Dicas para construção de uma família feliz. Parte IV

Cuidado com as brigas

Por Renato Vargens
Os conflitos relacionais e conjugais em alguns casos podem trazer sérios problemas a sáude da família. A telegraph.co.uk , publicou uma matéria afirmando que crianças que vivem em casas onde o ambiente é hostil têm maiores chances de se envolverem com drogas e se tornarem sexualmente ativos ainda muito jovens. Também se constatou que elas têm um terço a mais de chances de se tornarem alcoólatras, em comparação a crianças criadas por pais solteiros. O estudo realizado por Kelly Musick, da Universidade Cornell, em Nova York, mostrou que crianças criadas em lares violentos têm maiores riscos de terem problemas mentais, comportamentais e de relacionamento. Uma em cada cinco crianças de famílias infelizes afirmaram ter feito sexo antes dos 16 aos, e a mesma porcentagem registrou morar com um companheiro aos 21 anos. Quase uma em cada dez pessoas tiveram filhos fora do casamento.

Caro leitor, casais que brigam na frente dos filhos e que ultrapassaram o limite do respeito estão caminhando a largos passos em direção ao caos familiar.

Diante do exposto, cabe a nós como cristãos, vigiarmos e permanecermos atentos as astutas ciladas de Satanás, desenvolvendo uma espiritualidade centrada em Cristo, onde longaminidade, perdão e amor se fazem presentes. Além disso torna-se necessário excercermos diante dos problemas e embróglios da existência, frutos do Espírito como bondade, paz e domínio próprio.

Pense Nisso !

Renato Vargens

1 comentários:

É verdade. Eu mesmo passei grande parte da infância e adolescencia, assistindo e sendo envolvido em brigas e agressões morais e físicas entre os meus pais.
Talvez por isso, eu tenha me envolvido com a maconha aos 15 anos. Talvez por isso, eu me sinta tão mal diante de uma discussão.
Eu ficava tão abalado com as brigas que as vezes, mesmo estando bem longe de casa, "ouvia" os gritos de minha mãe, e muitas vezes corria para casa achando que estava ocorrendo mais uma briga... que coisa dolorida...
Acho que eu posso saber exatamente o que filhos de pais que vivem dessa maneira sentem...

Abraços,
Carlos Gomes

Anônimo
30 de março de 2010 23:57 comment-delete