segunda-feira, março 02, 2009

Sou evangélica e meu marido me bate, posso me divorciar?

Renato Vargens

Sônia Regina Maurelli, diretora da casa Isabel, afirma que cerca de 90% das mulheres vítimas da violência doméstica são evangélicas.

Nas dependências da Casa de Isabel, é fácil encontrar grupos de mulheres com a bíblia aberta, senhoras murmurando corinhos cristãos e até mesmo a música no rádio da recepção, tocando canções evangélicas.

A Violência doméstica é um grave problema em nossa sociedade, e infelizmente nossas igrejas estão repletas de mulheres que apanham de seus maridos. Não são poucas aquelas que vivem uma vida de horrores, sofrendo as agruras de uma relação despótica, ditatorial e abrutalhada. Como todos sabemos, muitas destas mulheres continuam se sujeitando a este tipo de relacionamento, fundamentado na premissa de que Deus odeia o divórcio (o que é verdade), e com isso acentuando distúrbios psicológicos, neurológicos e físicos em sua própria vida e filhos.

Sem a menor sombra de dúvidas o divórcio não é uma instituição divina e sim humana, até porque, ele brota de corações caídos e distantes de Deus. Além disso, é indispensável que também entendamos que existe um enorme abismo entre lutar por um casamento combalido a permanecer numa relação onde a esposa é constantemente violentada fisicamente.

O Apóstolo Paulo em I Co 7:10-15 afirma que o cônjuge cristão PODE se divorciar deste que o seu marido incrédulo abandone o lar. Isto posto, acredito piamente que maridos que batem em suas esposas, há muito abandonaram seus lares, dando as suas mulheres condições de divorciaram dos agressores.

O fato de alguns destes afirmarem ser cristãos, não os torna efetivamente crentes, até porque, os que agridem suas esposas, legitimam de que na verdade nunca conheceram a Cristo.

A violência contra a mulher é uma agressão ao Criador e em hipótese alguma as mulheres devem se sujeitar a qualquer tipo de agressão, denunciando o agressor às autoridades competentes a fim de que o sofrimento imposto pela violência cesse definitivamente em sua casa. Além disso, deve levar suas queixas, lamúrias, angústias e sofrimentos ao justo JUIZ, que com certeza no tempo certo lhes fará justiça.

Soli Deo Gloria!

Renato Vargens
vagner luiz disse...

Pastor tenho certesa de que essa história de ser evangélico, mas ao mesmo tempo, é agressivo, enganador, tem prazer em levar vantagem, é idólatra.....
Com certesa não conhecem a Cristo, não conhecem os mandamentos e passam uma nítida mensagem que são verdadeiramente amantes de sí mesmos.
A verdade é que a maioria das igrejas e comunidades evangélicas não estão muito preocupadas com a pregação da palavra em sua verdadeira exência dando espaço aos mais estapafúrdios métodos litúrgicos dando cada vez menos espaços aos sermões. Consequentemente as pessoas tem uma louca idéia quanto ao evangélho de Cristo, não conseguem abandonar seus antigos vícios incluindo os de péssimos maridos e chefes de família. A paz de Cristo Pastor.

Anônimo disse...

Pr. Renato

Sei que zela pela Palavra , mas tome cuidado. Quando o pastor diz isso posto esta dando margens para o que não foi escrito e já tem gente seguindo seu isso posto.

REFLITA

Deus te abençoe

Anônimo disse...

Pr. Renato,


ler o que você escreve é edificante...é um bálsamo no meio de tantas "interpretações" sobre esse assunto. Que Deus continue te abençoando e capacitando!

Henri disse...

Crente carnal, crente mundano...Não consigo entender isso. Não seria melhor dizer o que realmente é: Criatura e não Filho?
Sim, porque a determinação que Jesus dá, as criaturas não conseguem cumprir. Só os Filhos. Por isso a igreja, cheia de criaturas, enfrenta tamanha dificuldade nesta questão. E o pior é que há aqueles que procuram arrumar um jeitinho para agradar aquelas criaturas.

Atenção, Filhos!
Divórcio no Novo Testamento não existe!
Quem acreditar em divórcio também acreditará em mula sem cabeça!
Ambos são invenção, para de um jeito ou de outro, prender alguém a alguma coisa.

Para maiores detalhes escreva-me:
henripib@ymail.com

Oséias 4:6!

Deus nos abençoe e muito!
Henri.

Renato Vargens disse...

Prezados,

Vale a pena ressaltar de que não estou inventando a RODA, até porque, este é o posicionamento de teólogos sérios neste país.

Abraços,

Márcio de Souza disse...

estou certo de que a brutalidade é tratada por Deus não só como abandono, mas como falta de respeito a criação de deus.
Digo ainda que o homem que espanca a esposa merece o divórcio e além disso uma boa estadia na cadeia porque além de pecado o espancamento é crime.

Pr. Márcio

Gilbert Raposo disse...

Essa tal condição da mulher ser
submissa causa mal entendidos a ponto de alguns covardes agredirem fisicamente suas mulheres, conheço uma história onde uma irmã frequentava uma igreja perto de sua casa em Itaboraí-Rj. e toda vez que chegava em casa do culto apanhava a ponto dela chegar para o pastor num culto de domingo e dizer-lhe que aquele era o último culto que teria ido porque não aguentava mais, então o seu pastor disse-lhe
fique tranquila pois isso não vai acontecer mais à partir de hoje vá para casa em paz, assim fez a irmã, e sem que ela percebece o pastor a seguiu e foi só ela por os pés dentro de casa e a pancadaria começou, então o pastor
bateu na porta e se identificou e tentou dialogar com o marido agressor que lhe respondeu bruscamente dizendo se o Sr. se meter apanha também e levantou a mão para acertar um soco no pastor
que se defendeu e o anulou com alguns golpes pois o pastor é faixa preta, passaram-se alguns dias e para supresa de todos os envolvidos nessa situação o cidadão foi a um culto com a esposa e logo se converteu, alguns precisam sentir o peso do braço do homem para que não precisem ter o peso do braço do Senhor em suas vidas, mulher não foi feita para apanhar.

augussto elias disse...

Acredito que há uma direção sendo distorcida, no que diz a respeito aos ensinamentos dos estatutos do Senhor Deus por algumas igrejas, trazendo graves consequências,como por exemplo, o medo.Concordo plenamente na questão colocada pelo senhor com muita sabedoria, que no tocante, diz sobre o abandono do lar dos homens após as agressões feitas em suas esposas.Isso faz remissão a carta de Paulo com toda certeza( co 15:10.Fazer as esposas de escutiforme para o desenvolvimento de socos e pontapés e mais outros atos ilícitos diante dos olhos de Deus, um cidadão assim precisa ser julgado pelas lei do homem, condenado e preso.Deus cuidará dele no principal Juízo.

Anônimo disse...

Penso que se existe mulheres principalmente cristãs apanhando do marido e depois o sujeito vai para a igreja falar de amor, está mulher precisa o mais rápido possível denuncia=lo na delegacia da mulher, sem demora, esse homem precisa ser preso, respnder processo por agreção, se feriu também lesão corporal.
Depois denuncia-lo a Igreja, para que o fato não passe despercebido, quem sabe outras que também estejam nesta situação tomem coragem e façam o mesmo.
Aqui, no Rio de janeiro em algumas comunidades, alguns homens que se dizem pastores, líderes renovados, batem em suas mulheres com toalhas molhadas e são acoitados pelos chefes do movimento, eles dizem que estão espantando o demonio do corpo delas.
Isto é tolerado, porque as 5 horas da manhã, eles fazem orações na rádio comunitária abençoando os meninos naquele dia, tem alguns que vão a igreja pedir oração, para que o que vão fazer de certo.
Essas mulheres em momento algum vão a delegacia denunciar, mas se voce mulheres deste grupo , que não moram nesses lugares estiverem levando nem que seja beliscão não se cale denuncie o agresso.

vagner luiz disse...

Está na hora de refletir-mos se estamos do lado dos brincalhões e dos tolerantes irresponsáveis ou se temos compromisso com a verdade de Cristo.
Se temos algo para mostrar, algo que aprendemos ao conhecer a Jesus. A hora é essa e doa a quem doer.

Edson Dorna disse...

Pastor Renato...

A paz do Senhor.

Não encontramos nenhuma informação na biblia de que uma pessoa divorciada, pode se casar novamente. Concordo com suas palavras em que se houve agressão, o marido abandonou seu lar, não apenas neste aspecto pois a muitos que não tem atidude de homem e abandonaram o seu lar. Mais não podemos dizer que a pessoa divorciada tem a liberdade de se casar. Lembre do exmplo de Paulo em Romanos 6 ...Porque a mulher casada está ligada pela lei a seu marido enquanto ele viver; mas, se ele morrer, ela está livre da lei do marido.
3 De sorte que, enquanto viver o marido, será chamado adúltera, se for de outro homem; mas, se ele morrer, ela está livre da lei, e assim não será adúltera se for de outro marido.

Não podemos deixar de mencionar isso...

Em Cristo
Edson Dorna

Anônimo disse...

Pr.
Estou certa d q Cristo, nao esta de nenhuma forma contente com a forma hipocrita q seus filhos estao vivendo, amantes d si mesmos, desprezando suas esposas e filhos e querendo ganhar o mundo pra Jesus.
Acredito sim q a Mulher tem o direito q a lei dos homens(que o Senhor nos ensinou a cumprir)
e q a lei de Deus nos dá,
pq Moisés servo do Senhor deixou a lei pra proteger as mulheres
"o divorcio".
Mas ,primeiramente, acredito q a mulher deve se afastar do agressor e, em oração ,e, se for comprovado mudanças no comportamento do mesmo pode-se haver reconciliação.Mas se o agressor não tem sinais de mudança nao podemos concordar q as servas do Senhor continuem sendo espancadas muitas vezes ate por alguns q se dizem crentes (e nao sao) eu creio q devemos proteger os nossos filhos d crescerem traumatizados,(Até porque os filhos não aceitam mais q o pai agrida a mãe)
Eu ja vi dezenas d mulheres q ficaram com os maridos por causa da lei q muitos pregam " nao pode divorciar irma, tem q aguentar ate o fim" e hoje estao MORTAS e seus filhos envolvidos na criminalidade.

