O Namoro Cristão. Parte IV

É licito o namoro entre o cristão e o não cristão?
Renato Vargens
Qual é o problema? Não tem nada demais. Eu posso evangelizá-lo e levá-lo para a igreja. Vai ver que essa é forma dele conhecer a Cristo!

É comum ouvirmos de nossos adolescentes e jovens frases como estas. Para muitos deles não existe o menor problema em namorar um não cristão. Entretanto, o que talvez eles desconheçam é o ensino bíblico de que não devemos nos colocar em jugo desigual com os incrédulos (II Co 6.14).
Para Calvino, o jugo desigual era nada menos que manter comunhão com as obras infrutíferas das trevas e estender-lhes a destra de companhia. Em outras palavras isto significa estar ligado ao mesmo tempo, lado a lado na mesma canga. É a metáfora dos bois ou cavalos que têm de andar juntos, desfrutando das mesmas práticas, porque estão presos na mesma canga.

Caro leitor, escolher uma pessoa que compartilha da mesma fé e sonhos é fundamental a construção de um namoro equilibrado e saudável. Como escrevi na segunda parte deste estudo, o namoro deve ocorrer entre pessoas que estejam em igualdade de situações. O fato de existir discrepâncias espirituais pode proporcionar um seriíssimo problema relacional entre aqueles que se gostam.

Do ponto de visto bíblico o namoro entre não cristãos e cristãos é absolutamente desaconselhável. Paulo, ao escrever aos coríntios ordena que um cristão ao se casar, deve fazê-lo “somente no Senhor”. Obviamente isso proíbe o casamento com incrédulos e, portanto, namorá-los.

Vale a pena lembrar o que a Confissão de Fé de Westminster diz a respeito do casamento entre cristãos e não cristãos: “A todos os que são capazes de dar um consentimento ajuizado, é lícito casar, mas é dever dos cristãos casar somente no Senhor; portanto, os que professam a verdadeira religião reformada não devem casar-se com infiéis, papistas ou outros idólatras; nem os piedosos prender-se a jugo desigual por meio do casamento com os que são notoriamente ímpios em suas vidas, ou que mantêm heresias perniciosas”

Soli Deo Gloria,

Renato Vargens

4 comentários:

Fico imensamente feliz ao observar à partir da visão ótica das Sagradas Escrituras, uma vez que, confessando o meu ainda astreito conhecimento bíblico percebo homens assim como o Pr Renato, não apontadores, mas defençores dos preceitos e princípios de Deus à luz da Palavra. Esclarecendo, exortando, alertando e principalmente convidando todos os seguidores e servos de Cristo à serem "santificados na verdade, a Palavra de Deus é a verdade".

Fiquem na Paz!

Pablo, um buscador incensante do caráter de Deus

Silveira Pablo
10 de junho de 2009 10:10 comment-delete

Caro Pastor

Concordo com o que escreveu. Mas será possível existir jugo desigual entre iguais? Eu tenho visto tanto casal malfadado dentro da Igreja porque esse homem e essa mulher em particular, não têm nada a ver um com o outro. São tão diferentes cultural, academica e profissionalmente que têm tudo para não dar certo. Apesar de serem ambos cristãos e espiritualmente serem firmes. Um sábio Indiano disse uma vez que "bom casamento não é aquele em que os conjuges têm os mesmos objectivos mas aquele em que ambos olham para a mesma direção". Que acha?
João Gomes

Anônimo
10 de junho de 2009 15:39 comment-delete

Prezado João,

Concordo plenamente. Existem casais em nossas igrejas cujas diferenças são gritantes.

abraços,

Renato Vargens

10 de junho de 2009 15:44 comment-delete

É por isso que muitos abandonam a igreja pq tem um namorado ou namorada não evangelica pq o convivio intimo com o impio mesmo nao querendo tras concequencias para o nosso dia dia e quando se ligamos ja estamos como eles !!!

12 de junho de 2009 01:15 comment-delete