segunda-feira, maio 20, 2013

Uma igreja que desaprendeu a amar

Por Renato Vargens

A Igreja brasileira desaprendeu a amar. 

O Senhor Jesus ao aproximar-se do dia em que entregaria sua vida na cruz por amor aos eleitos afirmou “Nisto conhecerão todos que sois meus discípulos: se tiverdes amor uns pelos outros”.

Pois é, o amor é a marca dos  discípulos de Cristo! O amor é que atrai as pessoas a Deus. O amor sem sombra de dúvidas é uma das principais características da igreja.

O Didaquê, que era um manual de ensino no primeiro século, tinha um relato belíssimo sobre os cristãos. Segundo ele era comum as pessoas dizerem sobre os que estavam no Caminho, "vejam  como eles se amam." 

O cristão deveria ser conhecido pelo amor. Aonde não existe amor a  ortodoxia é transformada em farisaísmo burro e adoecedor. Numa das sete cartas do Apocalipse, o Senhor admoesta a igreja de Éfeso  por ter abandonado o primeiro amor. As Escrituras afirmam que aquela comunidade era ortodoxa, zelava pela sã doutrina,  repudiava os falsos apóstolos e suas heresias, mas falhou por abandonar o seu primeiro amor. Veja bem,  Jesus elogiou a firmeza doutrinária da igreja de Éfeso, mas a repreendeu pela sua falta de amor.

Caro leitor, as Escrituras ensinam que o amor é o principal de todos os mandamentos. Nosso Senhor resumiu a lei afirmando que os seus discípulos são chamados a  amar tanto a Deus como ao próximo. (Marcos 12.28-31). Além disso o apóstolo João nos advertiu  que não podemos amar a Deus a quem não vemos se não amamos os irmãos a quem vemos (1 João 4.20). Aquele que não ama ainda está nas trevas e nunca viu a Deus, pois Deus é amor. 

Prezado amigo, a igreja quando ama atrai os mais variados tipos de pessoas ao seu convívio.  Quando uma igreja ministra amor àqueles que com ela relaciona, estes são impregnados pelo poder do Evangelho e tem as suas vidas transformadas. A Igreja também tem por missão amar o pecador, chorar por ele, relacionar-se com ele anunciando-lhe a mensagem da cruz. O problema, como bem disse Leonard Ravenhill , é que a igreja deseja ser mais santa do que Deus, imiscuindo-se assim de relacionar-se com todos aqueles que não fazem parte do seu convívio. Se não bastasse isso, ao contrário do que vemos no livros de Atos, nossos membros se "odeiam" e isso se percebe nitidamente em nossas divisões eclesiásticas onde o que mais  importa é prevalecer sobre o outro.

Querido irmão, ao olhar para o espírito beligerante que nos envolve, além da frieza dos nossos corações quanto ao destino Eterno dos homens sou levado a crer que vivemos no evangelicalismo brasileiro uma grave crise de identidade, isto porque, abandonamos em algum lugar da nossa recente história o entendimento que fomos salvos para amar e não prosperar; para dar e não receber; para chorar pelos que se perdem e não gargalhar pelas "bênçãos" recebidas. 

Isto posto, termino essa reflexão com o clássico texto Paulino sobre o amor:

"Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse amor, seria como o metal que soa ou como o sino que tine. E ainda que tivesse o dom de profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, e ainda que tivesse toda a fé, de maneira tal que transportasse os montes, e não tivesse amor, nada seria. E ainda que distribuísse toda a minha fortuna para sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, e não tivesse amor, nada disso me aproveitaria. O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece. Não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal; Não folga com a injustiça, mas folga com a verdade; Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. O amor nunca falha; mas havendo profecias, serão aniquiladas; havendo línguas, cessarão; havendo ciência, desaparecerá; Porque, em parte, conhecemos, e em parte profetizamos; Mas, quando vier o que é perfeito, então o que o é em parte será aniquilado. Quando eu era menino, falava como menino, sentia como menino, discorria como menino, mas, logo que cheguei a ser homem, acabei com as coisas de menino. Porque agora vemos por espelho em enigma, mas então veremos face a face; agora conheço em parte, mas então conhecerei como também sou conhecido. Agora, pois, permanecem a fé, a esperança e o amor, estes três, mas o maior destes é o amor."  (1 Coríntios 13:1-13)

Renato Vargens

     
jaime alves disse...

Sabe Renato,

O amor prima por princípios basilares da ética e a ética por sua vez advêm de um profundo conceito de dignidade e esta dignidade só pode ser consolidada com a responsabilidade que por sua vez nos traz o senso de cumprir nossos deveres valorizando-os acima dos nossos direitos...

Permeia de forma intrínseca uma consciência coletiva um tanto eufêmica humanista, cujos formadores de idéia com o seu pragmatismo estúpido solaparam ou tentam solapar a hegemonia do cristianismo.

Com isto nós quanto igreja tornamo-nos alienados recalcados como já o fomos rotulados.

Sintetizando.

O cristão é análogo a um recipiente cuja essência ao longo destes últimos anos paulatinamente veio sendo adulterado, o vasilhame ainda é o mesmo, mas o perfume que se inala difere literalmente do frasco.




jaime alves disse...

Quando Deus não está no centro

O verdadeiro cristão
não se mistura com as heresias
não se vende como um hipócrita
não se entrega como um fraco
não procura ser o centro
é alheio a quem no centro está
quando Deus não está no centro.

Não se adéqua ao ambiente
pois é verdadeiramente crente
é idôneo ele é diferente
não se julga importante
a não ser para servir.

Não se esbalda na platéia
nem procura os holofotes
ele não quer aparecer
a não ser para o seu Deus.

Ele não é religioso
mas não descarta a religião
pois ele faz da sua religião
um uma eterna comunhão.

Não é melhor do que os outros
busca ser o melhor para outros
ignora quando os outros
o despreza o menospreza

pois é alto confiante
consciente do seu ideal
não se engana com este mundo
tão perdido tão imundo

É viril contra o pecado
e condena todo erro
e não ama este mundo
nem o que no mundo há
mas ama as pessoas deste mundo
está pronto a ajudar.

Vejo tantos crentes falsos
vivem em busca do sucesso
e se vedem por tão pouco
ser famoso é o seu progresso.

Dizem glórias e aleluias
até chamam a Deus de Senhor
mas chafurdam no pecado
é tão fétido o seu odor

Vejo crentes tão omissos
pois não querem compromissos
vivem presos no adultério
ou na maior fornicação
chafurdados nos motéis,
na ganância e ambição
abraçados a este mundo
tão promíscuos tão imundos

tão afeitos a van gloria
querem ser o centro da história
mas a historia vai dizer
da vergonha que eles foram.

Gritam pulam dançam e cantam
dizem ser adoradores
não adoram as imagens
mas adoram as estrelas
tantos artistas da apostasia
que dizem louvar a Deus
mas glorificam a si mesmos.

favourite category

...
test section describtion

Whatsapp Button works on Mobile Device only