Existe incompatiblidade entre o Calvinismo e a evangelização?

Por Renato Vargens

Volta e meia eu ouço alguém dizendo que calvinistas não evangelizam simplesmente pelo fato de acreditarem na doutrina da eleição. 

Pois é, ao fazerem este tipo de afirmação, muitos demonstram não entenderem as doutrinas do calvinismo.

Sem a menor sombra de dúvidas acredito que  que não exista nenhuma incompatibilidade entre o Calvinismo e a Evangelização. Ora, o fato de eu saber que o Senhor soberanamente elegeu alguns dentre outros, não me impede de evangelizar. Muito pelo contrário. Deus através  de um ato soberano decidiu que através da evangelização os eleitos responderiam a sua voz. Quando evangelizo torno-me um instrumento de Deus para a Salvação daqueles que Deus determinou, como também instrumento para o endurecimento do coração do réprobo.

Ressalto também que o Eterno  não elegeu somente as pessoas que seriam salvas; mas determinou também a forma com que essas pessoas encontrariam a salvação, isto é, mediante a pregação do Evangelho. Charles Spurgeon certa feita afirmou que os cristãos são constrangidos a pregar o Evangelho, até porque esta é uma ordem imperativa do Senhor. O Principe dos Pregadores entendia que a responsabilidade de salvar o perdido não estava nas mãos dos homens e sim de Deus, e que cabe ao pregador única e exclusivamente anunciar o Evangelho. Spurgeon também dizia que  mesmo que nenhuma alma se converta através da exposição do Evangelho; ainda sim Deus é glorificado. Para ele,  o grande propósito do Evangelho é a glória de Deus, visto que Deus é glorificado mesmo naqueles que rejeitam o evangelho.

Caro leitor,  a onisciência é um atributo exclusivo do Senhor. Somente Ele sabe os nomes dos salvos. O Todo Poderoso tem  controle sobre todas as coisas. Ele é o Alfa o Ômega, o Principo, o Fim, o que era, que é e que há de vir!  Agora, quanto a mim e a você resta-nos obedecer as suas ordens e pregar o Evangelho da Salvação Eterna. 

"Jesus, aproximando-se, disse-lhes: Foi-me dado todo o poder no céu e na terra. Ide, pois, e fazei discípulos de todas as nações, batizando-as em o nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo; instruindo-as a observar todas as coisas que vos tenho mandado. Eis que eu estou convosco todos os dias até o fim do mundo. ”  ( Mateus 28:18-20)

Soli Deo gloria!

Renato Vargens

24 comentários:

Pr. RENATO VARGENS, PAZ! PASSEI UNS DIAS EM NITERÓI E NÃO ACHEI A IGREJA CRISTÃ DA ALIANÇA, MAS, TD BEM... DEIXO O MEU COMENTÁRIO SOBRE A POSTAGEM: Levando em conta: depravação total, eleição condicional, expiação limitada, graça irresístivel, persverança dos santos, temos seres humanos incapazes de entender/responder DEUS, temos sacrifício satisfatório de Cristo só para alguns e graça irresístivel que força/viola, logo, há incompatibilidade: Evangelizar quem (os perdidos por decreto?) e pra quê (se as vagas são limitadas)? Já existe um círculo pronto (parece aquele estória dos TJ dos 144.000). há o ARMINIANISMO moderado e extremado assim como o CALVINISMO. Agostino (de Hipona) é considerado “calvinista” (não sei porque! Pregar predestinação antes de Calvino vir ao mundo pra mim não é calvinismo é predestinacionismo... Resumindo (apesar de ter muito o que falar), prego o bom lado dos dois lados (ou dos 4 lados)e queria saber o que Jesus, o Cristo (que é o Nome a ser “defendido”, exaltado, falado, anunciado e outros “ados”) acha de tudo isso: nomes, teses, confissões, disputas, revanches (tipo:Protesto Arminano, Sínodo de Dort), besteróis e etc. Esses elementos exaltam a Cristo ou reformadores, transformadores, deformadores, transtornadores e outras “dores”? por Fernando josé

8 de janeiro de 2013 15:40 comment-delete

O Rev. Marcos Alexandre, da Igreja Presbiteriana Nacional em Brasília-DF, me fez entender melhor essa questão com a seguinte alegoria: Augusto, alguém convertido pela sua pregação do Evangelho irá encontrar assim escrito, do lado de dentro da porta dos céus: "Parabéns, você já estava eleito!".
Soli Deo Gloria
@augusto_honorio

8 de janeiro de 2013 15:46 comment-delete

Caro Pr. Renato Vargens,

Mas se não evangelizarem, os supostamente eleitos antes da criação do mundo serão salvos da mesma forma.

