Para a nossa alegria e para nossa vergonha!

Por Renato Vargens

A Semana que terminou mais de 8 milhões de pessoas se "escangalharam" de rir com o vídeo cujo título era: "para a nossa alegria."

Num vídeo tosco, dois jovens e um senhora por alguns minutos cantaram desafinadamente um dos maiores clássicos da música evangélica brasileira, levando a todo aquele que assistiu a surreal  apresentação (incluindo este que vos escreve) a rir compulsivamente. Senão bastasse isso tivemos a briga pública por "almas , audiência e divisas" entre Edir Macedo e Valdemiro Santiago que muito nos fez ruborizar. Isso sem falar na reportagem promovida pelo SBT repórter sobre o pastor Marcos Pereira.

Pois, é para piorar a situação a bancada evangélica quase me matou de vergonha. Deixe-me lhe mostrar porque:

Observe o que Augusto Nunes em sua coluna na Revista Veja disse sobre os nossos nobres representantes:

"A bancada evangélica no Congresso não perde chance de mostrar que é muito mais temente a Deus que qualquer papa. No momento, com o ânimo beligerante de quem se alistou nas hostes do Senhor antes de deixar o berçário, senadores e deputados federais combatem o consumo de bebida alcoólica durante os jogos da Copa de 2014. Simultaneamente, mantêm sob intenso bombardeio a legalização do aborto, os jogos de azar, os símbolos religiosos e outros sintomas de idolatria, os comerciais de cigarro, o kit gay, o casamento homossexual, o adultério, os decotes ousados e outras perfídias tramadas por Satanás.

A extensa lista de pecados só não inclui os cometidos de meia em meia hora pelos congressistas associados ao poder central. O assalto aos cofres públicos, a corrupção institucionalizada e impune, a gula das quadrilhas federais, a compra e venda de votos, os contratos de aluguel, as coalizões cafajestes e outras delinquências de que até Deus duvida são contemplados pelos evangélicos governistas com a tolerância dos cúmplices por ação ou omissão. Não é por falta de tempo que jamais combateram a ladroagem. O que falta é vergonha."

Pois é, preciso confessar que minha alma encontra-se angustiada. Que tristeza sinto em ouvir tantas notícias desagradáveis. Ter os nossos representantes acusados de ladroagem me abate profundamente.

Isto, posto, quero rogar aos irmãos que oremos e jejuemos pela Igreja Evangélica do nosso país. Rogo ao Senhor que tenha misericórdia do seu povo, e que por sua bondade e graça nos faça santos conforme Ele é santo.

Soli Deo Gloria

Renato Vargens

24 comentários

  1. Não gostei desse artigo.

    O que é que você queria? Que os deputados cristãos fossem a favor do cigarro, do aborto, dos jogos de azar, do casamento gay, da expulsão dos símbolos religiosos na justiça, etc?

    Pra defender essas causas já tem os partidos de esquerda.

    ResponderExcluir
  2. Guilherme,

    Uma pergunta: Você sabe ler? Por acaso eu disse isso? Rapaz, interprete o texto direito, a não ser é claro que como milhões de brasileiros você seja um analfabeto funcional. O objetivo do TEXTO foi condenar a "ladroagem e picaretagem de alguns congressistas evangélicos que mamam nas tetas do Estado. Nada além disso.


    Renato Vargens

    ResponderExcluir
  3. O que está se querendo dizer com este artigo é que nem uma bancada evangélica deveria existir.

    A bíblia diz que devemos ser luz e não trevas. Que devemos ser bom exemplos e não mal exemplos como estes do Congresso.

    eu também me envergonho

    ResponderExcluir
  4. o deus dos evangélicos é o diabo.

    ResponderExcluir
  5. Pr Renato, se eu fosse membro do grupo Som Maior eu estaria muito chateado com essa situação. Eu não sou e já me sinto constrangido, principalmente com alguns comentários que li na internet.

    Pode ser engraçado - e de fato é. Mas o grupo Som Maior não merece isso!

