quinta-feira, dezembro 12, 2013

Razões porque eu acredito que os pais não devam permitir com que crianças possuam facebook

Por Renato Vargens

A popularidade do Facebook continua a crescer dia a dia.

Sem a menor sombra de dúvidas a empresa criada por Mark Zuckerberg é a maior rede social do mundo.

Pois bem, no dia 16 de setembro de 2013, o Facebook revelou que os internautas participantes da rede já postaram mais de 250 bilhões de fotos  e continuam a publicar cerca de 350 milhões de novas imagens diariamente.

 O número representa uma média de 217 fotos de cada um dos 1,15 bilhão de usuários do site. São mais de 14,58 milhões de uploads de fotos por hora, ou seja, 243 mil por minuto ou 4 mil por segundo. Nem o site especializado em fotografias Flickr recebe tantas fotos: são "apenas" 3,5 milhões por dia, segundo o The Verge, e o total é de 8 bilhões. Com esse crescimento considerável da publicação de fotos – em 2011, a quantidade total de imagens no site era de 100 bilhões – fica mais claro o motivo do Facebook ter comprado o Instagram, por US$ 1 bilhão, no início do ano passado. O número de publicações compartilhadas também é expressivo: 4,75 bilhões por dia – incluindo compartilhamento de fotos, status, vídeos e comentários. O botão "Curtir" é clicado 4,5 bilhões de vezes a cada 24 horas e mais de 10 bilhões de mensagens são enviadas em apenas um dia.

Prezado amigo, os  números são espantosos não é verdade? A impressão que temos é que absolutamente ninguém está fora desta rede Social. 

Dentre os adeptos do Facebook encontramos pessoas de todas as faixas etárias, incluindo é claro crianças, contudo, apesar de entender que redes sociais podem ser utilizadas para fortalecimento das relações interpessoais, e outras coisas mais, penso que o publico infantojuvenil não deveria ter acesso a elas. 

Ora, antes que alguém me apedreje chamando-me de retrógrado permita-me elencar algumas razões porque acredito que os pais não devam permitir com que crianças tenham Facebook:

1-) As Redes sociais  incentivam a precocidade infantil.  É comum encontrarmos no Facebook inúmeras crianças inseridas num mundo que não deveriam ser o delas. Nessa perspectiva é comum encontrarmos meninas e meninos com menos de 12 anos falando em namoro, sexo, bailes, pegação, ficação e outras coisas mais.

2-) As Redes Sociais ainda que possuam por finalidade o relacionamento afetivo entre amigos  virtuais, tem contribuído para o distanciamento de amigos reais.  Crianças precisam de amigos reais, precisam chorar, decepcionar-se, frustrar-se nos relacionamentos sem contudo que com isso sejam tentadas a "bloquear"  seus desafetos.

3-) Redes Sociais impõem conceitos relativistas, perversos e absolutamente antagônicos aos valores bíblicos cristãos.

4-) As Redes Sociais desestimulam na criança o desejo pelo mundo real onde piques, brincadeiras e atividades lúdicas se fazem presentes.

5-) Na maioria das vezes crianças não possuem discernimento suficiente para discernir um falso conceito ensinado e propagado nas Redes Sociais.  Nessa perspectiva, muitos dos nossos pequeninos tem sido influenciados por ideologias, bem como filosofias e pensamentos que desconstroem a família, a moral e a decência.

6-) Por causa da imoralidade, promiscuidade e incentivo a precocidade sexual. 

7-) Para protege-las do homem mal. Os crimes cibernéticos se multiplicam a olhos vistos e em virtude disso, muitas são as crianças vítimas de pedofilia.

Caro leitor, Salomão em sua grande sabedoria afirmou: “Existe um tempo determinado para todas as coisas na vida”.

Sim, isso mesmo, na vida existe momentos pra tudo, portanto, à luz das Escrituras, acredito que vale a pena proteger nossos filhos não permitindo com que estes em tenra idade vivenciem experiências desnecessárias.

É o que penso, é o que digo.

Renato Vargens



Nathália Caroline.. disse...

Gostei.. :)

guinho disse...

posso estar falando bobagem (porque não tenho facebook), mas um colega meu disse que a principio para ter uma cadastro no face teria que ser maior de 18 anos... se isso confere, tem mais a questão da criançada mentindo e criando personagens falsos, o que é pecado. Se isso não proceder, as outras questões postadas pelo Pastor são motivos suficientes para concordar!

Em Cristo
Guinho www.respirandodeus.blogspot.com

Auli Júnior disse...

pastor Renato,
as crianças já estão precoces e nem de longe a culpa é das redes sociais.
Quem conhece principalmente a realidade nas escolas e principalmente em comunidades carentes sabe disso.
Já há alguns anos, um cliente da empresa em que trabalho, disse que tirou a filha de uma escola publica com receios e a colocou em ema particular famosa aqui do Rio. Para sua surpresa, sua filha teve uma aula de educação sexual as avessas de um coleguinha mais novo. Idades, 8 e 9 anos.
Meu filho foi participar de um programa evangelístico em uma comunidade na Baixada e ficou horrorizado com o que ouviu de crianças de 8, 9 e 10 anos. Mesmo ele, então com 17 anos nunca havia imaginado ouvir.
Cerca de 5 anos atrás, dentro de um ônibus da linha 629, eu estava lá, um menino que mal tinha 9 anos, acompanhado de uma menina de 10, gritava para o motorista, "Motorista, você tem que me expulsar do ônibus, por quê minha amiguinha está fazendo sexo oral em mim."
As redes sociais são sim perigosas, mas de outra forma, seu perigo está em rostos que não aparecem e em intenções não confessas de pornografia e pedofilia.
O resto, nossas crianças tem aprendido nas Tvs, vivas a Globo, destruidora mãe de todas as outras. Grupos de musica como o mamonas Assassinas. Quem não se lembra do Sabão Cra Cra e da Suruba? Vi uma professora e seus alunos cantarem uma dessas canções em homenagem ao grupo pela sua morte. Tempos depois quando o padre Rossi veio cantando "Erguei as mãos", foi como uma lufada de ar fresco.
Ainda temos que lembrar da Tv Pirata, Zorra Total, Escolinha do Raimundo, e Casseta com suas baixarias assistidas por crianças das mais tenras idades. Quando visito alguém e vejo a família assistindo a Zorra e aquela nefasta personagem dizendo, "Ele está me bulinando" e a mãe em frente da Tv rindo, pergunto, quem ensina os homens a urinar nas ruas? Agora, quando teu filho achar normal "bulinar" alguém no transporte, você se lembrará que achava graça na TV?
A questão nas redes sociais é negociar horários, vigiar, e dependendo da idade, não abrir mão de ter a senha dos filhos para emergências.
Assim eu penso, fraterno abraço.