Ou seja, há incompatibilidade, sim, entre o Calvinismo e a evangelização. Se Deus elege alguns de antemão para a salvação, eles serão salvos independente do que eu ou qualquer outro cristão venha a fazer. E se eles não forem eleitos para a salvação (e consequentemente eleitos para a condenação), a evangelização não terá muita finalidade, dando a impressão que é melhor ficar em casa, afinal.

Um abraço,

Gilmar

8 de janeiro de 2013 16:17 comment-delete

Irmão Gilmar,

a eleição não pode ser vista de modo simples e individualmente. Tanto que o seu entendimento envolve outras manifestações do poder de Deus em nossas vidas, como a regeneração por exemplo.

Veja que Deus não nos elegeu e simplesmente nos deixou em nossas casas assistindo televisão. A Palavra nos ensina que tanto o querer como o realizar vem do Senhor. Um verdadeiro crente maduro em Cristo Jesus jamais deixará de pregar o nome do Senhor, mesmo que passe por crises de fé e depois retorne, pois o próprio Deus habita nele, na pessoa do Espírito Santo, que nos sela para a salvação. Tanto o querer como o realizar algo para Ele, vem Dele próprio.

Deus tambem nos diz que a Sua Palavra quando é determinada para algo, jamais volta vazia. Ou seja, Deus não faz tentativas. Ele é a propria definição de certeza e perfeição.

"Para ele (Spurgeon), o grande propósito do Evangelho é a glória de Deus, visto que Deus é glorificado mesmo naqueles que rejeitam o evangelho."

O proposito nunca foi sabermos quem é ou quem não é, mas pregarmos o evangelho para que o Senhor seja glorificado!

Um abraço.

8 de janeiro de 2013 18:03 comment-delete

O ide é uma ordem, não uma escolha. Temos que aprender a obedecer, sem levar em conta os resultados, quem faz a obra é Deus.

8 de janeiro de 2013 18:05 comment-delete

A predestinação é para Deus. É como se Deus já tivesse visto esse filme. Mas, quanto a nós, permanecerá a verdade na linha do tempo.

8 de janeiro de 2013 19:51 comment-delete

Deus em sua vontade decretiva elegeu aqueles que são salvos, amados e odiados por Ele (Romanos 9:6-18).
Deus em sua vontade preceptiva deseja que todos sejam salvos (1 Tm 2:4), que todos se cheguem ao arrependimento (2 Pe 3:9).

Cabe a nós tentar cumprir sua vontade preceptiva, e não desvendar a decretiva (Deuteronômio 29:29).

"Portanto, tudo sofro por amor dos escolhidos, para que também eles alcancem a salvação que está em Cristo Jesus com glória eterna."
2 Timóteo 2:10

Para mais defesas sobre a eleição/predestinação encolho-me enquanto Paulo fala em Romanos 9

8 de janeiro de 2013 22:06 comment-delete

Sou presbiteriano independente e creio na eleição, mas a pergunta que fazemos é... quem são os eleitos? onde eles estão? Como não sabemos, temos que proclamar a palavra pra todos, sem excessão.

8 de janeiro de 2013 22:44 comment-delete

A paz de Cristo Josué!

É verdade que nós não sabemos, mas Deus sabe, e uma uma vez que Deus sabe, por que Ele não nos envia diretamente as pessoas que Ele sabe?

Outra: Se a Palavra dele não volta vazia, por que nem todos que ouvem o Evangelho se convertem?

A final de contas, algém para ser salvo precisa ouvir o Evangelho para ser salvo? Uma vez que a salvação não depende de qualquer coisa que eu faço, apenas de Deus. Ou seja, a salvação do eleito depende dele ouvir e aceitar o Evangelho? Se for sim, então a salvação depende também do livre-arbítrio. Se for não,então por que pregar?