    Quanto à bancada evangélica, meu desprezo por suas atitudes.

    Até mais, Marcos.

    ResponderExcluir
  6. Gostei do post, mas acredito que você perdeu uma grande oportunidade de responder ao Guilherme de uma forma menos agressiva, saber como se direcionar às pessoas deveria ser uma prática também de humildade.

    ResponderExcluir
  7. Gostei do post, a crítica é legítima. Só acredito que você perdeu a oportunidade de responder ao Guilherme de maneira menos agressiva.
    Humildade sempre é o melhor caminho.

    ResponderExcluir
  8. Liliklis Gad,

    Talvez vc tenha razão. Obrigado,

    Renato Vargens

    ResponderExcluir
  9. Irmão Renato,

    Compartilho sua angústia e creio, como em um artigo que escrevi, que alguém tem que começar a denunciar a iniquidade que tem crescido no meio evangélico e o corporativismo que permite todo este estado de coisas.

    Para "nossa alegria" Jesus continua secreta e silenciosamente ataviando sua Noiva, limpando, separando e preparando para arrebatá-la nos ares.

    Eu pessoalmente sou radicalmente contra qualquer envolvimento de cristãos com a política que é o sistema de governo do mundo por excelência.

    Há alguns anos conheci uma irmã em Brasília, que não queria mais saber de "igrejas". Conversando com ela, descobri que a mesma havia sido assessora do gabinete de um desses deputados "evangélicos". Sabe o que ouvi dela? Que são todos iguais, que todos participam ou por ação, ou por omissão, das malandragens da política.

    Eu mesmo já fui envolvido com política estudantil antes de minha conversão, onde conheci alguns políticos, inclusive que se diziam "evangélicos". Vi tanta coisa feia...

    Que Deus tenha miserícórdia do todos nós.

    Se alguém quiser ler o artigo em que denuncio meus pares, entre no meu Blog: http://vozdoqueclamananet.blogspot.com.br/2012/03/como-profeta-eu-denuncio-iniquidade-de.html

    abraços a todos

    ResponderExcluir
  10. Agora entendo o porquê da zoação que eu vejo alguns comediantes fazendo ultimamente com esta música evangélica. Uma pena.

    Quanto à bancada evangélica, não é "pena", mas trágico, isso sim!

    ResponderExcluir
  11. Em nada me surpreendo nessa área. O erro começa em crentes se envolverem com causas desse mundo. E o pior, nada convincentes de que as causas são populares. Pois, na verdade, cada um quer mesmo é entrar lá e ser mais um político nos moldes beeem brasileiros, apesar de o discurso ser muito santo. A Bíblia é muito clara quanto a isso, mas como homens naturais, procuramos sempre brechas pra entrar onde nos interessa. Dá nisso. Vergonha e dor ao povo de Deus. Assim como Israel, preferimos ser levados ao cativeiro, acorrentados pelo dinheiro, fama e facilidades. O preço de seguir a Cristo e andar como Ele, que jamais se enquadrou nos moldes dos líderes de Sua época, ninguém quer. Nossa meta não é melhorar esse mundo, mas conduzir pessoas a Cristo, para que tenham acesso à vida abundante nele, por Ele e com Ele, eternamente. Faço minha parte para ao meu redor as coisas andarem o melhor possível, buscando agir como Cristo agiria, como ensina, se todos que O conhecemos fizermos assim, já ajudaríamos aos que nos cercam. Mas sou consciente de que a Bíblia nos diz que esse mundo jaz no maligno e que caminha de mal a pior.

    ResponderExcluir
  12. Se a Miriam com a frase "nossa meta não é melhorar esse mundo" quis dizer que não concorda com o conceito de "políticos cristãos", eu então digo que discordo dela: em Cristo somos habilitados para "boas obras" (Ef. 2:10), logo, independente da atividade de uma pessoa, é esta a prática que ela tem que seguir. Se políticos, programadores de sistemas, bancários, pastores, cozinheiros, não interessa: temos que praticar as boas obras segundo o padrão de Deus.

