segunda-feira, agosto 16, 2010

O meu louvor não é extravagante

Por Renato Vargens

O louvor da sua igreja é extravagante? Não? Então você está fora do mover de Deus. É exatamente isso que algumas pessoas têm dito àqueles que não aderiram a um dos mais novos métodos de adoração. 

Segundo os adeptos desta grave distorção teológica, adoração extravagante é adorar a Deus com liberdade para pular, gritar, correr, além de fazer o possível para chamar a atenção de Deus. Para os seguidores desta nova prática, sempre que ousamos fazer algo novo e extravagante para Deus, agradamos ao Senhor. Um exemplo claro deste tipo de adoração é a canção "estravagante sou" composta pelo  Ministério Sarando a Terra Ferida"

"Com extravagância venho te adorar
Meu coração anseia por te encontrar
Quero exaltar teu santo nome
Vem com tua glória aqui
Encher este lugar...
...Como miriam pra ti dançarei
Como davi pra ti saltarei
Eu faço parte do povo escolhido
Pra te adorar
Extravagante sou e pra sempre serei!
Extravagante!"


Pois é, infelizmente o que essa galera quer é pular, saltar, correr, virar cambolhata, diversão, circo e show.

Para o adorador extravagante, o verdadeiro adorador voa como águia, ruge como leão, salta como coelho, canta de costas para o público, além de rolar pelo chão quando tocado por Deus. Para os adoradores extravagantes o que vale é romper com os paradigmas religiosos, manifestando através do louvor congregacional uma adoração desprovida de frieza espiritual. Segundo estes, tudo é válido desde o riso incontido ao choro histérico por parte dos adoradores.

Caro leitor, vamos combinar uma coisa? Em nenhum momento as Escrituras Sagradas nos ensinam a cantar extravagantemente. O Novo Testamento não nos concede respaldo teológico para que entoemos cânticos cuja inspiração seja de cunho delirante. Sinceramente estou cansado destas invencionices transloucadas fabricadas por individuos interessados em "roubar" a glória de Deus.

Caro leitor, alguma coisa precisa ser feita URGENTEMENTE. Não dá para continuarmos achando que estamos experimentando um avivamento em nosso país. Chega desta loucura gospel, não quero mais ouvir canções teologicamente distorcidas, cujo conteúdo é uma afronta ao Soberano Deus.

Definitivamente eu não sou extravagante.

Renato Vargens
Bruno Carmanin disse...

rsrsrs eu era um desses estravagantes!! mas após conhecer a doutrina Reformada, entendi o que é liturgia (trabalho ou serviço oferecido a Deus)e o louvor congregacional. Hoje estou muito satisfeito de não estar nessa moda sem embasamento Teológico. Não sou Extravagante !!!!

Cidinha disse...

Também não sou extravagante graças a Deus,aliás hoje é um dia que estou muito angustiada com o rumo que está tomando as igrejas,principalmente as Assembleias de Deus,ontem em minha igreja esteve umas dessas cantoras gospel,que já ganhou premios só por causa uma música que fala de chuva ,chuva disso e daquilo,enfim essa tal cantora ,cantou 4 músicas,bebeu uma água cantou mais uma música ,pq os tolinhos do jovens imploraram ,saiu de fininho ,pegou seu marido sua filha que também toca na banda e com o perdão da palavra só faltou dar uma "banana" para o povo e foi embora com seu dinnheiro no bolso,antes disso os jovens fizeram da igreja uma pista de dança,nem preciso dizer que os mais conservadores foram embora ,muitos disseram que os jovens precisam dessas extravagancias para permanecerem na igreja,e eu que pensei que o amor de Cristo bastava ,que tola que sou.
Desculpe-me o desbafo é que a situação está critica.

Renato Vargens disse...

Cidinha,

Esse é problema. As pessoas estão negociando a Palavra de Deus para manter os jovens na igreja. Sinceramente eu não consigo imaginar Jesus fazendo isso. Definitivamente a igreja brasileira está virando um circo.

Abraços,

Renato Vargens

Anônimo disse...

Dá para imaginar JESUS num lugar desses??

PriAliança disse...

É o problema dos extremos. Numa igreja, se você ficar alegre a ponto de acompanhar o louvor com palmas todos te olham de lado e a pressão social te constrange a parar. Na outra, a menos que você saia pulando, você não está cheio de Deus. Liberdade é importante SIM, tanto pra que a congregação louve ao Senhor coletivamente com alegria e entusiasmo quando tudo está bem quanto pra que as pessoas fiquem "paradonas" e reflexivas quando estão tristes - ou simplesmente porque o grupo de louvor tá forçando a barra. Louvor imposto é uma farsa, tento de um lado quanto do outro.

Sonia disse...