Aguardo uma resposta.

9 de janeiro de 2013 03:31 comment-delete

Irmão Renato Corumbá, graça e paz!
Vou tentar te ajudar, já que estamos todos aprendendo...

Deus deseja ser glorificado. Em diversos versículos vemos declarações de que o amor do Senhor pelo seu próprio nome é muito grande. E Ele deseja que sua criação partilhe do conhecimento de quem Ele é e a sua glória. Este é o grande mistério da alegria plena que Jesus veio nos dar, não tendo todas as coisas, mas sendo completos Nele.

Diante disso, vamos as respostas:

- Deus não nos envia diretamente para os que Ele já determinou serem os seus escolhidos pois o proposito de Deus não é apenas a salvação dos eleitos. Mas que Ele seja conhecido, seu nome seja proclamado, sua glória seja refletida em nós a todos! Como por exemplo, em João 13.35 "Com isso todos saberão que vocês são meus discípulos, se vocês se amarem uns aos outros". Somos chamados de candeeiros, luz do mundo e sal da terra... por aí vai.

- A Palavra Dele que não volta vazia, que significa 100% de sucesso em tudo que Deus determina, é aplicado aos seus planos e desígnios. O fato aqui é entender que a salvação vem do Senhor. Não depende de nós, pois nós estamos afogados em nossos pecados, cegos e perdidos em nossas próprias paixões. Romanos 1 deixa isso bem claro. O que conhecemos como Depravação Total. Entenda que a conversão não envolve apenas ouvir o Evangelho, mas uma manifestação ativa de Deus para que a pessoa tenha a revelação de quem Cristo é verdadeiramente, como aconteceu com Pedro em Mateus 16.16,17.

- A pregação do Evangelho foi a maneira usada por Deus para a salvação. Como está escrito em Isaías, não há um justo sequer. A quem enviarei? Deus nos envia. Deus nos usa. Quando somos cheios do Espírito Santo, o querer e o realizar são do Senhor em nossas vidas. Então, o fato de pregarmos a Cristo envolve também a manifestação de Deus em nós. Como Paulo nos disse em Gálatas 2.20: "Já estou crucificado com Cristo; e vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim; e a vida que agora vivo na carne, vivo-a na fé do Filho de Deus, o qual me amou, e se entregou a si mesmo por mim."
Por isso Cristo nos disse que fariamos obras maiores... a pregação do Evangelho por toda a terra.

Por fim, veja que em tudo o que escrevi, Deus sempre leva todo o crédito, toda a glória. E somente Ele é digno. Deus não precisa de nós para realizar nada, mas o seu amor maravilhoso por nós se revelou na cruz para que sejamos servos, filhos e amigos do Senhor, para todo o sempre. Temos que direcionar qualquer discussão a Cristo e sua obra na cruz, onde tudo isso se tornou possível para nós.

Espero ter ajudado.

Deus abençoe.

9 de janeiro de 2013 10:47 comment-delete

Afinal, pr. Renato, o senhor acredita na predestinação?

9 de janeiro de 2013 12:45 comment-delete

André Santos,

Eu creio na Soberania de Deus na eleição dos santos e na condenação dos réprobos. Sou calvinista por convicção e creio nas doutrinas da graça.

Abraços,

Renato Vargens

9 de janeiro de 2013 12:47 comment-delete

Sei que essas discussões não levam a lugar nenhum, mas, não custa deixar minha opinião:-)

- Deus entregou pra igreja a responsabilidade de pregar o Evangelho, ensinar o Caminho da graça e libertar as almas oprimidas e escravizadas pelo diabo (em meu nome 'expulsarão' demônios).
Ou a igreja faz isso, ou as almas estão fadadas ao inferno. Vai além da teologia 'calvinista ou arminianista', é a ordem do Senhor Jesus.

9 de janeiro de 2013 13:52 comment-delete

A paz de Cristo Otávio!
Obrigado por sua atenção e por suas respostas. Todavia, tenho algumas perguntas que vieram a minha mente ao ler as suas respostas.
1. Concordo com o irmão que Deus quer ser glorificado em nós, mas não é isso que o contexto de Mc.16.15 se refere. A intenção de Cristo ordenar os seus discipulos pregarem o evangelho era para salvar os perdidos e não os eleitos. Pelo menos não encontrei no contexto de Mc. 16 alguma ideia que devemos pregar o evangelho apenas para salvar os eleitos e nem para revelar a glória de Deus.