Reflimos nisso,

é isso realmente q o Senhor Quer?

Anônimo disse...

"O Apostolo Paulo em I Co 15:10 afirma que o cônjuge cristão PODE se divorciar deste que o seu marido incrédulo abandone o lar. Isto posto, acredito piamente que maridos que batem em suas esposas, há muito abandonaram seus lares, dando as suas mulheres condições de não somente se divorciarem como também a de contraírem novas núpcias."

Não achei onde no texto ele diz isso, poderia explicar melhor?

Anônimo disse...

Sou uma mulher que sofro na mão do meu marido, e meu pastor me manda orar, pois ele é diacono na Igreja, como fica isso?
não posso, dar quixa dele na delegacia porque o pastor diz que vou expor meu marido, mas quem sofre na mão dele sou eu, não sei o que fazer.
Na igreja ele é santo mas em casa, só Deus sabe até sexo anal tenho que fazer. Posso ou não me divorciar

Diego Hallen disse...

Ao passo que nós ainda estamos no mundo (mesmo não pertencendo a ele) estamos sujeitos às leis do mundo.
E ela nos informa que agressão a mulher é crime, o mínimo que deve acontecer é o cara ir preso, seja pastor, diácono, presbítero, macumbeiro, presidiário, etc..
Só sabe quem passa por isso..
Concordo com o Pr. Renato Vargens, um cara que bate na esposa, não quer mais ter uma vida conjugal com ela..
Será que Cristo faria isso com Sua noiva? Pois é isso que Deus nos orienta a fazer, amar como Cristo amou a igreja..

fabianopalhano disse...

O que torna duas pessoas casadas? A benção do pastor ou os papéis do cartório? Segundo a bíblia, duas pessoas estão casadas, isto é unidas espiritualmente em uma só carne, quando elas têm relações sexuais. O casamento, conforme o conhecemos hoje, não existe no contexto bíblico. Deus disse a Adão que o homem deixaria a sua casa, se uniria a sua mulher e com ela formaria uma só carne. Ele não falou nada sobre cartório, papéis, celebração ou festa. Tudo isso é cerimonial humano e não há nada errado que seja assim. Mas precisamos entender o que é estar casado diante de Deus, conforme Ele nos ensina em Sua Palavra, para que, assim, não caiamos no erro de relativizar o que Deus instituiu. Isso posto, temos a questão do divórcio e nos deparamos com a seguinte situação: ora, se os papéis humanos não tem nenhuma "autoridade" para casar duas pessoas diante de Deus, que "autoridade" terão eles para separá-las, espiritualmente falando? Nenhuma. Segundo a bíblia, há apenas um caso onde o divórcio é permitido: no caso de adultério e, mesmo assim, ficando o cônjuge impedido de contrair novo matrimônio. Ainda segundo a bíblia, a única coisa que realmente desfaz os laços espirituais do casamento é a morte. Quando entendermos isso, teremos entendido o que Jesus quis dizer quando falou que o que Deus uniu não separe o homem. Ou seja, o homem, com seus costumes, doutrinas e papéis de cartório, jamais será capaz de desfazer a união espiritual que se estabelece quando duas pessoas se casam, mediante relação sexual. Acreditar no contrário é mera ilusão.

Samuel disse...

Parabéns, Renato, pela objetividade, clareza e biblicidade em tratar desse assunto.

A apartação não significa necessariamente pegar as malas e sair de casa. Muitas vezes um dos cônjuges (nesse caso, o marido) continua na casa, mas já se apartou do lar a muito.

Um grande abraço,
Samuel Costa

Olecram disse...

Creio que a visão é um pouco míope da situação. Digo que cada caso deveria ser analisado separadamente. Não podemos confundir um agressor rotineiro com uma pessoa que num momento díficil agrediu, injustificadamente, seu cônjuge, as vezes com um empurrão, ou até com outro tipo de agressão. Para este uma repreensão na Palavra, uma repreensão do pastor, uma repreensão de familiares basta para ele ver seus erros. Imagine neste caso a mulher dando queixa do marido, este já se arrependeu, foi preso, vai ser julgado, perde o emprego, depois de ser julgado e cumprir a pena ganha status de ex-presidiário, dificilmente irá conseguir emprego. A família dele se torna desestruturada, ele com culpa no coração por ter agredido a esposa, ela com culpa por o ter denunciado e não ter esperado a sua mudança mesmo sabendo que ele tinha se arrependido, os filhos sofrendo uma vida díficil. E quem aconselhou a esposa olha para ela e diz o quê?? Creio que se usarmos os rigores da lei do homem não poderemos ser hipócritas quando dermos palmadas, beliscões, berros ou surras em nossos filhos e estes nos denunciarem na delegacia e nós para nos justificarmos usarmos: "(Provérbios 13:24) - O que não faz uso da vara odeia seu filho, mas o que o ama, desde cedo o castiga.", ou "(Provérbios 23:13-14) - Não retires a disciplina da criança; pois se a fustigares com a vara, nem por isso morrerá. Tu a fustigarás com a vara, e livrarás a sua alma do inferno". Se estamos dispostos a usar os rigores da lei, quando os mesmos rigores virem sobre nós não deveríamos clamar por misericórdia. Prova maior que demonstra que somos cristãos é o perdão, e este não serve só para os nossos erros serve para o erro dos outros conosco também. Para as mulheres que passam por tal situação aconselho a buscarem a Deus e se estiverem tendo risco a sua vida e integridade fujam deste risco, a denúncia do agressor nem sempre será o melhor remédio e o divórcio não lhe dá o direito de casar de novo, isto biblicamente falando, um estudo longo sobre divórcio pode refutar essa opinião. Volto a repetir cada caso é um caso não vai ser um post em um blog que vai dar direção e diretrizes para a sua vida. Que a Paz de Cristo esteja sobre nós.

Anônimo disse...

Pastor sou Assistente Social e trabalho atendendo mulheres vitimizadas pela violência doméstica e seus autores. Infelizmente é uma triste realidade, nós profissionais que trabalhamos com a Lei Maria da Penha constatamos um alto índice de casos onde os casais se dizem evangélicos. Em sua maioria, os agressores não se reconhecem como tal. Tem muita serva de Deus sofrendo calada por anos.Geralmente elas acreditam que o agressor pode mudar. Se vc sofre violência denuncie, procure uma DEAM e rompa com este ciclo e nunca se esqueça que se a justiça dos homens falhar, existe um Justo Juiz que jamais falhará e te honra!

Walter e Évelyn disse...

Pessoal, concordo com o Pr Renato no que diz respeito ao abandono do lar. Ele tem razão. Contudo Pr Renato, não concordo com o "nova nupcias", e devo concorda com o Edson Dorna, pq de Fato o casamento é espiritual, tanto Jesus disse a respeito do divorcio: "não era assim no principio". Paulo dá a mesma enfase no ligação enquanto vive o marido, isto é, "mulher, se separe, pois não foi feita pra viver em escravidão, mas em paz, entretanto, que fique só, enquanto vive o marido", é assim que eu traduziria. Sem falar que em malaquias 2:16 Deus declara que odeia o divórcio. Se olharmos para o v.14, veremos pq a mulher está ligada ao marido enquanto vive, "Porque o SENHOR foi testemunha entre ti e a mulher da tua mocidade".
PORTANTO, MULHER, vc tem o direito de se divorciar, mas que fique só, "até que a morte os sepere".

@walterkano

Walter e Évelyn disse...

SRA. ANÔNIMO QUE SOFRE COM O MARIDO:
Talvez eu não seja o melhor amigo pra te ajudar, mas deixa eu te dizer uma coisa. Se o "Sofro na mão do meu marido" tem a ver com as coisas que o Pr Renato disse, então vc tem o direito de se separar. Entretanto, se não tiver, mas coisas como falta de amor (sem agressões físicas), tenho que o melhor conselho seja do Ap. Pedro em 1Pe 3:1-6, e ainda que vc não se separe dele, por não ter amparo Bíblico, cumpre a vc obedecer a Deus primeiramente, e não a homens, como está em Atos 5:29, inclusive sobre o sexo anal.
Contudo, devo admitir que tem irmãos que acham que isso não é errado, contudo, nada que seja prazeroso pra alguém em detrimento da boa consciência do outro, fazendo-o pecar e se sentir culpado é correto.
QUANTO AO SEU ESPOSO E PASTOR, se ele é obreiro da igreja, deve ser denunciado pelos seu carater falso ao pastor. Ao se seu pastor é um homem frouxo que não enfrenta o seu marido e age como se nunca tivesse acontecido nada, ele irá pagar pela omissão dele, pois é como um cão mudo, que não late (Is 56:10). Querida, ore a Deus e peça coragem, talvez vc deva se posicionar diante do seu pastor e de seu marido, talvez expô-los, na conformidade da lei, não sei, peça direção ao Senhor. Mas uma coisa eu sei, como disse Spurgeon: "É MELHOR OS TAPAS DA VERDADE DO QUE OS BEIJOS DA TRAIÇÃO", pois talvez seu marido precise de tapas da realidade e da vigorosa mão do Senhor para que talvez volte a viver e conheça o Senhor de Fato. Se ele precisa de um trato, isso é com Deus, deixe Deus agir até em meio a "exposição" da cafajestade se seu marido, talvez ele dê valor a Deus e a esposa que ele tem.
Talvez te sirva de algo, mas é o que posso te dizer neste momento.
Tenho compaixão de gente muda como vc, presa pela religião. Que Deus a liberte. Em Cristo, @walterkano

CYClone disse...