    Sugiro a todos os estudos de Wayne Grudem sobre o tema "política e bíblia". Muito bom!

    ResponderExcluir
  13. Graça e Paz ao Pr. Renato e a todos quantos participam deste blog. É triste constatar que muitos que se dizem cristãos têm mundanizado o cristianismo. Será que aqueles mesmos jovens que gravaram uma versão satirizada daquela música teriam a mesma coragem em gravar uma breve de mensagem de arrependimento bíblico dirigida às pessoas? Também é estarrecedor como os nossos representantes políticos ''evangélicos'' descaradamente mancham a reputação do povo de Deus. Isso é ter vergonha do Evangelho! Isso é desprezar o caráter santo do nosso Deus! O culto jamais pode ser dissociado da vida integral. Forte abraço em Cristo a todos.

    ResponderExcluir
  14. Querido Renato,

    Mais uma vez quero te parabenizar por mais uma excelente reflexão genuína, ponderante e abençoada. Cada vez mais tenho admirado seu trabalho, tanto no blog quanto no twitter, e faço questão de divulgá-lo, pq creio sim, que este trabalho virtual seja uma excelente ferramenta para a pregação do Evangelho genuíno, sem demagogias. Que o Senhor continue te usando neste propósito, pois vc tem abençoado muitas vidas. Aqui na Igreja Presbiteriana Marinas Praia Sul, em Natal-RN, seus posts tem gerado boas e abençoadas reflexões entre irmãos em reuniões e nas famosas conversas na porta da igreja!

    Um grande abraço em nome de todos daqui, não cessando de intercer por vc.



    em Cristo,


    Cleyber Ricardo

    ResponderExcluir
  15. Essa família que talvez por falta de conhecimento em um momento de descontração na intimidade de seu lar tenham realizado essa brincadeira de mal gosto, não enxergaram o estrago que estavam cometendo quando postaram esse vídeo na net, mas também pode ser que não tenham sido eles e esteja muito envergonhados. Triste e ter visto algumas pessoas que se dizem nascidas de novo achar o máximo dessa aberração. Com relação a bancada evangélica não é de hoje que ela está vendida ao sistema. Como Demas há muito amaram mais ao mundo.

    Luís

    ResponderExcluir
  16. Creio que como Cristão devemos viver como exemplos nesse mundo, Daniel tive cargo governamental e foi exemplo.
    Sou a favor de cidadãos, evangélicos, na politica. Mas sou contra evangélicos na politica.
    Não precisamos de ninguém desse mundo para defender a igreja e seus interesses, pois o Senhor já faz isso. Precisamos de pessoas com valores cristãos, trabalhando na politica defendendo esses valores.
    E isso engloba: bombardeio a legalização do aborto, os jogos de azar, os símbolos religiosos e outros sintomas de idolatria, os comerciais de cigarro, o kit gay, o casamento homossexual, o adultério.
    E também: assalto aos cofres públicos, a corrupção institucionalizada e impune, a gula das quadrilhas federais, a compra e venda de votos, os contratos de aluguel, as coalizões cafajestes e outras delinquências.

    ResponderExcluir
  17. Paz Pastor..


    Não vejo o vídeo "Para nossa alegria" como falta de conhecimento e desrespeito como alguns aqui falaram. Será possível que os evangélicos não sabem brincar e se divertir um pouco. Tem gente que sempre leva tudo pra um lado negativo..Nam..O vídeo é muito engraçado e mostra adolescentes felizes..

    Quanto a bancada evangélica só podemos esperar isso, desprestígio e associação com todo tipo de torpeza por parte de nossos políticos. Só nos resta mesmo sentir vergonha..