Eribaldo Pereira disse...

Creio que os dois textos (Renato e Auli) são complementares. Um não anula o outro. Ambos estão cobertos de razão.

Amo trabalhar com crianças disse...

Concordo plena com o texto de Renato

Auli Júnior disse...

De fato, não só no Face, também no Orkut precisa ser de maior.

HP disse...

Antigamente no meio evangélico houve a mesma discussão sobre a Televisão. Quando surgiu a internet foi igual e agora sobre o Facebook.

A verdade é que vivemos num mundo rodeado pelo mal e todos somos pecadores, tentados a nos curvarmos ao mal.

O que é necessário são pais que saibam educar seus filhos de forma saudável. Isto está muito em falta, seja na sociedade secular ou no meio evangélico. Muitos pais tem “terceirizado” a educação de seus filhos. Quantos são os pais que chegam cansados em suas casas e para terem um tempo de descanso se contentam em deixar os filhos quietos assistindo televisão, jogando videogames ou navegando na internet?
Quantos são os cultos evangélicos que não há mais crianças sentadas junto aos pais, pois são todas elas levadas para as “aulinhas” delas?
Quantos são os pais que dificilmente oram com seus filhos em casa?

Quantos pais tem sido realmente próximos de seus filhos, conversando, ouvindo, participando e encorajando os pequenos desde a mais tenra idade?

Proibir não adianta nada. Infelizmente vivemos numa sociedade aonde a “liberdade” de escolha é defendida até aos pequenos. Quer exemplo? É só ver notícias de pais que “aceitaram” a opção sexual de seus filhos, que com 7 anos de idade decidiram deixar de ser meninos e se vestirem como meninas. E notícias assim sempre vem com opiniões favoráveis de “especialistas”.

Penso que é mais do que necessário aos pais investirem tempo, paciência, coragem e muito amor ao educarem seus filhos em todos os campos da vida, e principalmente no campo da fé, tão combatida ultimamente, que com certeza será o grande desafio da próxima geração.

Abraços.

Rubens Rodrigues disse...

Excelente observação amigo!

El Misionero Matsuura Junichiro a.k.a. Marcos Freybert disse...

Pior que é verdade. As mídias sociais em geram exigem uma prudência extremada, que as crianças não têm. São coisas absurdas que encontramos lá.

El Misionero Matsuura Junichiro a.k.a. Marcos Freybert disse...

Pastor Renato, eu queria um esclarecimento, por favor. Sei que este não é o assunto deste post, mas preciso muito deste esclarecimento que lhe solicitarei agora. Eu sou músico, toco guitarra a pelo menos uns 23 anos. Atualmente sou diácono da Assembléia de Deus, e sou músico. Acontece que sou muito criticado por algumas peculiaridades referentes ao meu modo de tocar a guitarra. Meus dedos são muito finos, então, para conseguir tocar a guitarra direito, eu preciso descer a afinação, para que as cordas fiquem um pouco mais confortáveis. E pelo mesmo motivo, eu uso muitos acordes dissonantes. As pessoas insistem em não entender isso. Depois de vários anos, a verdade é que eu desenvolvi um estilo próprio do qual eu simplesmente não consigo abrir mão. Eu gostaria de saber se existe alguma passagem que PROÍBA que eu use o meu estilo próprio na adoração a Deus. E também se existe algo nesses termos no Código Penal. Até entando que ninguém é obrigado a me aceitar, ou aceitar o meu estilo. Mas, ultimamente, a não aceitação está passado dos limites. Ao ponto de confundir autoridade com desrespeito, e obediência com suicídio intelectual. O que devo fazer????

Renato Vargens disse...

Irmão,

Eu não músico, contudo não vejo nenhum problema em usar acordes dissonantes. Todavia, vou pedir a um dos meus pastores que saca de música para lhe dar um parecer técnico, Do ponto de vista teológico particularmente não vejo nenhum problema.

Abraços,

Pr. Renato Vargens

Renato Vargens

Márcio de Souza disse...

Pastor Renato pediu que eu desse um parecer aqui. Não há nada demais em ter seu estilo próprio. mas quanto a dissonância, se vc toca com um grupo não cabe divergir dos demais para impor seu estilo. Tem que agir de acordo com o que a música pede e que o ensaio comporta. Mas se não atrapalha a melodia, se é algo compatível e não incomoda os ouvidos, não vejo nenhum problema.

Nelson Broso disse...

Idade mínima para se ter conta no facebook são 13 anos.

favourite category

...
ministério pastoral

Whatsapp Button works on Mobile Device only