E caso o homem não bata, mas seja um poço de amargura e reclamação? Um poço de desconfiança, desamor?
Na minha concepção é lícito o pensamento de que esse homem não é um verdadeiro cristão. Pois se assim age, em desamor e murmúrio, ele não conheceu a verdade.

Viver sofrendo ANOS com um homem desse tipo pelo fato de nas escrituras eu não poder me divorciar a não ser em caso de adultério ou por consenso do ímpio, é complicado, visto que esse homem se julga um cristão, um regenerado.

Esse homem passa anos, 30 a 40 anos na igreja com o mesmo comportamento e nunca foi condenado, aconselhado, exortado. Como ele vai me dar ouvidos, mesmo ele sabendo da sua vida sem conhecimento, e sem a piedade devida aos cristãos?

João Eduardo disse...

Você deve velar pela tua integridade física, emocional e espiritual - e deve velar pela integridade daqueles a quem você ama (filhos, caso tenha)e essas três áreas da tua vida estão sendo violentadas:
1) espiritualmente dizendo, você está sendo instruída por um tirano ignorante e esse homem não é um pastor que serve a Cristo. Um pastor decente te instruiria a orar sim, mas você deveria ir além e se você sofre agressões físicas e psicológicas do homem com quem você se casou saiba, ele não te ama e deve responder na justiça comum pelos seus atos. Seria recomendável que você procurasse ajuda numa delegacia da mulher e também junto a familiares ou amigos da tua confiança. Ah, e procure outra igreja!
2) do ponto de vista psicológico, você sofre agressões - assim como muitas outras mulheres - pelo simples fato de ser mulher e por isso é instruída a sofrer em silêncio e isso destrói tua saúde emocional e mental. Não permita que tua dignidade seja destruída, dê um basta e lute pela tua dignidade. Quem não te ama não merece o teu martírio. Se você não tem mais certeza se ainda ama teu marido separe-se dele (e isso não significa, ainda, divórcio - apenas se distancie por um tempo, uma separação visando disciplina). Cretinos não valem o sacrifício! Mas um cretino pode se arrepender... então, nesse caso, exija provas de arrependimento e de mudança, separe-se deste homem pelo tempo que for necessário até que ele suplique desesperadamente pela sua aceitação e até que ele prove que mudou (isso é diferente de promessas que mudará). Se ele não fizer isso é porque não te ama mais, é porque ele te abandonou faz tempo e nesse caso você está livre.
3) agressões físicas - isso é crime e bandidos devem pagar pelos crimes que praticam! Se teu marido te bate, infelizmente você está casada com um bandido e você terá que ser muito forte e decidida para escolher o que é certo e justo ao invés de ficar com a injustiça de ser sempre agredida e maltratada.
A vida que Cristo nos dá é abundante e livre, portanto não se vincule a quem ofende deliberadamente a graça que Cristo nos oferece ao preço da sua morte na cruz.

João Eduardo disse...

Realmente o texto não diz isso de forma objetiva, mas podemos derivar da compreensão desse texto que um homem que agride sua esposa deixou de amá-la e por isso já a abandonou. Um comportamento de agressão não deve ser estimulado ou ignorado, mas deve ser tratado e corrigido, valendo-se recorrer à justiça porque esse comportamento é criminoso.
Antes do divórcio, uma recomendação seria de uma separação, ainda que provisória, com o objetivo de fazer com que o marido se arrependa e prove que realmente ama a mulher que antes agredia. Se nessa separação disciplinar esse marido não evidenciar esse fruto de arrependimento podemos concluir com segurança que ele não a ama mais e, portanto, ele não vale o esforço ou sacrifício da mulher agredida.

João Eduardo disse...

Quando um casamento assume características violentas, destrutivas e que arruinam a vida principalmente da esposa, para o seu bem, essa farsa deve ser desfeita. Claro que ficarão marcas no coração da mulher agredida, resultantes de um mau casamento, mas é menos pior conviver com essas marcas do que ter sua vida completamente destruída por um cretino que odeia tanto a sua esposa como a Jesus Cristo. Aliás, crente que destrata a mulher não é crente de verdade, pois Cristo ama, se sacrificou, deu sua vida e adornou sua amada noiva e esse é o dever de todo os maridos, especialmente dos cristãos.

João Eduardo disse...

A separação ás vezes é necessária e indicada para disciplinar um marido agressor, por exemplo, e isso pode ser através da prisão, porque agressão é crime. Se depois dessa separação provisória esse marido não der provas de arrependimento, isso significa que ele não ama mais sua esposa e, em outras palavras, a abandonou. Nesse caso o divórcio é sim uma opção, uma concessão. Mas ainda que as partes de divorciem, uma concessão dada aos homens que não reflete a vontade divina, o fato bíblico é que essas partes não podem mais se casar com outra pessoa, pois isso seria adultério. Uma parte só fica livre para um novo casamento quando a outra parte morre. Ou seja, a Bíblia permite o divórcio, mas não autoriza ou reconhece o recasamento porque a união dos 2 em uma só carne só tem fim quando uma das 2 partes morre. Por isso a famosa frase: "até que a morte os separe" e quem ensina outra coisa se baseia eu outras coisas, não na Bíblia.

Crazy! in Fashion disse...

Todos os que são a favor de uma mulher continuar nessa situação são homens, e não têm a menor ideia do que é viver com uma pessoa sendo agredido fisica em oralmente o tempo todo, porque mulheres assim não têm fisicamente com agredir um homem sem que ele possa reagir.

Coloquem-se no lugar e imaginem-se levando um soco no rosto, um chute, sendo xingado e humilhado, várias vezes, continuamente, por anos, por quem deveria amá-los e cuidar de vocês.

É fácil falar e delegar sobre o que não se vive. Duvido que quaisquer desses homens acima continuaria vivendo tranquilo com uma mulher que o humilhasse, o agredisse fisicamente (tipo quebrando pratos em sua cabeça e atirando vasos contra ele). Nenhum continuaria vivendo com ela. Nenhum.

Luanda Ribeiro disse...

Também trabalho com violência doméstica e a quantidade de mulheres cristãs que sofrem com esse problema é bastante alarmante. Inclusive muitas delas dizem que seus maridos se aproveitam da "submissão bíblica" da mulher para justificar a violência. É lamentável...

Evandro Marinho disse...

Paz pastor, creio que o marido que espanca a esposa esta morto espiritualmente, e neste caso a semelhança do Dr. Augustus Nicodemos trata em seu livro (Bíblia e sua família, A), fica claro que um homem morto espiritualmente pode da razão para que o divórcio aconteça. É claro que podem existir homens que não são crentes que tratam suas esposas com devido respeito e amor, neste caso se o marido concorda em viver com a mulher crente e ela não sofre agressões físicas ela deve continuar orando e batalhando pela conversão e unidade de sua família,Deus tolera o divórcio por conta da dureza dos corações humanos.

Já vi casos de mulheres que se converteram ( já separadas por conta de maus tratos ) e depois da conversão o pastor sem o menor entendimento disse que ela teria de voltar ao marido.

Outro, recente: A mulher desejava se separa do marido, visto que ele não cumpria suas responsabilidades de marido, era um sangue-suga com a mulher, não trabalha, não faz nada.

Com relação ao segundo caso coloco minha opinião e peço a sua pastor:

Vejo que houve uma quebra de aliança, e o homem falha em suas responsabilidades, neste caso eu ficaria tentado a aconselhar o divórcio visto que esta situação já dura mais de dez anos. Eu acabaria tensionado a aconselhar desta forma "posso estar equivocado" por isto peço sua opinião.

Fique na paz do Nosso Senhor.

Landim disse...

Olá, Rev. Renato. Boa tarde.

Sabe, antigamente, eu costumava comentar que o melhor exemplo que devíamos seguir ao invés de recriminar era o das mulheres vítimas de violência doméstica que perdoavam os seus maridos. Mas hoje, eu tenho a noção de que perdoar não é coniver com a re-re-re-re-re-re-re-reincidência do mesmo erro. A passagem sobre perdoar 70 vezes 7 o irmão que peca contra nós é condicionado ao pedido de perdão(conferir Lucas 17,04). Aí, já não se pode mais falar de perdão, tem de se falar de coibir a prática do erro.

Não dá pra ter uma opinião final sobre o assunto, considerando que, com todos os erros, com a tão grande variedade de casos de suposto arrependimento(porque vi muitas vezes os maridos, fazerem a cabeça de suas companheiras pra retirarem a queixa na delegacia, isso numa época em que ainda não existia a Lei Maria da Penha). Eu mesmo, antes de conhecer a Cristo, entrei numa briga de um casal no meio da rua, porque vi a mulher apanhando do marido ali na calçada pra todo mundo ver e, mais ou menos uma semana depois, mais ou menos no mesmo local, lá estava o casal, mãozinhas dadas, dois pombinhos. Como não conhecia a Cristo, nem conhecia o significado da palavra perdão, saí dali xingando aquela mulher no meu ĩntimo de tudo que é nome, sentindo-me feito de idiota. Mas hoje, entendo que ela fez(pelo menos naquele momento) uma coisa que nós devíamos fazer com mais frequência: ela perdoou seu marido. Da mesma maneira, temos de nos acostumar a perdoar nossos algozes.

Sim, eu sei que a coisa não é tão simples. Como eu disse lá em cima, perdoar não é coniver com a re-re-reincidência de coisas erradas. Ainda mais quando é caso de polícia.