Confesso que também não sou e nem quero ser extravagante. Mas, infelizmente, parece que essa "onda" está pegando na maioria das Igrejas Evangélicas. Eu percebo que na ânsia de verem suas igrejas cheias, acaba-se partindo para um "vale tudo", como se "quantidade" fosse sinônimo de "qualidade". Pode até ser qualidade aos olhos dos homens, mas eu acho que a igreja tem que ter qualidade para Deus. Nós estamos precisando realmente de mais Palavra, de mais oração.

Anônimo disse...

Guimaraes

Existem hoje louvor para todos os gostos, más é preciso saber o que eles estão cantando e de que forma estão sendo expressado. Não deixe parecer simples o que na verdade é exagero.

Jonis disse...

A Paz do Senhor.

Estou postando o texto na íntegra do Nelson Bolmicar sobre o assunto. O interessante é que a "mãe" da criança tem um entendimento diferente daquilo que é feito no Brasil. Segue TRECHOS do texto e a fonte.

Adoração Extravagante, segundo Darlene Zschech
Por Nelson Bomilcar em 10 de janeiro de 2008 em Artigos, Livros

Darlene Zschech é ministra de louvor em sua igreja local, compositora de canções de adoração (Aclame ao Senhor, uma das mais conhecidas) e tem procurado vivenciar em seu ministério atual, em função de uma experiência pessoal com o Senhor, segundo seu testemunho, uma adoração mais profunda dentro de uma nova declaração de fé ou uma nova bandeira para o primeiro ano do novo milênio.

Darlene ensina que a verdadeira adoração ocorre quando o espírito adora e se une com o Espírito de Deus, quando a essência de nosso ser se encontra amando a Deus, perdida nele. Mesmo valorizando o louvor congregacional, Darlene reconhece que a adoração mais genuína acontece no secreto, na intimidade, individualmente, como adoradores de Cristo!

Constatei que Darlene tem a mesma opinião que expressei em artigo anterior na Provoice (“Confusão na adoração”): “existem atualmente muitas opiniões diferentes a respeito de adorar verdadeiramente ao Senhor, quanto ao método, ao plano, ao estilo, referentes à cultura, aos limites, e elas infelizmente, quase sempre deixam a maioria confusa, dividida e frustrada”. (pg 25 do livro “Adoradores Extravagantes”)

Em sua interpretação e concepção adjetiva de “extravagante”, Darlene crê que Noé era um adorador extravagante, por ter passado por situações extremas e em meio a tudo continuou louvando a Deus (Gn 8.20), que Abraão era extravagante por não poupar a seu próprio filho Isaque (Gn 22.12), pois estava preparado para dar tudo, era ultragenoroso, excessivo; que Davi só queria oferecer holocausto que custasse algo, que fosse sacrificial (1 Cron. 21).

Adoração extravagante atrai e mantém a atenção de Deus, provoca uma reação generosa do próprio Deus. Segundo Darlene, trata-se de causa e efeito! Amar extravagante é ter um estilo de vida em amor “Ame o Senhor, o seu Deus, de todo o seu coração, de toda a tua alma, de todo o seu entendimento e de todas as forças (Mc 12.30). Amor, obediência e adoração caminham juntos com sinceridade, integridade, honestidade, obediência e verdade (Sl 86.11).

Darlene concorda com C. S. Lewis que define a adoração como “a saúde interior que pode ser ouvida”. Adoração é a experiência e a emoção mais desprendida, abnegada, de que a nossa natureza é capaz. Neste sentido, Darlene mostra que é absolutamente essencial que sejamos controlados em nossas emoções e reações emocionais; que como cristãos criativos, saudáveis e amantes da Palavra, devemos nos submeter a Cristo e deixar que Ele controle nossas emoções.

Ao contrário do que temos visto, em várias ministrações “tupiniquins”, com o descontrole emocional e o destempero de ministros que forçam a barra, Darlene mostra que as emoções quando chegam ao máximo, instalam atitudes negativas, às vezes catarses incontroláveis, depois tristeza e depressão. Chama a atenção em seu livro que é necessário a ministração com responsabilidade e maturidade.

Ela é uma serva humilde, sincera, tem tido um ministério reconhecido mundialmente e tem uma boa formação bíblica. Além de ter sua espiritualidade moldada no convívio e comunhão da igreja local, com autoridade espiritual sobre ela. Darlene é um ótimo exemplo para os músicos, chamados levitas, que não estão congregando mais (estão “levitando por aí”, desconectados do corpo), apenas se servindo da igreja para alavancar suas carreiras e venderem seus produtos.

Fonte: http://www.nelsonbomilcar.com.br/artigos/adoracao-extravagante-segundo-darlene-zschech/

Luciano Santos disse...

Olá Pastor,

Achei um ótimo texto, mas fiquei com algumas perguntas na cabeça.

