.

Infelizmente esses falsos profetas tem propagado ensinamentos  espúrios que de forma veemente e desavergonhada negam  tanto a  suficiência das Escrituras como a Cristo. Lamentavelmente tais pregadores possuem por "mentores" espirituais, teólogos como Rudolf Bultmann, Friedrich Schleiermacher, Paul Tillich, Richard Shaull , dentre tantos outros mais que deturparam sorrateiramente as doutrinas inquestionáveis da ortodoxia cristã.

Se não bastasse isso, existem aqueles que defendem a existência de  um "outro Deus", e que em nome de um amor piegas,  relativizaram a Soberania do Senhor,  transformando o Todo-poderoso , num Deus inepto e "imbecilizado" que nada sabe e que pode ser surpreendido pelas tragédias humanas. Para piorar a situação, boa parte dos nossos pastores trocaram a a Bíblia pelos livros de auto-ajuda, o estudo da teologia pela psicanálise, os ensinos absolutos de Cristo pelos pensamentos de Freud.

As consequências diretas e indiretas de tantas distorções teológicas agindo conjuntamente e em polos distintos, é o aparecimento de uma enorme confusão doutrinária nos arraiais evangélicos cujo produto final tem sido a multiplicação dos "desigrejados"  que decepcionados com esse "Deus Fake" logararam por caminhos de desgraça e solidão.

Isto posto, a impressão que se tem é de que estamos cercados e de que não existe absolutamente mais nada a ser feito, e que o que nos resta é sermos devorados por esse bicho feroz. No entanto, apesar de todas as adversidades, ainda  acredito seja possível virar o jogo ao nosso favor, afugentando dos nossos arraiais esse bicho feio que tanto nos apavora. Para tanto, torna-se absolutamente necessário um definitivo regresso as Escrituras Sagradas.

Caro leitor, como já escrevi anteriormente, não tenho a menor dúvida de que somente a Bíblia Sagrada é a suprema autoridade em matéria de vida e doutrina; só ela é o árbitro de todas as controvérsias, como também a norma para todas as decisões de fé e vida. Diante do exposto, afirmo sem titubeios que o retorno as Escrituras é o antidoto necessário a apostasia que nos corrói as estruturas. Como bem disse o reformador francês João Calvino o verdadeiro conhecimento de Deus está na Bíblia, e ela é o escudo que definitivamente nos protege do erro.

Em tempos difíceis como o nosso, precisamos regressar à Palavra de Deus, fazendo dela nossa única regra de fé, prática e comportamento, até porque agindo assim, o bicho foge.


Que Deus tenha misericórdia da sua igreja.

 Renato Vargens

1 comentários:

Que Deus tenha misericórdia de nós, a cada dia! Sábias palavras que expressam a mais-que-absoluta verdade do pseudo-cristianismo disseminado nestes últimos tempos. Fiz um Blog ontem. Meu primeiro post apresenta um tema parecido com este, se der, passa lá: http://reformadareformando.blogspot.com/

Graça e paz! (-:

21 de junho de 2010 11:34 comment-delete