Por isso, entendo que não dá pra ter uma opinião final a respeito. Só me resta implorar ao Pai que intervenha na história que estamos escrevendo aqui na face desta terra.

Rafa York disse...

É muito fácil aos estimados irmãos dos comentários anteriores opinarem contra o divórcio em tal situação, já que os mesmos não são mulheres e, dificilmente, já se depararam com uma situação destas junto a alguém próximo. O costume reza que devemos observar a vida e postura alheias a partir de nossas perspectivas. Acontece que nem sempre dispomos de subsídios suficientes para emitir uma opinião imparcial.

Muito cuidado, irmãos, com suas posturas ortodoxas. Lucas 11.46 "Quanto a vocês, peritos na lei", disse Jesus, "ai de vocês também! porque sobrecarregam os homens com fardos que dificilmente eles podem carregar, e vocês mesmos não levantam nem um dedo para ajudá-los.

Cuidado com o legalismo. É letal ao corpo de Cristo.

Luciano Elizio disse...

Se sua visão é correta, o que significa fornicação? Se é apenas ter relações sexuais para casar, o pecado da fornicação foi banido, afinal, não existe 'sexo fora do casamento', pois o sexo, na sua visão, é o próprio casamento.

Jesus mesmo disse isso:

Ele lhe disse: "Vá, chame o seu marido e volte". "Não tenho marido", respondeu ela. Disse-lhe Jesus: "Você falou corretamente, dizendo que não tem marido. O fato é que você já teve cinco; e o homem com quem agora vive não é seu marido. O que você acabou de dizer é verdade". (João 4:16-18)

Certamente a mulher samaritana tinha vida sexual com esse homem que morava junto com ela. Mas Jesus foi claro: "Não é seu marido".

El Misionero Matsuura Junichiro disse...

Pode dar uma surra de cabo de vassoura nele. Se preferir, junte umas missionárias, e pegue ele de galera. Se ele bater em uma, tem outras três batendo nele.

El Misionero Matsuura Junichiro disse...

Juntar as missionárias da igreja pra pegar ele de galera também resolve. É só dar um cabo de vassoura na mão de cada uma, e tá tranqüilo. Sem polícia, sem cadeia, sem status de ex-presidiário. É a lei MARIA DA LENHA.

El Misionero Matsuura Junichiro disse...

Juntar as missionárias da igreja pra pegar ele de galera também resolve. É só dar um cabo de vassoura na mão de cada uma, e tá tranqüilo. Sem polícia, sem cadeia, sem status de ex-presidiário. É a lei MARIA DA LENHA. Aproveita e dá umas cacetadas no pastor também.

El Misionero Matsuura Junichiro disse...

Viram só? Conversar com um cara desses na língua que ele conhece, a língua do "p", funciona.

João Paulo M. de Souza disse...

Postagem simples, equilibrada e direta. Nenhuma mulher é obrigada a viver servindo de saco de pancadas do marido. Quando um homem passa a viver agredindo sua esposa, é sinal de que, de fato, ele abandonou suas responsabilidades matrimoniais. Mas, infelizmente, ainda existem os santarrões de plantão que dizem que só a morte pode separar duas pessoas casadas. Paciência...

Zilton Alencar disse...

Excelente e equilibrado artigo, pr. Renato. Eu, humildemente, só acrescentaria o seguinte:

“Mas, aos outros, digo eu, não o Senhor: Se algum irmão tem mulher descrente, e ela consente em habitar com ele, não a deixe. E se alguma mulher tem marido descrente, e ele consente em habitar com ela, não o deixe” (1 Co 7:12-13).

A violência doméstica ou mesmo a infidelidade (mormente a contumaz) é prova inconteste de que a pessoa NÃO CONSENTE em habitar com o cônjuge! Simples assim!

Daniel Clós disse...

Os que condenam a posição do Pr. Renato Vargens, afirmam que o NT não fala de divórcio ou que o texto servirá para outras coisas, são homens, sem conhecimento Palavra, apenas seguidores de pregadores, não da Verdade. Talvez, ouso dizer, que alguns talvez temam, pelo seu comportamento.

Daniel Clós disse...

Não existe "maiores detalhes". Há, se você considera que o texto de I Coríntios não pertence ao NT, aí sim, você é quem acredita em mula sem cabeça.

Williams Araujo disse...

Olá Pastor!

Achei o texto fantástico, muito bem explicado e muito bíblico, com exceção do seguinte trecho: "[...] dando as suas mulheres condições de não somente se divorciarem como também a de contraírem novas núpcias." O senhor é um homem mais estudado que eu, entretanto não consigo encontrar apoio das Escrituras, para que uma mulher divorciada possa contrair novas núpcias. O senhor pode me esclarecer isso?

Desde já agradeço e parabenizo-o pelo belíssimo trabalho que tem feito na internet!

Abraços!

Jenn disse...

Um excelente artigo sobre este assunto. De fato, como alguns irmãos já disseram, podem ocorrer o divórcio, mas não novo casamento. http://www.monergismo.com/textos/familia_casamento/divorcio_novo_casamento_piper.htm

blogdovagner disse...

Pastor Renato,

Eu achava que este abandono de lar tinha que ser literal ! Dentro dessa interpretação então podemos entra que abandono de votos ? Tais como , respeito, fidelidade e etc ?

Sidão disse...

É fácil dizer que não existe, mas se você apanhasse do marido não pensaria assim.
Vem pro planeta terra, quem sabe voce não abandona esse moralismo justicista!!!

Sidão disse...

A MAIORIA desses comentaristas ESCOLHERAM ESPERAR que a mulher sofra VIOLÊNCIA FÍSICA para que ela tenha LEGALIDADE pra uma separação, sem nem ao menos considerar que, pra chegar a esse ponto, o amor já não existe a muito, ou nunca existiu.
Cambada de MORALISTAS JUSTICISTAS! Se fosse no lombo deles que o coro comesse, queria ver se pensariam com tanto descaso a respeito do outro (ou da "outra").
Ou queria ver um deles dizendo pra gizuis "ai senhor, apanhei igual cachorro sem dono, mas foi pra sua glória!"
É PATÉTICA a construção desse deus tirano e misógino!

Filipe Fil disse...

"maiores detalhes"???? vai adicionar novas revelações às sagradas escrituras?

Abandono de lar, sabe o que é isso? é o marido não presente...Quer debater NT com VT, sendo que Oseias fala claramente de uma aliança (pacto bilateral)...

estude mais antes de falar asneiras...TEÓLOGO DE INTERNET.

tininho disse...

MAIS A BIBLBIA FALA QUE DIVORCIO SO EM CASO DE ADULTERIO E AGORA PASTOR COMO FICA ?

mariana fuzaro disse...

Gente, quanta hipocrisia... não pode e ponto final. Se apanhar, aceita a provação e ponto. Se morrer, vai para a glória.

Se for homossexual tem que sofrer... se apanha do marido, aí não, porque é com você? Era só o que faltava.

mariana fuzaro disse...

Não é o que Deus acha...

mariana fuzaro disse...

Se falta de amor fosse motivo para divórcio, seria permitido sempre.

mariana fuzaro disse...

É preciso aceitar o destino que Deus impõe. Se os filhos foram para a criminalidade, é porque foram rebeldes. A culpa é deles.

mariana fuzaro disse...

Falta de amor é SEMPRE o motivo de divórcios... então não cola.

mariana fuzaro disse...

Não, a senhora se nega a fazer sexo anal (porque vai contra as leis de Deus) e sofre as consequências, como testemunho.

mariana fuzaro disse...

Quem delega isso é Deus. Se vocês crentes não suportam, deixem de ser hipócritas. Antigamente toda mulher, evangélica ou não, suportava, até porque a lei obrigava. Não havia divórcio e a mulher que fugisse do marido era caçada. Se elas podiam, todos podem.

mariana fuzaro disse...

Besteira. Só porque peca não é mais crente? Afff....

mariana fuzaro disse...

Todos um bando de hipócritas. Homossexualismo não pode, divórcio pode? Homossexual também sofre por não poder amar. Ridículo. Sempre achando desculpas para não seguirem lei nenhuma, e imporem leis impossíveis aos outros.A Bíblia é bem clara sobre a mulher ter sido feita PARA o homem, e não o homem para a mulher... a mulher é serva do homem. Se apanha, que apanhe calada, assim como a Bíblia manda que os escravos façam. Sim, Deus quer isso para seus filhos.

Por isso não respeito evangélicos. Querem respeito, mas além de não respeitarem ninguém, mostram que não merecem nenhum.

ThiLFerraz disse...

Coloco aqui minha opnião!!

A Bíblia diz em Mateus 5:32 “Eu, porém, vos digo que todo aquele que repudia sua mulher, a não ser por causa de infidelidade, a faz adúltera; e quem casar com a repudiada, comete adultério.”

Pelo que entendi, o marido que bate em sua mulher já agiu com infidelidade, pois infidelidade não é uma questão apenas sexual e carnal e sim também, respeituosa.

ThiLFerraz disse...

Infidelidade é literalmente uma ruptura da fé e ocorre vários contextos (por exemplo religioso).
Infidelidade é o descumprimento de um compromisso de fidelidade. É uma violação de regras e limites mutuamente acordados em um relacionamento. Em sua acepção mais comum, a fidelidade é manter relações amorosas somente com uma pessoa que é sua parceira ou parceiro. Portanto, a infidelidade é quebrar este pacto tácito de manter relações sexuais com uma pessoa que escolhemos como parceiro ou parceira.
A infidelidade pode significar a ruptura de qualquer compromisso que tenhamos assumido livremente e que por qualquer circunstância foi quebrado. Necessáriamente não significa o mesmo que adultério.
O que constitui um ato de infidelidade não consiste apenas na presença do comportamento sexual. Mesmo dentro do relacionamento próximo alguns povos podem ter idéias e percepções muito diferentes da infidelidade.
Há várias concepções para o que seja infidelidade e podem variar de acordo com a cultura e o pensamento de cada indivíduo.