2. Concordo com você que a Palavra de Deus executa o propósito de Deus "assim também ocorre com a palavra que sai da minha boca: Ela não voltará para mim vazia, mas fará o que desejo e atingirá o propósito para o qual a enviei" Isaías 55:11. Contudo, O propósito do evangelho é salvar os pecadores ou não? Está escrito "Por meio deste evangelho vocês são salvos, desde que se apeguem firmemente à palavra que lhes preguei; caso contrário, vocês têm crido em vão.
Pois o que primeiramente lhes transmiti foi o que recebi: que Cristo morreu pelos nossos pecados, segundo as Escrituras,foi sepultado e ressuscitou ao terceiro dia, segundo as Escrituras 1 Coríntios 15:2-4
e mais, "De fato, no devido tempo, quando ainda éramos fracos, Cristo morreu pelos ímpios.Romanos 5:6
Se o Evangelho diz que Cristo morreu pelos nossos pecados e pelos ímpios, como enteder diante destes textos que ele morreu apenas pelos eleitos?

Se não devemos fazer nada para ser salvo, então por que o apóstolo Paulo respondeu ao carcereiro "Creia no Senhor Jesus, e serão salvos, você e os de sua casa".Atos 16:3 depois que o carcereiro perguntou o que ELE DEVERIA FAZER para ser salvo?

Pra terminar, o irmão não respondeu diretamente algumas perguntas que já fiz anteriormente.

1.Por que nem todos que ouvem o Evangelho se convertem se a Palavra de Deus não volta vazia?
2. Algém para ser salvo precisa ouvir o Evangelho para ser salvo? Sim ou não?
3. A salvação do eleito depende dele ouvir e aceitar o Evangelho? Se for sim ou não por que?

Um grande abraço em Cristo e que o Senhor te abençoe ricamente!

10 de janeiro de 2013 16:10 comment-delete

Peço desculpas pelos meus erros de digitação.
Abaixo formulo corretamente as indagações.

1. Alguém para ser salvo precisa ouvir o Evangelho, sim ou não?

Pelo menos eu entendo que a salvação vem de Deus, mas Deus decidiu salvar os homens por meio da pregação do evangelho, e por isso para alguém ser salvo, alguém precisa pregar, então Deus precisa de pregadores e por isso chama pregadores. As pessoas precisam ouvir o Evangelho, então Deus espera que as pessoas ouçam o evangelho e creiam no mesmo. Portanto, entendo que para a salvação chegar até uma pessoa, o evangelho precisa ser pregado e isso depende de um pregador. Além disso, o Evangelho precisa ser crido e aceito pelo ouvinte, então isso depende também da pessoa.
Creio na eleição de Deus, mas também creio na responsabilidade humana em crer e aceitar a salvação oferecida por Deus.
Um grande abraço em Cristo!

11 de janeiro de 2013 11:08 comment-delete

Talvez o tema do debate devesse ser: Há incompatibilidade entre a evangelização e a predestinação?
A resposta bíblica seria: Não, mil vezes não! Deus elege os seus, e por predestinar alguns para salvação não significa que Ele seja injusto. Afinal, Ele poderia mandar todos para o inferno e mesmo assim continuaria sendo justo.
Negar a doutrina da predestinação com o argumento de que a mesma é incompatível com a evangelização é negar a verdade bíblica. Não entender a doutrina da predestinação é uma coisa, agora negá-la é perder a própria vida!
Quem diz crer na doutrina da predestinação, mas não crê na evangelização está totalmente perdido. E quem diz crer na evangelização, mas não crê na predestinação é porque ainda não entendeu o plano salvífico de Deus.

12 de janeiro de 2013 15:35 comment-delete

Luciano, talvez você não entenda a razão pela qual muitos entendem que há uma incompatibilidade da predestinação com a evangelização. Vou dar alguns exemplos:

1. Por que evangelizar se Deus já determinou antes da fundação do mundo que será salvo? Certamente que Deus não é injusto, mas não há coerência em evangelizar para salvar se os salvos já estão salvos.

