quinta-feira, maio 20, 2010

Socorro! Fui abusado pelo pastor.

Por Renato Vargens
 
"Rogo, pois, aos presbíteros que há entre vós, eu, presbítero como eles, e testemunha dos sofrimentos de Cristo, e ainda co-participante da glória que há de ser revelada: pastoreai o rebanho de Deus que há entre vós, não por constrangimento, mas espontaneamente, como Deus quer; nem por sórdida ganância, mas de boa vontade; nem como dominadores dos que vos foram confiados, antes, tornando-vos modelos do rebanho. Ora, logo que o Supremo Pastor se manifestar, recebereis a imarcescível coroa da glória" – 1 Pedro 5:1-4.

Lamentavelmente no meio neopentecostal uma das expressões mais pronunciadas pelos pastores é a palavra autoridade. Infelizmente existem inúmeros líderes que ao contrário da orientação bíblica, costumam agir como dominadores do rebanho impondo sobre o povo de Deus seus caprichos e vontades.

Um exemplo clássico disso é quando o pastor ultrapassa o limite do bom senso determinando com quem uma pessoa pode namorar e até casar. Se não bastasse essa sandice, esses "coronéis da fé" abusam da autoridade pastoral ameaçando com maldição todos àqueles que ousam desobedecer suas ordens.

Pois é, a quantidade de pessoas feridas e marcadas por esses ditadores é absurda. Volta e meia eu recebo em meu gabinete o pedido de ajuda de irmãos queridos que sofreram  "mandos e desmandos" desta corja religiosa.
 
Caro leitor, o pastor não possui autoridade para legislar naquilo que a Bíblia não legisla, além do mais, ninguém pode interferir na liberdade cristã. Ora, determinar que o crente está proibido de ouvir música não cristã, ou quem vai namorar, é arbitrário e extrapola os pressupostos de autoridade bíblica. Além disso, afirmar que o cristão que desobedecer as ordens pastorais é rebelde  é usar de subterfúgios escusos e anticristãos cuja configuração determina no mínimo abuso de poder.
 
Isto posto afirmo que os pastores devem ser guias do rebanho, não seus feitores; conselheiros do povo de Deus, não generais; construtores de pontes não de muros.

Pense nisso!

Renatoto Vargens
Anônimo disse...

Boa noite pastor,
de tudo isto que o senhor esta falando o pior é quando se é esposa de pastor, presbítero ou diácono, eles tem a coragem de dizer:- eu sou autoridade na igreja,vc nao pode usar isto, nao pode ouvir isto, nao pode ver isto, parecem fiscais dentro de casa, enquanto que ninguem melhor do que nós esposas pra sabermos como é a vida de um deles dentro de casa. Se tem alguem que conhece a vida de um pastor, presbítero ou diácono é a própria esposa, certo? E muitas vezes eles não correspondem o que são dentro da igreja.
Eu sinto muito dizer isso, mas coisas impostas não funcionam, eles deveriam orar e pedir ao Espírito Santo de Deus pra mudar a esposa e não ficarem ditando regras.
Eu sinceramente estou cansada.
Grande abraço.

Pr. Auriberto Feitosa disse...

Pr. Renato,

Tenho visto isso ao longo de minha vida. Há os que promovem curso de "autoridade espiritual" para passar aos membros e obreiros da igreja a posição do pastor, como se ele fosse um "semi-deus", pois tem que ser obedecido em tudo e honrado ao extremo, a pretexto de que se isso não acontecer os crentes estão fora da vontade de Deus e até mesmo pecando. Isso é um absurdo!
Fico pensando, esses colegas não lêem os evangelhos? Não vêem o exemplo de nosso Mestre, que veio para servir e não para ser servido? O Mestre que lavou o pés dos discípulos para nos deixar o exemplo de humildade e consideração uns pelos outros?
Acho que lêem, mas não entendem!

PAULO PIMENTEL disse...