Portanto penso que ao bater na mulher o marido já está agindo com infidelidade e com isso a permite não só se divorciar como também buscar outro casamento.

ThiLFerraz disse...

Mariana Fuzaro, hipócrita é você. Pelo visto vc é tão entendida no assunto que nem lê a bíblia, quando Deus fala que ambos, homem e mulher se assujeitai-vos uns aos outros. E que o homem deve honrar e amar sua mulher como parte mais frágil. Um casamento é um termo de compromisso em Deus de seguir todas as suas regras. Um homem que agride já quebrou todas essas regras e já está agindo com infidelidade não carnal mas em compromisso para com a esposa.

Vigiai irmã!

ThiLFerraz disse...

Você está certíssimo blogdovagner, as pessoas erram feio em associar infidelidade com relação sexual ou desejo por outra. Infidelidade no geral é não cumprir com o compromisso, basta ver no dicionário. Veja que na bíblia é utilizada a palavra infidelidade e não relações.

Acredito que numa família com violência tem que tentar de tudo para que dê certo, mas quando não há o que fazer tem que haver saída. Por mais que buscamos conhecer antes de casar, pessoas são imprevisíveis. Sempre achamos que conhecemos a pessoa e no final não conhecemos nada. Se fosse assim eu no lugar de uma mulher preferia pecar assumindo outro casamento do que aguentar pancada e desamor dentro de casa esgotando-se todas as tentativas.

ThiLFerraz disse...

E tem mais...

"Eu odeio o divórcio", diz o Senhor, o Deus de Israel, "e também odeio homem que se cobre de violência como se cobre de roupas", diz o Senhor dos Exércitos.
Por isso, tenham bom senso; não sejam infiéis.
Malaquias 2:16

Carl Pedro disse...

Apanhar é dar testemunho de quê, Mariana?

Carl Pedro disse...

Mariana, seu discurso cheio de raiva denota um desequilíbrio. O que se tem passado com você, minha querida? Onde está escrito na Bíblia que a mulher é serva do homem? Estude mais sobre submissão e você verá que não tem nada a ver com escravidão. Descobrirá a beleza que há neste relacionamento de amor e cuidado. Nenhum cônjuge deve servir a si mesmo de maneira egoísta, mas deve servir ao outro. Sua visão de submissão me parece muito equivocada. Se você é uma mulher oprimida por um relacionamento marcado pela violência, ou se você é uma mulher presa por desejos homossexuais, não tenha vergonha, não seja orgulhosa e peça ajuda. Imagino que não deva ser fácil... Mas, querida, não imponha você, leis impossíveis aos outros de seguirem.

Thabata Guidine Ferreira Ribeiro disse...

Mas a mensagem dele esta correta irmão! Um homem que constantemente e de forma desregrada agride uma mulher, este nunca conheceu a Cristo. O texto esta bem fundamentado e acrescento mais, Deus não é conivente com atos que põem em risco a vida humana, por vezes permitiu e não omitiu isto em sua palavra, que pessoas passassem sobre a lei (nas questões civis) para pouparem a vida. A situação em que se deve preferir morrer a fazer o oposto, é negar a fé. Isso jamais. É melhor morrer a negar o nome de Jesus Cristo. Mas no caso acima é uma questão de avaliar, se oferece risco a vida da mulher e dos filhos, não tem porque ficar junto a este homem. Ele é insensato, carnal, terreno e demoníaco (Tiago 3.15), pois a violência passa ao longe daquele que tem a sabedoria de Deus, isto é obra da carne e não do Espírito.
Amado, não sigas o mal, mas o bem. Quem faz o bem é de Deus; mas quem faz o mal não tem visto a Deus. 3 João 1:11

NABAL E ABIGAIL>>> ela não apanhava, mas qdo existiu o risco de vida para ela, sua família e servos, mediante a atitude insana de seu marido, ela passa por cima da autoridade do marido, sai as escondidas e oferece oferta de paz a DAVI.
MAS vejamos os casos de exceção citados na bíblia:
Perdoa, pois, à tua serva esta transgressão, porque certamente fará o SENHOR casa firme a meu senhor, porque meu senhor guerreia as guerras do SENHOR, e não se tem achado mal em ti por todos os teus dias,
Então Davi disse a Abigail: Bendito o Senhor Deus de Israel, que hoje te enviou ao meu encontro.
E bendito o teu conselho, e bendita tu, que hoje me impediste de derramar sangue, e de vingar-me pela minha própria mão. 1 Samuel 25:28,32-33

A SEGUNDA SITUAÇÃO BÍBLICA É CITADA POR JESUS E ESCRITA NOS 3 EVANGELHOS:
Davi e seus soldados comem os pães da proposição, ou seja, alimento consagrado do Templo que somente sacerdotes poderiam comer. E isto ocorre para que não MORRESSEM de fome, fato veemente citado por Jesus:
Mas ele disse-lhes: Nunca lestes o que fez Davi, quando estava em necessidade e teve fome, ele e os que com ele estavam?
Como entrou na casa de Deus, no tempo de Abiatar, sumo sacerdote, e comeu os pães da proposição, dos quais não era lícito comer senão aos sacerdotes, dando também aos que com ele estavam?
E disse-lhes: O sábado foi feito por causa do homem, e não o homem por causa do sábado.
Assim o Filho do homem até do sábado é Senhor.
Marcos 2:25-28

E, estava ali um homem que tinha uma das mãos mirrada; e eles, para o acusarem, o interrogaram, dizendo: É lícito curar nos sábados?
E ele lhes disse: Qual dentre vós será o homem que tendo uma ovelha, se num sábado ela cair numa cova, não lançará mão dela, e a levantará?
Pois, quanto mais vale um homem do que uma ovelha? É, por consequência, lícito fazer bem nos sábados.
Mateus 12:10-12

É claro que Deus abomina o divórcio e isto é muitíssimo obvio, pois o divórcio não foi instituído por Deus, mas ele mesmo permitiu (nos casos bíblicos) por causa da dureza do coração do homem. Deus abomina ao pecado e abomina a quebra das suas leis, mas é inconcebível, assim como Jesus disse, crer que alguém não quebraria uma regra civil para poupar a vida de uma pessoa, como um pastor o faz sábado para poupar sua ovelhinha. Também sabemos que como Paulo disse, não devemos usar disso para dar ocasião a carne (Gálatas 5:13)

Pergunto como Jesus fez, é lícito quebrar a aliança do matrimônio? Ou é lícito deixar uma mulher morrer por causa da aliança do matrimônio?
Foi o matrimônio criado por causa do homem? Ou o homem por causa do matrimônio?

Acima disso pensemos com misericórdia. Porque o próprio Jesus recitou o que já estava escrito dizendo:

Mas, se vós soubésseis o que significa: Misericórdia quero, e não sacrifício, não condenaríeis os inocentes.
Mateus 12:7

Thabata Guidine Ferreira Ribeiro disse...

QUE NÃO ME INTERPRETEM MAL, E NEM USEM DISSO PARA DAR OCASIÃO A CARNE.

A mensagem do Pastor está certa! E quem dela se aproveitar para seu benefício sem leal fidelidade a vontade de Deus, é carnal e não conhece a verdade. Um homem que constantemente e de forma desregrada agride uma mulher, este nunca conheceu a Cristo. O texto esta bem fundamentado e acrescento mais, Deus não é conivente com atos que põem em risco a vida humana, por vezes permitiu e não omitiu isto em sua palavra, que pessoas passassem sobre a lei (nas questões civis) para pouparem a vida. A situação em que se deve preferir e aderis a morte a fazer o oposto, é negar a fé. Isso jamais. É melhor morrer a negar o nome de Jesus Cristo. Mas no caso acima é uma questão civil e que se deve avaliar a luz da palavra, se oferece risco a vida da mulher e dos filhos, não tem porque ficar junto a este homem. Ele é insensato, carnal, terreno e demoníaco (Tiago 3.15), pois a violência passa ao longe daquele que tem a sabedoria de Deus, isto é obra da carne e não do Espírito.
Amado, não sigas o mal, mas o bem. Quem faz o bem é de Deus; mas quem faz o mal não tem visto a Deus. 3 João 1:11

VAMOS AOS CASOS BÍBLICOS DE
NABAL E ABIGAIL>>> ela não apanhava, mas qdo existiu o risco de vida para ela, sua família e servos, mediante a atitude insana de seu marido, ela passa por cima da autoridade do marido, sai as escondidas e oferece oferta de paz a DAVI.
MAS vejamos os casos de exceção citados na bíblia:
Perdoa, pois, à tua serva esta transgressão, porque certamente fará o SENHOR casa firme a meu senhor, porque meu senhor guerreia as guerras do SENHOR, e não se tem achado mal em ti por todos os teus dias,
Então Davi disse a Abigail: Bendito o Senhor Deus de Israel, que hoje te enviou ao meu encontro.
E bendito o teu conselho, e bendita tu, que hoje me impediste de derramar sangue, e de vingar-me pela minha própria mão. 1 Samuel 25:28,32-33

Thabata Guidine Ferreira Ribeiro disse...