O que seria enquadrado como extravagante?
O fato de acompanhar alguma música pulando, porque você está feliz no Senhor seria considerado extravangente?

Ou extravagante seria o exagero destas ações e o achar que apenas fazendo elas é que estamos cheios do Espírito Santo?

A Bíblia nos conta que Davi gostava de dançar na presença de Deus, para louvá-lo e adorá-lo. O que diferencia Davi das aberrações que vemos hoje seria a motivação, o controle ou a simplicidade? Ou todas essas características?

Fiuqe na paz e que Deus te abençoe.

Walter Filho disse...

Realmente os excessos estão acontecendo, e muito!

Edu Leal disse...

Eu gosto muito de música e sou líder do Min. de Louvor da PIB em Jardim Alcântara, mas nada disso faz-me pensar que é necessário gritar, pular, correr, bater palmas, abrir os lábios,etc.
Sei que Deus quer o nosso canto, nosso tocar (pois nossos talentos são dEle e pra louvor dEle), nossas palmas (pois são reconhecimento de sua grandeza).
Mas essa extravagância é, como diz o meu patrão, qualquer nota. Tanto pra louvar quanto para orar. Porque assim como tem gente que canta gritando, tem gente que ora gritando, achando que Deus é surdo.
E isso não só jovem, não. Tem muito adulto que gosta de gritar...
Bom... Que, pelo menos, eles agradem ao Senhor.
Fique na paz!
www.edufla10.blogspot.com

Edu Leal disse...

Como outros bons textos seus, estou reproduzindo em meu Blog, com os devidos créditos.
Paz seja contigo!

Elias Codinhoto disse...

Não vejo problema algum em se manifestar um louvor "extravagante" como mencionado no texto, o problema estar em dizer que deve ser extravagante, quando condicionamos o louvor ai sim existe um problema, pois a momentos em que o louvor é “calmo sereno e tranquilo” (como diz uma antiga canção), em outros momentos é louvor de jubilo, adoração, gratidão... Não foi esse o pecado de Mical (6:14-23)? Por não entender o momento (mover de Deus) julgou a Davi por sua forma de adorar. Alguns pulam, dançam, outros ficam imóveis... como disse Paulo Romanos 14:
Acolhei ao que é débil na fé, não, porém, para discutir opiniões. Um crê que de tudo pode comer, mas o débil come legumes; quem come não despreze o que não come; e o que não come não julgue o que come, porque Deus o acolheu. Quem és tu que julgas o servo alheio? Para o seu próprio senhor está em pé ou cai; mas estará em pé, porque o Senhor é poderoso para o suster. Um faz diferença entre dia e dia; outro julga iguais todos os dias. Cada um tenha opinião bem definida em sua própria mente. Quem distingue entre dia e dia para o Senhor o faz; e quem come para o Senhor come, porque dá graças a Deus; e quem não come para o Senhor não come e dá graças a Deus. Porque nenhum de nós vive para si mesmo, nem morre para si. Porque, se vivemos, para o Senhor vivemos; se morremos, para o Senhor morremos. Quer, pois, vivamos ou morramos, somos do Senhor. Foi precisamente para esse fim que Cristo morreu e ressurgiu: para ser Senhor tanto de mortos como de vivos. Tu, porém, por que julgas teu irmão? E tu, por que desprezas o teu? Pois todos compareceremos perante o tribunal de Deus. Como está escrito: Por minha vida, diz o Senhor, diante de mim se dobrará todo joelho, e toda língua dará louvores a Deus. Assim, pois, cada um de nós dará contas de si mesmo a Deus. Não nos julguemos mais uns aos outros; pelo contrário, tomai o propósito de não pordes tropeço ou escândalo ao vosso irmão. Eu sei e estou persuadido, no Senhor Jesus, de que nenhuma coisa é de si mesma impura, salvo para aquele que assim a considera; para esse é impura. Se, por causa de comida, o teu irmão se entristece, já não andas segundo o amor fraternal. Por causa da tua comida, não faças perecer aquele a favor de quem Cristo morreu. Não seja, pois, vituperado o vosso bem. Porque o reino de Deus não é comida nem bebida, mas justiça, e paz, e alegria no Espírito Santo. Aquele que deste modo serve a Cristo é agradável a Deus e aprovado pelos homens. Assim, pois, seguimos as coisas da paz e também as da edificação de uns para com os outros. Não destruas a obra de Deus por causa da comida. Todas as coisas, na verdade, são limpas, mas é mau para o homem o comer com escândalo. É bom não comer carne, nem beber vinho, nem fazer qualquer outra coisa com que teu irmão venha a tropeçar ou se ofender ou se enfraquecer. A fé que tens, tem-na para ti mesmo perante Deus. Bem-aventurado é aquele que não se condena naquilo que aprova. Mas aquele que tem dúvidas é condenado se comer, porque o que faz não provém de fé; e tudo o que não provém de fé é pecado.