2. Por que evangelizar se a predestinação exclui o livre-arbítrio? Ora, se a salvação não depende do fato da pessoa aceitar o rejeitar o Evangelho, mas sim ser simplesmente predestinada.

3. Por que evangelizar se sou salvo e por isso eu creio?

4. Por que evangelizar todas as pessoas se já foi decidido por Deus que nem todas serão salvas ouvindo ou não o evangelho?

É verdade que Deus é justo, mas também é Todo-amoroso e perfeito.
O fato de Deus ser justo é que Ele nos ordena a pregar o evangelho para todos, para que todos tenham a oportunidade de ouvir e decidir crer ou não no evangelho, ou não somos justificados pela fé como bem defendeu Martinho Lutero e os reformados?

Deus é soberano, mas Deus não pode agir contra a sua própria natureza, Ele é amor.

29 de janeiro de 2013 03:13 comment-delete

Caros companheiros e irmãos em cristo, graça e paz.
Ainda estou tentando formular uma opinião sólida a respeito deste assunto, estou em cima do muro, não sei qual posição teológica vou defender, mas vou deixar com os irmãos o que tenho entendido.
Acho que a eleição (ou predestinação) se dá não pela vontade de Deus no sentido de por Seu Bel Prazer escolher a dedo quem vai para o inferno ou para o céu de forma indiscriminada ou injusta (injusta aos olhos homanos é claro), mas pelo princípio da preciência de Deus, uma vez que Deus já viu tudo do inicio ao fim, é impossível negar que Deus sabe quem será salvo e quem não será salvo, Deus não fica olhando do céu para um ato evangelístico e fica torcendo para fulano ou beltrano aceitar

"Deus- Por favor me aceita, eu te amo, eu morri por você" (desculpe o deboche)

Como o ETERNO sabe quem vai aceitar ou não, por que negar o fato de existir a eleição.
VEJAMOS:
Concordamos que DEUS é Oniciente.
Por tanto des de a criação do mundo ele sabia que um dia você iria nascer com cada caracteristica, cada defeito, cada virtude que vecê tem.
Ele sabia que você ia aceita-lo quando o evangélio fosse apresentado a você.
E foi em você que JESUS pensou quando estava pregado na cruz do calvario.

Amigos , o Deus que eu conheço, é o unico SER do universo que não faz sacrificio de toulo.
Ele não se entregaria na cruz do calvario sem a certeza de que teria um povo para aceita-Lo, um povo pelo qual valeria a pena morrer, foi po essas pessoas que ele morreu, OS ELEITOS.

Nosso papel é pregar para que os eleitos ( segundo a preciência de DEUS ) possam ouvir e crer, e para que o ímpio não tenha "argumento" ( se é que vai existir isso no grande dia) perante ELE.

5 de fevereiro de 2013 08:01 comment-delete

Paz em Cristo, irmão Renato Corumbá!

Talvez eu não entenda mesmo a razão pela qual muitos entendem que há uma incompatibilidade da predestinação com a evangelização, pois a Bíblia nos assegura a doutrina da predestinação e o mandamento da evangelização. O fato é que ao mesmo tempo em que é preciso lembrar sempre que proclamar a salvação é responsabilidade nossa (evangelização), não podemos jamais esquecer que é Deus quem salva (predestinação). Ou seja, o meio pelo qual Deus salva os homens é enviando os seus servos para lhes falar do evangelho, e que a Igreja foi encarregada de ir por todo o mundo precisamente com este propósito, ou seja, é Deus quem conduz homens e mulheres sob o som do evangelho, e é Deus quem os conduz à fé em Cristo. Portanto, o nosso trabalho evangelístico é o instrumento que ele usa para este fim (evangelização), mas não está no instrumento o poder que conduz à salvação. O poder está nas mãos daquele que usa o instrumento (predestinação). Assim, creio que a soberania de Deus (predestinação) e a responsabilidade humana (evangelização) nos são ensinadas na Bíblia como se fossem coisas que andam lado a lado, aparecendo muitas vezes até mesmo na mesma passagem.

Você citou acima o reformador Martinho Lutero. Ele escreveu um livro chamado "Nascido Escravo", publicado no Brasil pela Editora Fiel. Nele há fortíssimos argumentos sobre a doutrina da eleição. Recomendo a leitura do mesmo!

