12 conselhos a um pastor recém ordenado

Por Renato Vargens

O número de Igrejas evangélicas se multiplica em todo Brasil e por consequinte o número de pastores. Isto posto, pensando na qualidade ministerial dos novos ministros, bem como na saúde da igreja local, resolvi elencar 12 conselhos àqueles que desenvolvem o ministério pastoral:

1-) Não flerte com o liberalismo teológico

O liberalismo teológico é um câncer que vagarosamente arrebenta a saúde da Igreja. Como bem afirmou Augustus Nicodemus os "Liberais são parasitas, e assim como um vírus  se instala num organismo debilitando o corpo do individuo, da mesma forma eles se instalam na igreja sugando-a até ficar só a carcaça, para depois buscar outro hospedeiro". Concordo com John Blanchard que dizia liberais são ladrões; isto porque, roubam de Deus sua soberania; de Jesus, sua divindade; do Espírito Santo, seu ministério; dos milagres, sua credibilidade; de Maria, sua virgindade; dos apóstolos, sua autoridade; da igreja, sua história; do novo nascimento, sua necessidade.

2-) Não caia na tentação de pregar o evangelho da autoajuda

Lamentavelmente os nossos púlpitos estão repletos de pregadores que abandonaram a exposição das Escrituras em detrimento a técnicas de autoajuda. Nessa perspectiva,  tenho sido testemunha de inúmeras pregações cujo foco final é a satisfação humana. Aliás, por acaso você já percebeu que boa parte dos pastores tem dado forte ênfase a técnicas de psicologia e psicanálise em suas homilias? Pois é, a impressão que tenho é que alguns pregadores se tornaram psicólogos, mestres de auto-ajuda, afagadores do ego e não expositores das Escrituras. Lembre-se você foi chamado para pregar o evangelho e não tecnicas de psicologia barata.

3-) Cuidado com a Teologia da Prosperidade

Os teólogos da prosperidade pregam um falso evangelho, fundamentados numa falsa interpretação bíblica, cujo deus parece ser o Deus revelado nas Escrituras, não passando na verdadede uma falsa divindade cujo propósito final é galardoar o homem com bens, riquezas e dinheiro. Lembre-se você não foi arregimentado para pregar essa maldita confissão positiva e sim o evangelho da salvação eterna.

4-) Não tente transformar sua igreja numa ONG, nem tampouco o ministério pastoral em assistência social

Quantos não são os pastores que abandonaram a pregação do evangelho em detrimento a mensagem social? Ora, lamentavelmente um número incontável de pastores deixaram de pregar Cristo, seu evangelho, a necessidade de arrependimento, em virtude de acreditarem que o papel da igreja é dar pão, abrigo, sem contudo anunciar a única mensagem capaz de trasformar o coração do homem, que é Cristo, e este crucificado.

5-) Pregue o Evangelho

O Evangelho é a única mensagem capaz de transformar a vida de quem quer que seja. Um claro exemplo disso é a Genebra de Calvino. Antes do reformador francês se estabelecer na cidade, a promiscuidade, a injustiça e todo tipo de iniquidade eram marcas inquestionáveis de uma sociedade absorta em pecado. Existem relatos contando que os genebrinos costumam jogar pela janela os seus excrementos, isso sem falar na corrupção que os marcava significativamente. Para piorar a situação, os comerciantes de uma Genebra pré-calvino, lesavam com enorme facilidade o cidadão, que por conseguinte, sempre que podia roubava os donos de estabelecimentos comerciais levando pra suas casas o fruto do seu roubo. Junta-se a isso o fato que a imoralidade sexual era uma das principais características da cidade, a ponto de existir uma lei que dizia que um homem só podia ter uma amante. A ignorância e  o analfabetismo também se faziam presentes entre os moradores de Genebra, que em virtude da baixa escolaridade viviam submersos num mundo desprovido de oportunidades sociais. No entanto, a história relata que quando o Evangelho chegou àquele lugar, a cidade e os homens foram absolutamente transformada. O que falar então daa Londres de Wesley e Whitefield? Os relatos históricos são espetaculares. Conta a história que  o Espírito Santo mediante a pregação da Palavra convencia poderosamente os londrinos de seus delitos e pecados. Os relatos da época afirmam que Indivíduos bem vestidos, amadurecidos, repentinamente gritavam como se estivessem em agonia. Segundo a história, tanto homens como mulheres, dentro e fora dos prédios das igrejas, tremiam e caíam no chão, impactados pela mensagem do Evangelho. Os testemunhos são claros em afirmar que o poder do evangelho transformou um número incontável de pessoas mudando poderosamente a capital da Inglaterra.