A SEGUNDA SITUAÇÃO BÍBLICA É CITADA POR JESUS E ESCRITA NOS 3 EVANGELHOS:
Davi e seus soldados comem os pães da proposição, ou seja, alimento consagrado do Templo que somente sacerdotes poderiam comer. E isto ocorre para que não MORRESSEM de fome, fato veemente citado por Jesus:
Mas ele disse-lhes: Nunca lestes o que fez Davi, quando estava em necessidade e teve fome, ele e os que com ele estavam?
Como entrou na casa de Deus, no tempo de Abiatar, sumo sacerdote, e comeu os pães da proposição, dos quais não era lícito comer senão aos sacerdotes, dando também aos que com ele estavam?
E disse-lhes: O sábado foi feito por causa do homem, e não o homem por causa do sábado.
Assim o Filho do homem até do sábado é Senhor.
Marcos 2:25-28

E, estava ali um homem que tinha uma das mãos mirrada; e eles, para o acusarem, o interrogaram, dizendo: É lícito curar nos sábados?
E ele lhes disse: Qual dentre vós será o homem que tendo uma ovelha, se num sábado ela cair numa cova, não lançará mão dela, e a levantará?
Pois, quanto mais vale um homem do que uma ovelha? É, por consequência, lícito fazer bem nos sábados.
Mateus 12:10-12

É claro que Deus abomina o divórcio e isto é muitíssimo obvio, pois o divórcio não foi instituído por Deus, mas ele mesmo permitiu (nos casos bíblicos) por causa da dureza do coração do homem. Deus abomina ao pecado e abomina a quebra das suas leis, mas é inconcebível, assim como Jesus disse, crer que alguém não quebraria uma regra civil para poupar a vida de uma pessoa, como um pastor o faz sábado para poupar sua ovelhinha. Também sabemos que como Paulo disse, não devemos usar disso para dar ocasião a carne (Gálatas 5:13)

Pergunto como Jesus fez, é lícito quebrar a aliança do matrimônio? Ou é lícito deixar uma mulher morrer por causa da aliança do matrimônio?
Foi o matrimônio criado por causa do homem? Ou o homem por causa do matrimônio?

Acima disso pensemos com misericórdia. Porque o próprio Jesus recitou o que já estava escrito dizendo:

Mas, se vós soubésseis o que significa: Misericórdia quero, e não sacrifício, não condenaríeis os inocentes.
Mateus 12:7

EM TUDO IRMÃOS, SABEMOS:
Aos casados dou este mandamento, não eu, mas o Senhor: que a esposa não se separe do seu marido.
Mas, se o fizer, que permaneça sem se casar ou, então, reconcilie-se com o seu marido. E o marido não se divorcie da sua mulher.
1 Coríntios 7:10-11

PORQUE A PRIMAZIA DE DEUS É QUE O CASAMENTO DÊ CERTO.

miguel lima Soares disse...

Olá,quero informar para ter cuidado se ao denunciar o caso ao pastor e ele for um hipócrita ainda vai dizer que você tem que se converte e que você estar terminantemente proibida de falar deste assunto com os outros congregados para que eles pensem que o crente não tem problema e que dentro da igreja é gloria e aleluia mais tem as rosas e espinhos também.Mais ao meu ver o homem que se diz ser de Deus não bate na sua amada e nem trata mal seu filhos se for assim ele é filho do diabo e não filho de Deus e se cumpri na vida dele o que estar escrito lá em 2ª tessalonicense A vinda desse perverso é segundo a ação de Satanás, com todo o poder, com sinais e com maravilhas enganadoras.
Leia o capítulo completo: 2 Tessalonicenses 2

prescila disse...

Vc sabe o que é sofrer agressões físicas e verbais Mariana? Já sentiu esse tipo de dor na alma , no corpo e na moral?

Marcelo Machado disse...

Esclarecedor o texto, valeu!

Mário Magalhães disse...

Na minha opinião, achei o texto muito superficial para falar desse tema. Com todo respeito Pr. Renato, essa interpretação que "bater" é o mesmo que "abandonar" o lar é muito subjetiva e não é isso que afirma a Escritura. Precisa-se de uma base textual e hermenêutica para tal interpretação. Com base nessa interpretação, alguém poderia dizer que xingar, não dar atenção ou qualquer coisa do cardápio do coração humano é abandono do lar.

vera disse...

Fala serio isso nunca foi um casamento !!Coa o mosquito mas engole o camelo !! Divorcio existe por causa da dureza do coração ,sofrer pra que ?Deus fez o casamento pra viver um casamento !

www.baruchcampos.blogspot.com disse...

As vezes complicamos o obvio,se a biblia da direito ao divorcio ao que adultera,pergunto oque é adulterar ?,quando um homem ou mulher foge as regras do matrimonio,que são cuidar ,amar e respeitar,ele ela ,adulterou todos os principios matrimoniais,lenbrando que Salomão em proverbios disse quem habitara com a mulher richosa,é como gotejar continuo sobre sua testa ,ou seja as regras matrimoniais foram adulteradas,o Senhor Deus disse o meu povo é destruido por falta de conhecimento.

Edilene gomes disse...

sem contar que além de agressão física existem agressões psicológicas...abandono etc

Felipe Wagner disse...

Deus fez o casamento para Cristo. A razão da vida é dar Glória a Cristo. Concordo com o fato de a pessoa delatar o infrator, mandar o cara para prisão, porque obviamente é crime. Isso para mim é indiscutível, todavia, onde se diz q pode casar de novo? Divórcio eu até entendo, para que se preserve a vida, como explicado pelo pastor, mas casar de novo é contra Deus em Suas Escrituras e Seu exemplo em toda a Bíblia.

E antes que comecem a dizer que pode casar, e que eu não vivo, por isso falo. Bom, tenho 26 anos sou separado a 3 anos e não vou casar de novo, justamente porque não é princípio de Deus e não sou infeliz por isso.

Faz-se muita interpretação filosófica, mas um texto confirma o outro. 1Co7:39 é claro para todos.

Em Cristo,
Felipe Wagner

Luciano ROSSI TESCH disse...

Caro pastor Renato, sigo você no facebook e leio suas postagens aqui no blog. Sempre gostei quase de tudo, temos nossas divergências teológicas pois sou pastor batista de confissão arminiana. No entanto sempre ficava com uma certa desconfiança de algumas de suas declarações apologéticas reformadas, pois me soava meio ao estilo arrogante de alguns pastores reformados que já li. Hoje vi claramente que estava enganado, concordo integralmente com sua posição em relação ao tema debatido e vejo que você não é mais um moralista reformado, mas verdadeiramente um homem de Deus comprometido com a Palavra. Que Deus abençoe sua vida e ministério!

Marcos Antonio disse...

A Bíblia não diz que Deus odeia o divórcio. Diz que odeia o repúdio (Malaquias 2.16). Divórcio e repúdio não são sinônimos, inclusive na língua hebraica. Divórcio é um substantivo que encontramos em Deuteronômios 24,1 e 3, além de Isaías 50.1 e Jeremias 3.8. Onde nossas traduções oferecem a palavra repúdio, na verdade trata-se de um verbo hebraico que tem notável multiplicidade de significados e é usado amplamente no AT - até na expulsão de Adão e Eva para fora do Éden.
A melhor interpretação de Malaquias 2.16 nos sugere um contexto de humilhação causada à esposa pelo homem envolvendo a infidelidade, não necessariamente e apenas sexual, mas o flagrante descumprimento de votos feitos. O desprezo pela esposa em função de apego a outra mulher está envolvido, é claro, pois qualquer mulher se sentirá humilhada com isto.
É possível acontecer um divórcio sem que haja repúdio. O caso do divórcio amigável e consensual não envolve repúdio. A legislação de Deuteronômios 24.1 e 3 sugere o direito que o marido tinha de "demitir" a esposa em razão de encontrar nela alguma "coisa indecente", conforme a tradução Almeida, Revista e Atualizada. O marido tinha o direito de mandar a mulher embora, mas não tinha o direito de humilhá-la, de vendê-la por dinheiro ou maltratá-la. Seria uma atitude de repúdio humilhante, que pode ser deduzido de Deuteronômio 21.10-14, caso em que um homem poderia tomar uma mulher formosa dentre o povo que feito cativo por Israel em suas batalhas, mas poderia posteriormente vir a encontrar algo desagradável nela: “E, se não te agradares dela, deixá-la-ás ir à sua própria vontade; porém, de nenhuma sorte a venderás por dinheiro, nem a tratarás mal, pois a tens humilhado” (v.14). A propósito, a expressão “deixá-la-ás ir” traduz o mesmo verbo que é traduzido “repúdio” em Malaquias 2.16.
Quando um homem agride descaridosamente e frequentemente a esposa, na verdade é ele quem a repudia com humilhações intermináveis. Os hematomas e outras marcas de violência já são uma verdadeira carta de divórcio dele para com ela. Ao buscar seus direitos na Justiça, a mulher não faz mais do que homologar o repúdio que o próprio marido faz constantemente em casa.

josias alves disse...

MARIANA VOCÊ VIVE APANHANDO E DANDO TESTEMUNHO?

josias alves disse...

PARABÉNS!

antoniomdaniel disse...

Mariana, vc comentou tanto sobre homossexualismo...vc é realmente uma mulher? Posso estar errado, mas seus comentários parecem estar carregados de ironia e ódio...Mas saiba q d qq forma nós te amamos em Cristo Jesus!

Lindalva Cordeiro disse...

Tá bom o dia que você tiver uma filha moída na pancada pelo marido, vai mudar de ideia, braço quebrados, dentes quebrados, olho roxo, perda de baço. Então dirá a ela, não, filhinha, aguente, ele é seu marido e Deus odeia o divórcio. Cuidado com suas palavras, castigo vem a cavalo. Na filha dos outros é bom, mas ver uma filha assassinada na pancada não é muito agradável.

Roosevelt Coopling disse...

os principios de 1 Co Cap 7 e do sermão do monte em Mateus Cap 5 são uma expressão do amor de Deus em tempos em que há dureza em nossos corações. Os princípios do Fruto do Espírito, descritos na Carta aos Efésios também ajudarão o casal cristão à não dar margem ao iníquio. Somente uma correção, irmãos: Se uma mulher divorciar-se de seu marido, só pode casar-se no Senhor. E somente se o motivo for por fornicação, assim como dito pelo nosso Senhor Jesus Cristo, filho de Jeová Deus.