Prefiro não prolongar um debate sobre o assunto na internet, mas recomendo também a leitura do livro "A Evangelização e a Soberania de Deus", onde J.I. Packer responde a pergunta: Se Deus controla todas as coisas por que evangelizar?

Um forte abraço!

Nos laços do Calvário que nos une,
Luciano Paes Landim.

22 de fevereiro de 2013 13:29 comment-delete

Parte 01

A doutrina bíblica da predestinação não nos leva à passividade na evangelização; pelo contrário, nos leva à atividade. Os eleitos evangelizam, dentre outras razões, principalmente para a glória de Deus. O fato é que há uma necessidade da evangelização fundamentada na soberania de Deus (predestinação), e que enfatize a responsabilidade do homem (evangelização). O problema é que muitos ainda não compreendem que não se pode separar a doutrina da soberania de Deus (predestinação) dos meios através dos quais essa soberania é exercida (morte de Cristo, pregação do Evangelho, santificação). Portanto, não podemos dizer que se existe predestinação não haveria a necessidade de Cristo morrer na cruz, de pregarmos o Evangelho ou de vivermos em santidade. Pelo contrário, a cruz de Cristo, a evangelização e a santificação são alguns meios em que a soberania de Deus é evidenciada.

Assim, o evangelista calvinista não fica apenas vendo a soberania de Deus no ato de eleger, pois este ato não é algo que impede o sucesso da evangelização, e sim, algo que o confirma. Deus é quem atrai pecadores a Si mesmo através da pregação do Evangelho (1Co 1.21). Crer na doutrina da predestinação é crer que o Evangelho é o oferecimento de Deus aos pecadores. Ou seja, o calvinista, por crer na Bíblia como a única, inspirada, inerrante, suficiente e autoritativa Palavra de Deus, é motivado e encorajado a levar o Evangelho a todas as nações. João Calvino olhava como seria possível evangelizar todos os povos, em toda a terra, para a glória de Deus. Ele dizia: “O Pai, não apenas mandou a Sua vontade para uma parte da terra, mas também para a outra extensão da terra”. Calvino conjugava a soberania de Deus (predestinação) e a responsabilidade humana. Ele ensinava que devíamos trabalhar diligentemente pela extensão do reino de Cristo sabendo que, no Senhor, nosso trabalho não é vão. Ou seja, a nossa salvação nos obriga a evangelizar. Calvino também disse: “Não é suficiente, para qualquer homem ocupar-se consigo mesmo. O nosso zelo deve ir além de nós mesmos e atrair outras pessoas a Cristo. Precisamos atrair todos os homens à Pessoa de Jesus Cristo com todo nosso esforço”. Para Calvino, a evangelização não era uma obra opcional ou incompatível com a predestinação, era parte de sermos cristãos. A doutrina da predestinação nos levar a evangelizar cristocentricamente. Já a doutrina do livre-arbítrio não é cristocêntrica, mas, antropocêntrica, pois enfatiza o homem e não Cristo.

Observação: Devido o espaço, colocarei o meu comentário em duas partes.

Nos laços do Calvário que nos une,
Luciano Paes Landim.

2 de março de 2013 12:46 comment-delete

Parte 02
Graça e paz em Cristo Jesus!

Calvino mostrou alguns motivos pelos quais devemos evangelizar (esses motivos estão presentes nos seus sermões e comentários):

1. Jesus nos mandou evangelizar.
2. Devemos estar motivados pelo exemplo do próprio Deus como evangelista.
3. O nosso desejo de manifestar a glória de Deus deve nos motivar a evangelizar.
4. Já que o cristão valoriza aquilo que agrada a Deus, e evangelizar agrada a Deus, então devemos evangelizar.
5. É nossa responsabilidade e nosso dever evangelizar.
6. Uma forte compaixão pela condição dos pecadores deve motivar-nos a evangelizar.
7. Profundamente gratos a Deus pela alegria da nossa própria salvação, nós devemos evangelizar em amor ao próximo.

Calvino não era contra a evangelização, mas era contra à evangelização errada. Ele dizia: “Já que Deus pôde me salvar Ele pode salvar a qualquer um na face da terra”.