6-) Faça da Bíblia sua única e exclusiva regra de fé

Você pode e deve usar a ciência, conhecer filosofia, vertentes teológicas, todavia nada além das Escrituras deve fundamentar sua fé. A Bíblia deve ser o fundamento dos seus sermões. Os reformadores consideravam que somente as Escrituras possuíam a palavra final em matéria de fé e prática. João Calvino costumava dizer que o verdadeiro conhecimento de Deus está na Bíblia. Para o reformador francês a Bíblia era a Palavra de Deus. Calvino também afirmou que a Bíblia era o único escudo capaz de nos proteger do erro. Para o protestantismo a Bíblia é a revelação verbal de Deus. É Deus falando aos homens. É a voz do próprio Deus. O apóstolo Paulo ao escrever a sua 2ª epistola a Timóteo afirmou que “Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção, para a educação na justiça, a fim de que o homem de Deus seja perfeito e perfeitamente habilitado para toda boa obra. ” Pedro em sua 2ª carta, explicou que os homens que escreveram as Escrituras foram “inspirados pelo Espírito Santo”, para que nenhuma parte dela fosse “produzida por vontade de homem algum” ou pela “interpretação particular do profeta.

7-) Pregue expositivamente

Sola Scriptura e Tota Scriputura. Pregue a Bíblia toda e toda Bíblia, para tanto, evite sermões temáticos, preferindo a pregação expositiva. 

8-) Ame e cuide do rebanho que o Senhor lhe confiou

Deus lhe confiou alguns dos seus filhos, portanto é responsabilidade sua pastoreá-los, assisti-los com conselhos, visitá-los quando necessário, exortá-los na verdade, admoestá-los a uma vida santa, edificá-los com a pregação da sã doutrina e conduzi-los a Cristo.

9-) Nunca suba ao púlpito despreparado

O pastor precisa estar preparado para expor com sabedoria, eloquência e simplicidade o evangelho, para tanto, ele precisa se dedicar a leitura, ao estudo das Escrituras e da teologia. Um pastor despreparado não edifica o seu rebanho e por consequinte experimenta sérios problemas em sua comunidade local.

10-) Tenha uma profícua vida de oração.

Os puritanos costumavam dizer que fazer a obra de Deus sem oração é prepotência e arrogância, isto posto, não tente em hipótese alguma conduzir a Igreja de Cristo sem uma intensa vida de oração. Um ministro do evangelho bem sucedido em sua missão entende que a Igreja pertence a Deus e que em virtude disso ele precisa diariamente buscar ao Senhor em oração.

11-) Cuidado com as técnicas fantasiosas de crescimento da Igreja

Inúmeros pastores tem negociado sua fé em detrimento a técnicas de crescimento. Nessa perspectiva, abandonaram as Escrituras optando por métodos mágicos que aparentemente fazem com que o número de crentes se multiplique. Lembre-se: Você foi chamado para pregar o evangelho, lançar a semente, o germinar bem como o crescimento da semente vem de Deus e não de técnicas especiais de crescimento.

12-) Cuidado com os modismos

A Igreja brasileira tem se deixado influenciar por modismos cujo fundamento não se encontra na Bíblia. Nessa perspectiva falsos ensinos e comportamentos tem se difundido na igreja dentre estes, o maniqueísmo moderno, o G12, o ministério apostólico, a ordenação de pastoras, a cobertura espiritual, o relativismo das Escrituras e muito mais.

Pense nisso!

Renato Vargens




2 comentários:

Achei sua postagem formidável... porém, somente discordei a sua opinião de achar que ministério apostólico e ministério feminino sejam "modismos". Eu também já tive uma opinião contrária, mas posso te afirmar que o próprio Deus me convenceu que eu estava errado, e hoje eu mesmo sou defensor de tais ministérios.
Fora isto, seu blog é excelente. Vou até republicar algumas de suas postagens no meu devocional, mencionando a transcrisção e apontando o link para a fonte.

12 de maio de 2014 18:19 comment-delete

Irmão Milton, acho curioso afirmar que "o próprio Deus me convenceu que eu estava errado" e não dizer como Ele fez isso. O rôtulo "apóstolo" foi reservado àqueles que andavam com Jesus desde seu batismo até sua acensão (At 1.21-23), né? Como um homem hoje poderia usar esse rôtulo? A única exceção foi o Apóstolo Paulo, mas olha pela história da Igreja. Já ouviu falar no uso de "apóstolo" depois do primeiro século? Claro que não... pelo menos até recentemente... porque virou um "modismo", especialmente no meio neo-pentecostal. A ordenação de mulheres (contrariando 1 Tm 2.11-14) também é uma onda relativamente recente (século 20+), também fazendo dessa prática um "modismo". Abraço.

13 de maio de 2014 00:32 comment-delete