Rosinha disse...

Cada comentário que aqui se vê! Quanto fanatismo!

Rodrigo Petrelli disse...

Olá Pr Renato,

Concordo plenamente com sua visão e acredito que precisamos trabalhar melhor esta questão em nossas igrejas para ajudar mulheres que estejam vivendo este tipo de problema.
A minha pergunta é: esta mulher estaria apta a se casar de novo?

Abraços,

Rodrigo

Ariani Almeida disse...

Triste ver uma mulher pensar como você Mariana.

Marly Diniz disse...

Que absurdo....aceitar a violencia domestica, o senhor Henri deve ser desses maridos que abusam da esposa e joga essa conversa pra ela não se separar...Deus nos chama para a paz, sua lei é para o nosso bem, mais se um dos cônjuges resolve contrariar a lei, se tornando adúltero e violento,porque o cônjuge inocente tem que pagar o pato....não sou a favor do divórcio, mais ele deve ser levado em conta, quando uma vida esta em risco!!!

Ronan Baia disse...

Eu acredito na mula sem cabeça e com cabeça. Eu acredito até no Henri!!! E no Henri Cristo também. Eu acredito . Estava esquecendo. " Vai estudar e orar Henri "

O CORREIO DE DEUS disse...

A bíblia pode até dar o suporte para o divórcio, mas em nenhuma hipótese dá base ao novo casamento! A única base que a Bíblia dá pra o novo casamento é referente a morte de algum dos cônjuges!

Esta visão de maneira nenhuma é Bíblica, pois se os dois corpos tornaram-se um, logo não podem simplesmente separar-se e casar-se novamente com outro corpo. Só há separação de corpos através da morte de algum dos cônjuges, ai então a bíblia dá o suporte para o novo casamento!

Lúcia Goulart disse...

Primeiro, se uma mulher está sofrendo violência doméstica deve sim se divorciar, por que seu marido já adulterou contra ela quando ele a agrediu, ele traiu sua confiança, então ele te traiu, ele adulterou, pronto. Questão de interpretação, é esse o problema, arrumamos a solução. Deus é amor, Jesus nunca quis que ninguém ficasse sofrendo, ele se entregou para que nós tivéssemos vida, não deem ouvidos para quem quer que você morra em um ambiente de violência, procure ajude. Eu viva assim, me separei, criei meus filhos, me casei novamente, hoje sou muito feliz e abençoada com minha família. Deus é Amor e não castigo.

Unknown disse...

Como podemos falr que uma pessoa que agride nao conhece a cristo ? Sendo que agrecao e um pecado e todos pecaram e todos estao distituidos ? Voce nao pode agredir mais peca em outra coisa, e ai? Se se eu arumar realmente um pecado que voce comete e emcima desse pecado eu falar que vc nao conhece a cristo?
Nao jugues para que nao seja jugado que da mesma medida seras julgado

Unknown disse...

Jesus Cristo pregou o amor e a caridade.. E a Caridade é o PURO AMOR DE CRISTO... Como bem diz em I Corintios 13:4-6, a caridade é longânima, é benigna, não se jacta, não se ensoberbece, não se porta inconvenientemente, não busca os seus próprios interesses, não se irrita facilmente, não suspeita mal, não se regozija com a injustiça, mas regozija-se com a verdade; Portanto, quem agride e é violento com o cônjuge realmente não O conhece!!!

Anônimo disse...

Acho que a mulher deve se separar sim,e o canalha fariseu tem que tomar uma boa surra pra aprender virar homem ,é ainda se diz um homem de Deus um endemoniado desses,vai se libertar!

Unknown disse...

A paz,

Observei bastante comentários, uns que concordava plenamente e outros que misericórdia.

Temos a bíblia como fonte de revelação e amor, a mulher divorciada ou o homem divorciado tem sim direito de ser feliz e ter um novo relacionamento de paz e amor.

Não sou a favor do divorcio, sou a favor da oração e empatia mutua, mulher e homem que tem problemas gravíssimos em vosso relacionamento, ore e medite no amor de Jesus Cristo, se realmente não dá mais, fica em paz, se divorcie, se redescubra, pense nos erros que aconteceram e aprendam com eles...

Fica solteiro sem poder casar de novo desejando mulher ou homem e dizer que Deus não deixa você casar de novo e a maior falta de sabedoria.

Casamento é um projeto de vida criado por Jesus aonde visa a construção e formação de uma família, se todas as famílias fossem tementes a Deus não precisaria nem mesmo de igreja.

Evelin Teixeira disse...

Marido qUe agride sua esposa,não aprendeu de Deus como trata-la.Muito menos tem temor de Deus.Cuidar de uma mulher está muito além de dar casa,comida,pagar contas.A responsabilidade é espiritual .O compromisso é diante de Deus.um dos atos mais covardes ,quem bate em mulher não tem a mesma capacidade de enfrentar um homem...

Airton de Oliveira disse...


A Paz seja com todos os irmãos!

Li muito sobre divórcio em todas suas nuances, mas esqueceram de um detalhe que encontramos em Marcos 10:9 - O que DEUS UNIU, não separe o homem! Versão King James em português!
O texto é bem claro quando diz: "O que DEUS UNIU" não separe o homem." Mas e o que Deus NÃO UNIU?". Seria uma heresia dizer que Deus UNIU UMA CRISTÃ A UM ATEU, portanto se não foi Deus quem uniu ela não está sujeita à viver com esse homem, porque a priori não foi DEUS QUE UNIU!
Portanto se não foi Deus que uniu, a mulher repudiada pode se casar novamente com um homem cristão e temente ao Senhor Jesus! Em II Coríntios 6:14 o apóstolo Paulo nos adverte:"Não vos prendais a um jugo desigual com os infiéis; porque, que sociedade tem a justiça com a injustiça? E que comunhão tem a luz com as trevas?
E que concórdia há entre Cristo e Belial? Ou que parte tem o fiel com o infiel?
E que consenso tem o templo de Deus com os ídolos? Porque vós sois o templo do Deus vivente, como Deus disse: Neles habitarei, e entre eles andarei; e eu serei o seu Deus e eles serão o meu povo."Coríntios 6:14-16- versão ACF".Evangelista Airton de Oliveira



Kelly Campos disse...

Isso ai Pastor .Diante de tantas verdades existe o primeiro mandamento amai uns aos outros .estou sofrendo com isso não acredito que Deus se agrada de uma mulher que tem seus valores apanharemnpra viver a palavra ha muitas coisas que fogem do nosso entendimento não julgar para não ser julgado ..Só quem passa por isso sabe quão dificil é escolher em viver a palavra e viver na maldição..

Ana ormond disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Daniel Martins c disse...

Acredito que vale tanto para homem quanto para a mulher que se torna um agressor(A): Apenas estas passagens bíblicas resume tudo:
Romanos 13, A ninguém devais coisa alguma, senão o amor recíproco; pois quem ama ao próximo tem cumprido a lei.
10 O amor não faz mal ao próximo. De modo que o amor é o cumprimento da lei.
1 João 2,
9 Aquele que diz estar na luz, e odeia a seu irmão, até agora está nas trevas.
1 João 4
20 Se alguém diz: Eu amo a Deus, e odeia a seu irmão, é mentiroso. Pois quem não ama a seu irmão, ao qual viu, não pode amar a Deus, a quem não viu.
Se a Bíblia trata desta forma que não ama o próximo imagina um amarido ou uma mulher que se torne agressor daquele a qual fez um voto de fidelidade em todos os momentos da vida. Fica este alerta!!!

Andressa Sathler disse...

A bíblia diz em Efésios 5 sobre a sujeição da esposa ao marido, mas também diz no mesmo capitulo que o marido tem que amar a mulher assim como Cristo amou a Igreja e deu Sua vida por ela, ou seja, um Homem que agride sua esposa nunca conheceu o amor de Cristo pois não consegue transmiti-lo, e a Palavra de Deus ainda diz que aquele que nunca amou o seu irmão que pode ver é incapaz de amar a Deus, a quem não vê(1 João 4:20). Se o marido agride a esposa com certeza o amor de Deus não está nele, e ao irmão logo acima que escreveu que não existe divórcio no novo testamento sugiro que leia Mateus 19 que está no novo testamento para seu conhecimento. Não devemos esquecer da lei da semeadura, aquilo que você planta hoje é o que ira colher amanhã, não tem como plantar milho e colher quiabo.

kelly fernandes disse...

Essa Mariana tem problema mental?
Bota a cara lá pra ele bater minha filha!

Bruna Sing disse...

Sofro agressão física e verbal, sou chamada muitas vezes de endemoniada e usada pelo inimigo, quando vou questionar coisas erradas dele, ele não gosta de ser repreendido e logo usa a agressão pra sua defesa, isso me fez cansar, cansei dele, de suas atitudes, até do amor que já não existe, e cada dia se mostra agressivo, me manda embora de casa sempre, aí eu pergunto, Deus se agrada disso? Tenho que estar sujeita a uma pessoa assim, estou em depressão por causa disso, e agora queria o divórcio e ninguém aceita por somos evangélicos, pois é, prefiro sujar minha imagem, perder meu casamento e alcançar a salvação pq sei que o único pecado que Deus não perdoa é a Blasfêmia, mas viver assim não quero mais. Que Deus um dia me perdoe

Cris Macharete disse...

Só me pergunto se algum dos homens que, aqui, defendem que a mulher permaneça num casamento onde é agredida, ficaria casado com uma mulher que os espancasse, sem tomar uma atitude para se defender. Acho difícil!

Jussara Guerra disse...