Caro amigo Renato Vargens,
Suas crônicas têm sido uma grande fonte de incentivo cristão. Como fico feliz por você ter sido levantado por Deus para expor os abusos cometidos em tantas igrejas! Algumas das suas pérolas tenho publicado no jornal DESAFIO DAS SEITAS para que outros leitores (os sem computador) também se banqueteiem. Infelizmente, à frente do Centro de Pesquisas Religiosas desde 1994, quando o fundei, tenho percebido muitos ABUSOS PASTORAIS contra o rebanho de Deus. No início eu pensei que deveria apenas tratar das seitas fora da Igreja (test.jeová, mórmons, adventistas, etc.), mas a realidade foi cruel, pois as piores seitas estão dentro das igrejas. Atos 20.28-30 e Romanos 16.17-18 nos mostram isso. E se nossos irmãos continuarem a comer capim seco da boca desses falsos profetas, irão de mal a pior. O verdadeiro alimento está no Bendito Livro disponível a todos. Como disse alguém: "Ou este livro me afasta do pecado, ou o pedado me afastará desse livro". Com tristeza reconheço que o pecado da preguiça e do comodismo tem feito com que muitos não leiam e estudem a BÍBLIA diariamente como deveriam. Sendo assim, ficam à mercê dos ABUSOS PASTORAIS de toda sorte. Em 2005 dei o nome de CRISTÃOS LIVRES (com base em Gálatas 5.1) a um grupo de irmãos saídos de diversas igrejas onde sofreram vários abusos. Seus olhos brilharam quando perceberam que, sendo libertos por Jesus, poderiam viver sem os jugos e fardos impostos por essa corja. Muitos desses servos de Belial que se passam por pastores do rebanho de Cristo abusam de Hebreus 13.17 "Obedecei a vossos pastores e sujeitai-vos a eles" mas o povo deve antes considerar o que no verso 7 "atentando para a sua maneira de viver". A vida do homem deve falar mais alto que suas palavras! Além do mais, devemos assumir que somos apenas pastores auxiliares do verdadeiro Pastor (com P maiúsculo) que é o nosso Bendito e Amado SENHOR JESUS CRISTO! Ele disse a Pedro - apascenta as MINHAS ovelhas. Que possamos nos alegrar com o texto de HEBREUS 13.20 que nos revela o GRANDE PASTOR DAS OVELHAS - O SENHOR JESUS CRISTO! Continue na brecha a favor do povo de Deus. Um abraço, Paulo Cesar Pimentel, presidente do CENTRO DE PESQUISAS RELIGIOSAS. cpr94@terra.com.br

Cleonice Assunção disse...

Gostaria de dar meu depoimento onde demonstrará exatamente o tema acima
Meu nome é Cleonice Assunção, tenho 36 anos, sou casada, 2 filhos e congrego em uma igreja da Assembléia de Deus Min. Belém há 20 anos.
Sou funcionária da Prefeitura de Embu e trabalho no Centro de Referência da Mulher há três anos.
No dia 26/02/2010 cheguei para trabalhar ás 08:00 (Folha de freqüência assinada) e logo recebemos uma convocação do prefeito informando que deveríamos estar às 09:00 deste dia no Hotel Rancho Silvestre – aqui em Embu, pois haveria um evento denominado Movimento Pró Parque e Universidade Federal para apresentação do projeto de construção da universidade onde estaria autoridades federais, estaduais e municipais.
A minha coordenadora decidiu que eu deveria ir representando o Centro de Referência da Mulher. Às 09:00 me dirigi ao local e ao adentrar no recinto deparei-me com o Pastor de minha igreja que estava acompanhado de um presbítero e os cumprimentei. Neste momento senti que alguma coisa me aconteceria pois o pr. olhou direto para minhas pernas e eu estava de calças compridas.
No domingo 28/02 assim que cheguei na igreja o pastor desceu do púlpito e me chamou no corredor da igreja e me disse que a partir daquele dia eu não deveria mais participar do coral nem do grupo de senhoras porque ele havia me visto de calça no evento acima.
Imediatamente respondi que não aceitava o que ele estava dizendo porque eu não havia cometido nenhum pecado e estava trabalhando e ele havia dito que no trabalho poderia usar calça. Mesmo assim ele não aceitou meu argumento, mas naquela mesma noite continuei participando dos grupos normalmente. Porém, a partir deste dia vários fatos aconteceram de maneira que deixou a mim e a minha família bastante tristes.
Para minha surpresa, na quarta-feira 03/03 chegou no meu trabalho um pastor que trabalha como assessor do prefeito de Embu (para assuntos evangélicos) e pediu para falar comigo. Então disse que estava ali pois gostaria de falar com a minha chefe para que ela “liberasse ” eu usar saia. Neste momento fiquei bastante indignada porque eu nem conheço esse pastor, ele não é meu amigo nem sequer da minha igreja e estava ali para decidir como eu deveria me trajar!!!!!!!!!!!!!!!!!!..
No domingo 14/03 as regentes do grupo de senhores em reunião me disseram que o pastor havia me proibido de solar (cantar uma parte do hino sozinha)a partir daquele dia e na terça-feira 16/03 , houve uma reunião com as dirigentes do Circulo de Oração onde a líder geral pediu o apoio das mesmas para me tirar do grupo e me proibir de cantar porque o local que eu estava não era meu local de trabalho e eu havia mentido para o pastor.
Várias pessoas da igreja vieram falar comigo que ficaram sabendo e não foi por meu intermédio, então percebo o quanto estou exposta em uma situação que não foi criada por mim.
Talvez o melhor fosse mudar de igreja, mas essa é uma hipótese totalmente descartada porque eu moro do lado da igreja, meus filhos são adolescentes e amam o grupo da igreja.
Não sei até quando suportarei tudo isso porque outros fatos desagradáveis aconteceram e eu não sei quando isso vai terminar.