    ResponderExcluir
  18. Um grande mau exemplo de político cristão "evangélico" é o Anthonny Garotinho, que em seu desejo insano de poder e sua mágoa invejosa de Sérgio Cabral (que não é nenhum santo, assim como "garotinho"), tentou colocar "fogo" no Rio de Janeiro (incitando greve), usando, pasmem, alguns bombeiros e policiais revoltosos que também se diziam evangélicos. A Bíblia não respalda desordem, principalmente, usando como bandeira o nome do Senhor em vão. Política e religião não se misturam.

    ResponderExcluir
  19. Eu achei esse vídeo "para nossa alegria" a vergonha do Evangelho. Hoje mais de 10 milhões de pessoas riem de uma música que possui uma história profunda e que edificou a Igreja por anos, nos lembrando de uma Deus de esperança e misericórdia.
    É só isso que os crentes sabem fazer hoje: ENVERGONHAR O EVANGELHO, dificultar a conversão de milhões de pessoas. Podemos pensar: "não tem nada a ver" Por que será que uma cena desta faz 10 milhões de pessoas rirem? Será que é propósito de Deus? Deus está orgulhoso com esta família e todos os 'crentes' que acham isso engraçado? Vocês estão expondo a fé e Cristo ao ridículo.
    Por que estes crentes não fazem algo para ganhar 10 milhões de almas?

    ResponderExcluir
  20. Gente, mas q gente tão séria!Q exagero! Um pouco de bom humor não faz mal a ninguém! Mais leveza ,por favor!
    O video é engraçado ,sim.E muito inocente.Só pra rir um pouco.Depois ninguém vai mais lembrar.Pra q tanta testa franzida. " A vergonha do Evangelho" ,quanto exagero!

    ResponderExcluir
  21. Sarah,

    O vídeo não é o problema. Os problemas são outros, os quais deixo claro no meu post.

    Abraços,

    Renato Vargens

    ResponderExcluir
  22. Olha sinceramente, penso que é simples assim: Para nossa alegria; as pessoas são inocentes, o vídeo é publico=problema; e vamos ser sinceros; ultimamente entre o orgulho reformado, e a tolice pentecostal, eu acredito que somente um Avivamento genuíno possa mudar o rumo das coisas. Pois os tempos são realmente difíceis.

    ResponderExcluir
  23. Olá só entrei para comentar sobre o vídeo que virou mania na internet, e eu já imaginava que seria mal visto por alguns. Foi algo feito com descontraçao e naturalidade num ambiente caseiro, é óbvio que alguns farao desse vídeo uma piada, mas tb nao foi assim com o Senhor Jesus? Acho que hoje mais do que nunca pessoas fazem piada com a obra de Jesus, e alguns que até se dizem evangélicos. Eu confesso que vi o vídeo inúmeras vezes e ri muito, eu já conhecia a musica original do Som Maior e essa música me lembra muito o processo do minha conversão. Tem várias pessoas que por causa desse vídeo bobo da família foram procurar pela música original, eu até vi um comentário de um cara que disse que era ateu mas estava elogiando a beleza da natureza mostrada no vídeo do Som Maior. Sem falar também do testemunho dado pelos irmaos em uma entrevista. Para alguns pode ser vergonha, mas certamente em cada pequeno detalhe Deus está trabalhando e chamando aqueles que ainda estão longe. Preocupemo-nos principalmente com o nosso testemunho.
    O Senhor abençoe!
    Um abraço!

    ResponderExcluir

Caro leitor,

(1)Reservo o direito de não públicar criticas negativas de "anônimos". Quer criticar e ter a sua opinião publicada? Identifique-se. (2) Discordar não é problema. É solução, pois redunda em aprendizado! Contudo, com educação. Sem palavrão! (3) Ofereça o seu ponto de vista, contudo, a única coisa que não aceitarei é esta doutrina barata do “não toque no ungido” do Senhor. Querendo aprender sobre o direito de julgar, leia estes artigos:

Não julgueis para que não sejais julgados. Como é isso?

Julgando os críticos ou criticando os juízes?

O conselho de Gamaliel e o pensamento Cristão

Nele,

Renato Vargens