Aos que dizem que Deus odeia o divórcio: Deus não odeia o pecado? Ou existe o "pecadinho" e "pecadão"? Mentir, desobedecer, preguiça, beleza, mas matar, ser gay, divorciar é abominável! Por quê? Por que os cristãos tendem a "crucificar"certos pecados a outros? Por quê? E enfim, se concordamos que divórcio é pecado, mesmo a mulher/homem sendo subjugada e maltratada cada segundo de seu casamento, não há perdão para ela/e? Ou Jesus morreu só por um ou outro pecado? Vocês sempre citam Paulo, mas por que não citam Jesus em João 4:18? Ao contrário dos cristãos "corretos e cheios da palavra", ele acolheu a mulher que já havia se tido 5 maridos! Na cabeça de vocês, ela está sujeita à condenação, mas acho que Cristo disse o contrário a ela. Cuidado em crucificar demais quem se divorcia e simplesmente esquecer quem conta uma mentirinha "boba"; Deus odeia a mentira e tá cheio de cristão mentindo e nunca vi tanta ênfase pra isso como com o divórcio. Vocês simplesmente escolhem os "piores pecados".

Elfic Slayer disse...

Nossa... precisa ter um questionamento, usar a biblia e tal para saber se uma mulher quando agredida pode se divorciar ou nao.. Pelo amor de Deus, a mulher que estiver passando por essa situação não tem que ficar perguntando pastor, irmão de igreja ou seja la quem for, procure um advogado que fara muito melhor.

Joao Marinho disse...

Para mim, a questão é bem simples: Deus,em toda a sabedoria que tem, jamais colocaria TODO o conhecimento do mundo em um livro escritos por homens. Se a agressão física não é mencionada pela Bíblia era porque ou não era conhecida, ou não foi abordada ou simplesmente não foi tratada por nenhum escritor, profeta ou mesmo Jesus porque não era o contexto da passagem, e simplesmente não foi tratada - lembremos que Jesus falou do divórcio em um contexto de discussão da lei mosaica, em que o homem (e apenas ele) podia repudiar a mulher sem nenhuma razão e entregar-lhe a carta de divórcio. Para mim, a palavra de Cristo tem de ser entendida naquele contexto: é uma crítica ao divórcio sem razão e, principalmente, ao repúdio às mulheres sem nenhuma motivação. É mais um dos questionamentos da Lei Mosaica que Jesus continuamente fez - e deixou claro que a lei foi feita para o homem e não o homem para a lei, sendo permitido em algumas situações "quebrá-la". Vimos isso quando ele "trabalhou" no sábado, quando honrou sua mãe, Maria (mas em outra passagem diz que não é digno de segui-lo quem não abandonasse pai e mãe por sua causa), e defendeu uma mulher que seria apedrejada sem tecer críticas a sua situação, que não era de casamento. Um Jesus que argumenta que se deve salvar um filho mesmo no sábado sagrado, que diz que se deve honrar pai e mãe mas abandoná-los se for necessário pela fé e que protegeu uma mulher da morte legal porque todos tinham pecado dificilmente concordaria com a tese de um casamento permanecer indissolúvel mesmo quando a mulher é agredida. Se a pecadora é salva por Cristo das pedras dos homens, justamente a cristã é deve suportar as surras? Já está na hora, e passou dela, de os cristãos caírem em si de que a Bíblia não tem resposta para tudo - e essa é uma situação. Sigam o bom senso e, na discordância, digam como Paulo: "creio que eu também tenho o Espírito Santo" - e duvido muito que o Espírito Santo de Deus se regozijaria na violência doméstica.

Douglacir Soares disse...

Imaginem que um homem que é semelhante a um verme (falo metafóricamente); peça de todas as formas, traí, agride, rouba, engana, manipula, mente e etc...
Em um determinado ponto de sua vida, ele ouve falar em Jesus, no Espírito Santo é na transformação que isso pode trazer para a sua vida.
Quando ele "rasga seu eu", "suas vestes" de quem ele era; e e permite que este Deus maravilhoso mude seu ser... A primeira coisa que começa a mudar é seu caráter!
Não é sua situação financeira, nem aparência, mas a essência!
Mas se este indivíduo que diz ter ("nascido de novo", "novo homem", "nova criatura"), continua com as velhas práticas, mas agora respaldado por uma falsa santidade;
Engana a outros poucos e a si mesmos mas, não engana à Deus.
Um homem que abriu a porta para Deus moldar seu caráter, sua alma, é sua vida verdadeiramente; está em constante transformação.
Não Está mudando de "larva" que ele era, para borboleta; mas está mudando de larva para águia! Para voar nos altos céus!
Somos falhos, sujeitos a erros; mas isso não pode ser usado como desculpa para continuarmos errando!
Se de fato estamos em Cristo, somos novas criaturas em constante aperfeiçoamento! Um pedaço de madeira depois de torneado pode voltar a sua forma original? Uma pedra lapidada, pode reagrupar Deus cacos e tornar-Se pedra bruta novamente? Nao!
Então como pode um homem, que tem "seu eu" morto dentro de si, e está sendo lapidado, ser igual ou pior do que era antes???
Quanto ao julgar... Muito usado é o "Não julgueis"; como forma de colocar o mau caratísmo em panos quentes...
Mas a mesma palavra diz em 1Ts 5:21 ...Julgueis "TODAS AS COISAS" e retenções o que é bom.
Também em 1Co 2:14-16 diz que o homem natural não entenderia, mas o homem espiritual julgaria.
Sejamos verdadeiros cristãos, transformados e transformadores!
Arrepende-mo-nos de nossas atitudes erradas, lembrando que o arrependimento leva a novos caminhos, mudança de direção, de atitude.
Enfim, que estejamos em Cristo, sendo (dentro das nossas possibilidades) exemplo aos que fazem parte da nossa vida!
Paz a todos

Unknown disse...

Acho que ela está de palhaçada ou tem problema mental mesmo

Valeria Santana disse...

Eu vivi 21 anos de um relacionamento abusivo,e a um mês sofri uma última agressão física e tomei a decisão de me separar.
Eu recebi atendimento médico psicológico e percebi que em decorrência de tudo que vivi estou doente.nestes 21 anos casada,fui condicionada a acreditar que era culpada pelo oque ocorria,e tenho sofrido com este sentimento de culpa.
Eu sou cristã e ele tbm e um dos fatores que me levaram a aguentar tantos anos foi isso,achar que Deus não estaria a meu lado se separasse.
Acho que os líderes pastores as igrejas no geral estão despreparadas para esse assunto,a mulher vítima de agressão ainda é induzida a se expor a um relacionamento abusivo e quando toma decisão de se separar não tem respaldo,auxílio,estou vivendo isso é é triste pq lutei por meu casamento por muitos anos e hj eu me afastei do ministério para não ter contato com ele e mesmo tendo contado tudo oque aconteceu não tive muito apoio em minha decisão me senti sozinha abandonada e sei q como eu tem muitas mulheres na mesma situação.
Acho que as igrejas deveriam ver essa questão com mais cuidado mais amor pq muita vzs estamos correndo risco de vida e sendo orientadas a só orar mas agressão não caso de oração mas é caso de polícia de denuncia

Camila360 disse...

Olá amigos, meu nome é Camila Rodela e eu sou de Michigan, Estados Unidos. Estou aqui para testemunhar as boas obras de DR.OGAGA ​​KUNTA em minha vida. Meu marido e eu casamos há 27 anos com dois filhos. Dois anos atrás, tudo acabou. Eu queria meu marido de volta e eu o implorei, mas ele nunca ouviu, então, eu encontrei vários depoimentos sobre esse lançador de feitiços em particular. Algumas pessoas testemunharam que ele trouxe seu amante Ex de volta, alguns testemunharam que ele restaura o útero e cura câncer, e outras doenças, alguns testemunharam que ele pode lançar um feitiço para parar o divórcio e também soletrar para obter um trabalho bem remunerado assim por diante. Ele é incrível, eu também encontrei um testemunho particular, era sobre uma mulher chamada Vera, ela testemunhou sobre como ele trouxe de volta seu amante Ex, e no final de seu depoimento ela deixou seu email. Depois de ler tudo isso, eu decidi para tentar. Entrei em contato com ele por e-mail e expliquei meu problema para ele. E ele me disse o que eu preciso fazer, eu fiz e meu marido voltou para mim. Nós resolvemos nossos problemas, e nós ficamos ainda mais felizes do que nunca. DRAGOGA KUNTA você é um homem dotado e não vou parar de publicá-lo porque ele é um homem maravilhoso. Se você tem algum problema e está à procura de um verdadeiro e genuíno conjurador de feitiços, experimente-o a qualquer momento, ele é a resposta para seus problemas. Você pode contatá-lo por e-mail: ogagakunta@gmail.com e resolver seus problemas como eu. Ele pode resolver os seguintes problemas e muito mais.(1) SE VOCÊ QUER O SEU EX-BACK(2) VOCÊ QUER CONVIVER SEU MARIDO PARA PARAR O DIVÓRCIO (3) VOCÊ QUER SER PROMOVIDO NO SEU ESCRITÓRIO(4) VOCÊ QUER HOMENS E MULHERES PARA FUNCIONAR ENCONTRAM VOCÊ ATRATIVO(5) SE VOCE QUER CONCEITAR UMA CRIANÇA(6) VOCÊ QUER SER RIC (7) VOCÊ QUER QUE SEU MARIDO AMAR SEU SÓ PARA O DESCANSO DE SUA VIDA
(8) VOCÊ PRECISA BOM SORTE(9) VOCÊ PRECISA DE UM SALVO DE LOTERIA(10) VOCÊ PRECISA UM TRABALHO ogagakunta@gmail.com

favourite category

...
test section describtion

Whatsapp Button works on Mobile Device only