Cleonice Assunção

sergio disse...

Caro pr. Renato,
Sobre o texto proferido pels sua pessoa, vejo que muitos me mefalam que eu quero ser o "JUIZ e consequentemente JULGAR." Enaganan-se estes, pois, arbrit´rio como sabemos são estes que se auto denominan-se pastores (claro, toda regra tem suas exceções) cito como exemplo um jovem de uma denominação, este era da Igreja pra sua reidencia, contudo ele estava tentando reabilitar-se do vicio da droga e saindo-se muitissimo bem. Porém, certa vez o seu pastor viu o rapaz sem camisa e a noite no culto, massacrou o rapaz na frente de todos.........
resumindo, hoje ele voltou as drogas e a culpa de quem seria que ñ soube lidar ou orientar o rapaz?
Caro amigo, ganhar alma é bem dificil, mas perde-la é bem mais fácil.

abraços e parabéns pela postagem.

Anônimo disse...

O texto me emocionou a ponto de encaminhá-lo a muitos dos meus irmãos de congregação, eu e minha família perticularmente temos sofrido com um "tirano" desses, um militar na vida secular que tem feito da igreja um guartel. Estamos pedindo baixa sentindo imensa tristeza em deixar o que amamos por causa da arrogância do homem.PAz!!!!

Rosângela Sant'Anna disse...

Quero mandar um grande abraço fraterno para a irmã Cleonice Assunção, que narrou sua "triste" história acima.
Minha irmã, não se intimide! Muitas pessoas em sua igreja devem sofrer estas injustiças cometidoas pelo pastor, mas estão caladas porque ele se auto proclama o ungido do Senhor. Ninguém pode tocá-lo.
Estarei orando pela irmã para que Deus lhe dê sabedoria e espírito de coragem para, de acordo com a Sua vontade, a irmã possa ser usada para exortar e acabar com este "Império" pastoral e seu "imperador". Tudo para que o nome do Salvador seja glorificado e a Palavra seja o único guia de fé e prática em sua igreja.
Coragem e persevarança no Senhor, irmã.
Um abraço ao pastor Renato Vargens pelas maravilhosas mensagens edificantes.

Anônimo disse...

Cleunice, estou chocando com seu depoimento.
O que acontece nesses casos vergonhosos é que Pastores DESPREPARADOS, interpretam a bíblica " de cabeça pra baixo" longe da hermenêutica, em total arrepio à epistemologica, e até mesmo atentando contra a correta gramática. No seu caso e muitos outros, essas insanidades acontecem por conta de uma má interpretação de um texto biblico que assim diz: "Não haverá traje de homem na mulher, e nem vestirá o homem roupa de mulher; porque, qualquer que faz isto, abominação é ao SENHOR teu Deus - DT 22-5". Entretanto, qualquer exegeta razoável sabe que esse versículo é um texto ABERTO. Pois bem, o que isto implica? Implica, que a biblia definiu o princípio moral, mas NÃO DEFINIU O COMPORTAMENTO, OU SEJA, O QUE SERIA TRAJE MASCULINO OU FEMININO, porque o que vai dizer o gênero de cada roupa é a CULTURA E O COSTUME DE CADA POVO, segundo a sua época.
Por exemplo, na Escócia os homens usam SAIA, porque lá é UMA VESTIMENTA MASCULINA. Há muitos anos, a calça comprida deixou de ser traje masculino no mundo ocidental. Até o molde da calça feminina é completamente diferente da masculina.
Infelizmente, falta cultura em nosso corpo eclesiástico, prejudica o estudo, entendimento e a aplicação dos principios e conceitos biblicos.
Só te digo que se CRISTO te libertou do pecado, não deixe a igreja lhe escravizar com a mesma lei pela qual, segundo Paulo, fomos levados a conhecer o pecado.
Fique com Jesus, sempre! Amém.

Marcelo Ferreira disse...