Parafraseando o apostolo Paulo: “Não destruas a obra de Deus por causa do louvor. Todas as coisas, na verdade, são limpas, mas é mau para o homem o louvar com escândalo.”

Existem causas mais excelentes para nos preocuparmos...

Alex Inocêncio Nunes disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Taciana Albuquerque ;D disse...

Graça e paz pastor.
Na verdade eu concorco e discordo ao mesmo tempo.
Sinceramente eu sou extravagante no sentido de levantar as mãos e chorar e falar glória a Deus no meio da igreja as vezes, faço isso porque sinto vontade e me alegro em Deus ao fazer isso. Faço isso para Deus, não para gloriar a mim mesmo. Adoro a Deus assim em casa e onde sentir vontade, o que demonstra que não faço para que os outros me observem.
O errado seria apenas pular, chorar, levantar as mãos na Igreja e não adorar a Deus com toda a sua vida.
Cabe o respeito e o discernimento de ver o que é de Deus e o que não é de Deus.
Jesus não julga pela aparência, então vamos segui-lo nisso também.

Espero que entendam meu comentário.

Elton Morais disse...

Pastor, dissestes tudo. Jamais nosso Senhor Jesus entraria num lugar desses. Para mim, essa tal de "adoração extravagante" é falta de reverência, falta de ordem e decência.

Usurpar a verdade e manchar a pureza do Evangelho, só para manter os jovens na igreja é um grande erro. Pois ao invés de manter os jovens, acaba-se matando-os de fome espiritual que só pode ser saciada através da Palavra.

Um exemplo claro de que só a Palavra (mesmo que pareça dura de mais) sustenta o crente é a diferença da AD de Pernambuco para a AD da Bahia. A primeira, dá a Palavra de Deus e como consequência tem bastante pessoas cheias do ES. Já a segunda, não generalizando, colocou a Palavra de lado e adotou os modismos, como consequência está morrendo. Falo como conhecedor de causa.

O Senhor te abençoe.

Anônimo disse...

Cara, como você está enganado.
Não é o rotulo "ser extravagante", é ter liberdade diante de Deus. Cada ser humano possui uma personalidade diferente, então cada um escolhe a maneira que quer adorar a Deus segundo sua personalidade sem pecado, sem querer se aperecer, sendo vc mesmo. Pare de reparar na maneira de outros adorarem. Não queira privar pessoas da liberdade que DEUS dá; Cuidado.
Onde o Espírito de Deus está, de fato, há liberdade.

@IgorVinick

Uian Sol disse...

@IgorVinik ledo engano.
As Escrituras fornacem o princípio para adoração NO CULTO SOLENE A DEUS. E isso deve ser obedecido.
Tentar quebrar isso em nome da liberdade do Espírito é ir contra a Palavra que o próprio Espírito inspirou e como tal ir contra o Espírito.
O que falta hoje no Brasil é conhecimento escriturístico.

Anônimo disse...

(cite referências irmão Uian Sol)

Há uma diferença grande entre "não ter respeito com a presença de Deus" e "ter liberdade na presença de Deus". A falta de respeito é pecado mas a liberdade não é; e não adianta falar que é, pq não é. Davi é exemplo disso.

O que falta hoje, não só no Brasil mas em todo lugar, é conhecer a Deus e ter um relacionamento com Ele. Assim como Samuel que antes ele só trabalhava na obra de Deus mas um dia ele ouviu a voz de Deus e isso causou um tremendo impacto em sua vida.

Não quero causar conflitos nem confusão, só estajam alertas, tomem cuidado , ouçam a Deus, procurem saber a opinião de Deus, porque a opinião de Deus é a única válida. Perguntem a Deus o que ele acha disso!

@IgorVinick

El Misionero Matsuura Junichiro disse...

Quer louvor extravagante???? Simples!!!! É só pegar uma guitarra com captadores "Humbucking" (bobina dupla, para quem não sabe), plugá-la em um amplificador "bordoadão" (eu recomendaria um Meteoro MAK-3000, por exemplo, o valvulado mais potente do Brasil), escancarar o volume do dito cujo, e descer a lenha na guitarra. Pronto!!!! Esta aí o seu louvor extravagante.

El Misionero Matsuura Junichiro disse...

Se os Humbuckings forem ativos, EMG-60/81, ou Seymour Duncan Live Wire, melhor ainda. Mas, mesmo um par de Seymour Duncan Hot Rails/Dimebucker, ou DiMarzio D Activator X, ou Gibson Dirty Fingers, já serve.

favourite category

...
ministério pastoral

Whatsapp Button works on Mobile Device only