O Calvinismo não é incompatível com a evangelização pelas seguintes razões:

1. Calvino tinha um forte esforço missionário na sua própria congregação.
2. Calvino tinha um forte esforço missionário na cidade de Genebra. Ele escreveu a um dos seus amigos o seguinte: “A minha oração por Genebra é que ela se torne um lugar de empatia em relação à divulgação do Evangelho para todo o mundo”.
3. Os homens que Calvino treinou em Genebra foram para a França, Escócia, Inglaterra, Holanda, parte da Alemanha Ocidental, e alguns segmentos da Polônia, Checoslováquia e Hungria.
4. A igreja de Genebra se tornou mãe e modelo missionário para todo o mundo.
5. Calvino não mediu esforços missionários na França e até mesmo Brasil. Ou seja, ele esteve envolvido no primeiro esforço missionário além-mar, numa missão que foi mandada especificamente para o Brasil. Calvino mandou dois pastores juntamente com onze leigos para o Brasil. Todos eles tinham cartas assinadas por Calvino. Infelizmente, o resultado final foi trágico devido o líder da expedição colonizadora, Villeagaignon, que outrora havia pedido missionários, mudou seu pensamento em relação a Calvino e ao próprio movimento da Reforma. Villeagaignon estrangulou e jogou ao mar três desses missionários calvinistas, em 1558. O restante dos missionários foram atacados e destruídos pelos portugueses. Porém, a missão não acabou. O sangue daqueles mártires é a sementeira da igreja no Brasil.
6. Calvino tinha o coração abundantemente voltado para missões.
7. A doutrina da predestinação leva à evangelização.

Portanto, o calvinismo não é incompatível com a evangelização!

O livreto “A Tocha dos Puritanos – evangelização bíblica” de Joel Beeke da PES é esclarecedor sobre este assunto.

Nos laços do Calvário que nos une,
Luciano Paes Landim.

www.lucianopaeslandim.blogspot.com

2 de março de 2013 12:46 comment-delete

Para que serve a pregação para os Calvinistas, se eles dizem que o homem no pecado não escuta nem entende nem podem crê porquê estão mortos?

26 de novembro de 2013 14:47 comment-delete

sou um calvinista sincero , por isso dificilmente evangelismo , pois é um desperdício de tempo e de esforço.Sei que os eleitos vão para céu se ouvirem ou não ouvirem o evangelho ,pois já foram eleitos desde a fundação do mundo isso é lógico .Se alguém me pergunta como faz para herdar a vida eterna , logo falo que não tem o que ser feito , pois , só os predestinados herdaram a vida eterna .Muitas ficam assustadas e dizem que isso é injusto , mas eu falo que é justo e que Deus escolhe quem Ele quer e o ser humano mesmo sofrendo horrores no inferno , tem que ficar ciente que seu sofrimento é para Glória de DEUS!
E quando me perguntam sobre as crianças que morrem ao nascer ,se vão para o céu , eu falo que só as predestinadas , pois todas nascem pecadoras e merecem o inferno.
Eu não tenho problemas com a minha consciência ao falar sobre predestinação , evangelismo , inferno para os não predestinados , pois diferentes de outros calvinista eu falo abertamente aquilo que creio e lamento a danação de muita gente boa , mas hereges e pecadoras!

6 de janeiro de 2015 14:06 comment-delete

Silvino ...
Amado ser calvinista é muito mais do que declarar, sendo que um eleito ou salvo, é algo ue parte de Deus não a sinal maior do que o desejo incontrolável de obedecer a Deus, e desse modo pregar a palavra a todas as pessoas possíveis, minha afirmativa simples, é se vc for eleito nada poderá impedir vc de pregar, evangelizar e amar todos, não a maneira de se declarar cristão quando vc não obedece..
Sinais de Cristianismo ( eleição ), é obedecer amar, e demonstrar frutos do espirito santo.

Pense Deus ja olhou no tempo, ele sabe tudo entenda que a oniciencia de Deus e declarada dentro das escrituras então pense a linha escrita que diz que ele ja conhecia os nomes significa que ele e oniciente, se isso lhe perturba ou lhe deixa feliz..

Pregue, evangelize pois esse é o primeiro sinal de que vc e salvo.... caso contrário vc esta ainda na confusão e não ha sinais de eleição..

19 de setembro de 2016 09:17 comment-delete