Infelizmente não são apenas Pastores, mas muitos líderes se acham no mesmo direito de legislar e "ser Espírito Santo" na vida dos crentes! Se nós temos o Espírito Santo para nos guiar por toda verdade, porque esses "irmãozinhos tão santos" se acham no direito de dizer onde devemos ir, o que devemos ouvir, como nos vestir!
Na minha antiga igreja adolescente não podia usar boné e os jovens não podiam usar bermuda na igreja. Isso porque ia escandalizar os mais velhos! É mais fácil proibir do que ensinar a verdade!
Estou farto disso. Estou farto desse ambiente "eclesiástico" doentio que mata as pessoas e as empurram cada vez mais para longe de Deus!

sergio disse...

Concordo plenamente como Marcelo, Deus ñ faz acepcção por usarmos bonés ou bermudas. No meu entender oq vale é o coração e isso me basta.

sergio disse...

Caro pr. Renato,
Gostaria se possivel que o mesmo desse uma olhada no blog do GENIZAH, e gostaria que o senhor falasse algo sobre o tema.

abraços.

Walter Filho disse...

Temos visto muitos "edificadores de muralhas", que mais fazem o povo se distanciar de Deus, do que se aproximar.

Além dos muitos mandos e desmandos baseados em uma autoridade que não coadunam com Deus,percebemos uma pseudo-autoridade também em interpretar trechos bíblicos de maneira assombrosamente diferente do significado original, os manipulando a seu bel prazer. Questiona uma pregação (pregação?)dessas pra ver! Você poderá se rotulado de uma série de alcunhas como: "frio", "rebelde", "carnal", "morto espiritualmente".

Que os pastores se preocupem em apresentar, conforme o Senhor Jesus apresentou, suas credenciais de "manso e humilde de coração", como um requisito básico para se cuidar e ensinar o rebanho de Deus. (Mt 11.29)

Uma autoridade baseada na humildade, como Cristo, o Senhor!

Pastor Renato, te convido a visitar meu blog, e ler a postagem "O sonho de José", que fala um pouco sobre uma experiência pessoal a respeito disso:

blogdowaltim.blogspot.com

Terei grande satisfação pela sua visita e se possível um comentário.
Ah...tomei a liberdade de adicionar o link do seu blog em minha página.

Na Paz daquele que é de fato Santo: Jesus!
Walter Filho

Iara do Jaguarema disse...

Um amigo meu foi falar ao pastor sobre sua namorada. Ela de denominação diferente da dele. O pastor disse que ele deveria levá-la para sua denominação. Resultado: eles ficaram juntos menos de 2(dois) meses. Ela não aceitou a imposição!!! Só Jesus na causa!!! Não consigo conceber a ideia de ver o pastor escolhendo por mim... Eu sou livre em Jesus!!! Se alguém tem que mandar em mim, este é DEUS!!! Não é Ele o autor da minha vida??? Quanto mais!!!

Anônimo disse...

Pastor Renato, muitos pastores agem assim, por falta de sabedoria; Não os crucifiquem tanto! Muitos que agiam assim até o ano passado, não agem mais: Cresceram na graça e no conhecimento. Se fóssemos esperar tal crescimento, para consagrar novos pastores, onde estaríamos? Sejamos misericordiosos com os pastores também! Nós, que já chegamos ter em nosso coração esta palavra, VIVIFICADA, que os pastores não devem ser dominadores do rebanho, vamos ajudar os irmãoznhos que ainda não tiveram esse conhecimento VIVIFICADO em seus corações.

Acho que o irmão massacra demais os pastores; Acho que isso não é bom para o Reino. Não arranque o joio, porque pode danificar o trigo!

Pr. Valdir Cipriano.

APACONT www.apacont.org.br ou ligue para 021-3472-1785 disse...

O resumo da fé é o amor, amor a Deus acima de tudo, dogmas terrenos, pastores, missionários e etc, são homens como nós, imperfeitos, cheios de erro e de falsa moralidade, muitos pregam o que os outros devem praticar, mas esquecem que deveriam cumprir e praticar também.

Pr. Jules Rimet disse...

o texto é bastante sugestivo, infelizmente muitos extrapolam aquilo que foi determinado por Jesus, mas, é importante ressaltar que por não sofrerem mais a sã doutrina, alguns dão lugar a carne cometendo torpeza. oremos pelos nossos líderes para que o Espirito de Deus possa guiá-los, de sorte que as decisões tomadas por eles estejam dentro da vontade de Deus, mas não devemos dar lugar a liberdade demasiada para que o reino de deus não se transforme em lugar de libertinagem como temos visto em muitas igrejas que perderam a direção de deus e deixam os seus membros praticarem qualquer coisa sob o pretexto de não perder a alma deles quando o que realmente interessa para estes líderes cegos é o dízimo dos membros. Que o Senhor nos ajude, pois Jesus está voltando e a escritura precisa se cumprir.

favourite category

...
ministério pastoral

Whatsapp Button works on Mobile Device only